Google+ Badge

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Muquifo de Lula tem a cara das mentiras e maledicências do Globo e do Moro

Davis Sena Filho — Palavra Livre


O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), que combate os latifúndios urbanos e suas especulações mercadológicas desumanas, ocupou recentemente o “tríplex” do Lula, que jamais foi do Lula, e mostrou, por intermédio de vídeos e de fotos, que o tríplex é um muquifo, um verdadeiro pombal, que não foi reformado como disse a Lava Jato e a Globo, bem como seus cômodos e divisões são de uma pobreza arquitetônica e de mau gosto à toda prova, além do tamanho de imóvel ser muito menor do que pensa o imaginário de um coxinha de classe média feroz, preconceituoso, reaça e com cultura digna dos homens das cavernas.

Pois é, o tríplex nunca pertenceu a Lula, mas o levou à prisão por causa das mentiras infames e calhordas do jornal O Globo, da Rede Globo, dos coordenadores do MPF na Lava Jato, Deltan Dallagnol e Carlos Fernando dos Santos Lima, e do juiz de primeira instância, Sérgio Moro, um dos autores de inúmeros crimes graves contra a República, a democracia e o Estado de direito, a exemplo do incrível e arbitrário vazamento do diálogo entre Dilma e Lula para a Rede Globo.

Episódio covarde e essencialmente político, que, sem sombra de dúvida, causou enorme repercussão social e política, assim como agilizou e fez com que o golpe do impeachment se consolidasse com celeridade e causasse comoção aos coxinhas brancos, sendo muitos deles analfabetos políticos e a maioria moradora dos melhores bairros das cidades deste país, bem como em Brasília tentaram invadir a garagem do Palácio do Planalto, sem a PM e o Batalhão da Guarda Presidencial agissem de forma rígida e dura para que os coxinhas golpistas fossem rechaçados e, com efeito, afastados do palácio presidencial.

Golpistas lobotomizados durante décadas pelas grandes mídias privadas e exemplificadas no Grupo Globo, que é também conhecido pelo povo como Rede Golpe de Televisão, que saíram às ruas iguais a sicários com sangue nos olhos e ódios em seus corações, a apoiarem o golpe criminoso e a pedirem a queda da presidente Dilma Rousseff, mandatária reeleita legalmente e legitimamente com 54,5 milhões de votos do povo brasileiro.

A presidente constitucional que teve seus votos invalidados por verdadeiros ladrões e integrantes de uma poderosa quadrilha, que tomou a Presidência da República de assalto para roubar e entregar o patrimônio público, escapar da cadeia, dar fim aos projetos estratégicos de soberania nacional e extinguir os programas de inclusão social, além de eliminar os direitos trabalhistas e deixar criminosamente cerca de 15 milhões de trabalhadores desempregados e seus filhos à míngua.

Se o juiz Sérgio Não Vem ao Caso Moro fosse magistrado de um país civilizado, certamente que ele estaria há muito tempo na cadeia, bem como expulso do Judiciário para o bem do serviço público e de quem abomina a ilegalidade, pois péssimo servidor que envergonha, sobretudo, a magistratura e o povo brasileiro.

A Nação já sabedora de que o golpe de estado de terceiro mundo tem por finalidade submeter o Brasil ao servilismo internacional, bem como compreendeu que o juiz Moro é mentiroso, perseguidor, seletivo, parcial, injusto e o principal responsável por ações golpistas e atos covardes contra o ex-presidente Lula e sua família, ao ponto de a Lava Jato, da qual tal juiz faz parte, ser a responsável direta pela morte de dona Marisa Letícia, que não suportou tanta crueldade e infâmia por parte de seus algozes.

E agora como é que fica, pois o Lula está preso, mas os vídeos e as fotos do tríplex muquifo que lembra um pombal e que em hipótese alguma pertenceu ao Lula e à sua família ainda está em nome da OAS, que foi presidida pelo delator e mentiroso Leo Pinheiro, que está solto e a curtir o conforto de sua enorme e luxuosa mansão junto à família e amigos, a rir da cara dos eleitores de Lula e de Dilma e a agradecer, penhoradamente aos arautos e varões da ética, da moral e dos bons costumes udenistas, que são os barrabás da Lava Jato, que mentiram e enganaram o povo brasileiro, juntamente com a Globo historicamente golpista, que sempre se recusaram a mostrar o pombal do Guarujá, que jamais pertenceu ao Lula. Ponto.

O vídeo do MTST escancarou o apartamento que jamais foi do Lula ao público. Estão claras e transparentes as mentiras e as farsas da Lava Jato, do TRF-4, do STJ e do STF, que vem a ser o vexame e a vergonha do Brasil, quanto às acusações, denúncias, julgamento e punição que, de forma surreal, acarretaram a prisão de um homem inocente e que nunca roubou, pois imperioso aos golpistas da Lava Jato e do Judiciário impedir que Lula concorresse às eleições presidenciais de 2018, pois líder disparado em todas as pesquisas, sendo que certamente o maior político da história do Brasil se elegeria no primeiro turno.

A narrativa sobre o muquifo não condiz com a realidade e a verdade. Trata-se de um apartamento que ainda não foi reformado, pequeno para ser tratado pela imprensa golpista como triplex e totalmente sem arrumação, feio, brega, em obras, com escadarias em caracol, que nem trapezistas de circo conseguiriam subir e descer. O elevador privativo alegado pelo juiz Moro no dia em que o Lula depôs para o magistrado em Curitiba simplesmente não existe. A Rede Golpe e o juiz de província, Sérgio Não Vem ao Caso Moro, um dos personagens do filme “Polícia Federal: a Lei é para todos” — Menos para os Tucanos, produziram uma das maiores farsas e trapaças da história, e como farsantes ficarão perante o povo brasileiro, os historiadores e os estudantes.  

Cometeram crimes sistemáticos de injúria, calúnia e difamação. Implantaram o ódio no Brasil e, principalmente, contra o Lula, as lideranças petistas e o PT, de forma que o Brasil se tornou terra de ninguém, de quem pode mais, a lei do mais forte e de todo tipo de insultos, deboches, agressões e violências. A direita extremada saiu dos armários e os coxinhas recalcados, rancorosos, preconceituosos e intolerantes aproveitaram para verbalizar seus ódios e instintos dignos de trogloditas diabólicos.

Moro, um juiz a serviço do golpe das “elites” bananeiras, tornou-se o capataz da casa grande. Mimado pela imprensa de negócios privados, avaliou o muquifo ou pombal, que jamais pertenceu ao Lula, em absurdos R$ 2 milhões, quando o vídeo e as fotos do famigerado “tríplex” mostram que se trata de um imóvel que não chega, segundo avalição de corretores, ao valor de R$ 800 mil, e olha lá... O problema é que a OAS do espertalhão Leo Pinheiro afirma que investiu R$ 1,2 milhão na reforma do pombal.

