Google+ Badge

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Rock in Rio 1985 — Os inesquecíveis Anos 80


Por Davis Sena Filho — Blog Palavra Livre
 Mês de novembro de 1984. Estava em um dos pátios internos da Escola de Comunicação (ECO) da UFRJ, na Urca. Meus amigos e colegas, estudantes da ECO, estavam agitados e contentes, quase comovidos, pois as férias se aproximavam, bem como o verão, a estação do ano preferida dos cariocas, amantes do sol, do calor, da praia e dos barzinhos, onde ficam a beber chopp e a conversar sobre todo e qualquer assunto.
Contudo, havia um clima de expectativa e de imensa satisfação entre os alunos, que sabiam que o mês de janeiro de 1985, especificamente o dia 11, estava a se aproximar. É que pela primeira vez aquela geração de jovens teria a oportunidade de ver as estrelas e os astros do rock internacional, que, até então, nunca tinham se apresentado na América Latina, no Brasil e na cidade do Rio de Janeiro — a Cidade Maravilhosa.
Era um tempo em que não se falava em globalização e muito menos existia essa diversidade de mídias e tecnologias que propiciaram a interligação entre os diferentes povos e países e as pessoas. Era o tempo da explosão do rock nacional, que começou, no Rio de Janeiro, no Circo Voador, na Lapa, e se sedimentou na grande “boate” Noites Cariocas, espaço fantástico que fica em cima do Morro da Urca e que para chegar lá as pessoas tinham que pegar o bondinho do Pão de Açúcar.
Barão Vermelho, Kid Abelha e os Abóboras Selvagens; Blitz, Paralamas do Sucesso e o Ultraje a Rigor; Titãs, RPM, Gang 90 e as Absurdettes; Ritchie, Ira, Engenheiros do Hawaii e Nenhum de Nós; Legião Urbana, Capital Inicial e Plebe Rude, sem esquecer de citar o Lobão e seus Ronaldos, com a sua incrível “Rádio Blá”, além de outros grupos que deixei de citar.
O Brasil estava a fervilhar na política, porque em 1982 tivemos a primeira eleição para governadores depois de anos de ditadura militar, além do monumental evento cívico que foi as Diretas Já, em 1984. Essa geração de artistas era parte, intrínseca, da minha geração, o me leva a afirmar que nós falamos tudo o que tínhamos para dizer e para que as pessoas de todas as gerações ouvissem, no âmbito comportamental, cultural e artístico e também no campo político. Basta procurarmos ler as letras desses grupos fantásticos do rock brasileiro.
Somos a última geração que quando criança, adolescente e jovem não teve acesso às novas tecnologias de comunicação, trabalho e entretenimento. Somos de um tempo mais simples de quando as relações humanas eram feitas de forma direta e não virtual. Por isso, essa geração é lúdica e por ser assim realizou uma verdadeira revolução comportamental e de ordem política, o que, sobremaneira, ajudou o Brasil a sedimentar a sua democracia e a estabilizar os poderes constituídos, ao ponto de ter havido um impeachment de um presidente da República em 1992, que não causou dano à democracia brasileira. Pelo contrário, o impeachment a fortaleceu.
 E agora me lembro desse tempo com saudade e contentamento por ter vivenciado uma década tão revolucionária e por isso movimentada em todos os campos de atividade humana. Os anos 80 foram especiais. Considera essa década para o Brasil como foi a de 1960 para os EUA e Europa, porque enquanto eles estava em guerra e a questionar o establishment por meios dos estudantes e por parte da sociedade em geral, o Brasil amargou uma ditadura militar de 21 anos, com a reconhecimento e a ressalva de saber que a geração anterior à minha lutou contra o estado discricionário e pagou caro por isso.
O Rock in Rio de 2011 remontou ao primeiro Rock in Rio. É fantástico termos tido essa grandiosa festa na Cidade Maravilhosa, que recebe gente de todo o Brasil e do mundo. O Rock in Rio de 1985 quebrou tabus, elevou as expectativas do mundo musical dos nossos músicos, cantores e compositores e mostrou que o Brasil se tornaria parada obrigatória do show business internacional, sem dever a ninguém e com a mesma competência. O tempo comprovou.
 Artistas e bandas que participaram do Rock in Rio de 1985

 
11 de janeiro de 1985

Queen
Iron Maiden
Whitesnake
Baby Consuelo e Pepeu Gomes
Erasmo Carlos
Ney Matogrosso
 
12 de janeiro de 1985

George Benson
James Taylor
Al Jarreau
Gilberto Gil
Elba Ramalho
Ivan Lins

13 de janeiro de 1985

Rod Stewart
Go Go's
Nina Hagen
Blitz
Lulu Santos
Os Paralamas do Sucesso

14 de janeiro de 1985

James Taylor
George Benson
Alceu Valença
Moraes Moreira

15 de janeiro de 1985

AC/DC
Scorpions
Barão Vermelho
Eduardo Dusek
Kid Abelha & Os Abóboras Selvagens

16 de janeiro de 1985

Rod Stewart
Ozzy Osbourne
Rita Lee
Moraes Moreira
Os Paralamas do Sucesso

17 de janeiro de 1985

Yes
Al Jarreau
Elba Ramalho
Alceu Valença

18 de janeiro de 1985

Queen
Go Go's
The B-52's
Lulu Santos
Eduardo Dusek
Kid Abelha & Os Abóboras Selvagens

19 de janeiro de 1985

AC/DC
Scorpions
Ozzy Osbourne
Whitesnake
Baby Consuelo e Pepeu Gomes

20 de janeiro de 1985

Yes
The B-52's
Nina Hagen
Blitz
Gilberto Gil
Barão Vermelho
Erasmo Carl
Uô ô ô rô
Uô ô ô rô
Uô ô ô, rock in rio!

Uô ô ô rô
Uô ô ô rô
Uô ô ô, rock in rio!

Um comentário:

Anônimo disse...

Davis, eu também fui ao Rock in Rio. Foi demais!!! Realmente, os anos 80 foram quentes e agitados. Abração.
Chico Marcial