Google+ Badge

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Lembretes e realidades: o Brasil em busca de soluções para jamais esquecer o golpe dos canalhas

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre


"Que fique claro, o grupo Globo e seus congêneres midiáticos resolveram derrubar o usurpador, o golpista e o pigmeu moral e citadino, *mi-shell temer (PMDB), e rifar o senador golpista e corrupto, Aécio Neves (PSDB), porque os irmãos donos da JBS, Joesley e Wesley Batista e alguns de seus principais executivos resolveram abrir o bico sem a chancela e o controle da Lava Jato de Sérgio Moro e livre dos vazamentos seletivos e partidários repassados à imprensa de mercado, que, a seu bel-prazer, lincha e demole os políticos considerados seus inimigos, a exemplo de Lula, Dilma, José Dirceu, José Genoíno e muitos outros, inclusive políticos do passado".

"Que fique ainda mais claro, a Globo resolveu, juntamente com o PGR Rodrigo Janot, derrubar o governo de *mi-shell temer, até então seu aliado blindado, porque perdeu o controle dos vazamentos do processo investigatório e sofreu dura derrota política, bem como o juiz Sérgio Moro, os delegados Leandro Daiello, Marlon Cajado, Moscardi Grillo e cia., os procuradores Carlos Fernando e Deltan Dallagnol et caterva, do powerpoint leviano e mentiroso, terão de se virar nos trinta para não serem duramente questionados e investigados sobre possíveis prevaricações e proteções a políticos e partidos que não sejam os do Partido dos Trabalhadores".

"Agora o que resta aos golpistas é apostar nas eleições indiretas, de forma que 92% do povo brasileiro que rejeita o governo pária de ladrões e entreguistas fique à margem das decisões sobre seu próprio País". A Globo e suas iguais já começaram a campanha sórdida e infame que mantém o povo no cabresto, exilado e sem o direito de escolher o presidente por meio de eleições diretas. Como poderá um Congresso corrupto, comprado em sua maioria pelo gângster e presidiário, Eduardo Cunha, escolher o principal mandatário do Brasil através de eleições indiretas?"

"É algo que realmente merece mobilização popular e da sociedade civil organizada, porque se houver eleição indireta o País ficará, indubitavelmente, sob o jugo de uma ditadura jurídico-empresarial não assumida. Era só o que faltava ao Brasil: ser governado por um consórcio de empresários midiáticos de direita, a liderá-lo os irmãos Marinho e seus capatazes de redações, a concretizar-se o domínio do Big Brother, ou seja, as grandes corporações midiáticas privadas a determinar sobre as questões da vida brasileira, seja nos âmbitos públicos e privados".

"A resumir: a parafernália midiática, a ter como ponta de lança a imprensa de negócios privados, a mandar nos três poderes e a implementar os programas econômicos de sua agenda colonial e imperial. É simplesmente o fim da picada, pois a verdade é que essa gente golpista e usurpadora, que combate os interesses do Brasil e de seu povo há mais de um século, deveria estar presa e a responder por seus crimes de sedição, traição e lesa-pátria.

"A imprensa familiar e apátrida quer governar no lugar dos eleitos e interditar as urnas, a democracia e o Estado Democrático de Direito. Esta realidade terrífica imposta pelo golpe terceiro-mundista e cucaracha tem de ser duramente e severamente combatida pelas forças democráticas, nacionalistas e populares deste País, cujo povo após a redemocratização tem de lutar novamente por sua soberania, pois vilipendiada por golpistas e ladrões".    

"A Globo e seus parceiros de golpe, que formam o consórcio de direita (partidos, judiciário, empresariado e coxinhas de classe média) são completamente irresponsáveis, porque quebraram o Brasil apenas para ter o controle do poder central e impor a agenda ultraneoliberal, que transformou em curto espaço de tempo um País orgulhoso e poderoso em uma Nação derrotada e de joelhos, a ter no poder central um presidente fantoche, criminoso e pária. Trata-se, então, de escárnio e infâmia, do golpe dentro do golpe e da perversa molecagem em toda sua profusão e amplitude. Somente as eleições diretas pacificam o País e permitirão a retomada do crescimento econômico e social. O Brasil quer DIRETAS JÁ!" (DSF)

Passemos, agora, a alguns lembretes e realidades:       

Lembrete e realidade 1 — OAB não aprende com a história. Falta pedir desculpas de joelhos à Nação por ter apoiado o golpe de 2016 e também o de 1964. Advogados não podem errar de forma tão grave, leviana e até despolitizada;

Lembrete e realidade 2 — Henrique Meirelles era até o ano de 2016 o presidente da JBS, que empalou o governo minúsculo e corrupto de *mi-shell temer. A repercussão de que o Lulinha era sócio da Friboi foi uma covardia inominável e serviu à direita golpista como arma para tentar desmoralizar o Lula e desconstruir sua imagem. Meirelles é golpista e está no poder ilegitimamente para desmontar o Estado nacional e atender os interesses dos banqueiros internacionais e nacionais;

Lembrete e realidade 3 — É bom deixar claro que a Rede Globo, base de sustentação do golpe de 2016 e de 1964, reconheceu no Jornal Nacional, por intermédio do jornalista de direita, William Waack, um dos porta-vozes dos irmãos Marinho, que Lula e Dilma não possuem contas no exterior;

Lembrete e realidade 4 — Anteriormente, o Jornal Nacional e os outros jornais da Globo afirmaram, sistematicamente, que os dois ex-presidentes tinham recebido US$ 150 milhões, sendo que um dos donos da JBS, Joesley Batista, criminoso de alta periculosidade, que está a deitar e rolar ao morar em Nova York, afirmou, de forma patética, mentirosa e leviana, que o dinheiro destinado a Lula e Dilma está em sua conta bancária e, pelo que se observa, nunca saiu, porque Lula e Dilma não possuem contas no exterior. Ué, se o dinheiro está na conta bancária do delinquente Joesley, então o dinheiro não pertence aos dois ex-mandatários;

Lembrete e realidade 5 — I-na-cre-di-tá-vel! Surreal! Depois de mentir e manipular por horas a fio, a Globo se corrige quanto a Lula e Dilma por apenas alguns segundos. E ninguém da empresa golpista vai para a cadeia ou pelo menos é processado. É como se os magnatas bilionários de imprensa e seus empregados de confiança vivessem sob uma constituição própria em um mundo paralelo livre de punições, onde efetivar golpes de estado e cometer arbitrariedades como a calúnia, a injúria e a difamação fossem permitidas, mas apenas aos proprietários golpistas de todas as mídias cruzadas e monopolizadas;  

Lembrete e realidade 6 —  Em editorial de O Globo, a famiglia Marinho asseverou em editorial de conotação mequetrefe e mais cínico e hipócrita do que os parlamentares que pronunciaram seus votos em público para derrubar a presidente Dilma Rousseff, que "descobriu" que o pigmeu moral *mi-shell temer é corrupto e, com efeito, manda renunciar o usurpador que rouba o Brasil há décadas e que tomou de assalto a Presidência da República, como fazem os bandidos nas ruas, nos comércios e nas residências. Trata de escárnio, deboche e falta de respeito total aos leitores de O Globo, ao País e à inteligência alheia. O editorial da famiglia Marinho não serve nem como papel higiênico. Ponto;

Lembrete e realidade 7 — A que ponto a Lava Jato prevaricou, blindou ou protegeu os políticos do PSDB, do DEM e do PMDB, que foram gravados, filmados, foram recolhidos documentos de que participaram de corrupção ativa e passiva, bem como foram comprovadas que os tucanos e seus aliados possuem contas clandestinas no exterior, além de estarem envolvidos em inúmeros escândalos, que de tantos se pode elencar uma lista de crimes cometidos pelos golpistas que ora estão a desmontar e a humilhar o Brasil, porque tratado como uma republiqueta bananeira após o golpe de 2016, com a deposição de uma presidente que não cometeu crimes comuns e de responsabilidade;

Lembrete e realidade 8 —  O juiz Sérgio Moro não sabia o que estava acontecer debaixo de seu nariz? Ele é o principal agente da Lava Jato, cujos inúmeros delatores, todos até então importantes na vida política e econômica do País, passaram-lhe informações, muitas delas mentirosas, pois a intenção é sair da cadeia, mas também muitas delas pertinente e verdadeiras, a exemplo das perguntas do ex-deputado Eduardo Cunha, sócio de *temer e de muitos outros em receber propinas, que fez cerca de 40 perguntas ao seu ex-companheiro de crimes, sendo que, para a surpresa da sociedade, o juiz Moro censurou a metade das perguntas, que, evidentemente, deixariam e como deixaram agora o quadrilheiro *temer em uma sinuca de bico;