Agora vamos às perguntas que não querem calar: Como pode ter sido gasto R$ 1,2 milhão se o apartamento não foi reformado? Quem responderá por tamanha farsa? A verdade é que as fotos e o vídeo do MTST, que correram mundo afora e a mostrar o porquê de a Globo e a Lava Jato jamais terem divulgado as condições internas do muquifo, desmascararam os cretinos e verdugos que prenderam um homem sem culpa — o brasileiro mais importante dos últimos 40 anos.

Chega ser ridícula a cara de pau desse tipo de gente, porém perigosa, maledicente e mentirosa. Afinal, togados e meganhas colocaram na cadeia um homem inocente, cujos crimes a ele imputados nunca, em qualquer momento do processo dantesco foram provados e comprovados. Lástima e barbárie a irresponsabilidade da casa grande escravocrata brasileira e seus serviçais de classe média do Judiciário, do MPF e da PF, que pensam que chegaram ao Nirvana ou finalmente tiveram orgasmos em série, como bem disse o Lula em seu discurso antes de ser preso pela direita brasileira, que o quer fora das eleições e reescrever a história. 

Os cômodos do “palacete” do Guarujá são pequenos, a piscina é ridícula, pois mais parece um banheirão, além de a churrasqueira ser simples, das mais comuns. Entretanto, o que mais chama a atenção é que o apartamento não foi reformado, quando os acusadores disseram que sim. Como pode uma coisa dessa? Respondo: Pode! E por quê? Porque é público e notório que o golpe teve duas partes: A primeira foi a deposição da legítima e constitucional presidente Dilma Rousseff; e a segunda a prisão de Lula. Ponto.

Do contrário, o político verdadeiramente civilizado, republicano e democrata venceria as eleições e toda a patifaria, safadeza, ladroagem, bandidagem realizadas pela escumalha ou camarilha de direita que tomou o poder de assalto para ferrar com o Brasil e os brasileiros seriam, evidentemente, desmontadas, peça por peça, bem como muitos golpistas de toda ordem e tamanho seriam defenestrados como ratos vitimados por venenos ou ratoeiras.

Leo Pinheiro, da OAS, foi o delator de estimação da Lava Jato, pois preparado e amaciado na cadeia para caluniar e difamar o Lula, como o é também de estimação da meganhagem o doleiro tucano e dedo-duro de carreira, Alberto Youssef, dentre muitos outros sem-vergonhas que vivem a cooperar com os meganhas e togados, servidores pagos a peso de ouro pelo contribuinte, que participam indevidamente e até ilegalmente da luta política, partidária e ideológica.

A Lava Jato é a ponta de lança da direita bilionária, a que se internacionalizou e coopera com os grandes capitalistas estrangeiros. Lula fora das eleições significa para essa horda de bárbaros e selvagens a manutenção de privilégios e benefícios, assim como a perpetuação do status quo. Vale lembrar que o Leo Pinheiro mudou seus depoimentos várias vezes até que agradasse os meganhas de togas.

Além disso, e isto é surreal, o processo de Lula foi levado de São Paulo para Curitiba, enquanto as pessoas, mais de dez que também constavam no processo, foram julgadas e absolvidas em São Paulo. Lula foi o único nome enviado a Curitiba e, com efeito, punido. É mole ou quer mais, cara pálida?! Quer mais: o juiz que absolveu inúmeras pessoas afirmou, categoricamente, que os imóveis pertenciam à OAS. Todo mundo sabe disso, menos a Rede Golpe de Televisão e o juiz Sérgio Não Vem ao Caso Moro.

Agora se percebe nitidamente e inequivocadamente que o tão propalado “tríplex” de Lula não passa de uma farsa como processo, assim como o tríplex é verdadeiramente um pombal horroroso, com preços aviltados pelos acusadores de Lula e que NÃO foi reformado, conforme as provam as fotos e o vídeo do MTST. Sérgio Moro e a Globo são pantomimas de si mesmo, desrespeitaram o Brasil e o condenaram à ridicularidade e à humilhação internacional. Globo golpista bananeira e Moro serviçal da casa grande. “Muquifo de Lula” tem a cara e o focinho das mentiras e maledicências da Globo e do Moro. É isso aí.

terça-feira, 3 de abril de 2018

General Lessa da reserva banca o golpista machão, conduta que jamais teve na ativa contra o Lula


Por Davis Sena Filho — Palavra Livre


Tudo é uma questão de opinião. Dou como exemplo a opinião completamente destrambelhada e totalmente fora de propósito e da realidade do general da reserva, Luiz Gonzaga Lessa,  que tirou o pijama e retirou o terno do armário para vociferar sandices, que depois de ditas, irresponsavelmente, o oficial deveria ser recolhido a uma dependência militar e ficar por lá alguns dias até retomar o juízo e a capacidade de discernimento e ponderação.

Realmente, e sem generalizar porque não seria justo, quando militares aposentados e de alta patente falam de política é literalmente um desastre. As posições políticas são sempre conservadoras, reacionárias e com linguajar violento, além dos preconceitos embutidos em suas explanações estapafúrdias completamente baseadas em analfabetismo político e pela incompreensão quase proposital sobre o que está em jogo ou não neste grave momento da história do Brasil causado pelo golpe de estado de terceiro mundo de 2016.   

Não é o primeiro oficial-general, da reserva ou da ativa, que recorre ao proselitismo político barato e às ameaças de golpe militar, que eles chamam cinicamente e hipocritamente de "intervenção" militar, como se todo mundo vivesse em um estado de letargia mental ou fosse vítima de lobotomia, realidades mórbidas que acarretariam a não percepção de que o Brasil está à mercê de golpistas civis e fardados, de extrema direita, que se importam apenas em apagar o incêndio da crise política e institucional brasileira com gasolina.

O general Lessa não é um idiota. Pode até parecer, mas não é. Trata-se de um direitista raivoso com dotes messiânicos, que pensa que o golpe de 2016 será resolvido com a prisão de Lula, quando não é o Lula o problema, mas, sim, os militares, os juízes, os procuradores, os delegados e os empresários, principalmente os donos do oligopólio Globo, além do Congresso à mercê de gente como o presidiário Eduardo Cunha, que levou a legítima presidente Dilma Rousseff à deposição e, consequentemente, quebraram em vários pedaços a ordem democrática, constitucional e institucional.

