Google+ Badge

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Dallagnol incrementa o circo da Lava Jato e cobra para a Apae de olho em Lula

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre

Para Deltan Dallagnol, Deus é com ele, mesmo quando injusto, seletivo e partidário. Menos para o PSDB dos tucanos.

Só faltou anunciar o palhaço, a mulher barbuda, o homem que se transforma em gorila e o engolidor de espadas flamejantes, além do equilibrista, o malabarista, os cães e chimpanzés que apresentam vários números, além do mágico, o guardião de inúmeros truques, que deixam as pessoas de queixos caídos, é claro...

E não é que o "intocável" ao tempo que o cruzado religioso, Deltan Dallagnol, o procurador do powerpoint leviano, mentiroso e desprovido totalmente de provas contra o ex-presidente Lula anunciou em suas redes sociais o evento chamado de “Operação Lava Jato – Passado Presente e Futuro”, que aconteceu ontem, em Curitiba, evidentemente, pois se trata da capital que abriga, além da política e partidária Lava Jato, é também a sede do governo privatista do espancador de trabalhadores e servidores públicos, que responde pelo nome de Beto Richa (PSDB). Está tudo em casa.

O garoto propaganda do negócio que envolve dinheiro, porque ingressos estão à venda por R$ 80,00, promete informações em primeira mão aos participantes do show do servidor público, cujos salários são pagos com o suor dos contribuintes. Ou seja, Dallagnol tem uma necessidade de aparecer de qualquer jeito, a demonstrar ao público sua personalidade cabotina, porque pretende sempre, e enquanto puder, ser iluminado pelas luzes da ribalta.

Pois, perguntemos: quais são as informações de "primeira mão" que tal servidor vai repassar à plateia? E quem são as pessoas que terão o "privilégio" de ter conhecimento do processo no qual centenas de pessoas, independentes de serem culpadas ou não pelos crimes as quais são imputadas, estão com suas vidas em jogo, com as imagens desconstruídas e, com efeito, estão presas, a maioria de maneira preventiva, antes mesmo de serem julgadas pela Justiça.

Dallagnol, realmente, perdeu a noção do que é ser prudente e sensato, o que não surpreende a mais ninguém depois da apresentação do powerpoint mentiroso e leviano, além de se atrever a usar "pensamentos" de seu livro "As lógicas das provas no processo", que, dentre inúmeras e estonteantes elucubrações ou conjecturas, o procurador lançou ao ar as seguintes frases: "Provar é argumentar", sendo que julgar um réu é um "ato de crença, ou seja, um ato de fé".

Pronto, criou-se no MPF o criacionismo jurídico, a ter como base questões, evidentemente, religiosas. Aliás, Dallagnol, no decorrer das operações da força-tarefa, sempre buscou o apoio do mundo evangélico para suas teses rocambolescas, no que diz respeito a encarcerar os acusados e denunciados sem apresentar provas de crimes definitivas e inquestionáveis, como reza o Direito e a Constituição.

Disse o advogado de Lula, Cristiano Zanin Martins: "Ora, não podemos admitir que provar é argumentar e ter crença, e nem julgar seja um ato de fé. A Constituição Federal assegura a garantia da presunção de inocência, que somente pode ser afastada se houver prova incontestável da prática de um crime". Não há como contestar as palavras de Zanin, não por ele defender o Lula, o maior político do Brasil, mas, obviamente, que nenhum cidadão brasileiro poderá ficar à mercê de servidores públicos do Judiciário que resolveram, inacreditavelmente, fazer política e escolher lado.

Trata-se de uma tentativa por parte do procurador midiático Deltan Dallagnol de romper a Lei e, com efeito, tornar-se um ditador, que age e atua conforme suas convicções e fé. Aí não dá, porque simplesmente inaceitável, pois altamente questionável, de forma que as autoridades que estão acima de tal procurador passem a agir, pois, do contrário, o Brasil que já se tornou uma republiqueta bananeira perante o mundo civilizado, passará também a ser considerado selvagem ou bárbaro. Durma-se com um barulho desse. Haja golpes!

Entretanto, voltemos ao show do Dallagnol, que foi apresentado ontem, em Curitiba, com direito à propaganda. O procurador vaidoso e que pensa que o planeta Terra gira em roda de seu umbigo, afirmou que o dinheiro da féria será destinado à Apae. Mas, por quê? Deveria ser destinado ao "Criança Esperança da Globo", afinal pega muito mal para o ideológico e partidário "intocável" ser ingrato com a parafernália midiática da famiglia Marinho, uma das maiores sonegadoras de impostos do País, de acordo com as denúncias da própria imprensa de mercado e da Receita Federal, além da Prefeitura e do Estado do Rio de Janeiro. Sabia disso, doutor Dallagnol?

Porém, a questão em pauta deste artigo é o show do procurador, com direito a uma plateia "vip", que terá acesso, segundo a propaganda, a informações privilegiadas sobre a Lava Jato. Se tiver fofocas, ilações e maledicências sobre o Lula, melhor ainda, pois, se não for assim, não terá graça, e o Dallagnol poderá ser severamente vaiado pela plateia coxinha e de direita, que desde o ano de 2013 está muito a fim de o Brasil pegar fogo, sumir do mapa e, quiçá, ir para Miami, nem que seja para limpar os vasos sanitários da gringada malandra e esperta, que está a comprar o Brasil.

O leitor não acredita? Então por que os coxinhas sumiram como somem as baratas (cucarachas) pelos ralos e bueiros? Afinal, se o problema dos coxinhas cucarachas e tresloucados era a corrupção, o desgoverno de *mi-shell temer é um prato cheio para os coxinhas despolitizados e ignorantes sobre a história do Brasil encherem suas barrigas e irem às ruas pelo menos para protestar contra o fim de seus direitos trabalhistas e previdenciários, além de serem "vítimas", que permitiram que os recursos para a saúde e a educação fossem congelados por 20 anos. Não são o fim da picada esses coxinhas totalmente celerados? Comem cocô e acham bom. Mudo de assunto...

“Venha conhecer pessoalmente os procuradores da Lava Jato em Curitiba e ficar por dentro do que está acontecendo na operação – em primeira mão!! Todo o dinheiro dos ingressos será revertido para a APAE, ajudando uma boa causa. Chame seus amigos de Curitiba. Espero Vocês lá, nesta terça-feira à noite” — alardeou o procurador Deltan Dallagnol.

Os coxinhas do Dallagnol poderão tirar selfies com o astro, que prometeu conceder brindes especiais e doar o dinheiro para as crianças necessitadas do Brasil. Como ele é "bonzinho", se não fosse sua intenção de dar continuidade à sua desditosa e covarde perseguição ao ex-presidente Lula, que, como todo mundo sabe, até hoje não foi apresentada pela força-tarefa qualquer indício de crimes quanto mais provas concretas e robustas.

Mais de cem pessoas ouvidas pelo MPF e pelo juiz Moro disseram não saber sobre nada que possa incriminar o Lula. Outrossim, políticos que comprovadamente se meteram com corrupção estão livres, leves e soltos, a exemplo de Aécio Neves, que ontem assumiu seu mandato, sendo que o constrangimento no Senado foi total, porque apenas dez senadores dos 81 estavam presentes, bem diferente quando o senador golpista e irresponsável discursou logo após a queda injusta e imoral de Dilma Rousseff.