Lembrete e realidade 9 — Até aonde vai toda a patifaria ou cafajestada parcial e seletiva propiciada pela imprensa empresarial e por agentes do Estado operadores do Direito e do Judiciário? Afinal, o juiz Moro sabia ou não dos crimes de Aécio e de sua irmã Andrea Neves? Ele sabia de toda a corrupção e bandalheira de *mi-shell temer? Como o juiz Sérgio Não Vem Ao Caso Moro, os procuradores do powerpoint leviano, mentiroso e obsessivos pelo Lula e os delegados aecistas não sabiam que o Cunha continuou a receber propinas mesmo preso?;

Lembrete e realidade 10 — A verdade, pois foi o que aconteceu, é que o Moro não permitiu que a polícia investigasse , a proteger os criminosos e a obstruir a Justiça. Moro obstruiu a Justiça. Esta ação daninha à Nação não é a primeira, porque o juiz de direita e de primeira instância se mostrou, ipsis litteris, seletivo, parcial, partidário e injusto, porque ele não é juiz, mas, sim, um político que tem alma midiática e a vaidade inerente às celebridades. Ele e um monte de juízes de primeira instância, que perseguem o Lula ciclicamente, principalmente quando o ex-presidente vai ser interpelado pela Justiça ou pelo MPF;

Lembrete e realidade 11 — Enquanto o Aécio Neves, senador tucano afastado do mandato pelo relator da Lava Jato no STF, Edson Fachin, e o Amigo da Onça, vulgo *mi-shell temer, roubavam milhões e milhões, além de terem dado um golpe de estado digno de canalhas, o juiz Moro e seus colegas "intocáveis" da Lava Jato se preocupavam em acusar levianamente o ex-presidente Lula de ser o dono de um triplex e de um sítio que não são e nunca foram seus, bem como implicaram com o Instituto Lula, que há décadas exerce suas atividades no mesmo lugar, assim como questionaram estupidamente, porque autoridades de índoles persecutórias, o armazenamento do acervo do ex-presidente, mas jamais os meganhas se conduziram assim com outros ex-presidentes;

Lembrete e realidade 12  Não satisfeitos, ainda consideraram, a seus bel-prazeres e arbitrariedades, que o apartamento alugado por Lula em seu prédio era de fundo criminoso. Um absurdo. Palestras, que todo ex-presidente faz, foram consideradas ilegais, bem como os pedalinhos e o barquinho comprados por dona Marisa para divertir seus netos. Invadiram a casa de Lula, entraram em seu quarto, aproximaram-se de sua cama como se ele fosse um ladrão e tivesse dinheiro roubado debaixo do colchão;

Lembrete e realidade 13  Hedionda a conduta malévola e covarde de togados e meganhas inconsequentes e partidarizados do campo da direita, cujas ações são dignas de patifes de classe média concursados que sonham, inutilmente, em chegar ao "paraíso" das classes sociais abastadas e donas dos meios de produção, sendo que muitos deles, inclusive juízes, tornaram-se militantes coxinhas que usaram camisas da CBF, foram às micaretas do MBL, Vem Pra Rua e Revoltados Online, além de baterem em panelas com suas barrigas cheias de comida, ignorância política, desconhecimento de história e muita perversidade e preconceito em seus espíritos e corações. E deu no que deu: a demolição vergonhosa e humilhante do Brasil. Gol-pis-tas!  Criminosos!;

Lembrete e realidade 14 — Enquanto o PMDB/PSDB roubam e dão golpe sem serem devidamente investigados até agora, pois parece que a juripoca até que enfim vai piar para a direita brasileira, o corrupto e golpista *mi-shell temer continua a aumentar a crise brasileira e a recrudescer o ódio que dividiu a sociedade. Os coxinhas maledicentes e levianos se calaram e se recolheram às suas ignorâncias políticas e aos seus preconceitos dignos de escravocratas do século XIX, mas é certo que um dia os "intocáveis" da Lava Jato terão de ser investigados;

Lembrete e realidade 15 — O crime do Moro, dentre outros crimes cometidos por ele, no que concerne ao vazamento do áudio onde constavam os diálogos entre o Lula e a Dilma ainda presidente é um dos crimes que um dia este juiz vai ter de responder, porque se fosse em um País sério, com instituições sólidas e imparciais, bem como com tradição democrática, Sérgio Moro já estaria demitido do Poder Judiciário, assim como sua pessoa estaria presa em algum presídio. Ponto;

Lembrete e realidade 16 — Ainda falta o latifúndio de ilegalidades que cabe ao juiz Gilmar Mendes do STF. Gilmar Mendes, do PSDB do Mato Grosso, é outro político tal qual ao Moro, do PSDB do Paraná. Há muitos anos, há décadas, tal juiz interfere no processo político brasileiro e visivelmente tem lado, além de ser até agora o magistrado mais poderoso que o Supremo já teve;

Lembrete e realidade 17 — De direita e com influência junto a muitos de seus colegas, Gilmar Mendes é um tucano ativo e articulado que age nos bastidores da política no âmbito do Judiciário, bem como é porta-voz da direita junto à imprensa de mercado dos magnatas bilionários. É pela imprensa burguesa que Gilmar Mendes repercute os recados do grupo político ao qual ele pertence, além de ameaçar a oposição de esquerda, que teve a presidente eleita deposta por um golpe, que contou com a participação importante do juiz Gilmar, no que diz respeito a garantir o andamento do processo contra Dilma e bloquear as tentativas do PT e seus aliados de impedir o golpe de estado travestido de legal e legítimo no âmbito do STF e do TSE;

Lembrete e realidade 18  — Gilmar Mendes, sem sombra de dúvida, ficará na história como um dos principais e mais influentes articuladores do golpe de estado de direita, mas bananeiro acontecido no Brasil em 2016. Este País para os golpistas não passa de uma Banânia, ou seja, jamais uma Nação, mas apenas um lugar geográfico de grande proporções, com uma enorme população, que propiciam à casa grande de terceiro mundo ganhar muito dinheiro, roubado ou não. Gilmar há muito tempo deveria sofrer um impeachment;

Lembrete e realidade 19 — Quando o condestável juiz se pronuncia o STF fica cada vez menor. Não sei se algum dia Gilmar irá responder por seus crimes de carácteres institucionais e constitucionais, porque tal juiz é useiro e vezeiro em atropelar a Constituição e criar instabilidade entre as instituições e os poderes constituídos. Disso todo mundo sabe, porque todo mundo viu.

Lembrete e realidade 20  Por sua vez, há uma questão muito importante e que chamou a atenção das pessoas que não coadunam e não apoiam as ações persecutórias da Lava Jato. As persecutórias, que fique claro e aqui posto, pois considero que a Lava Jato tem virtudes, muito mais pelo processo que se tornou maior e por isto não totalmente controlado pelos seus operadores do que por suas pretensas virtudes, a exemplo das delações dos irmãos Batista, donos da JBS, que ao acusarem o *temer e o Aécio explodiram com o monopólio das delações seletivas e parciais dos operadores da Lava Jato junto à imprensa alienígena.

Lembrete e realidade 21 — Principalmente a Globo, que por enquanto não poderá se valer das delações subterrâneas e de porões para fustigar seus inimigos econômicos, ideológicos e políticos, a exemplo de Lula e Dilma. Agora é apostar em eleições indiretas, mesmo a  saber que a maioria do Congresso é corrupta, pois comprada por Eduardo Cunha com a participação de *mi-shell temer, além de saber também que quase 100% do povo brasileiro deseja eleições diretas. Mas, a Globo é a Globo, como os escorpiões são escorpiões. A Globo é e sempre foi contra o Brasil. É de sua natureza...

Lembrete e realidade 22 — Entretanto, e para finalizar, não se pode e não se deve esquecer da frase emblemática, que define e diz muito sobre o procedimento injusto, parcial e seletivo da Lava Jato, na voz do procurador Deltan Dallagnol, o homem do powerpoint leviano e mentiroso contra o Lula, porque desprovido de quaisquer provas que pudessem incriminá-lo: “O PSDB não fazia parte da base aliada do governo do PT. Como o PSDB não fazia parte dessa base aliada, não foram indicadas pessoas do PSDB [para cargos], por exemplo, como diretores da Petrobras. Não tem como achar na Petrobras corrupção de um diretor ou presidente até porque não existia diretores do PSDB”;

Lembrete e realidade 23 — Então tá, cara pálida. Todo mundo é idiota ou burro. Para o procurador Deltan Dallagnol, se bobear, a Petrobras foi criada em 2003 quando o Lula assumiu o poder. O ex-senador Delcídio do Amaral do PT, por exemplo, era um dos homens fortes do PSDB na Petrobras durante o Governo de FHC. Para quem não sabe, Delcídio era tucano e um dos fundadores do PSDB no Mato Grosso do Sul. É incrível e ao tempo que inaceitável o despropósito e a desfaçatez do procurador Dallagnol. Só que agora ele está a ver que a batata é quente, bem como com quantos paus se faz uma canoa; e  


Lembrete e realidade 24 — Não dá mais para a Operação Lava Jato olhar somente com um olho quando se tem de olhar com os dois olhos para ver todos os lados. O juiz Sérgio Moro também agiu dessa forma realmente nada republicana e inacreditavelmente parcial e politizada, quando respondia que "não vem ao caso" os políticos do PSDB não serem investigados e punidos. O Brasil está em busca de soluções para jamais esquecer o golpe dos canalhas. Se as forças democráticas e populares conseguirem reverter o golpe, as eleições serão diretas. Do contrário, o Brasil terá o golpe dentro do golpe, que se traduz nas eleições indiretas. Diretas Já!  É isso aí.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Ives Gandra é exemplo pronto a acabado de como pensa (mal) a casa grande escravocrata da Banânia

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre

TRATA-SE DA CORDA E DA CAÇAMBA DE UM GOVERNO GOLPISTA NO QUE CONCERNE PREJUDICAR OS TRABALHADORES.