O militar vociferante e que baba de ódio pelo PT e suas lideranças sabe muito bem que sua instituição, o Exército, em todos os tempos sempre compôs com as oligarquias, além de ter relações carnais com as forças armadas norte-americanas. Geralmente, tais militares de alta patente são adeptos e aliados da casa grande escravocrata brasileira, bem como estão sempre dispostos a defender seus interesses, mesmo contra os interesses do Brasil, como acontece agora com a entrega do patrimônio público nacional por decisão do desgoverno de *mi-shell temer, formado pelos golpistas mais corruptos, antinacionais e antipatriotas da história do Brasil.

Trata-se de verdadeiro governo de ladrões, que dilapidaram a Petrobras e os direitos trabalhistas dos trabalhadores, sendo que a CLT é um marco real e simbólico do que é civilizado, ou seja, um dos alicerces principais que edificam a civilização brasileira. E daí? Daí é que o general de pijama, que nunca bancou o machão na ativa para evitar não ser punido e, com efeito, não conquistar o generalato, resolve capciosamente e irracionalmente atacar o Lula, o PT e a Constituição, a ameaçar a sociedade brasileira com mortes, agressões, repressões e muito sangue. Como é que pode? Ele está disposto a matar o próprio povo; o povo que não converge com seus princípios, valores, partido e ideologia?

Então é assim: "Pensou diferente, eu mato!" O general é digno de um pequeno Mussolini, um déspota alucinado e disposto a se banhar em sangue por causa do Lula, de acordo com suas insanas palavras. Como se o Exército tivesse o direito de fazer tamanha "cagada" à revelia da Constituição, pois já bastam os 21 anos de ditadura militar e todas as mazelas e fracassos que dela foram gerados, sendo que o maior foi o nosso subdesenvolvimento social e econômico, no que tange às condições de vida da maioria da população brasileira, sendo que grande parte dessa maioria mora em favelas e comunidades muito pobres das periferias, onde atua e age com muita força o tráfico de drogas e de armas.

Armas e drogas que chegam facilmente às mãos de milhares de quadrilhas espalhadas por todo o Brasil pelas fronteiras a oeste do País e pelo vasto litoral, à leste, de forma que os militares das Forças Armadas e os policiais da Polícia Federal demonstram, sem quaisquer margens à dúvida, que fracassaram plenamente, de forma retumbante, no que diz respeito às suas obrigações, conforme reza a Constituição de 1988, a determinar que o combate e a repressão ao tráfico internacional de drogas é por conta dessas instituições e corporações, que hoje se preocupam mais com política e mídias (imprensa, filmes, premiações, regabofes, livros, holofotes e todo tipo de ôba-ôba), sendo que a PF chega a ser algo inacreditável de se ver, pois surreais a desfaçatez, a leviandade e a vaidade de muitos de seus servidores pagos a peso de ouro pelo cidadão contribuinte.  

Agora quanto à violação sistemática da Carta Magna  e o documento mais importante da cidadania e dos direitos dos brasileiros, o general hidrófobo não se importa, pois para ele não interessa saber dos direitos e defendê-los, porque as vidas e os direitos dos militares jamais serão influenciados e prejudicados pelos governos, pois considerados parte do sistema de capitais, que se contenta como a garantidora constitucional do mundo privado e do Estado burguês, que resolveram efetivar um golpe de estado e, consequentemente, garantir os interesses dos países hegemônicos e das burguesias nacionais, a incluir a classe média coxinha idiotizada. Aquela de sempre que foi às ruas apoiar mais um golpe, além de se voltar contra seus direitos constitucionais, trabalhistas, previdenciários e de consumo, assim como também ver seu País ser vendido como lata velha à gringada pirata, malandra e esperta. A classe média coxinha é digna de divãs psiquiátricos e das penas dos historiadores.

E tudo isto para o general de pijama está muito bom e muito bem. Aplausos de escârnios! Vende-se o patrimônio público a preço de banana, sendo que até mesmo os interesses estratégicos das Forças Armadas ficaram em segundo plano ou paralisados, quando não entregues aos Estados Unidos. E o general Lessa calado e de braços cruzados, porque o problema dele é o Lula, como seria também um grande problema para o general, nas décadas de 1940 e de 1950, o Getúlio Vargas, na de 1960 o João Goulart e o Leonel Brizola, como deve ter sido um problema insolúvel para o irado general machão da reserva a presidente Dilma Rousseff e agora o Lula.

Mas, por que tanto autoritarismo e insanidade de ordem política e ideológica por parte do militar? Porque o general Lessa é de extrema direita, não entende, ao que parece, nada de Direito e de leis, bem como pleno de preconceitos que remetem à sua formação militar e, quiçá, familiar. Para ele, Lula é ladrão, e acabou. Levou uma lavagem cerebral da Globo e do Exército durante toda sua vida, mas, principalmente, nos últimos quatro anos, e agora está a babar de ódio contra o ex-presidente que não roubou e, com efeito, está a causar graves problemas institucionais ao País, que somente sairá da crise e do buraco que se meteu com eleições livres, diretas e com a participação de Lula — o político que lidera todas as intenções de votos, cujos crimes imputados a ele não foram, indelevelmente, comprovados. Ponto.

O problema é que os juízes, os procuradores e os delegados não comprovaram nada em relação ao ex-presidente Lula ter cometido malfeitos, assim como e conforme a Constituição todo e qualquer brasileiro somente poderá ser preso depois do trânsito em julgado, a ter como alicerce das garantias constitucionais dos cidadãos a presunção de inocência, que é a responsável maior pela concessão de habeas corpus. O general, como muitos do campo da direita com a má intenção de mantê-la no poder sem passar pelo crivo das eleições, quer criar nova jurisprudência à revelia da Constituição e do que está pela Lei estabelecido.

É constitucional! É Lei! Lei se cumpre e obedece! Lula encarcerado será um preso político de grande apelo popular e interesse internacional e irá influenciar fortemente nas eleições de 2016, apesar de o general Lessa apostar em mais um golpe. O Brasil da casa grande bárbara e selvagem será autor de outro vexame histórico em âmbito mundial, como já o é considerado o golpe de 2016. O general Lessa sabe disso. Compreende. Ele não é um imbecil. Está apenas a fazer o jogo da direita e a pressionar sem ética alguma os juízes do Supremo. A verdade é que o Exército sempre esteve presente no golpe praticado por cafajestes em 2016, mas de forma discreta e relativamente distante, pois os militares sabem que ainda estão na memória do povo, no que é relativo à ditadura militar.

Agora se verifica que o Exército não mudou, apesar dos anos que deixou de controlar, ilegitimamente, a Presidência da República. As gerações de militares mudam e a cabeça é a mesma: subalterna aos Estados Unidos, congelados no tempo da Guerra Fria, golpistas, agressivos e ameaçadores. O general de pijama irresponsável falou em banho de sangue, em tiros e em tomada do poder pela força se o Lula receber o habeas corpus e, consequentemente, ter enorme chance de concorrer à Presidência da República. Ele ameaçou! Ipsis litteris.