Deltan Dallagnol não pode e não deve se esquecer que a história existe e seu nome constará nela, de maneira positiva ou negativa, independente de maniqueísmos. O procurador realmente se comporta como uma estrela, ao invés de ser discreto e se ater apenas aos autos dos processos. Vais dizer o quê aos coxinhas, Dallagnol? Que a Lava Jato, a despeito do combate à corrupção, sempre teve como alvo o Lula, porque a intenção é impedi-lo de ser candidato a presidente da República?

Mesmo a ser o mandatário o líder disparado nas pesquisas, além de nada constar contra ele no que é relativo ao Lula não poder lançar sua candidatura? Seria um grave e grandioso erro político e histórico, inclusive em termos internacionais, no que diz respeito à política e ao mundo jurídico.

Lawfare. Esta é a palavra mágica. Lawfare significa "guerra jurídica", geralmente empreendida por setores de Judiciário e da Justiça contra seus adversários ou inimigos políticos. Trata-se de agentes do Estado a serviço da política e de grupos, que não desejam, a exemplo de Lula, que seus inimigos conquistem o poder.

Por sua vez, Deltan Dallagnol está a ser investigado por ter recebido R$ 219 mil. O "intocável" é objeto de reclamação disciplinar, que foi apresentada ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). Geralmente, o corporativismo impera, e o corporativismo é um câncer, pois ele destrói os tecidos do corpo do Estado por dentro.

Contudo, gostaria muito de saber se na apresentação do show o procurador Dallagnol abrirá a boca para dar informações privilegiadas à sua plateia "vip" e "merecedora" de ouvir grandes e especiais segredos. Tomara que o Dallagnol tenha falado (mal) do Lula para que os coxinhas possam se emocionar e em frenesi bater em panelas com as barrigas cheias.


O procurador da Lava Jato não está a ser transparente e muito menos republicano, pois até agora ele não mostrou os nomes de seus clientes que pagam por suas palestras ao público, à OAB. O MPF ainda não se pronunciou. Dois pesos e duas medidas, doutor? É assim? Ah, esqueci, o procurador é tucano, e qualquer tucano pode tudo por ser i-nim-pu-tá-vel! Dallagnol incrementa o circo da Lava Jato de olho em Lula. E "vamu" que "vamu"! É isso aí.

terça-feira, 4 de julho de 2017

Carlos Fernando é um procurador ideológico, seletivo e odeia Lula, mas as provas concretas são contra o PSDB

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre


Carlos Fernando dos Santos Lima é um mau exemplo pronto e acabado de como as futuras gerações de procuradores da República não devem proceder quando estiver a trabalhar. E por quê? Porque tal procurador é político, seletivo, partidarizado, injusto e totalmente voltado a perseguir uma única pessoa: o presidente Lula. Trata-se de um detrator tomado pela obsessão. A psicologia explica.

No decorrer dos últimos três anos, o procurador Carlos Fernando e seu parceiro de ações e atos persecutórios e covardes, Deltan Dallagnol, atingiram o clímax da insensatez, da desfaçatez e da leviandade, quando, midiáticos que são, convocaram a imprensa de mercado mais suja e corrupta do mundo ocidental para apresentar acusações contra o ex-presidente por intermédio de um powerpoint mentiroso e leviano, pois totalmente desprovido de provas.

A verdade é que Carlos Fernando dos Santos Lima não se interessa, por exemplo, pela roubalheira dos tucanos, já que é notório e visível que tal servidor público, que adora uma luz de ribalta midiática, jamais e em hipótese alguma em sua vida de procurador à moda Torquemada atacou ou desrespeitou qualquer liderança tucana, que tenha cometido malfeitos, com provas contundentes como as apresentadas contra o senador Aécio Neves, dentre outros, desde os tempos da Lista de Furnas e do escândalo Banestado.

A verdade é que o procurador é obsessivo, agressivo e desrespeitoso com o Lula, como se o político mais importante da história do Brasil, juntamente com Getúlio Vargas, fosse do seu minúsculo tamanho e tivesse a mesma pequenez que demonstra ter o tal servidor público, pago regiamente todo mês por meio do esforço do contribuinte para ser republicano, justo, diligente e sensato, predicados que, ao que parece, não constam em sua natureza.

Nunca vi tanta ignomínia e covardia, até porque Carlos Fernando não as demonstrou, na segunda metade da década de 1990, a mesma valentia, agressividade e "republicanismo" quanto ao escândalo do Banco do Estado do Paraná (Banestado), onde vicejavam tucanos emplumados, seus cúmplices e doleiros, a exemplo de Alberto Yousseff, quando, por intermédio das CC5 do Banco Central, foram enviados US$ 19 bilhões em remessas de divisas por meio do sistema financeiro público brasileiro para agência de Nova York, de forma fraudulenta, criminosa e ilegal.

Não é incrível a vida? Realmente, a Terra gira... E não é que os mesmos personagens de muitos protagonistas do escândalo do Banestado também são atores principais da operação Lava Jato? Verdade. O juiz do caso era o Sérgio Moro, bem como o procurador destemido com o Lula era o Carlos Fernando. Dos US$ 19 bilhões, risíveis e ridículos US$ 17 milhões foram devolvidos ao Brasil e, hoje, uma grande lápide pesada dormita em cima do escândalo já morto, pois enterrado pelas autoridades que não prenderam e não puniram quase ninguém daqueles que roubaram o País em bilhões de dólares.

Como se vê, se ouve e se observa, o procurador, que faz questão de insultar e desrespeitar o ex-presidente Lula pelas redes sociais, porque, ao que parece, seu ódio de caráter arrivista o transforma em um ser irracional, mesmo após três anos nada ser comprovado contra o político trabalhista, Carlos Fernando continua com sua cruzada, pois seu interesse maior não é prender bandidos, mas, evidentemente, fazer política e impedir que o líder das pesquisas conquiste pela terceira vez a cadeira da Presidência da República. Esta realidade é visível e não deixa margem à dúvida.

Além disso, percebe-se que o doleiro Alberto Youssef, o primeiro gângster a assinar delação premiada, em 2004, é o delator de estimação da galera da Lava Jato — a midiática e a que compõem o consórcio de direita com a grande mídia de histórico golpista e contrária aos interesses do Brasil e de seu povo, no decorrer de décadas a fio. Esses togados não sabem quem é a imprensa de negócios privados e familiar, porque, na verdade, não a conhecem. Então, prestem atenção: a imprensa meramente empresarial dá uma marretada no prego e a outra na ferradura.

Seus aliados são de conveniência, para logo descartá-los, como sempre fez e sempre fará. Para os magnatas bilionários de mídias oligopolizadas, servidores públicos do Judiciário são apenas seus capatazes ou capitães do mato, porque tais bilionários são inquilinos da ponta da pirâmide social — a casa grande —, a dona do establishment e a proprietário do dinheiro. Eles não se misturam com "seus" empregados de circunstâncias políticas e ideológicas, pois somente estão a fim de concretizar seus interesses empresariais. A resumir: mandar na República e a impor sua agenda à Nação, sem ter um único voto. Ponto.  

E tem mais. Carlos Fernando é contraditório em suas ações, porque avalizador dos dois pesos e duas medidas quando se trata de investigar, denunciar e pedir punições ao juiz de primeira instância da Operação Lava Jato, Sérgio Moro, do PSDB do Paraná. Quando se trata do PT, Carlos Fernando ruge como um tigre, mas quando as acusações e provas comprovam o envolvimento dos inimputáveis do PSDB, o "intocável" procurador mia como um gato. Não sei por que, mas que é estranho não restam dúvidas. Deverasmente.