“Se você começa a admitir indenizações muito elevadas, o trabalhador pode acabar provocando um acidente ou deixando que aconteça porque para ele vai ser melhor”. (Ives Gandra Filho, presidente do TST, em momento irresistível de pensamento escravocrata e de desprezo incomensurável aos trabalhadores)

Trata-se da luta de classes. Ponto.

Agora, vamos ao ditado popular: "Quem sai aos seus não degenera". E é verdade, mas para o bem e para o mal, Ives Gandra Martins Filho, presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), não degenerou e, com efeito, mantém o mesmo pensamento tosco, sectário e elitista das oligarquias escravagistas brasileiras. Gandra não apenas seguiu somente os preceitos burgueses de seus antepassados, mas, sobretudo, dos ancestrais das classes dominantes e hegemônicas, que há séculos formam advogados, juristas e homens e mulheres que ocuparam e ocupam cargos de poder e mando no âmbito da Justiça e do Judiciário, assim como mais recentemente no MPF.

Disse Gandra quando assumiu a presidência do TST, em fevereiro de 2016, em plena crise política e institucional, que acarretou a deposição da presidente legítima e constitucional, Dilma Rousseff: "O excesso de intervencionismo estatal, quer legiferante, quer judicante, pode desorganizar a economia mais do que proteger o trabalhador e promover o desenvolvimento produtivo" — afirmou o jurista da alta burguesia, a assinalar ao patronato que ele se empenhará para que os conflitos do trabalho, ou seja, entre as classes sociais pendam sempre para o lado mais forte, o lado dos patrões, dos grandes capitalistas para quem o sistema judiciário e judicial brasileiro trabalha, pois sempre defendeu os interesses patronais, principalmente os econômicos e financeiros.

Ives Gandra é um dos filhos da casa grande como o foi seu pai e muitos de seus parentes. O jurista e presidente do TST sabe que sua nomeação não foi à toa e muito menos em vão. Seu papel na área em que atua, como fazem outras autoridades nos diversos segmentos de atividade humana onde também atuam, é o de estabelecer e confirmar a primazia e a hegemonia do empresariado e dos banqueiros sobre a grande maioria do povo brasileiro, que é composta por trabalhadores, estudantes, donas de casa, profissionais liberais, servidores públicos de baixos salários, aposentados e pensionistas.

Gandra tem esta total compreensão, bem como os golpistas e os usurpadores que tomaram de assalto o Palácio do Planalto, os ministérios e as estatais como os bandidos dominam e assaltam as ruas, os comércios e as residências em todo o território nacional. O jurista sabe o que está a acontecer neste País tão atrasado quanto à sua burguesia colonizada e subalterna, que, por intermédio de um golpe terceiro-mundista, bananeiro e cucaracha está a transferir com incrível rapidez os patrimônios e os dinheiros públicos para a iniciativa privada brasileira e estrangeira, assim como expulsar do Orçamento da União, que não pertence aos empresários e nem ao presidente (golpista) de plantão, o povo constituído por trabalhadores.

E como se sabe que o aristocrático de província, Ives Gandra Filho, observa e possui a compreensão sobre essas terríveis questões? Fácil de responder, afinal o magistrado Gandra é golpista de primeira hora, além de pertencer desde sempre a uma classe social que nega a ideologia, mas é profundamente ideológica, nega a política, mas é partidária e nega o Estado, mas luta para dominá-lo e transformá-lo em patrimonialista, porque o propósito é diminuí-lo para não ter condições de atender a população brasileira de 210 milhões de habitantes, mas, em contrapartida, grande o suficiente para servir a 30% da sociedade, sendo que apenas 5% composta pelos ricos e muito ricos.

Os golpistas endinheirados que passaram novamente a ter escancaradas as portas dos bancos públicos (BNDES, BB, CEF e BNB) e a ter influência e prestígio no Ministério da Fazenda, no Banco Central, no TCU, na Receita Federal, de forma que suas sonegações (crimes), dívidas e empréstimos, conforme o caso, sejam resolvidos sem, no entanto, desembolsar muito dinheiro ou até mesmo terem suas dívidas perdoadas, o que é um crime de lesa-pátria dos muitos que o governo golpista já cometeu. Leniência... e permissividade à vontade, pois o governo pertence às oligarquias e associado aos grandes capitalistas.

É isto que a burguesia quer; e para ter — vide o exemplo da imprensa de mercado, das mídias pertencentes aos magnatas bilionários de imprensa, que após o golpe voltaram a encher as burras de dinheiro, como jamais aconteceu nos governos petistas — é necessário controlar o Governo Federal, mesmo que seja por meio de um golpe criminoso travestido de legal e legítimo, com a chancela de um Congresso corrupto e de um Judiciário diretamente e vergonhosamente implicado em um golpismo que o jogará na lixeira da história.

A imprensa empresarial e alienígena gosta de afirmar que somente a iniciativa privada "salva", mas alguém tem de avisar aos magnatas bilionários e donos de oligopólios que para eles manterem este discurso mentiroso, cínico e hipócrita é necessário pelo menos desestatizar suas empresas "privadas", pois, indubitavelmente, sempre viveram do dinheiro público em forma de empréstimos com os juros abaixo do praticado no mercado e do dinheiro da publicidade e propaganda dos governos federal, estaduais e municipais. Esta é a verdade. Ponto.   

Todavia, o assunto é o doutor Ives Gandra Filho, que recentemente chamou muito a atenção por causa destas palavras por ele proferidas: “Se você começa a admitir indenizações muito elevadas, o trabalhador pode acabar provocando um acidente ou deixando que aconteça porque para ele vai ser melhor”. Não é incrível ou inacreditável que um homem que estudou nas melhores escolas e se tornou um jurista respeitável pelo sistema hegemônico que ele defende, a ser um de seus porta-vozes, tenha a desfaçatez de falar a respeito dos trabalhadores com tanto desprezo e preconceito de classe? Ives Gandra Filho é um celerado ou apenas um insensato por conveniência já que defende os interesses da plutocracia nacional e internacional?

Respondo: Ives Gandra Filho zela para atender todos os interesses do governo usurpador do golpista *mi-shell temer. Todos os setores do governo ilegítimo estão ocupados por pessoas que trabalham a favor do desmonte do Estado de bem-estar social, a começar pela venda de seus patrimônio, pelo fim dos programas de inclusão social, pela destruição da diplomacia altiva, soberana e independente que o Brasil explicitou e efetivou nos últimos 13 anos e pela desconstrução dos direitos e conquistas dos trabalhadores da ativa e dos que estão aposentados.

Gandra é apenas uma peça do desmonte do Brasil propiciado pelo governo mais antinacional, antidemocrático e antipopular de todos os tempos na história da República. O presidente do TST sabe o que está a dizer, mas peca pela perversidade e a ausência de limites no que tange à humanidade e ao respeito à pessoa humana. Sempre acontece, em qualquer país que se depara com um golpe de estado, que vilipendia a democracia, porque os golpistas, que geralmente se calam e são discretos com suas perversidades, percebem rápido quando o ambiente político e institucional está instável e propício para que oportunistas e gângsters se reúnam em uma malta para dar golpe de estado.

Tais aventureiros de carácteres reacionários e intolerantes se sentem à vontade e saem em turbilhões de suas colônias, como ocorreu em 2013 quando os coxinhas de classe média aproveitaram para sair às ruas quando o Movimento Passe Livre (MPL), de esquerda inconsequente, protestou conta o aumento de R$ 0,20 nas passagens de ônibus, que serviu como rastilho de pólvora para a direita ir às ruas e fazer campanhas violentas e sistemáticas contra uma presidente da República, que foi reeleita legalmente e legitimamente, bem como não cometeu qualquer crime de responsabilidade.

A direita burguesa promotora de conflitos e violências se sente, na verdade, à vontade não somente para falar ao público de suas aleivosias e arbitrariedades, mas, sobretudo, perdeu a falsa modéstia e a vergonha que nunca teve, pois, se preciso for, parte em direção ao casuísmo e a tudo o que possa beneficiar seus interesses políticos, partidários e, principalmente, econômicos e financeiros. A sordidez e a covardia dignas dos sorrateiros por conveniência é a bíblia dos que lutam por primazias, privilégios e benefícios.