O general Luiz Gonzaga Lessa é uma ode à incompetência e à inconsequência política e institucional, além de equivocadamente pensar que a diversificada e complexa sociedade brasileira pode ser resumida às ordens e ao meio de vida das casernas. Ledo engano e grave erro. O Brasil é uma mega sociedade industrializada com 210 milhões de habitantes. O País de hoje é nada comparável com o Brasil dos idos de 1960 a 1964, uma Nação praticamente rural.

Não cabe mais ditaduras militares e civis no Brasil do século XXI do terceiro milênio. Por isto e por causa disto que a população está dividida, mal humorada, intolerante e violenta, como nunca foi, bem como o governo do traiçoeiro e sórdido *mi-shell temer é um retumbante fracasso em todos os sentidos e em todas as atividades sociais e econômicas. Que digam os números e índices dos órgãos oficiais do Estado nacional.

Não existe mais espaço para golpes e, com efeito, o ex-presidente Lula terá amanhã grande oportunidade de ter concedido por parte do STF o habeas corpus, que é o instrumento de cidadania e do Direito mais importante da civilização brasileira, que deseja e luta para ser civilizada. O general Luiz Gonzaga Lessa, se fosse em um País verdadeiramente democrático, deveria ser objeto de prisão preventiva por crime de conspiração contra a Nação brasileira. Crime que, diga-se de passagem, previsto no artigo 152 do Código Penal Militar.

Com o Lula, o general feroz e sem limites com as palavras se preocupa, mas com os políticos que estão no poder, por intermédio de um golpe bananeiro e cucaracha com a cara da casa grande o militar, evidentemente, não se preocupa. O problema é o Lula, a ascensão social dos pobres e o Brasil, definitivamente, soberano. General Lessa, quando gente de sua mentalidade lutará por um Exército republicano e não apenas a servir como guarda pretoriana a favor dos interesses da burguesia? Usar o Exército para dar porrada, jorrar sangue e matar brasileiros, general, é o fim da picada! Lula Livre! É isso aí.

segunda-feira, 2 de abril de 2018

Pastor Dallagnol jejua para ver Lula preso e desce ao mais baixo nível do inferno que virou o Brasil

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre

COMO JÁ DIZIAM OS ANTIGOS: A MENTIRA TEM PERNAS CURTAS!


"Pastor" e procurador, Deltan Dallagnol, é o seguinte: deixe de ser fariseu e messiânico, porque a Lei garante a presunção de inocência. Que os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) cumpram a Constituição, pois nada mais do que a obediência à Lei. Simples assim. No futuro, "pastor" Dallagnol, crie uma jurisprudência própria em um país para ser chamado de "seu", cujo nome poderá ser Banânia.

Existe um sem-número de pessoas à espera da votação sobre habeas corpus no Supremo, dentre elas o ex-presidente Lula, alvo da maior perseguição política e ideológica da história da República, que há quatro anos é linchado em praça pública, a ter o Judiciário, o MPF, a Lava Jato e a mídia monopolista a realizar o papel dos partidos políticos, sendo que eles próprios se encarregaram de tomar a frente da luta político-partidária contra o Governo Dilma Rousseff, o Lula, o PT e suas principais lideranças, a criminalizar e judicializar, inclusive, atos de ofício administrativos, comuns e ordinários, que são parte da rotina de qualquer presidente da República, independente de seu partido e ideologia.

Agora vem o dublê de pastor e procurador com seu moralismo barato e de proveta, a ter o apoio do "bicampeão" em auxílio moradia e outros penduricalhos financeiros, o juiz Marcelo Bretas, pois sabedores que a jurisprudência atual prevê que as prisões, não somente a de Lula, mas de todos os cidadãos brasileiros só poderão ser realizadas depois de os processos transitarem em julgado, a ter a presunção de inocência como garantidora, inclusive, de concessão de habeas corpus.

Como os juízes e procuradores da Lava Jato, bem como o STF foram omissos e displicentes quanto aos casuísmos e arbitrariedades de inúmeros senhores doutores togados, que desprezam a Constituição, o Estado de Direito e a democracia, pois consideram que somente eles são capazes de organizar e administrar o Brasil, mesmo a serem ignorantes sobre administração e política, como muitos demonstraram, a exemplo do juiz Sérgio Moro, assim como delegados da PF e os procuradores Deltan Dallagnol e Carlos Fernando dos Santos Lima.

E deu no que deu: um país dividido e falido por culpa maior dos golpistas de direita, que tomaram o poder central de assalto para roubar sem serem presos e entregar o País à gringada de tradição e caráter pirata, além de ser malandra e esperta, como demonstram com a compra até agora de enorme parcela das jazidas de petróleo do Pré-Sal.

Vagabundos e criminosos a usurpar o poder máximo da República, e o Judiciário (STF) e o MPF de braços cruzados, pois diretamente e indiretamente cúmplices e co-partícipes desse malfadado e criminoso golpe de estado de 2016, que constará nas mais sujas e sombrias páginas da história de horrores de um País que tem em suas terras as piores e mais perversas "elites" do mundo ocidental, que escravizaram seres humanos por quase 400 anos e, ao que parece, pretendem escravizar o povo brasileiro e seus trabalhadores por mais 400 anos.

Trata-se da "elite" do atraso, que enxerga o mundo pelo espelho retrovisor. O "pastor" Dallagnol é parte intrínseca desse processo de horrores, pois desonesto intelectualmente e manipulador profissionalmente, a fim de sacramentar as mentiras contra o presidente Lula, que estão a ser desmentidas uma a uma, em um processo longo e doloroso, mas que chegará, indubitavelmente, ao seu fim.

Agora o Brasil enfrenta uma aberração jurisprudencial, porque simplesmente os juízes e os procuradores resolveram intervir no processo político e governar no lugar daqueles que foram eleitos por dezenas de milhões de votos, como é o caso da presidente legítima e constitucional Dilma Rousseff, que recebeu do povo brasileiro 54,5 milhões de votos e mesmo assim foi deposta para entrar ilegalmente em seu lugar uma quadrilha, cujo chefe dos bandoleiros está a ser denunciado como criminoso pela terceira vez.

E aí o que acontece, o pastor de direita, Deltan Dallagnol, compromissado com a segunda parte do golpe de estado até que Lula seja impedido de concorrer à Presidência, faz cara de paisagem e de desentendido, por exemplo, quanto à roubalheira dos tucanos golpistas do PSDB, DEM e PPS, além de ter se baseado em uma notícia fria ou fake news, além de mau caráter de O Globo, que há cerca de quatro ou cinco anos publicou matéria mentirosa, leviana e criminosa ao afirmar que o apartamento do Guarujá é de Lula, quando nunca foi, não é e nunca será, como reconheceu o juiz Moro em sua sentença condenatória surreal e que, posteriormente, deu ordem para que o imóvel fosse a leilão em nome da OAS, a proprietária real do apartamento.