Carlos Fernando foi acusado de barrar o repasse de dossiê de correntistas que fraudaram o sistema financeiro brasileiro, a partir da filial do banco paranaense em Foz do Iguaçu, onde sua esposa, Vera Lúcia, trabalhava no Departamento de Abertura de Contas do Banestado daquela cidade. O procurador foi acusado também de manter engavetado o dossiê do Banestado desde 1998, um documento bastante detalhado e onde constam 107 pessoas que são acusadas de ilegalmente remeter dólares pela agência de Nova York.

Um escárnio difícil de ser engolido, quando se observa a atuação do procurador Carlos Fernando na Lava Jato, quando se sabe que a rapaziada corrupta do Lava Jato se refestelou com dinheiro criminoso e ainda ganhou de prêmio a impunidade, como ocorre, agora, com o doleiro e delator de estimação de Moro e Carlos Fernando, o inimputável tucano Alberto Youssef. O servidor ainda, de acordo com denúncias, esforçou-se para que o escritório da Procuradoria Distrital de Manhattan não tornasse público a documentação da quebra de sigilo de inúmeras contas correntes de brasileiros, que estavam a cometer crimes contra o sistema financeiro do Brasil.

Além disso, necessário se faz ressaltar que Vera Lúcia, esposa do procurador, trabalhou em dois dos principais locais onde funcionava a “lavanderia” do Banestado, sendo que Carlos Fernando, quando foi chamado a falar na CPI do Banestado, em 2003, negou, peremptoriamente, que tivesse algum parente a trabalhar no banco estatal do Paraná.

Carlos Fernando mentiu em uma CPI. E o que aconteceu? A CPI e o escândalo do Banestado acabaram em pizza. Esses acontecimentos são públicos e notórios, mas o que chama a atenção é que esses togados e meganhas da Lava Jato tem lado, partido, ideologia e são terrivelmente seletivos e injustos. Não sei como eles terão a ousadia de prender o Lula, se o Lula não cometeu crimes. Será histórico e cada qual responderá no presente e no futuro por suas responsabilidades e arbítrios perante a história e a sociedade brasileira no presente.

Agora, o procurador Carlos Fernando está a injuriar, a caluniar e a difamar o ex-presidente Lula de forma sistemática e violenta. Ele não liga mais para nada, a não ser que seus desejos, à margem dos autos do processo, sejam atendidos. Os advogados de Lula recorreram ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), pois o objetivo é fazer que o servidor agressivo e desrespeitoso guarde para si suas preferências políticas, partidárias e ideológicas e não banque os delegados aecistas, que no ano eleitoral de 2014 xingavam violentamente o Lula e a Dilma, sendo que depois tiveram de engolir goela abaixo os malfeitos inúmeros e variados de quem eles apoiavam, o senador tucano e megadelatado Aécio Neves. Nada como um dia após o outro... Quem manda ser meganha reacionário e despolitizado?!

Carlos Fernando tem recorrentemente atacado a honra e a imagem de Lula, como se fosse um direito seu. Como se ele fosse o dono da verdade e da realidade, de tal modo que se torne onipresente, onisciente e onipotente, como se fosse um deus. A resumir: como se a vida de Lula estivesse sob o jugo de seu bel-prazer, de suas vontades e desejos. Durma-se com um barulho desse. E o que ele faz? Desrespeita aquele que já está há três anos a sofrer pressões, opressões e violências contra sua cidadania, ao ponto de perder sua esposa, dona Marisa Letícia. Se este País fosse sério, Carlos Fernando há muito tempo, bem como o juiz Sérgio Mor estariam, no mínimo, afastados de suas funções e cargos para o bem do serviço público.

Além do mais, quando juízes e procuradores se mentem em política e tomam partido, partidos serão seus atos e ações, pois, irremediavelmente, escolheram lado. Se escolhem lado, que aguentem o rojão da luta política, tanto na esfera partidária quanto no âmbito da imprensa, no caso a imprensa combativa, online, de esquerda, a que combate diuturnamente o status quo e não permite que a grande imprensa, porta-voz da casa grande, fale sozinha e imponha sem luta a sua versão dos fatos e das realidades. De forma alguma.

Não há trégua quando o embate político e partidário engloba também setores do Judiciário, a exemplo da Lava Jato e do STF, bem como do MPF. Se o Carlos Fernando, ou seja quem for, quer utilizar seu ofício como arma política, politicamente ele será enfrentado e terá de aceitar, porque resolveu por livre arbítrio abrir mão dos autos para tornar seu pensamento político e partidário públicos.


A luta da esquerda, que mais uma vez neste País de terceiro mundo foi alvo de golpe de estado praticado pela direita, é fazer com que o Lula seja candidato, não por ser seu direito como cidadão, mas, sobretudo, porque o político trabalhista e socialista não cometeu crimes, como comprovam os três anos de canina perseguição por parte de togados. E nada vezes nada! Lula não roubou, e Carlos Fernando e seu grupo político do powerpoint leviano e mentiroso sabem disso. Carlos Fernando é um procurador de direita, ideológico, seletivo e odeia o Lula e o PT, mas as provas concretas são contra as lideranças do  PSDB. É isso aí.

segunda-feira, 3 de julho de 2017

STF, desmoralizado e desacreditado, tem apenas uma saída moral e republicana: Dilma no poder ou eleições diretas já!

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre


"Se você pertence a certos partidos vermelhos, está proibido de formar quadrilha. Após esta zoeira, desejo um ótimo final de semana a todos". (Prefeito Nelson Marchezan Júnior, do PSDB, ao deixar implícito em ato falho, no facebook, que os tucanos são inimputáveis, ao ironizar os petistas após o ministro do STF, Marco Aurélio Mello, devolver o mandato de senador a Aécio Neves — o megadelatado) 

Agora vamos à pergunta que se recusa a calar: os tucanos são livres para formar quadrilha? O PSDB é inimputável aos olhos da Justiça e do Judiciário? Parece que sim. Basta olhar para o governo corrupto de golpistas do qual os tucanos fazem parte.

A semana que passou foi "pródiga" com pessoas denunciadas e acusadas de cometer crimes, sendo que ilegalidades praticadas por indivíduos ligados ao presidente (sic) golpista, *mi-shell temer (PMDB), e ao igualmente golpista, senador Aécio Neves (PSDB), este último afastado do mandato, que ora foi restabelecido pelo juiz do Supremo, Marco Aurélio de Mello, com direito a elogios, foram soltas, sendo que o juiz Edson Fachin resolveu liberar das grades o operador do presidente (sic) *temer, o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures.

Este suplente de deputado foi pego em flagrante com R$ 500 mil em uma mala. Loures foi filmado pela PF, bem como gravado. Os elogios do juiz Marco Aurélio a Aécio Neves só pode ser considerado como um deboche ou escárnio pela sociedade, porque o tucano cheio de bronca e que incendiou a fogueira do golpe, em uma sedição sem precedentes, cooperou com grande destaque para destruir a poderosa economia do País, bem como o jogou em um buraco sem fundo, pois a grave crise política e institucional não tem hora e nem dia para acabar.

Como já diziam os sábios: "guerra é fácil iniciar, mas como ela termina nunca se sabe". Contudo, a presidente legítima, legal, constitucional e reeleita se chama Dilma Rousseff, e ela vive no Brasil, a lutar pela democracia e pelos direitos civis do povo brasileiro. Dilma é convidada para fazer palestras no Brasil e no exterior, sendo repeitada em sua dignidade e reconhecida pelo seu valor político e intelectual.

Enquanto isso, temos um Poder Executivo dominado por ladrões, que deram um golpe de estado bananeiro e cucaracha para não serem presos, além de impor um programa econômico diabólico, que arrasou a economia, a tal ponto que ela se encontra em estado falimentar ou comatoso, porque a inflação neste País de escravocratas se tornou depressão.