No poder, os golpistas perdem, definitivamente, a compostura e tranquilamente se autogratificam e privilegiam seus grupos que negociam, à revelia do povo e dos votos que eles não possuem, pois agora controlam o poder e inauguram um novo regime de exceção no Brasil, porque sabedores que podem tudo, pois não devem explicações à sociedade, que não elegeu o fantoche de plantão, que se mostra mais perverso que o pica-pau do desenho animado e mais traiçoeiro do que o Amigo da Onça, que atende pela alcunha de *mi-shell temer, o mais perverso e antipopular dirigente que este País já produziu na história da República e à sombra da Constituição Cidadã de 1988.

Ives Gandra Filho e os golpistas que se aboletaram ilegitimamente no Governo, como os lobos e os chacais se concentram em seus covis, sentem-se à vontade e dispostos a esculachar os trabalhadores. É por tudo isto que ele pronuncia frases draconianas, como dizer que o trabalhador mutila e amputa seu próprio corpo para se beneficiar e ter dinheiro, que, evidentemente, é pouco. Gandra, completamente irresponsável, pois cometeu leviandade atroz, esquece-se, sempre por conveniência e cinismo, que quem rouba para valer são os grandes empresários e os políticos e servidores públicos de altos cargos, que são mancomunados com a corrupção das altas esferas. Ou o Gandra não sabe disso? Olhe aí a Lava Jato, a despeito de seus crimes, de seu partidarismo e de sua seletividade.

A verdade é uma só: o presidente do TST perdeu a vergonha e sua mediocridade de pensamento subiu ao pedestal sem a autorização da sabedoria, da ponderação e do discernimento. É como eu disse antes: os golpistas de direita no poder se sentem realmente à vontade e livres para fazer e dizer as maiores sandices e perversidades repletas de preconceitos e covardias. É a luta de classe, cara pálida! Ainda não entendeu? Trata-se, ipsis litteris, da direita no poder.


É assim que a direita atua e age, bem como as pessoas que têm até 35 anos de idade não a conheciam, sendo que muitas foram às ruas para apoiar golpes criminosos contra a democracia e o Estado de Direito. A direita no poder significa privilégios aos ricos e exclusão e sofrimento aos pobres e remediados — os de classe média. Ives Gandra Filho é o exemplo pronto e acabado de como pensa (mal) e age a casa grande escravocrata da Banânia. É isso aí.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Merval é o que ele é: o pseudo juiz, o escriba desmilinguido e a triste figura — Lula

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre

MERVAL QUER O LULA E A DILMA PRESOS, MESMO SEM PROVAS. ALÉM DE GOLPISTA, MERVAL NÃO QUER FICAR NOVAMENTE DECEPCIONADO, COMO DEMONSTRA A FOTO APÓS SABER DA VITÓRIA DE DILMA E DA DERROTA DE AÉCIO, O CANDIDATO DA CASA GRANDE A QUEM O MERVAL SERVE.

Uma mulher inteligente diria: o Merval Pereira cansa a minha experiência, a minha paciência e o meu discernimento objetivo e pontual sobre os fatos, a realidade e a verdade. Sua mediocridade é medonha.

Um homem inteligente diria: o Merval Pereira é tudo o que um homem sensato, justo e ponderado não queria ser, além de me provocar desprezo e repulsa por sua indigência intelectual e sua sordidez sobre as realidades.

As duas definições sobre o menino mimado da famiglia Marinho poderiam ser invertidas, pois a ordem dos fatores não altera o produto, bem como o produto (jornalismo) que o Merval vende é, inquestionavelmente, de má qualidade.

Ninguém merece o que o Merval e seus patrões vendem, mas os acontecimentos vividos nos últimos anos no Brasil vão se encarregar de colocar as Organizações(?) Globo na lixeira da história, porque lugar de lixo é na lixeira, de onde tal  oligopólio nefasto e prejudicial à saúde e à qualidade de vida dos brasileiros nunca conseguiu sair, desde os tempos de Getúlio Vargas, de João Goulart, da ditadura civil-militar, de Lula e, por fim, de Dilma Rousseff.

Merval sabe disso, mas o que eu quero realmente é alertar que tal escriba de direita e que jamais vai passar de um medíocre jornalista está a criar novos powerpoints mentirosos e levianos à moda Lava Jato/Deltan Dallagnol, porque verdadeiros penduricalhos chicaneiros no que diz respeito ao Direito e à Justiça.

Merval não passa de um fomentador de mentiras e distorções descabidas e de realidades tão irreais e irracionais quanto às visões delirantes de Dom Quixote de La Mancha, que pelo menos e ao contrário de Merval Pereira se expunha e pagava pela sua exposição em seu cavalgar incompreendido e repleto de equívocos e tristezas.

O porta-voz dos Marinho, não. Ele tem a proteção da tribuna cedida pelos seus patrões, golpistas de direita históricos e sempre de primeira hora, que lutam, sistematicamente, contra o desenvolvimento econômico do Brasil e a emancipação definitiva do povo brasileiro. Os Marinho são tão colonialistas e imperialistas quanto os plutocratas dos países hegemônicos.

Merval está protegido pela redoma de cristal concedida a ele, a fim de que tal sujeito possa fazer o trabalho sujo e pesado contra a democracia, o Estado de Direito e a favor de golpistas e usurpadores que destruíram a economia do Brasil, empobreceram ainda mais o povo brasileiro e mandaram às favas o Estado Democrático de Direito.

O escriba de talento mediano de O Globo e que vez ou outra aparece na Globo News e na CBN para dar pitacos insensatos e desprovidos de conteúdo real, agora desta vez se superou, pois a fazer o papel de togado ou meganha do Judiciário, quando asseverou do alto de sua arrogância de capataz da casa grande: "Há indícios para abrir um processo contra Lula por obstrução de Justiça. É natural e precisa ser investigado. Renato Duque e Leo Pinheiro contaram à Justiça que Lula mandou-os acabar com contas no exterior e apagar anotações que mostrassem a propina da Petrobras (...)"

É simplesmente delirante o Dom Quixote do Globo, que não possui a graça e o carisma do personagem de grandeza mundial e muito menos o talento do grande escritor espanhol, Miguel de Cervantes. A única coisa que este tolo mas maldoso, porque sempre à vontade para repercutir maledicências de ordem golpistas, tem parecido com o Dom Quixote é sua alcunha ou apelido de "Cavaleiro da Triste Figura".

É isto mesmo. Merval é um indivíduo de triste figura, que faz um papel subalterno e subserviente, que tem a finalidade de cooperar com os interesses da alta burguesia, das oligarquias e da plutocracia. Merval é um dos ferreiros da democracia, um dos chicoteadores do Estado de Direito e um dos carcereiros da Constituição.

Triste figura de má-fé intelectual, porque ele, seus patrões, os Marinho, e todos os golpistas que compuseram o consórcio de direita sabem que cometeram crimes de lesa-pátria e depuseram a presidente constitucional e legítima, que obteve 54,5 milhões de votos, que foram miseravelmente rasgados por uma súcia de ladrões, que tomaram o poder de assalto, como fazem os bandidos nas ruas, nos comércios e nas residências de todo o Brasil.

Merval Pereira deveria parar com seu maniqueísmo e macartismo anacrônicos e pensar seriamente em suas maledicências e contradições, se algum dia este senhor pensou, porque até seus livros que supostamente o levaram à ABL são simples compilações e, para variar, sobre o Lula. Merval é o que ele é: o pseudo juiz, o escriba desmilinguido e a triste figura.


Merval não viveria sem o Lula, pois age e se comporta como parasita de sua fama internacional e de sua grandeza política, que acabou de nocautear e deixar tontos meganhas com ares de juiz como o Moro e os procuradores obsessivos do powerpoint digno das maiores covardias morais e indigências jurídicas.

A obsessão pelo maior político da história do País é tanta que o Merval vai acabar "louco" como o Dom Quixote, mas sem ter a lucidez poética de tão doce, simbólico e emblemático protagonista da literatura mundial.


Merval é medíocre, e não convence qualquer pessoa que tenha o mínimo de sinceridade, ponderação e lucidez. Merval, respeite o Estado de Direito e o processo legal, já que os que acreditam em suas elucubrações não respeitam a si próprios. Triste figura é o Merval. É isso aí.  

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Marisa Letícia — Veja, a última flor do fáscio, é o verdadeiro, o genuíno e o autêntico jornalismo de esgoto

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre


A revista Veja, da editora Abril, que pertence à famiglia Civita, que foi expulsa da Itália, dos Estados Unidos e da Argentina, para a alegria, o júbilo e o bem maior daquelas respectivas sociedades e nações, até chegar em São Paulo e, por sua vez, aproveitar-se do terreno fértil para se estalar e, com efeito, vicejar suas cafajestadas e infâmias de carácteres criminosos, pois organização que opera suas atividades  de forma francamente fascista e dedicada a moer as reputações daqueles que são considerados pelos donos da Abril e por seus capatazes de confiança como os inimigos a serem destruídos, porque não dançam conforme sua música e não leem de acordo com sua pauta.