Dallagnol compreende muito bem que tal processo diabólico do qual ele é um de seus principais autores no âmbito do MP é parte essencial para sedimentar o golpe contra os interesses do Brasil e da maioria do povo, que deseja votar em Lula. Dallagnol é o profeta da iniquidade, o vassalo da alta burguesia e a válvula de escape da casa grande escravocrata deste País infeliz e fadado ao fracasso por viver em suas terras uma das sociedades mais desiguais e perversas do planeta Terra.

A sociedade que se martiriza todo ano em dezenas de milhares de homicídios. A sociedade dos dallagnois, moros, temers e marinhos; dos gilmares, serras, aécios, padilhas, parentes et caterva. A sociedade dos golpes de estado, que destruíram e humilharam o Brasil no decorrer de séculos, para que bandos de vagabundos tomassem de assalto o poder e, com efeito, transformar o Estado nacional em uma zona, a bagunça generalizada para que os patifes e pilantras possam se locupletar, por meio de um patrimonialismo degenerado, descarado, patético e violento.

O pastor messiânico continua a fazer proselitismo com suas opiniões pelas redes sociais, a tentar comover os coxinhas golpistas, que são o público das palmas fáceis e ignorantes a Dallagnol, que pensa estar a fazer a maior "limpeza" no que é relativo à corrupção neste País, sem, no entanto, prender um único tucano ladrão.

O pastor da demagogia ainda verá no que irá acabar o powerpoint leviano e mentiroso, porque a mentira, ainda mais pelo cargo público e posição social que ocupa se torna mais grave ao autor, além de ter pernas curtas, assim como o jejum do procurador perde a validade, pois insincero e pernicioso, até porque um dos codinomes de Satã é o Pai da Mentira.

As prisões evidentemente têm de ser determinadas quando os processos transitarem em julgado, como reza a Constituição, independente do que pensa o pastor e procurador Deltan Dallagnol — o rábula do powerpoint leviano e mentiroso. Porque quem se comporta dessa forma ao apresentar um powerpoint elaborado para prender um homem que não cometeu crimes, pois jamais comprovados, a exemplo do apartamento do Guarujá, realmente age e atua como um rábula, que rasga a Carta Magna e cria, inacreditavelmente, sua própria jurisprudência.

Os tucanos agradecem à Lava Jato, vendem a Petrobras, a Eletrobras e a Embraer, sem terem vencido as eleições de 2014, bem como foram derrotados em quatro eleições e seriam derrotados este ano, a quinta seguida, mas existe o tapetão da Justiça, do MPF e da PF tucanos, que, malandramente e violentamente, lutam para que o ex-presidente Lula não tenha o direito de competir no certame eleitoral, assim como querem prendê-lo sem comprovar os crimes imputados ao líder trabalhista, porque neste País somente se persegue e derruba os esquerdistas e os trabalhistas, que conquistaram o poder, ou por meio de revolução, como a de 1930, ou pelo voto, como ocorreu com os presidentes Jango, Lula e Dilma.

Agora, quanto aos crimes constitucionais, institucionais e meramente de corrupção dos ladrões e golpistas de direita, principalmente os do PSDB, o Judiciário e o MPF, além do OAB, calam-se e cruzam os braços. Trata-se de incomensurável vergonha e vexame o que acontece neste País, que beneficia e serve aos interesses de poucos e deixa a grande maioria à míngua, exposta à roleta da "sorte".

E aí tem que aturar ou aguentar as sandices e a falta de senso do pastor Dallagnol, que entra em jejum, mas que, na verdade, é uma forma cretina, seletiva, parcial e injusta de pressionar o STF e, consequentemente, receber o apoio de coxinhas de classe média idiotizados, que foram às ruas para apoiar ações do desgoverno golpista contra seus próprios interesses trabalhistas, previdenciários, consumistas e empregatícios.

Não é uma beleza a lobotomia que os coronéis midiáticos efetivaram nos cérebros ignorantes dos coxinhas do País do fim do mundo? Pois é... E o pastor Dallagnol jejua, pois um messiânico inglório e desditoso... Se eu fosse o Dallagnol me uniria ao juiz Moro e iria fazer queixa à CIA, ao Departamento de Estado dos EUA ou à NSA, mas sem chorar, porque pega mal para os valentões e imperialistas yankees.

Afinal, muitos membros da Lava Jato e de outros setores do MPF, Justiça e PF foram denunciados e acusados de conspirar contra o próprio País, o Estado nacional e a Presidência da República, quando Dilma Rousseff foi covardemente e absurdamente espionada e gravada pelos órgãos norte-americanos, o que causou grave crise institucional com o presidente Barack Obama e sua secretária de Estado Hillary Clinton, o que ocasionou, inclusive, a suspensão de viagem de Dilma aos Estados Unidos.

Verifica-se agora que o governo dos ladrões e golpistas ocupado criminosamente pelo PMDB e PSDB está a entregar o País, o Pré-Sal e tudo o que tiver de entregar e vincular definitivamente o Brasil à órbita de influência dos estadunidenses. É assim dessa forma calhorda e sem o mínimo de vergonha na cara que a direita brasileira dona da casa grande quer o Brasil: um país de joelhos, anão e subalterno aos ditames de seus patrões — o governo e os empresários dos Estados Unidos. Ponto!

E o pastor Deltan Dallagnol a fazer jejum para prender o Lula... Seria cômico se não fosse trágico. O que esse rapaz imberbe pensa o que é? Que a Lava Jato vai perdurar indefinidamente? Que o Brasil vai ficar nas mãos dos patifes golpistas e usurpadores para sempre, a incluir nessa miscelânea podre que exala um fedor putrefato o STF?

Ou seja, o Brasil será para sempre a casa da Mãe Joana porque a direita não ganha eleições, mas precisa tomar o Estado de assalto para ter atendido seus interesses. É por aí, pastor Dallagnol? Cinismo e hipocrisia aplicados diretamente nas veias e, com efeito, atender e contentar os interesses da casa grande provinciana e os EUA, que, na verdade, formam uma província "cristã" ainda maior? Se for dessa maneira, é melhor fechar o MPF e tudo o que o valha para balanço, porque assim realmente não dá para continuar!  É melhor, pastor, se mudar para os "Esteites"... O quê achas?