Toda esta miserabilidade político-institucional, exemplificada em irresponsabilidade, ganância, arbitrariedade e autoritarismo, que se traduz nesse infame e sórdido golpe, foi efetivada por um consórcio de direita que é composto pelo Judiciário (STF, MPF e PF), pela imprensa de mercado e familiar, pelo Congresso mais corrupto e conservador da história do Brasil e pelos partidos direitistas, à frente o PMDB, o PSDB e o DEM.

Porém, são os tucanos que agem como pontas de lanças do golpe, porque é o PSDB, derrotado pelo PT em quatro eleições consecutivas, que dá sustentação ao desgoverno do presidente (sic) corrupto, *mi-shell temer, considerado o chefe de quadrilha mais perigoso do País por um gângster igualmente perigoso, que é o caso do dono da JBS, Joesley Batista, que tem sociedade com seu irmão, Wesley.

Entretanto, os psicopatas da cleptocracia (governo de ladrões) estão a comemorar os últimos benefícios que receberam por parte de um STF desmoralizado e desacreditado pelo povo, não somente por permitir que um ladrão que se tornou presidiário derrubasse do poder uma presidente que não roubou e não cometeu crimes de responsabilidade, mas, sobretudo, por ter permitido que o juiz Sérgio Moro, do PSDB do Paraná, interditasse a democracia, o Estado de Direito e ainda cometesse crimes gravíssimos, como o vazamento do diálogo entre Dilma e Lula.

Em um País desenvolvido, tal juiz seria preso e demitido para o bem do serviço público. E não é só isto. Dentre as incontáveis ações cometidas contra a democracia brasileira, as duas últimas fazem cair o queixo. E não é que o juiz Edson Fachin libera o Rodrigo Rocha Loures, o menino de recados e carregador de malas abarrotadas de dinheiro ilegal, além de ser homem de confiança do usurpador *mi-shell temer?

O que se observa no País é que Fachin evitou que Loures delatasse e, consequentemente, a crise político-institucional se tornasse ainda maior do que é, afinal a direita — e o STF é parte importante do consórcio de direita que levou Dilma à deposição — quer evitar eleições diretas antes de 2018 e, consequentemente, garantir tempo hábil para que os golpistas de direita possam se mobilizar em prol de um candidato ao menos competitivo, porque o PSDB está desmoralizado, apesar de nenhum tucano ter sido preso, mesmo com as evidências em forma de provas de que suas principais lideranças corromperam e foram corrompidas.

Como os tucanos são golpistas e usurpadores, como tais irão frequentar as páginas da história, pois apoiam um presidente (sic) que age há décadas nos porões da corrupção e é tratado como pária em âmbito mundial, porque todo mundo sabe que ele é golpista, ilegítimo, corrupto e criminoso, de acordo com as acusações perpetradas pelo PGR Rodrigo Janot.

E é por isto e por causa disto, dentre muitas outras questões que desabonam o *temer, que o G-20 se tornou G-19, porque o Brasil na mão da direita golpista, provinciana e subalterna, tornou-se apenas um satélite ou apêndice dos EUA, fato este que deixa a burguesia e a pequena burguesia brasileiras satisfeitas, pois notórias suas condições de vira-latas subservientes e sem quaisquer noções e sentimentos de nacionalidade e independência.

E deu no que deu: humilhações e revoltas para os brasileiros, os que lutam há gerações por um Brasil justo, livre, democrático e desenvolvido. Destruíram propositalmente a economia e estão a desmontar o Estado nacional para roubar, tirar o pobre do Orçamento da União e vender seu patrimônio público. Ih, já estava a esquecer de relembrar: deram um golpe cucaracha e terceiro-mundista para não serem presos, com a aquiescência e a cumplicidade dos juízes burgueses do STF. Vergonha!

Depois de o juiz Fachin soltar o carregador de mala cheia de dinheiro (R$ 500 mil — Imagine quantas malas ele já carregou para o *temer), o tal do Loures antes que ele delatasse, o juiz Marco Aurélio de Mello manda devolver o mandato do senador golpista do PSDB, Aécio Neves, que poderá, sem dúvida, interferir nos processos que ele responde, bem como demonstrou em gravação feita pela PF ter muito poder, afinal Aécio deu ordens até para o condestável juiz Gilmar Mendes, do PSDB do Mato Grosso.

Gilmar é o Babalorixá do STF e a herança maldita de FHC — o Neoliberal Golpista I —, aquele grão-tucano que foi ao FMI três vezes, de joelhos, humilhado, com o pires nas mãos, porque quebrou o Brasil três vezes, mesmo a ter realizado a segunda maior privatização (entreguismo) da história da humanidade, pois a primeira foi realizada pela Rússia, após o fim da União Soviética. Não é um "gênio" o "competente" FHC? Realmente, o PSDB jamais pensou o Brasil, pois seu único projeto é vender o País e atender o establishment internacional. Uma verdadeira desgraça para a Nação este partido de direita, de caráter golpista, defensor e porta-voz dos ricos.

O "Mineirinho" ou o "Chato" da lista da Odebrecht e de outras listas é o campeão em responder processos, bem como agora retoma suas atividades parlamentares, além de já ter avisado que retornará à presidência do PSDB. O que tudo isto representa na conturbada política brasileira? Significa, sem sombra de dúvida, que os tucanos, principalmente os mais antigos, a exemplo de FHC, Geraldo Alckmin, José Serra, Aloysio Nunes Ferreira, Antonio Anastasia, Cássio Cunha Lima (este já foi cassado quando governador da Paraíba e está aí a marcar posição a favor do golpe), Tasso Jereissati, Dalírio Beber, Beto Richa, Marconi Perillo, José Aníbal, Duarte Nogueira, Arthur Virgílio Neto, Yeda Crusius (RS) e Aécio Neves, dentre outros inimputáveis, são os representantes do estableshiment. Eles são o establishment no poder público. Trata-se dos garantidores do status quo. Por isto, não são presos ao ponto de o prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior, implicitamente afirmar que os tucanos podem tudo por serem inimputáveis.

O que esses tucanos têm em comum? Respondo: todos eles respondem a processos, com provas robustas, porque deixaram rastros de delitos, que estão nas mãos da PF e do MPF, bem como do STF e de outros tribunais. Então por que os tucanos não são presos? Porque, como os mundos animal, vegetal e mineral sabem, os tucanos são o grupo político que, dentro do Congresso, mantém o desgoverno do presidente (sic) *mi-shell temer a respirar por aparelhos, pois praticamente um cadáver político e administrativo, que tenta chegar a 2018 e, quiçá, entregar o poder central violado e usurpado pelo golpe para um político de direita que, de preferência, saia das hostes do PSDB. Ponto.

Os juízes do Supremo sabem disso e compreendem o contexto político geral. Com isto, o STF se acumplicia da forma mais tenebrosa e calhorda possível com a sedição de terceiro mundo, como parte intrínseca do consórcio de direita patrocinado pela casa grande — a verdadeira dona do status quo e que luta há séculos por um Estado patrimonialista para defender seus interesses e ajudá-la a ser mais rica do que já é. Este é o único projeto da direita: ser rica e manter suas riquezas com mão de obra barata, além de negar instrução para o povo, que é o motor da produção e que gera riqueza à burguesia escravocrata deste País.