E não é que a Última Flor do Fáscio sempre consegue se emporcalhar cada vez mais no lodo imundo das acusações pervertidas, a ter a sordidez e a infâmia como regra de seu jornalismo opressivo e de guerra? Pois é... A Veja sempre consegue se superar quando se trata de jornalismo gangsteriano, que visa, sobretudo, moer reputações, causar danos morais à pessoa atingida pela sua ferocidade desumana, além da ausência total de ética. A Revista Porcaria é pródiga em superar a sua já conhecida vocação para a tirania e a criminalidade que vicejam em suas pautas e em sua páginas.

Sempre a fim de realizar o jogo político sujo e mal cheiroso somente cabível na imprensa marrom, Veja se apresenta às bancas, à internet e aos seus assinantes de perfis e índoles "bolsonaristas" com a capa de sua última edição a chicotear a verdade, os fatos, a realidade e a ética. Mentirosa e incontrolavelmente agressiva, esta porcaria que se autodenomina como a principal revista do País, acusa Lula de ter responsabilizado sua esposa, dona Marisa Letícia, sobre as questões de triplex do Guarujá, que nunca pertenceu à família do ex-presidente. A verdade é que o Lula é acusado de ter o que nunca teve. É surreal, mas no Brasil dos últimos anos os processos de exceção são a tônica, porque os golpistas para garantir o poder precisam dar o golpe dentro do golpe, que se resume, pois primordial, impedir que Lula seja candidato em 2018.

As acusações sobre o apartamento do Guarujá são ridículas, mas perversas, porque causam sofrimento e dolo a quem é acusado de maneira injusta, o que somente é possível em um regime de exceção, a ter a democracia coberta por uma nuvem de fumaça para que os golpistas possam realizar seus casuísmos e arbitrariedades. Na verdade, o problema da direita que comete crimes de golpe e de lesa-pátria não é o triplex do Guarujá ou o sítio de Atibaia. Trata-se do governo vitorioso e competente que o Lula realizou, bem como sua liderança natural e seu prestígio internacional incomodam a burguesia dona da casa grande e do status quo. O problema dessa gente é o Lula ser candidato a presidente.

O que está em jogo — os Civita, os jornalistas da Veja e os operadores da Lava Jato sabem disso como ninguém — não é triplex do Lula, que nunca pertenceu ao Lula, além de ser apartamento relativamente pequeno, de classe média e que a imprensa de mercado, golpista e a mais corrupta do planeta, faz questão de apresentar o imóvel como se fosse um palacete, pois a intenção é confundir e manipular e, por conseguinte, fazer com que os coxinhas despolitizados, tresloucados e inconsequentes fiquem com raiva e formem juízos de valores que não coadunam com a verdade, mas cooperaram para demonizar o presidente Lula e o PT, partido e candidato favoritos às eleições presidenciais de 2018. E a Veja, o juiz Moro e todos os golpistas de todos os setores e segmentos da sociedade brasileira sabem disso, porque essa gente pode ser usurpadora, cínica e hipócrita, mas não é burra e muito menos ingênua.   

A capa e a matéria sórdidas de Veja denotam, inquestionavelmente, que a Última Flor do Fáscio, os Civitas e os lobos que trabalham em suas redações perceberam, no decorrer do depoimento de Lula ao Juiz Sérgio Moro, do PSDB do Paraná, que não existem provas reais e materiais de que o ex-presidente tenha cometido delitos, malfeitos ou crimes, o que causa grande transtorno e desespero a empresários predadores como os Civita e ao próprio establishment, que é o maior responsável pelo golpe contra o povo brasileiro, que teve seus votos cassados e a presidente legítima e constitucional, Dilma Rousseff, deposta.

Derrubaram criminosamente do poder a mandatária eleita legalmente e democraticamente, que obteve 54,5 milhões de votos. O Brasil encilhado e adequado ao consórcio de direita que tomou a Presidência de assalto é a Banânia, onde vicejam os bárbaros endinheirados e embriagados pelo poder. Eles não se subordinam ao jogo democrático e não respeitam os limites da Constituição, das leis e dos códigos, porque são golpistas sem votos e que não foram eleitos pela população e mesmo assim impõem um programa de governo ultraneoliberal, que foi derrotado quatro vezes nas urnas. Não se sentem compromissados com o povo, pois assumiram o poder com o apoio das oligarquias e da plutocracia internacional. E retiram direitos e garantias históricos da Nação brasileira.

Veja chafurda em sua própria imundície e exala, em forma de jornalismo, a farsa, a mentira, a perversidade e a total e completa falta de ética por intermédio de seu jornalismo digno de celerados e fanáticos em defesa dos mercados financeiros e do desmonte do Estado nacional. A capa e a matéria de Veja que tentam fazer de Lula um homem leviano, que chegou ao ponto de acusar sua mulher, dona Marisa Letícia, falecida recentemente, é um dos piores exemplos, se não for o pior, do que é capaz a união entre empresários e seus empregados para satanizar impiedosamente um cidadão, no caso o político e líder brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva.

Lula derrotou o Moro politicamente, mas é o juiz que faz o juízo e possui a caneta que poderá determinar a prisão do fundador do PT, afinal o juiz, que se mostrou seletivo, provinciano e parcial aparenta não se importar com os fatos e a realidade dos autos dos processos, pois se trata de um julgamento eminentemente político e não jurídico. Moro não é juiz; ele é político e, indubitavelmente, representa interesses alheios à vontade dos 54,5 milhões de brasileiros, que elegeram a presidente deposta Dilma Rousseff e que tiveram de engolir a força o golpe contra seus votos — as soberanias depositadas nas urnas.  

O juiz do Paraná foi de uma leviandade e de uma irresponsabilidade absolutamente questionáveis. Quando ele apresentou documento sem assinatura e outro com rasura o magistrado atingiu os píncaros da insensatez, da desfaçatez e do que é imponderável. Não... Absolutamente não é normal. Chego a afirmar que algumas perguntas de Moro ao Lula, que evidentemente teve a cooperação dos procuradores do powerpoint leviano e mentiroso, porque simplesmente mentiroso e leviano, não passaram de provocações a um homem que deveria ser tratado com respeito e consideração por causa de seu passado e de seu presente, que serão honrados pelas páginas da história, independente de seus erros e equívocos humanos.

A condição humana é passível de cometer erros. Qualquer ser humano os comete, sendo que o Lula é o maior presidente da história do Brasil e um animal político ímpar, pois de rara existência. Cometer falhas e erros no decorrer da vida é uma coisa, agora ser taxado de criminoso sem sê-lo por causa de questões políticas, partidárias e ideológicas é outra coisa e bem diferente. Ter de aturar e ter de se defender diuturnamente de vazamentos criminosos promovidos por servidores públicos pagos pelo contribuinte é algo simplesmente inaceitável, não somente para o Lula, o PT e seus milhões de eleitores, mas, sobretudo, para a sociedade brasileira, mesmo àqueles que são contrários ao ex-presidente trabalhista e ao seu partido.

A Veja — a Última Flor do Fáscio — é fascista, portanto de extrema direita. Tal imundície exala o cheiro fétido da miserabilidade humana em toda sua plenitude e eloquência. A capa de Veja é a própria podridão de cores diabólicas. A revista, que não passa de um libelo de fanáticos do mercado de capitais, que depende do dinheiro público do governo golpista do traidor *mi-shell temer e dos governos dos  tucanos paulistas, esmerou-se para ser a mais torpe, sinistra e infame das publicações de direita e autoras do jornalismo de guerra e de opressão.

Veja não respeitou a memória de dona Marisa Letícia, esposa digna de Lula, mãe de cinco filhos, avó de oito netos e bisavó de um bisneto. Bárbaros e selvagens, os donos e os empregados de Veja, que dizem também exercer o ofício de jornalista, tratam da vida como se ela fosse apenas um jogo para ver quem ganha mais dinheiro e, consequentemente, adquirir poder e fartura para viverem iguais a nababos ou paxás ou sultões. Lutam, sobretudo, por dinheiro e tentam pautar todo e qualquer governo, inclusive os eleitos e os que não se submetem aos ditames das pautas e das agendas dos magnatas bilionários de imprensa, como são os casos de Lula, Dilma, Brizola, Jango e Getúlio.

Entretanto, nada importa, pois o País está a vivenciar um regime de exceção que para se transformar totalmente em uma ditadura só falta prender os oponentes do governo, exilá-los ou matá-los. Aqui neste País bananeiro de "elites" provincianas, subalternas, subservientes e que admiram, na maior desfaçatez e pobreza de espírito seus complexos de vira-latas, só falta para fechar o cerco do golpe o impedimento de Lula concorrer à Presidência e, por sua vez, adiar as eleições de 2018 para o ano de 2020, e olhe lá.