Greve de fome fundamentalista hipoteticamente praticada por esse rapaz. Ele quer porque quer a prisão de Lula, a não importar as provas, pois o lawfare e o domínio do fato bastam para o lavajatense, quando se trata do Lula e dos petistas em geral, porque se houver algum tucano do PSDB e do DEM na alça de mira, entorta-se a alça e salvam-se os golpistas, que estão à espera de um "milagre" que afaste o Lula das eleições, até porque o pastor Dallagnol jejua pela causa. Só não sei se Deus em forma de homem, que é Jesus Cristo, irá engolir tanta demagogia e despropósito.

Por que será que o fundamentalista orgânico, Deltan Dallagnol, pensa que Deus está com ele? Eu, por exemplo, considero que Deus está contra ele. E agora, o que se fazer? Esses caras tomam Deus como propriedade, sendo que depois alguns fazem barbaridades inenarráveis e indescritíveis, como as que vemos todos os dias e em todas as épocas a acontecerem pelo "mundo de meu Deus".

De uma arrogância atroz e de uma ignorância estratosférica, o pastor Dallagnol, do alto de seu messianismo, afirmou: “4ª feira é o dia D da luta contra a corrupção na #LavaJato. Uma derrota significará que a maior parte dos corruptos de diferentes partidos, por todo país, jamais serão responsabilizados, na Lava Jato e além. O cenário não é bom. Estarei em jejum, oração e torcendo pelo país”.

"Oh Glória!" — digo eu agora.

Então vamos lá: Em primeiro lugar o pastor e procurador Deltan Dallagnol tem de aprender a escrever e respeitar a concordância verbal e o gênero a ser solicitado pelas regras gramaticais. Ele escreveu: (...) Uma derrota significará que a maior parte dos corruptos de diferentes partidos, por todo país, jamais serão responsabilizados (...)

Calma aí, cara pálida! (...) a maior parte dos corruptos (...) jamais será responsabilizada (...) Esqueça o verbo no plural — serão. E fim de papo. OK? Daqui a pouco o pastor irá confundir Engels com Hegel, como já o fizeram os cultos e preparados promotores de outro lugar — alhures... Além disso, quando pastor diz dia "D" é sinal real de que Dallagnol e sua trupe são irremediavelmente colonizados.

Porém, vamos ao que interessa, que é informar as pessoas. Quem defende a prisão em segunda instância, como alguns juízes e procuradores, está na verdade a rasgar a Constituição e a jogar para o espaço o Estado de Direito. E por quê? Porque a prisão em segunda instância antes do fim do julgamento de todos os recursos previstos em lei é um atentado contra o cidadão, porque fere de morte a presunção de inocência, conforme a reza a Carta Magna, volto a ressaltar.

A verdade é que existe o sujeito oculto, o que não aparece no Jornal Nacional da Globo, por exemplo. Esse sujeito ordinário e pernicioso se chama golpe político e visa, sobretudo, afastar o Lula das eleições de 2018, como uma pessoa impossibilitada pela lei, porque considerada ficha suja ou, na pior hipótese, levada à prisão por seus adversários políticos, sendo que um de seus inimigos políticos é a Lava Jato, um bunker da direita togada, que trata o Direito apenas como uma coisa que "Não vem ao caso". Não é mesmo juiz Moro?!         

Se o pastor fundamentalista Deltan Dallagnol tem tanta preocupação com o País, porque então ele não reclamou e não protestou em suas redes sociais sobre o monte de habeas corpus que os juízes dos tribunais superiores concederam a inúmeros políticos, doleiros, assessores e, principalmente, a empresários bilionários? É bom ressaltar e lembrar que muitas dessas pessoas foram soltas pela Lava Jato após fazerem delações. Dallagnol sabe disso.

Agora, quando se trata de Lula, o pastor-procurador resolve passar fome? Ficar de barriga vazia e abrir mão de uma suculenta bacalhoada? Aí não dá! Assim não é possível... O rapaz poderá "pegar" uma fraqueza e seus familiares mais velhos a darem-lhe um sonoro carão.

Gostei muito do que disse o deputado Marco Maia, do PT gaúcho: "Ante a enxurrada de pedidos a Deus feito pelos procuradores e juízes da Lava Jato gostaria de fazer um também. Que Deus atenda minhas orações e puna quem recebe auxilio moradia em duplicidade na família". Talvez seja uma alusão ao juiz Bretas, do Rio de Janeiro, que assumiu que ele e sua mulher recebem auxílio moradia duplo, além de outros penduricalhos financeiros, apesar de os juízes deste País terem um dos salários de magistrados mais altos do mundo. 

Dallagnol quer Lula fora das eleições. Apenas isto e nada mais do que isto. Vergonhosamente apresentou um powerpoint mentiroso e leviano, que tinha por objetivo jogar o Lula em uma fogueira medieval, tal qual o fundamentalismo não apenas jurídico e religioso de Dallagnol, mas, sobretudo, como uma forma perversa e sectária de ver a existência — a vida. Muita gente boa que conheci e li chama essa conduta e maneira de pensar de fascismo.

O procurador da República e coordenador da Lava Jato no MPF caluniou, difamou e injuriou o Lula naquele pantomima lúgubre e sórdida chamada de powerpoint. E digo mais: se o pastor do jejum midiático e totalmente político vivesse nos tempos dos apóstolos, dos judeus fariseus do templo e dos romanos, certamente que Jesus Cristo seria condenado por ele.

Quarta-feira o Brasil estará à espera da decisão dos juízes do STF sobre o habeas corpus para Lula. O Supremo que não pode e não deve aceitar quaisquer pressões de togados e meganhas, de bilionários historicamente golpistas da imprensa mercantil, ou seja, de quem for e de quem tentar jogar mais uma vez a Constituição na lixeira. Que o Lula seja redimido perante a Justiça e o povo brasileiro.

Dezenas e dezenas de pessoas poderosas e importantes na política e na economia afirmaram para os membros da Lava Jato que nunca souberam da participação de Lula em qualquer tipo de bandalheira e corrupção. Pessoas presas ou não asseveraram não ter incorrido em crimes, até que o delator da OAS, Léo Pinheiro, que, na verdade, seu testemunho não tinha peso de acusação resolveu mudar o que disse, porque foi condenado a uma cadeia, digamos, de parar o canto do galo na madrugada.

Verificou-se depois que o Lula jamais incorreu em crimes e agora Léo Pinheiro está a curtir sua mansão junto com os seus familiares e amigos, a dar gargalhadas, bem como sabedor que mais cedo ou mais tarde a Lava Jato será duramente investigada, pois acusada de inúmeras irregularidades e ilegalidades, bem como envolvida em crimes, a exemplo do áudio repercutido pela Globo, quando Lula e Dilma conversavam sobre sua posse como chefe da Casa Civil. Ah se fosse nos Estados Unidos, terra do pessoal da Lava Jato! O juiz Sérgio Moro já estaria demitido e preso, pois acusado de crimes de conspiração e traição, só para se dar o início da conversa nos tribunais...