Por sua vez, o golpe de estado, esta obra inesquecível, infame e sórdida da direita, está realmente nas mãos do STF, que, se seguir e levar a cabo as acusações de Rodrigo Janot ao desgoverno de desventuras e desesperanças de *temer/PSDB, a única saída honrosa, sensata e factível para a sociedade é a posse de Dilma Rousseff como presidente da República, porque autoridade legítima e legal, além de a magistrada decidir se antecipa as eleições diretas para presidente ou se mantém no poder, pois cargo conquistado pela maioria dos votos dos brasileiros, o que a torna a primeira mandatária do País, já que legitimada constitucionalmente pela soberania popular das urnas.

A redenção do STF, queiram ou não, começa pela restituição da legalidade e da legitimidade no que concerne a restabelecer o compromisso com a democracia, com o Estado Democrático de Direito, com a Constituição e com a efetivação de justiça à Dilma Rousseff, que foram criminosamente sangrados inúmeras vezes, principalmente a partir de 2015, quando ficou claro e transparente que a direita brasileira, em todos seus setores e segmentos, iria derrubar do poder a mandatária trabalhista reeleita pelo povo com 54,5 milhões de votos.

É incrível, inacreditável, inenarrável e indescritível o que aconteceu no Brasil, um dos países que lideravam até o ano de 2014 as relações diplomáticas, políticas e econômicas em termos mundiais. Também é igualmente surreal que, em apenas três anos do processo real de golpe, o Brasil ter rapidamente desmoronado como um castelo de areia, porque o Judiciário, juntamente com sua maior aliada, a imprensa de negócios privados, resolveu fazer parte da conspiração e sedição contra uma presidente legalmente reeleita, realidade que propiciou a derrocada econômica, política, partidária e moral do Brasil e de sua sociedade.

O STF é o maior responsável pela desmoralização e desconstrução do Brasil e do seu Estado, independente da participação do baronato alienígena de mídias, do patronato da Fiesp/CNI, que por preconceito social e ideológico deu tiros contra seus próprios interesses, porque prejudicou de morte o crescimento dos mercados interno e externo e não sua diminuição, bem como a participação dos políticos golpistas e corruptos do Congresso não supera, de forma alguma, a responsabilidade dos juízes do STF quanto ao golpe que partiu o povo brasileiro em dois, envergonhou o País e humilhou a Nação.

A vergonha que humilha e que extinguiu milhões de empregos, a falir ou enfraquecer duramente as estratégicas indústrias de base e civil, a incluir as indústrias naval e nuclear, além de praticamente acabar com o consumo, a paralisar a economia, assim como extinguir e diminuir os programas de inclusão social dos governos petistas, que nacionalmente e regionalmente cooperavam, e muito, para girar a roda da economia e diminuir a violência nas classes mais pobres da população.

Os golpistas e traidores da Pátria colocaram a Petrobras em um garrote vil e a estão a esquartejá-la, a fazer dela a única petroleira do mundo que não quer ter petróleo, o que seria algo impensável para as classes dominantes dos países desenvolvidos, que, apesar de serem capitalistas, sempre protegeram seus mercados e os interesses de seus países. A burguesia tupiniquim e seus empregados de classe média fazem o contrário e se submetem por vontade própria à subserviência e à própria colonização. Deplorável.

Enquanto isso, o mão de tesoura, o fanático do mercado e o fundamentalista do capital continua com sua sanha de fazer tucanagens, ou seja, fazer com que o Brasil não domine seu mercado de petróleo e alcance de vez sua independência e soberania. Trata-se do presidente golpista da poderosa estatal, o tal de Pedro Parente, um sujeito que deveria estar preso pelo tempo de 30 anos ininterruptos, para que ele tenha o tempo suficiente para pensar em seus desatinos e inconsequências, irresponsabilidades e traições. Trinta anos, de forma que ele não fique solto novamente para fazer merda com o patrimônio público do povo brasileiro por meio de um golpe. Ponto.

Outrossim, se o Supremo fosse sério revogaria o golpe jurídico-parlamentar-midiático e restabeleceria a democracia e o Estado de Direito, porque está mais do que comprovado que Dilma Rousseff, a presidente legítima e deposta por um golpe promovido por bandidos ou bandoleiros foi vítima de uma conspiração das "elites" brasileiras, que decidiram dar mais um golpe para canalizar o dinheiro público para seus cofres — os cofres da iniciativa privada, principalmente os bancos, de olho nos recursos previdência pública, na precarização do trabalho, na destruição da indústria nacional e no domínio do mercado interno pelos empresários estrangeiros.

Trata-se de um golpe gravíssimo e que coloca o Brasil e seu povo em perigo. Quando as "elites" param de defender seus próprios interesses, sinal que elas querem se subordinar ao colonizador e entregar o País e os trabalhadores ao jugo do grande capital. Acontecem essas terríveis realidades no mundo inteiro. A história dos países e da humanidade está repleta de exemplos. Nunca e em tempo algum houve tão grande vocação para entregar o País e desmontá-lo por parte da direita, pois a intenção é inviabilizar a retomada do crescimento econômico com distribuição de renda e riqueza.

A estratégia de destruição do País é para evitar que os políticos populares, trabalhistas e de esquerda não tenham meios, se conseguirem chegar novamente à Presidência. É o que o *mi-shell temer e sua quadrilha fazem, porque realmente não têm compromisso com o Brasil, além de serem totalmente alienados quanto à sua soberania.

O TRF-4 está a avisar o juiz Sérgio Moro, do PSDB do Paraná, que não vai aceitar delações como provas de fato, concretas e inquestionáveis. O TRF-4 está a desfazer as mazelas jurídicas de Moro e do MPF-PR. Lula vem aí, porque não há como interditar sua candidatura ou prendê-lo sem quaisquer provas. Provas robustas e reais têm contra os tucanos, que no Brasil são inimputáveis, porque são os legítimos representantes do establishment, além de golpistas. Aécio Neves solto é um escárnio — deboche! O STF, desmoralizado e desacreditado, tem apenas uma saída moral e republicana: Dilma no poder ou eleições diretas já! É isso aí.


quinta-feira, 29 de junho de 2017

Moro mantém Vaccari na prisão por ser inimigo do PT, do Lula e alicerce do golpe violador do Estado de Direito

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre


O juiz de província e de primeira instância, Sérgio Moro, do PSDB do Paraná, faz o que quer e como lhe aprouver, afinal o magistrado herói dos golpistas e usurpadores e político de direita sabe muito bem que este País é a casa da mãe Joana, onde a casa grande esculacha o País, além de dar golpe de estado contra uma presidente reeleita com 54,5 milhões de votos, de forma legítima e democrática.

A mandatária trabalhista que não roubou e não cometeu crimes de responsabilidade, bem como o ditadorzinho terceiro-mundista de Maringá, ligado aos interesses de estado dos EUA, ainda interfere no processo político brasileiro, quando cometeu gravíssimo crime, dentre muitos outros crimes de sua autoria, ao vazar para a Globo áudio de conversas entre a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula.

Se tal juiz, um dos protagonistas do golpe cucaracha e de terceiro mundo cometesse seus desatinos e covardias em um país desenvolvido e com tradição democrática, certamente que tal sujeito estaria agora a mofar em uma cela de cadeia igual às que ele confina os presos por meio de delações premiadas, sendo que muitos deles encarcerados sem provas, a exemplo de José Dirceu, João Vaccari Neto e Antonio Palocci, dentre muitos outros.

Trata-se de presos sem culpabilidade comprovada que, inclusive, foram levados à força para depor sem nunca terem sido intimados oficialmente para falar perante o magistrado midiático, ideologicamente de direita, além de ser comensal ou conviva das comezainas da casa grande, a quem o servidor público pago com alto salário, com esforço do contribuinte brasileiro, serve com dedicação e empenho.