E por que digo isto? Porque é perceptível, até mesmo para um coxinha celerado, despolitizado, mas conservador, que a direita estúpida e escravocrata brasileira não dará um golpe de estado travestido de legal e legítimo, como ora está a fazer o juiz Sérgio Moro, para depois largar o osso. Os golpistas vão lutar para permanecer no poder, já que viraram a mesa e sabem que são  tratados como párias de terceiro mundo pela comunidade internacional.

Afinal, eles se arriscaram e não vão deixar o poder por causa de derrota em eleição no ano que vem. Os golpistas, alguns de renome como o ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso, sujaram, indelevelmente, suas biografias e frequentarão as páginas infames da história. Golpistas vão até o fim e só saem do poder quando já em coma pela podridão de seus atos e de suas ações. É o verme a comer suas memórias já na antessala da história.

A Veja, o panfleto de espírito sicário e arrivista, sabe disso e, por seu turno, desrespeitou a memória da mulher de Lula, bem como se intrometeu na relação do casal, que foi casado durante décadas e que se dava bem, pois se respeitava. Quem dá autoridade para que jornalistas escrevam um lixo como o é essa matéria? O que pensam quem são esses jornalistas? Como podem a seus bel-prazeres e à margem de qualquer civilidade e respeito cometerem atos desatinados e dignos de boçais em frenesi ao verem sangue?

Respondo: compreenderam que Lula é maior do que eles pensavam e perceberam que o depoimento do ex-presidente ao Moro se transformou em tiros nos pés do sistema golpista que derrubou Dilma Rousseff e persegue caninamente e covardemente o Lula. Não existem provas, mas, sim, ilações e acusações desprovidas de conteúdos e materialidades. Porém, é preciso impedir Lula, inviabilizar sua candidatura, a não importar que a maioria do povo brasileiro o queira novamente na Presidência. Isto é apenas filigrana e "não vem ao caso", não é doutores Moro e Dallagnol, sendo que este estava ausente do depoimento, porque parece que o Lula gostaria de falar com o "intocável" sobre o powerpoint leviano e mentiroso de acusações frívolas e não fundamentadas, que tiveram apenas a finalidade de desconstruir a imagem do ex-presidente e causar danos à sua integridade moral.

A verdade é que o Brasil está a tratar de seu futuro, que não poderá, de forma alguma, ficar nas mãos de golpistas que tratam os brasileiros como seus inimigos, até porque as ações e atos do governo golpista de *temer são todos contra os interesses do País, do povo, dos trabalhadores e dos aposentados. Não houve uma única ação dos golpistas em prol do desenvolvimento do Brasil e das condições de melhorias nas vidas dos brasileiros. Tudo piorou, além de o governo composto por uma malta de ladinos e sacripantas estar mergulhado em um pântano de corrupção.

A revista Veja conseguiu mergulhar profundamente em seu próprio esgoto, com a capa "A segunda Morte de Marisa". Sem delongas e na maior cara de pau e cafajestada, a matéria de Veja acusa o Lula de "assassinar" a memória de sua esposa. Acusa o Lula ainda de culpar sua companheira de décadas, já falecida, pela compra do triplex do Guarujá, que nunca foi de Lula e de Marisa. Surreal e de uma covardia e molecagem sem precedentes. Nunca vi empresários e jornalistas tão covardes, irresponsáveis e inconsequentes. Simplesmente atroz!  

Como assim cara pálida? O Lula foi coerente e apenas repetiu o que disse em outro depoimento, em março de 2016 quando foi levado coercitivamente pela PF a uma sala no aeroporto de Congonhas e a dona Marisa Letícia estava viva. O líder popular afirmou na época que sua mulher possuía uma cota do imóvel, mas que a opção de compra não foi exercida. Ponto. Qual é o problema? Explico: o problema é que a Veja e os oligopólios privados de comunicação, à frente do linchamento a Globo, estão a criar uma nova narrativa, porque perceberam que não existem provas materiais de que Lula tenha cometido crimes.

Se não tem provas, os celerados e irresponsáveis da imprensa burguesa resolveram partir simplesmente para a demonização de Lula, afinal os coxinhas paneleiros de barrigas cheias e vestidos com a camisa da CBF corrupta não poderiam ficar sem notícias que apostam na demolição moral e política de Lula. É assim que funciona o Lawfare (perseguição jurídica) com o apoio irrestrito da mídia de negócios privados, que julga e condena publicamente o inimigo a ser derrotado ou destruído.


A mídia comercial e privada trata os coxinhas como se eles fossem viciados em drogas pesadas, porque é realmente uma droga o jornalismo de Veja e de suas coirmãs moedoras de reputações e de vidas. Esta droga pesada é composta por mentiras, leviandades, perversidades, irresponsabilidades, golpismo e bandidagem. Veja — a Última Flor do Fáscio — é, sem sombra de dúvidas, o verdadeiro, o genuíno e o autêntico jornalismo de esgoto. Lula vem aí. É isso aí.

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Não querem prender o Lula. Querem prender o que ele representa para o Brasil e o povo brasileiro.

Palavra Livre


Lula representa:

A luta em favor da inclusão social;

A luta contra as discriminações de qualquer natureza, ou seja, o racismo, o machismo, a homofobia, o preconceito de classe social e de origem;

A luta contra o domínio do grande capital internacional sobre o capital nacional;

A luta contra a privatização, a preço de banana, das empresas estatais brasileiras;

A luta contra o domínio militar, político, cultural e social dos EUA sobre o Brasil;

A luta pela hegemonia nacional e a soberania do Brasil;

A luta contra o massacre dos despossuídos pelas elites insaciáveis;

A luta pela preservação dos povos indígenas, das florestas e de todos os diferentes ecossistemas;

A luta pela democracia e o Estado Democrático de Direito;

A luta pelos interesses nacionais e pelos projetos estratégicos de independência e soberania do Brasil;

A luta pela defesa das garantias constitucionais dos cidadãos brasileiros e de seus direitos trabalhistas e previdenciários;

A luta pela diminuição das desigualdades sociais e regionais; e

A luta pela emancipação total e irrestrita do povo brasileiro.

Por isto, não querem prender o Lula. Querem prender o que ele representa para o Brasil e o povo brasileiro.





Moro e Zydek são ativistas políticos, Lula restabelece a verdade e ser militar não é ser nacionalista

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre  


"A casa caiu para Lula". (Juíza Diele Zydec, militante antipetista ao comentar favoravelmente sobre a covardia e as ações de política  baixa e rasteira perpetradas pelo juiz Sérgio Moro ao conduzir coercitivamente o ex-presidente Lula a uma sala de aeroporto em São Paulo)

"Não vem ao caso". (Juiz Moro ao ser questionado sobre o porquê de os políticos do PSDB não serem presos ou sequer chamados a depor)

Primeiro vamos nos reportar ao juiz de primeira instância Sérgio Moro, do PSDB do Paraná, mas especificamente sobre sua última determinação despótica e arbitrária, à margem da lei, dentre muitas outras ocorridas no decorrer desse processo draconiano e macartista chamado de Lava Jato.

O chefe dos "Intocáveis" midiáticos, juiz Sérgio Moro, da ditadura terceiro-mundista de Curitiba, tinha como estratégia e objetivo fundamental receber o ex-presidente Lula humilhado e derrotado, bem como esperava o PT sem força para respirar quanto mais para se mobilizar e pretender levar dezenas de milhares de pessoas ao dia do depoimento de Lula, ora marcado para amanhã, dia 10 de maio, na 13ª Vara Federal de Curitiba.

Moro percebeu que o tiro saiu pela culatra, porque grande parte da população brasileira, assim como a sociedade organizada compreenderam que a Lava Jato, a despeito de se combater a corrupção, o que é louvável, é na verdade um instrumento de combate político, partidário e ideológico, que atua e age no campo político da direita. A oligarquia brasileira que mais uma vez em sua desditosa e sombria história conquista o poder pela força, desta vez por meio de chicanas jurídicas e ações de parlamentares conservadores.

Deputados e senadores que se elegeram por intermédio da democracia e do Estado de Direito e se voltaram contra a legalidade e a legitimidade para colocar na cadeira da Presidência da República um traidor e golpista usurpador cujo nome é *mi-shell temer, chefe de um governo corrupto, incompetente e desmoralizado, porque seus membros frequentam as listas de delações da Lava Jato.

Uma bagunça só, mas desordem premeditada e oportunista, pois a fim de vender o patrimônio do Brasil e retirar o povo e o trabalhador do Orçamento da União e conceder recursos financeiros e materiais aos ricos, aos grupos transnacionais e até mesmo a governos estrangeiros, que compram o Pré-Sal por  meio de suas estatais. Isto mesmo, países como a Noruega compram o Pré-Sal da estatal Petrobras por intermédio de sua estatal Statoil. Lá, os gringos fortalecem o patrimônio público deles.