Para finalizar o artigo, cito primeiramente o deputado Paulo Pimenta, do PT do Rio Grande do Sul, e depois o governador do Maranhão, Flávio Dino, do PCdoB:

"Fariseus hipócritas [que] transformam o sistema judiciário brasileiro no reino da seletividade e da demagogia. Com seus milionários salários e todo tipo de privilégios, se negam a cumprir a CF. Constituintes foram eleitos pelo povo, não foram fruto da meritocracia, esse é o ponto!! Na realidade é o discurso da meritocracia que justifica a extrapolação das competência do sistema de justiça. Uma 'casta' selecionada nos 'melhores filhos' dos 'cidadãos de bem' que devem gerir os destinos da nação" — critica Paulo Pimenta, para logo complementar:

"Para os "fariseus" os poderes eleitos pelo voto popular não possuem o "filtro necessário", a "preparação técnica exigida", a "formação cultural e intelectual" que a sociedade moderna exige dos seus gestores. "Não falam inglês fluentemente, mal conhecem o Brasil, quiçá a Europa e os EUA. Não estudaram nas melhores escolas, não fizeram mestrado em Harvard nem em Oxford, como podem ter pretensão de fazer leis?? É isso o que pensam de verdade" — finaliza o líder do PT.

Por sua vez, o governador do Maranhão, Flávio Dino, criticou o procurador Deltan Dallagnol e os membros da Lava Jato: "Ministros do Supremo já deram várias liminares sobre condenados em 2ª instância. Nunca houve passeatas, protestos irados, farisaísmo. Nada. Aí fica estranho só fazerem quando o caso do ex-presidente Lula vai ser julgado".

E assim caminha a humanidade. Pelo menos no Brasil. Juízes, procuradores e delegados resolveram ser seletivos, parciais e injustos para fazer política e interferir no processo democrático brasileiro, bem como setores da Justiça e do MPF estão diretamente envolvidos com o golpe de estado de 2016, situação que os deixa perante milhões de brasileiros, que não votam no PSDB e na direita em geral, em um processo de infindável de desconfiança.

A realidade é que a sociedade civil é mais poderosa do que esses homens e mulheres que trabalham no serviço público pensam e imaginam. Lula receberá por parte da maioria do STF o habeas corpus merecido, pois vítima de perseguições e covardias inomináveis, pois bárbaras e selvagens. Os juízes não precisam simpatizar com o Lula e com ninguém. Os magistrados têm de cumprir a Constituição, e o maior e mais importante líder brasileiro tem  de  ter direito ao habeas corpus.

Não se trata do dia "D" americanizado, como afirma o pastor Deltan Dallagnol. Trata-se do dia "L", como acredita e quer o povo brasileiro. Lula Livre! É isso aí.

quarta-feira, 28 de março de 2018

País não é dos fascistas, Lula é o Brasil livre e Noblat vira menino de recado de golpistas


Por Davis Sena Filho — Palavra Livre


Antes de tudo e qualquer coisa é necessário dizer que as declarações de autoridades federais e estaduais, bem como da OAB, apoiadora de golpes de estado, aconteceram de forma tardia e cínica, pois há semanas os integrantes das Caravanas de Lula nos três estados sulistas, bem como os blogs e sites progressistas têm denunciado, intermitentemente, a violência de grupos fascistas ou de extrema direita contra ativistas, simpatizantes e eleitores de Lula e do PT, assim como os ônibus das caravanas têm sido alvos de ameaças, insultos e arremessos de ovos, paus, pedras e agora balas de armas de fogo.

O silêncio de autoridades golpistas e usurpadoras do Governo Federal e dos governadores dos Estados do Sul é uma escândalo nacional, que desmoraliza de vez a Constituição e põe de joelhos o Estado de Direito, pois os direitos de cidadania garantidos pela Carta Magna e pela regime democrático, como o de fazer reunião, de livre expressão e de ir e vir foram, barbaramente, violados.

Autoridades como o governador de São Paulo, Geraldo Alckimin, afirmaram, sadicamente e irresponsavelmente, que o "colhe o que plantou". Como assim tucano cara pálida? Lula lidera as pesquisas e ganharia no primeiro turno se as eleições fossem hoje. Então o PT de Lula e de Dilma Rousseff colheu apoios de dezenas de milhões de brasileiros, porque plantaram desenvolvimento, distribuição de renda e riqueza e igualdade de oportunidades. Coisas que a direita golpista jamais fez e, por causa disso, teve de dar um golpe de estado para conquistar o poder ilegitimamente. Ponto.

O silêncio de autoridades do Congresso, nas pessoas de Eunício Oliveira (Senado) e Rodrigo Maia (Câmara), dos governadores sulistas José Ivo Sartori (RS), Eduardo Pinho Moreira (SC) e Beto Richa (PR), bem como o silêncio retumbante do ministro Extraordinário da Segurança Pública do Brasil, Raul Jungmann, denota que o golpe terceiro-mundista visa dar continuidade à sua segunda parte, que é impedir que Lula seja candidato a presidente, pois a primeira foi sacramentada com a deposição absurda de Dilma Rousseff.

Todas as autoridades federais e estaduais coniventes e cúmplices do golpe ficaram quietas e algumas delas resolveram "criticar" os movimentos fascistas no sul do País, porque suas arbitrariedades e violências foram denunciadas nacionalmente e internacionalmente. O usurpador Jungmann, por exemplo, só abriu a boca depois de ser pressionado, quando finalmente resolveu dizer que recomendou aos governadores golpistas da região sul que garantisse o direito de ir e vir das caravanas de Lula e a integridade física das pessoas que viajam nos ônibus, bem como dos cidadãos que participam dos comícios do ex-presidente.

Enquanto Lula luta pela sua sobrevivência política e citadina, a enfrentar o sistema estatal (Judiciário, MPF e PF), político e midiático, além dos fascistóides que agridem e insultam àqueles que não pensam como eles, uma forma selvagem e bárbara de interditar o debate político e social, o jornalista porta-voz do golpe e de O Globo, Ricardo Noblat, a despeito de ter criticado os fascistas que deram até tiros em ônibus da Caravana de Lula, deu um aviso de ministro oculto, que considerou não ter eleições presidenciais este ano.

Isto é uma provocação mequetrefe e rastaquera, pois segundo Noblat, o jornalista do Globo que apoiou o golpe contra 54,5 milhões de brasileiros que votaram em Dilma, o ministro golpista e oculto pateticamente afirmou que os militares não estariam dispostos a tomar conta desse "pepino", como se o Brasil fosse um pepino, quando o "pepino" pertence somente aos golpistas, tanto da iniciativa privada quanto da poder público. Vixe, assim não dá, pois uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa.