Enquanto isso, os tucanos do PSDB, do DEM e do PPS, que cometeram crimes de corrupção e são acusados e denunciados com provas robustas, por intermédio de gravações de diálogos, contas no exterior e no Brasil, documentos, anotações e arquivos de computadores, além de pessoas filmadas, fotografadas e presas a carregar malas e sacolas de dinheiro, assim como seus nomes são citados de forma real como pagadores e receptores de propinas, continuam com suas vidas de opulências e fortunas nos bolsos e em suas contas correntes, declaradas aos Fisco ou não.

Contudo, estão aí: livres, leves e soltos, a participar, impunemente e com a aquiescência e a cumplicidade do STF e do MPF, como o do Paraná de Deltan Dallagnol e Carlos Fernando dos Santos Lima, acostumados que são a pedir a prisão de pessoas por meio de "convicções", ilações e sem provas concretas, a realizarem, por exemplo, a apresentação de um powerpoint mentiroso, leviano e deplorável, que acusa Lula de ser chefe de quadrilha, mas no final da lamentável apresentação, que envergonha e humilha o Brasil, reconhecem que não há provas contra o ex-presidente trabalhista.

E daí?! O "intocável" Sérgio Moro diria e diz: "Isto não vem ao caso". Exatamente, mesmo após três anos de investigações e de perseguições, que deixariam o tribunal medieval da Santa Inquisição espanhola e seu líder, Tomás de Torquemada, com inveja e a convicção (sem aspas) de que o Brasil realmente tem uma casa grande medieval e com capitães do mato de carácteres e almas escravocratas.     

Não importa. Tem gente privilegiada que possui passaporte livre para cometer crimes, a despeito da Constituição e dos Códigos Penal e Civil. Aqui, neste fazendão de escravos e escravagistas chamado de Brasil, o Judiciário é o capitão do mato da grande burguesia e dos interesses colonialistas dos Estados Unidos. Aqui, neste País que poderia ser rico, independente e influente, existe um Judiciário que permite que um chefão mafioso, a exemplo do presidiário Eduardo Cunha e seus bandoleiros encastelados no Palácio do Planalto e no Congresso derrubem uma presidente constitucional e legítima em pleno século XXI, com a maior facilidade, pois deposta por um Congresso conservador e corrupto, por uma mídia que intermitentemente fez campanha insidiosa em prol do golpe, além de ser alvo de um Judiciário que ordenou juridicamente a sedição contra a presidente reeleita.

Aqui, neste País onde a bagunça proposital impera para que os ricos fiquem mais ricos e o Estado se torne patrimonialista para privilegiá-los e beneficiá-los, um presidente sem autoridade e legitimidade (sic) é acusado de ser ladrão em pleno mandato, bem como parte dos integrantes de seu ministério caiu de podre, além de a outra parte (Moreira Franco, Eliseu Padilha et caterva) está a fugir da polícia e da Justiça, porque há anos assaltam o Estado nacional, assim como lutam para permanecer no poder, pois se manter no desgoverno golpista representa ter foro especial por prerrogativa de prisão, mais conhecido popularmente como foro privilegiado.

Enquanto isso no país dos tupiniquins, o Geddel Vieira Lima, o Romero Jucá (este é líder do desgoverno no Senado!) estão livres para tocar suas vidas, sendo que já são oito os ministros desde que o presidente (sic) corrupto e ladrão, conforme a PF e a PGR, assumiu o poder maior da República por intermédio de traição e golpe. Alguns, como o Henrique Eduardo Alves estão presos, mas há outros, a exemplo de José Serra, que, para ficar em uma posição de discrição, ou melhor, em uma situação de quase morto, sumiu das mídias, pois, irremediavelmente, envolvido com casos de corrupção, como indicam as delações divulgadas pelos MPF e PF. Diga-se de passagem: denúncias sólidas e com provas, a exemplo de suas contas no exterior não declaradas.

Porém, os "ladrões" são o José Dirceu, o João Vaccari Neto e o Lula, dentre outros, ainda mais se for do PT. Dirceu foi preso pela famigerada teoria do domínio do fato e está solto porque realmente nunca foram apresentadas provas consistentes de que ele tenha incorrido em crimes, assim como o Vaccari, que está ainda preso porque o juiz Moro não obedeceu à determinação do TRF-4 de soltá-lo, pois, obstante, o juiz considera, a seu bel-prazer, que o Vaccari responde a outros processos, mesmo sendo eles baseados em delações premiadas formalizadas por bandidos e também por pessoas que não devem à Justiça.

Pessoas que foram envolvidas no processo da Lava Jato em diferentes formas e graus de participação. Quem está preso delata até sua mãe para sair da cadeia. Esta é a verdade, até porque muitos dos condenados pegaram mais de 20 anos de cadeia, o que não é brincadeira, como também chama a atenção de todo o Brasil e do mundo a obsessão da Lava Jato e de seus operadores para prender o Lula e, com efeito, tirá-lo à força da luta eleitoral pela Presidência da República.

Ninguém dá um golpe de estado contra seus inimigos políticos, para depois a corrente política deste mesmo inimigo assumir o poder central por força das eleições e da democracia. Essa corja é antidemocrática, antipopular e antinacionalista. Não estão nem aí. Ficaram 13 anos sem o controle do Governo Federal e resolveram dar um golpe. O golpe dos sem vergonhas praticados pelos patifes que assumiram o poder e pelos cafajestes que foram às ruas, de forma inconsciente ou consciente.

A concretização de um golpe só se torna possível em uma republiqueta bananeira dominada por uma "elite" branca e rica atrasadíssima, de maneira que o País afunde em uma crise sem precedentes, que destruiu sua poderosa economia, aumentou exponencialmente o desemprego, a violência e a desesperança, bem como gerou tanta insegurança, que os estrangeiros deixaram de investir no Brasil e seus governantes se recusam a aparecer ao lado de um presidente (sic) corrupto, golpista e usurpador, que é tratado como ele deve ser tratado, ou seja, como um pária, o bastardo que ninguém leva a sério, a não ser a escória que o acompanha em seus desatinos e que com ele ainda vai cair do poder criminosamente usurpado.

Dito isto, pois realmente a acontecer, o juiz injusto, partidário, ideológico, parcial e seletivo, que atende pelo nome de Sérgio Moro, continua a fazer covardias e a julgar e a prender pessoas que comprovaram não ter cometido crimes, a não ser participar dos governos do PT ou ser membro do partido ou aliado. É o caso de José Dirceu e o de João Vaccari Neto, que continua preso, volto a ressaltar, mesmo depois de o TRF-4 o ter considerado inocente e determinado sua saída da prisão.

Moro negou o alvará de soltura a Vaccari e continua com sua vocação para Torquemada seletivo e partidário, a fechar os olhos para os crimes dos tucanos, a exemplo de Aécio Neves (PSDB), sua irmã Andréa e seu primo Frederico Pacheco de Medeiros, assim como mantém grande parte dos corruptos do PMDB soltos e felizes com suas vidas de opulência, muita grana e patrimônios mil.

É a festança ou a patuscada ou o regabofe da direita brasileira escravocrata, que tomou o poder de assalto e agora está a vender o patrimônio público da Nação brasileira, como se esses bandoleiros de terceiro mundo tivessem vencido as eleições e seus programas de governo (sic) apresentados e aprovados pelos milhões de eleitores, sendo que a maioria elegeu Dilma Roussef como presidente do Brasil. Em países desenvolvidos, essa cambada de malfeitores estaria presa há muito tempo; e em países sob regimes radicais esse bando seria punido com a pena de morte. Ponto.