E o Pedro Parente, presidente golpista da Petrobras e tucano da pior qualidade administrativa, está solto quando deveria estar preso. Porém, não se sabe de um único procurador do MPF a se sentir indignado e a combater o desmonte criminoso do estado brasileiro. É assim que a banda toca neste País atrasado onde o retrocesso é considerado avanço. Enquanto isso, dedicam-se fanaticamente contra o PT e o Lula. E por quê? Porque o golpe de direita e de caráter entreguista ainda não foi consolidado.

A primeira parte foi a deposição de Dilma Rousseff e a segunda parte é o impedimento de Lula como candidato a presidente. Por isto que temos juízas como a Diele Zydec, dentre muitos outros que no decorrer desses últimos anos golpistas conspiraram contra o Governo Dilma e que agora lutam para que Lula não seja presidente pela terceira vez. O Judiciário está no golpe, como também seu parceiro e cúmplice de sedição: a imprensa meramente de mercado dos magnatas bilionários de todas as mídias cruzadas e oligopolizadas. Ponto.   

O Parlamento desmoralizou-se, como estão a caminho desse processo antropofágico e miseravelmente persecutório a Justiça e o Ministério Público Federal (MPF). Instituições onde vicejam juízes como Sérgio Moro e Diele Zydec, além de procuradores, a exemplo de Deltan Dallagnol e Carlos Fernando dos Santos Lima, afrontam a Constituição, porque têm lado, escolheram partido, são ideológicos à direita e fazem política baixa e rasteira, que tem a finalidade de destruir o PT e consolidar o golpe das bananas, mas violento.

O golpe para manter a direita no poder até o fim de 2018 e para isso é necessário criminalizar e demonizar o Lula por meio de Lawfare (perseguição jurídica) e do jornalismo de guerra repercutidos pelo baronato das mídias privadas e de concessão pública, há de se ressaltar. É necessário destruir moralmente o maior político do Brasil de todos os tempos e que cada vez mais se aproxima historicamente de Getúlio Vargas, o pai da industrialização brasileira e o arquiteto dos direitos trabalhistas por intermédio da CLT, que está a ser estuprada por deputados e senadores irresponsáveis e miseravelmente patronais e entreguistas, já que golpistas e desprovidos de quaisquer sentimentos de nacionalidade e noções de soberania para o Brasil.

Lula no poder contraria, insofismavelmente, os interesses do grande capital nacional e internacional. Além disso, é visível que o Lula está a provar diariamente que jamais se aproveitou do poder para se beneficiar ou favorecer grupos econômicos e pessoas terceiras, como comprovam, inclusive, os delatores escolhidos a dedo pelos procuradores e juiz da Lava Jato para depor e relatar sobre a conduta do ex-presidente e fundador do PT e da CUT, o mais importante partido político e a mais poderosa central sindical da história do Brasil.  

Nenhum deles acusou o Lula, e os dois executivos, Leo Pinheiro e Renato Duque, que o acusaram na semana passada, disseram anteriormente e inúmeras vezes que não tinham informação alguma sobre a influência do ex-mandatário em esquemas ilegais. De repente, não mais do que de repente, os presos e já condenados há décadas de cadeia (Pinheiro, condenado a mais de 30 anos de prisão; Duque, condenado a mais de 50 anos) resolveram atender aos ansiosos procuradores e juiz da Lava Jato. Surreal! Os dois presos, de forma precipitada e atabalhoada, resolveram falar contra o Lula, mas sem apresentar quaisquer provas e em um momento que o líder petista teve adiado do dia 3 para o dia 10 de maio seu depoimento.

A resumir: Moro e Dallagnol se concederam uma semana a mais para tentar acusar o Lula de ladrão e, quiçá, prendê-lo durante a oitiva, a despeito de não haver provas que comprovem os malfeitos alegados contra o líder trabalhista que lidera todas as pesquisas eleitorais. Porém, qualquer pessoa com um mínimo de lógica, discernimento, sensatez e noção de justiça se perguntaria: "O Moro e o Dallagnol são autoridades preocupadas com a verdade, a realidade e estão realmente a fim de fazer justiça?" Evidentemente que não, afinal o papel da Lava Jato é político e ideológico e quem é político e ideológico o é também partidário. Ponto.

A verdade é que o juiz Moro foi escolhido a dedo, e este dedo começou a apontar para o Brasil em território norte-americano, bem como tem suas ramificações aqui, em Terra Brasilis, que são conectadas às corporações do MPF, da PF, de setores da Justiça e da  Abin, que é ligada diretamente ao Palácio do Planalto. Digo ainda que setores de inteligência das Forças Armadas coadunam e participam dessa conjuntura político-institucional inquietante e instável, que traz escuridão ao Brasil e que dividiu, indelevelmente, a sociedade brasileira.

Outra fator que me chama a atenção é quanto aos oficiais das Forças Armadas. Os oficiais brasileiros são pequenos burgueses e sempre estiveram ao lado dos interesses da burguesia e da plutocracia, de acordo com a história e das pessoas que a vivenciaram e a leram. Eles são ou querem ser unhas e carnes de seus colegas de fardas yankees. Trata-se apenas de um nacionalismo de bandeiras, hinos e marchas — o nacionalismo de aparências e superficial, mas não se importam com a autonomia, a independência e a soberania do Brasil, pois, do contrário, estariam a reclamar das privatizações de lesa-pátria, antinacionais e do fim dos programas de inclusão social perpetrados por um governo de corruptos e golpistas.

Um governo ilegítimo que, na verdade, sempre recebeu o apoio da maioria do oficialato brasileiro da ativa e da reserva, como demonstraram, inquestionavelmente, a postura dos militares oficiais nos protestos de coxinhas nas ruas, além de suas opiniões, muitas delas de cunhos fascistas, preconceituosos e sectários, por intermédio das redes sociais. Esta é a verdade. Este é o fato, sendo que contra os fatos não há argumentos, porque já aconteceram e se aconteceram não há como mudar ou modificar a história e as realidades pretéritas. Simples assim.

O modo de vida dos militares é praticamente socialista, pois amplamente e organicamente comunitário, mas a ideologia e seus valores e princípios o são irremediavelmente pró-capital. Contraditório, mas real. Muitos deles se dizem privatistas e capitalistas, mas não abrem mão da estabilidade funcional e de suas garantias previdenciárias e trabalhistas, porque militar que eu saiba não é patrão e muito menos proprietário de terras, de empresas ou de bancos.

O militar é o capitalista sem capital e, como filho de oficial que eu sou, nunca compreendi o porquê dessas pessoas serem tão reacionárias e sectárias quando se trata de os políticos trabalhistas efetivarem, no decorrer da história, políticas públicas e programas de inserção social e distribuição de renda e riqueza. Para mim é o fim da picada e de uma idiotice e despolitização completa.

Ou me engano? Se me engano, então assevero que os militares são treinados e doutrinados desde os tempos de escolas para cadetes, com raras exceções, a considerar como inimigos a esquerda, os movimentos sociais, populares e de trabalhadores, bem como tudo aquilo que questione o status quo — o establishment. O inimigo a ser derrotado, o inimigo interno, o povo como inimigo, porque a classe média é aliada das classes dominantes, como ficou mais uma vez comprovado na deposição de Dilma Rousseff.

Os militares são aliados da alta burguesia, porque também de classe média e com os mesmos princípios e valores pequenos burgueses dos civis conservadores que os admiram. Os militares defendem o sistema político hegemônico do campo da direita, o capital e o modo de vida cristão, judaico e ocidental, que sempre lutou para controlar as riquezas e as terras do País, além de manter a ferro e fogo grande parte da população nos guetos, nos morros e nas periferias, sem acesso aos serviços do Estado, porque o Estado burguês não existe no Brasil para servir e atender a população e sim para tratar dos negócios privados e patrimonialistas da burguesia, que deu um golpe bananeiro em Dilma para exatamente tratar de seus negócios junto a seus sócios internos e externos.

Só que fome e miséria, subdesenvolvimento e violência, ignorância e falta de escolaridade não têm a menor graça, bem como essas misérias e perversidades humanas de essências diabólicas não têm nada a ver com ideologias e crenças. Tem a ver, com toda certeza e razão, com a "elite" branca, dona da casa grande de alma escravocrata e espírito de porco, que há mais de cinco séculos se recusa a pensar o Brasil para desenvolvê-lo e a emancipar seu povo, de forma que ele experimente e passe a saber o que é liberdade, esperança e livre arbítrio.  