Só no Brasil das bananas um juiz de primeira instância faz o que faz. É a cara do Brasil que tem os focinhos e as carrancas da burguesia e da pequena burguesia. Essa gente se comporta como bárbaros e selvagens e disfarçam o mau-caratismo com o verniz dos ternos e vestidos bem cortados, o carrão importado, o perfume francês, a bebida cara, a frequência em bons restaurantes e eventos aburguesados, além  de um banho de lojas, quiçá em Miami. E a fazer isto, consideram-se civilizados e acima de quaisquer suspeitas quanto aos seus (lamentáveis) pedigrees.

Torcem o nariz para o Brasil e seu povo, mas não abrem mão de ganhar muito dinheiro em cima da exploração do trabalho desse mesmo povo, que ora está à mercê do governo (sic) mais corrupto de todos os tempos, cujo presidente (sic) é o primeiro, na história do Brasil, a ser denunciado por ter roubado em pleno mandato. Uma vergonha inigualável, que humilha o Brasil e o coloca realmente em uma posição de republiqueta bananeira e cucaracha. A cara da casa grande e de seus coxinhas amestrados e doutrinados.

Os coxinhas que tripudiaram sobre seus direitos trabalhistas e aposentadorias, a prejudicar suas gerações futuras, os trabalhadores, além de cooperar com os golpistas que tomaram de fato o poder real, a interditar a criação de empregos e negligenciar a soberania do Brasil. Os coxinhas que viram o Pré-Sal pertencer a estrangeiros, além de ficar por 20 anos a ter "congelados" os recursos públicos para a Educação e a Saúde. Não é incrível e inacreditável?

Trata-se de um povinho que se auto-aniquila, que se acha feio quando se olha no espelho, que se considera pior do que os outros e que detesta ser brasileiro, porque irremediavelmente colonizado e com a autoestima estima tão baixa, que seria muito adequado a um cidadão dessa estirpe ser objeto de estudos psicanalíticos e psiquiátricos. Destruíram o País e apoiaram o golpe de estado de corruptos, ladrões e entreguistas. Deram tiros em seus próprios pés, assim como entregaram de bandeja seus interesses e direitos a abutres que trabalham para a banca financeira nacional e internacional. Os coxinhas são dignos de muito estudo por parte da Psicologia e da Antropologia, tal qual como se estuda os homens das cavernas.

Agora estão a se esconder em suas casas, não falam nada, pararam de bater panelas e de fazer micaretas nas ruas, pois travestidas de protestos, bem como a ter como combustível muita cerveja e cachaça. A verdade é que o tema da corrupção apenas serviu como matéria prima da imprensa corrupta e de mercado para fazer a cabeça dos coxinhas, que jamais combateram a corrupção, mas apenas, após as quatro derrotas de seus candidatos a presidente, resolveram se juntar aos barões das mídias monopolizadas para derrubar a presidente eleita pelo PT e seus milhões de eleitores.

Os coxinhas deram um golpe até em seus familiares, amigos e colegas que elegeram Dilma Rousseff. Não se importaram, porque despolitizados, arbitrários e autoritários. Eles quiseram estancar a ascensão dos pobres e a busca pela igualdade. Os coxinhas golpearam a democracia e sabem disso, como também não têm a mínima preocupação com a soberania do País e com seus projetos estratégicos de independência e autonomia. Eles são irremediavelmente bárbaros com o verniz de "educados".

O juiz Sérgio Moro representa tudo isto o que está a acontecer no Brasil. O magistrado é o substrato desse processo dantesco que desconstruiu o arcabouço político e democrático brasileiro, como se fosse o exemplo emblemático da "revolução" às avessas promovida pelos conservadores, ao ponto de eles chamarem de "reformas" o que é, na realidade, demolição. A demolição dos direitos civis e sociais. Ponto.

E tudo isto para tomar de assalto o poder central, de forma que os programas e os projetos do governo golpista fossem efetivados à margem do voto popular depositado nas urnas, além de estratégia para que os usurpadores escapassem da cadeia. A delação premiada, para quem não sabe, é um instrumento que foi fortalecido pelo PT, bem como criou a Controladoria Geral da União (CGU), o Portal da Transparência e deu a importância, a credibilidade e as condições para que o MPF e a PF pudessem trabalhar com independência e dignidade, a não faltar-lhes pessoal, recursos financeiros e logística. *mi-shell temer, o Pária, tomou o poder de assalto, sendo que uma das primeiras ações que tal traidor realizou foi extinguir a CGU. Não é necessário explicar seus motivos, né?

Os procuradores, por exemplo, e os juízes do STF sempre puderam escolher o candidato em lista tríplice para assumir seus cargos como juiz do Supremo e procurador-geral, o que pela primeira vez, após os governos petistas, não ocorre, porque o ilegítimo *mi-shell temer nomeou uma procuradora que constava em segundo lugar na lista tríplice e mesmo assim assumiu o cargo mais importante da PGR. Agora, vamos à pergunta? Por que o golpista, o pária internacional acusado de ser ladrão agiu dessa forma? Com a resposta, o próprio usurpador do poder que não é e nunca foi seu.

Além disso, delação não é prova. Delatores podem mentir e omitir, bem como sabem que se forem levianos e faltar com a verdade ainda têm a chance de se redimir, o que, sem sombra de dúvida, faz o juiz Moro e os procuradores obsessivos comemorar, porque sempre terão a oportunidade de incluir o que antes não conseguiram incluir nos depoimentos concedidos pelos delatores presos preventivamente, alguns há anos encarcerados sem ser julgados, o que, de alguma forma ou outra, força o preso entregar até sua mãe, pois o que interessa a ele é se livrar da cadeia.

Mentem e são beneficiados com a diminuição da pena ou com a prisão domiciliar, em seus confortáveis apartamentos ou luxuosas casas. É o fim da picada. Enquanto isso, o Lula é chamado de "ladrão" por meio de acusações da Lava Jato, sendo que ele mora há décadas no mesmo apartamento e nada que pudesse macular o nome do ex-presidente foi encontrado, achado, gravado, ouvido, filmado e fotografado. Quebraram seus sigilos bancários, telefônicos e recolheram computadores e celulares. E o que aconteceu? Nada que pudesse incriminar o Lula foi encontrado. Esta é a verdade! 

Nem contas bancárias ou gastos bancários fora da normalidade foram encontrados. A perseguição a Lula é histórica e cada personagem desta época terá seu papel indelevelmente marcado nas páginas da história do Brasil. E a verdade será dita, pois inquestionável. A verdade é a verdade e ela desmonta e destrói qualquer conspiração, golpe e bandidagem. Ninguém derrota a verdade, que sempre aparece mais cedo ou mais tarde. O ônus da prova deveria ser do Moro e de seus aliados políticos da Lava Jato. É surreal. Lula tem de provar que é inocente ao dizer que os imóveis não são seus, porque nunca foram seus, porque nunca foram lavrados em seu nome ou de qualquer parente seu.

Como disse o respeitado advogado Antônio Carlos de Almeida Castro (Kakay): "O juiz Moro alegou que vários delatores falaram de Vaccari. Ou seja, irresponsavelmente, o que foi usado para condenar é uma delação que sustenta outra delação! Há tempos criticamos o uso indiscriminado da prisão preventiva", para logo complementar ao falar da Lava Jato: "(...) Sou de um tempo em que as pessoas iam para rua pedir liberdade, hoje os jovens vão para pedir prisão. Que sociedade sairá destes excessos? Todos nós queremos o combate à corrupção, mas dentro do respeito às garantias constitucionais (...)"

O advogado, na verdade, estava a criticar as prisões da Lava Jato, inúmeras sem critérios e que atropelaram as leis do País. Kakay perguntou se a prisão preventiva de Vaccari era necessária, além de indagar sobre quem devolverá ao ex-tesoureiro do PT os dois anos e dois meses que ele ficou preso (ainda está preso) injustamente, porque nada foi comprovado quanto ao cometimento de crimes por sua parte.

João Vaccari Neto, como muitos outros, a exemplo de Dona Marisa Letícia e o Lulinha, foram achincalhados e linchados em público, com enorme exposição nas mídias de direita que destruíram a economia do Brasil e estão cooperar para desmontar o Estado nacional e a mandar para o espaço o Estado de Direito. Julga-se seres humanos pela imprensa de negócios privados, a pior e a mais corrupta do planeta, sem sombra de dúvida, pois totalmente irresponsável e inimiga dos interesses do Brasil. Sempre agiram assim. É histórico.

Humilharam João Vaccari Neto. Martirizaram sua família e insultaram seus amigos e colegas, pois Vaccari não roubou, mas cometeu um grave erro para os tempos de perseguição macartista desses tempos: é membro do Partido dos Trabalhadores. E ser do PT é ser considerada uma pessoa à margem da lei, o que não se justifica e jamais será a verdade, porque o PT é o partido mais importante da América Latina, é a agremiação histórica deste País e a que realizou profundas mudanças, e para melhor, no Brasil e ao povo brasileiro.

O PT deu voz ativa às minorias, aos trabalhadores e a setores amplos da classe média. Não se engane ou se equivoque quem pensa o contrário por motivos de preconceitos político e de classe social. Não é à toa que o Lula lidera todas as pesquisas e que o juiz Moro e o campo da direita do qual ele faz parte estão desesperados, com ódio e totalmente dedicados para que o Lula não volte a sentar na cadeira da Presidência da República.

Porém, o doleiro delinquente e de estimação do juiz Moro — o Alberto Youssef — desde os tempos do caso Banestado, um escândalo bilionário muito conhecido pelo juiz e pelo procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, um dos procuradores do powerpoint mentiroso e leviano contra o Lula, está solto. E por quê? Porque ele fez mais uma delação premiada em sua vida, como o fez nos tempos do Banestado, que acabou não dando em nada. Não é mesmo, juiz? Não é verdade, procurador?

Agora a sociedade brasileira terá de esperar para ver se o juiz Moro e os procuradores da Lava Jato soltarão o Vaccari. Vale lembrar que os paladinos do Judiciário seletivo e partidário estão a ser denunciados por estar a ganhar muito dinheiro por causa da operação que coordenam e controlam, conforme afirmam a OAB e a imprensa de mercado aliada deles desde de sempre, porque o que interessa é interditar a candidatura Lula.

Essa gente "genial" destruiu centenas de empresas ligadas à indústria pesada, a de base, além da construção civil, bem como exterminaram com milhões de empregos dos brasileiros, terá um dia de responder perante a história, porque para dar um golpe de direita tiveram de cometer crimes contra as leis, o Estado nacional, a cidadania e os interesses estratégicos do Brasil, a exemplo do setor nuclear, que é avançado e com tecnologia própria.

Esses caras do Judiciário não têm a mínima noção do que é ser estadista e conhecedor das necessidades e das agruras do Brasil e de todas suas regiões, porque vivem em redomas de cristal. Trata-se da pequena burguesia ávida de status, que chegou ao nirvana por meio de um concurso público, de uma operação midiático-policial e pensa ser dona da verdade e do conhecimento por ter feito curso de Direito, pois presunçosa, arrogante e autoritária. É a classe média em toda sua perversidade e decrepitude moral, como demonstrado nas ruas e nas redes sociais.

Sonham os togados e meganhas com a ascensão social e a consumir bens móveis e imóveis, viajar, comer em restaurantes caros, além de frequentar os salões da burguesia, da verdadeira casa grande, a que manda roubar e matar por meio da política e da economia, sem dar um tiro sequer, porque apenas usa a caneta com arma de exterminar os pobres e os remediados, que são os trabalhadores, que sempre enriqueceram as "elites" mais atrasadas do mundo, cujos setores do Judiciário atendem seus interesses como autênticos capitães do mato.

Moro não quer prender o homem Lula. O juiz Moro e os procuradores obsessivos do powerpoint leviano e mentiroso querem matar o que o Lula representa e representou na história do Brasil e no imaginário do povo brasileiro. A burguesia não está a julgar o Lula, mas está a julgar seu vitorioso, democrático e competente governo de oito anos, quando saiu com índices de aprovação superiores a 90%. Maiores do que os índices do internacional e respeitado Nelson Mandela. Oito anos e não despencar em aprovação é um fato raríssimo em todo o mundo. Pesquise.

O Brasil nunca teve tanto acesso à democracia e a direitos como nos governos do PT. Nunca o povo e seus inúmeros setores e segmentos foram tão respeitados, recebidos e ouvidos, inclusive no Palácio do Planalto. Os pobres pela primeira vez subiram a rampa da Presidência da República, pois incluídos no Orçamento da União.

Um dos principais motivos do golpe foi retirar o povo do orçamento e dar fim aos programas que viabilizaram a inclusão social, principalmente da crianças e dos adolescentes de famílias pobres. O golpe de direita e que tem a participação vergonhosa do Judiciário, ou seja, de homens e mulheres que são técnicos e operadores do Direito tem como fundamento principal manter o povo brasileiro como mão de obra barata, quase escrava em um retrocesso que remonta o período da República Velha e do fim do Império.

Quem trabalha com o Direito no âmbito do Estado não tem o direito de ser covarde, elitista, preconceituoso, partidário, mentiroso e golpista. Absolutamente. Portanto, são essas realidades  históricas elencadas neste artigo que movem o ódio, o rancor e a intolerância da casa grande e de seus aliados — os lamentáveis coxinhas com vocação para patos, de preferência amarelos.

João Vaccari Neto é mantido preso por causa desse processo de perseguição e de combate ao PT, à Dilma e ao Lula, que para o establishment não podem novamente conquistar o poder central. Manter os petistas na cadeia significa mantê-los nas manchetes da bilionária imprensa empresarial e familiar e, consequentemente, levar o debate político, ideológico e eleitoral para o âmbito do escândalo e para os assuntos policialescos.

A direita, além de golpista, sempre se pautou para interditar o debate. E por quê? Respondo: os direitistas nunca tiveram propostas de desenvolvimento e projeto para o País. Essa gente nunca pensou o Brasil, afinal os conservadores vivem a olhar e a sonhar com meia dúzia de países europeus e com os EUA. Eles são irremediavelmente colonizados e portadores de um complexo de vira-lata sem igual e sem par no mundo ocidental.

O juiz Sérgio Moro soltou vários empresários e executivos que roubaram milhões e milhões do Erário Público. O magistrado soltou mais uma vez na sua vida o doleiro Alberto Youssef, criminoso de estimação do high society, mas mantém preso o ex-tesoureiro do PT, como o fez com o José Dirceu e o José Genoíno. Vaccari foi liberado da cadeia pelos desembargadores do TRF-4. Quem mandou, João Vaccari, você ser do Partido dos Trabalhadores? Deveria ser do PSDB. Veja o Aécio Neves e cia. Contudo, não vem ao caso. É isso aí.