Eu considero o seguinte: militar deveria estar sempre a favor dos trabalhadores e contrário a quem se insurge contra os interesses e o desenvolvimento social e econômico do Brasil, a incluir neste conjunto de interesses nacionais os programas estratégicos, como o arsenal militar de defesa e de ataque, no que tange à ciência, à pesquisa e à construção de equipamentos de guerra; no que concerne às questões espaciais, como foguetes e satélites; no que é relativo à diplomacia independente do Brasil em relação aos EUA e aos países europeus hegemônicos; no que se dispõe quanto ao desenvolvimento da indústria naval e petrolífera; no que se refere à proteção e valorização do mercado interno com oferta de empregos para os trabalhadores brasileiros, além do apoio estatal às grandes empresas deste País, que se tornaram multinacionais e que disputam o mercado externo, além de atenção redobrada à infraestrutura exemplificada em portos, aeroportos, ferrovias, rodovias, hidrovias, hidrelétricas, mobilidade humana e transportes.

Defender essas questões realmente sérias é ser nacionalista e responsável com a Nação. Os militares têm de ter essa compreensão, porque não basta apenas guardar as fronteiras, fazer segurança presencial quando chamados a exemplo da Olimpíada, jurar a bandeira, bater continência, marchar e cantar hinos. Não, não basta. Amar o Brasil e defender seus interesses, além de respeitar o povo e os trabalhadores requer entender as razões de ser brasileiro e, consequentemente, realizar-se tudo o que eu disse acima sobre os militares e o que é de fato ser nacionalista.

Os oficiais das Forças Armadas têm de se politizar e compreender quem são os verdadeiros inimigos internos, que ao meu modo de ver são os membros da casa grande e seus capatazes de confiança, cujos proprietários estão diretamente envolvidos com o golpe de estado de 2016. Quem cala consente. Se políticos, juízes, procuradores e militares se calam quanto aos interesses do Brasil e de seu povo que arquem com as consequências de sermos um povo dominado e escravizado por estrangeiros e por uma burguesia nacional fantoche, servil, subordinada e portadora de incomensurável complexo de vira-lata.

Em apenas três anos, os golpistas de direita, capitalistas entreguistas, servis e subalternos aos interesses dos Estados Unidos e da grande burguesia brasileira estão a desmontar o Estado nacional, a extinguir programas essenciais para o desenvolvimento da Nação e a vender o Brasil em ofertas dignas de um feirão dominado por gângsters, que tomaram de assalto o poder e que nunca e em hipótese alguma pensaram o Brasil para desenvolvê-lo. A direita é um câncer porque não constrói nada, como irredutivelmente comprova a história.

Para mim e para muita gente, os líderes históricos trabalhistas são muito mais nacionalistas e comprometidos com a soberania do Brasil do que qualquer militar, principalmente após o golpe de 1964, apesar de eu reconhecer de ter havido militares realmente nacionalistas e compromissados com o País, principalmente os de 1930 quando Getúlio chegou ao poder por meio de uma revolução e não de um golpe, como quer fazer crer a imprensa de mercado e os acadêmicos ligados às elites.

Você, leitor, não acredita? Então leia os programas de governo de Getúlio, Jango, Brizola (candidato a presidente), Lula e Dilma. Depois de lê-los, pesquise e observe o que os políticos trabalhistas e de esquerda construíram em prol do desenvolvimento social e econômico do Brasil e compare com o que realizaram os presidentes de direita e ligados às oligarquias, à casa grande brasileira de índole e caráter escravocratas. Faça isto. Compare. Depois pense e pondere...

A diferença é gritante ou imensa e por isto que geralmente candidatos trabalhistas derrotam os candidatos de direita em eleições livres e diretas para presidente da República. Por causa disto que o Brasil mais uma vez em sua lamentável história é vítima de mais um golpe deplorável de terceiro mundo, com a carranca e o focinho da burguesia e da pequena burguesia brasileiras. Encerro por aqui e retomo o assunto Moro e Diele Zydek.

Esses juízes, dentre outros, pertencem a corporações e órgãos que são partes inerentes e importantes do golpe de estado de 2016, que aconteceu no Brasil e derrubou Dilma Rousseff, a presidente constitucional, legitimada pelas urnas, que lhes concederam 54,5 milhões de votos. O Brasil dos juízes, procuradores e delegados golpistas é a Banânia, cuja capital para essa gente é Miami ou Orlando, de acordo com o juiz Catta Preta.

Neste interregno, de apenas uma semana, Moro e seus "intocáveis" do MPF, volto a lembrar, tentaram, em vão, fazer com que dois executivos presos forjassem provas que servissem como balas de prata para detonar o líder trabalhista, que há três anos sofre todo tipo de perseguição e covardia, a relembrar perseguidos políticos do passado como Getúlio Vargas, João Goulart, Juscelino Kubitschek e Leonel Brizola, todos eles políticos do campo popular, que comeram um dobrado quando a direita escravocrata deste País tomou o poder de assalto, como fazem os bandidos ou marginais nas ruas, nos comércios e nas residências.

A questão fundamental e que ora está em jogo é que o juiz Moro, que se reportou ao seu "eleitorado" pela internet e com isso sedimentou ainda mais a desconfiança de que ele é partidário e está a enfrentar o Lula como acusador e político adversário, não quer permitir que o Lula grave seus depoimentos, o que é estabelecido como direito do cidadão por intermédio do Código Civil. Moro rasga a Constituição, o Código Civil e o Código Penal a seu bel-prazer, como se ele fosse um ditador, que determina como deve proceder seu adversário e à margem da lei.

Além disso, o juiz de província afirmou que Lula faz política, porque terá apoiadores em Curitiba, quando a verdade o ex-presidente é um animal político que faz política há quase 50 anos e, consequentemente, aonde ele estiver terá o apoio de correligionários e simpatizantes. Ora bolas! Quem faz política é o Moro, e há muito tempo. Sem dúvida. Disse a Frente Brasil de Juristas pela Democracia (FBJD): "Intransigente na defesa do Estado Democrático de Direito e reiterando preocupação com o resguardo do "justo processo" para todos e, em especial, para o ex-presidente Lula, no âmbito da Operação Lava Jato, vem a público ALERTAR sobre a necessidade de que a gravação do depoimento remarcado para o dia 10/05 seja ampla de modo a proteger a defesa e não frustrar o propósito legal de dar a conhecer a totalidade da dinâmica da audiência, formada por acusação, defesa e juízo".

O que deseja o Moro? Que só seja permitida as gravações da Lava Jato para que depois elas sejam vazadas criminosamente e a conta gotas para a imprensa alienígena e aliada dos togados da Lava Jato? E disse mais a FBJD: "O registro audiovisual dos atos processuais de forma ampla, irrestrita, capaz de transmitir o momento da audiência na sua totalidade, é garantia para ampla defesa e contraditório, com o fim de evitar que as audiências sejam instrumento de abuso contra o próprio acusado em posição vulnerável, maculando o rito processual e o sentido de justiça".

A Lava Jato se continuar a não perceber que o engodo e a farsa contra o Lula terão de acabar, a única coisa que se verá é que a Lava Jato, que levou a economia do País à bancarrota com a enorme ajuda do golpista *temer, de sua corja e da rede Globo, subirá no telhado. Enquanto isso, a juíza Diele Zydek, que pareceu estar a fim de cooperar com as arbitrariedade do juiz Moro ao proibir manifestações pró-Lula na imediações da 13ª Vara Federal onde Lula irá depor amanhã.

O problema é que tais proibições como não gravar o depoimento de Lula ou proibir manifestações são anticonstitucionais e contrariam o que estabelece o Código Civil. Trata-se da ditadura do Judiciário com o protagonismo também da imprensa de coronéis midiáticos, a exemplo dos irmãos Marinho. Asseverou o professor e jurista Luiz Moreira: "Moro só confirma que já não se pauta pela técnica jurídica. A própria existência da TV Justiça confirma a legalidade do pedido de defesa [para gravar e filmar o depoimento de Lula]". Moreira complementou: "Soa ridículo que um juiz que divulga vídeos seus pelo Facebook e proíba alguém de gravar seu próprio depoimento".

A verdade é que o Brasil no dia 10 de maio conhecerá a verdade, não porque o Lula é o candidato do campo popular e de esquerda, que lidera as pesquisas. Não, de forma alguma. O que importa e o que está em jogo é a verdade sobre o Lula e a verdade sobre a Lava Jato de Moro e Dallagnol, com os auspícios da PF do delegado Lendro Daiello, a cumplicidade do STF, o apoio da PGR de Rodrigo Janot e a parceria com a máquina de moer reputações e vidas exemplificada na Rede Globo.


Lula ter o direito de gravar seu depoimento e torná-lo público permitirá que o povo brasileiro conheça e compreenda de fato o que está a acontecer no Brasil. E o que está a acontecer? Respondo: o maior linchamento moral e político da história do Brasil, a covardia mais infame perpetrada pelo Judiciário e a imprensa comercial e privada e a consolidação do golpe dentro do golpe, que seria o impedimento de Lula concorrer à Presidência em 2018. A Lava Jato vai subir no telhado porque nada, mas nada mesmo derrota a verdade. Lula vem aí! É isso aí.