A verdade é que Ricardo Noblat, tal qual Merval Pereira, Miriam Leitão et caterva, está a jogar verde para colher maduro, a verificar o termômetro político e o humor dos servidores públicos de poder e mando, que perceberam ser a prisão de Lula um estupro contra a verdade, a razoabilidade, a Constituição e o Código Penal. Noblat, na altura do campeonato de sua vida, torna-se menino de recado de golpistas, pois deixou de fazer jornalismo há muito tempo...

Não dá mais para tergiversar e flertar com o imponderável, que poderá jogar de vez o Brasil no precipício da iniquidade e do recrudescimento da crise política, que poderá levar o povo brasileiro a uma inexorável violência, cujo "aperitivo" se traduz nas agressões à Caravana de Lula.     

Quem é o ministro golpista e sem vergonha que disse ao Noblat, o "amigo" de mi-shell temer, que poderá não haver eleições? Ele, o sem vergonha, está a dizer que o calendário eleitoral pela primeira vez após a promulgação da Constituição, em 1988, será irremediavelmente suspenso? Mas, pergunto: quem suspenderá definitivamente o processo democrático e eleitoral  no Brasil e impor, literalmente, uma ditadura aberta, assumida e despida de filigranas, dissimulações, manipulações e mentiras? Tipo assim: "É ditadura mesmo e dane-se todo mundo!" Ponto.

O povo brasileiro e inúmeros setores importantes da vida brasileira, e isto é real, estão a perceber que o Brasil somente retomará a normalidade democrática, institucional e constitucional com eleições livres, abertas e diretas. Não tem jeito. Apenas um mandatário legítimo e sufragado pelas urnas soberanas poderá restabelecer a lei e a ordem constitucionais e, com efeito, ordenar e hierarquizar novamente as instituições republicanas, sendo que muitas delas se insurgiram contra o Estado Democrático de Direito e, com efeito, violaram a Constituição.

O Congresso, o Judiciário, o MPF, a PF e setores das polícias estaduais, além de governadores, apoiaram o golpe de estado contra uma mandatária legítima e constitucional. Uma aventura inconsequente, que colocou as instituições tão caras ao País e à cidadania nas páginas mais sombrias da história do Brasil, pois servidores públicos resolveram tomar posições, escolher lado, pois partidarizaram-se e, ideologicamente, transformaram, vergonhosamente, as instituições e corporações em partidos políticos. Em um país civilizado e realmente democrático, tais servidores seriam processados e severamente afastados ou demitidos para o bem do serviço público.

A participação de Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições para presidente não é meramente hoje no País apenas uma questão eleitoral e partidária. Trata-se da retomada do Brasil em direção à civilização, em busca de seu marco civilizatório, que se edifica com o respeito às leis e ao contrato político e social entre as forças políticas e econômicas antagônicas.

A resumir: um acordo entre as diferentes classes sociais, de forma que o Brasil retome seu desenvolvimento econômico e efetive, definitivamente, mecanismos para que nunca mais um bando sacripantas covardes e ladrões tomem o poder de assalto e desmonte, não somente a economia e o Estado nacional, mas, sobretudo, a autoestima e o sonho de melhorar de vida de toda a Nação. Lula Livre! É isso aí.  

terça-feira, 27 de março de 2018

Moro mente porque a mentira é sua sentença


Por Davis Sena Filho — Palavra Livre

Juiz Moro fica radiante quando fala à imprensa venal e "amiga". Sente-se tão feliz como pinto no lixo.

O juiz de primeira instância e titular da 13ª Federal de Curitiba, Sérgio Moro, é um homem vaidoso e arrogante, todo mundo sabe, inclusive seus parceiros de Lava Jato. Moro não se importa com nada, ou seja, com a Constituição, a qual ele violou inúmeras vezes, o Estado de Direito há muito tempo mandou para o espaço, como disse certa vez o ministro da ditadura militar, Jarbas Passarinho, antes de o presidente Costa e Silva assinar, em 1968, o AI-5 e, definitivamente, fechar o regime ditatorial: "As favas, senhor presidente, no momento, todos os escrúpulos de consciência".

Sérgio Moro faz jus também ao conselho de Passarinho a Costa e Silva, porque mentiu mais uma vez em sua vida de cidadão e magistrado. Diga-se de passagem, uma mentira atrás da outra por sinal, na frente do público, quando o magistrado, que jamais prendeu em quatro anos de Lava Jato um único tucano ladrão, disse em entrevista aos golpistas do programa "Roda Viva" da tucana TV Cultura, que "jamais pediu escusas" por ter vazado, criminosamente, o áudio em que conversavam a presidente constitucional, Dilma Rousseff, e o ex-presidente Lula — os dois mandatários trabalhistas e de esquerda, pois importante ressaltar, ainda mais quando se trata de golpe no Brasil.

O juiz Sérgio Moro, quando está em recinto da imprensa "amiga" e de mercado, seja para receber prêmios, como o de "Funcionário Padrão", do Grupo Globo, ou para dar entrevistas, sente-se muito à vontade, como um pinto no lixo, diriam os mais observadores e os mais práticos.

Mais uma vez o herói de pés de barro dos coxinhas e dos golpistas em geral se mostrou feliz e encantado com os holofotes do jornalismo conservador, parcial, seletivo e praticante do golpismo de terceiro mundo. Moro, na Cultura, realmente se sentiu entre os seus, que o afagam e, quando fazem perguntas, é como se jogassem uma bola de voleibol açucarada para o alto, com doçura e candura, para que um dos áulicos do golpe de direita, que levou à deposição da presidente legítima, Dilma Rousseff, possa cortar a bola livre, leve e solto, sem ter um único golpista na bancada da TV Cultura para tentar contrariar o que o juiz provinciano e deslumbrado considera como "verdade", porque a mentira para ele "Não vem ao caso".   

A verdade é que Sérgio Moro enviou ao ministro do STF, Teori Zavascky, morto em um acidente de avião, ofício a pedir desculpas pelos vazamentos de áudios de dois presidentes, sendo que Dilma a exercer o poder em sua plenitude, apesar da conspiração de *mi-shell temer, Romero Jucá et caterva com o PSDB, o DEM e o PPS, com o apoio incondicional da imprensa de negócios privados "amiga" de Sérgio Moro, o juiz que se tivesse tal má conduta em um país civilizado estaria agora a morar em um presídio, bem como seria demitido do cargo para o bem do serviço público.

Portanto, Sérgio Moro pediu desculpas, mas não por estar arrependido, até porque direitistas e golpistas de sua estatura não se arrependem de nada, a não ser quando fingem arrependimento para se safar de punições e questionamentos. E foi o que aconteceu. Moro está aí, a condenar pessoas, a exemplo de Lula, que não cometeu crimes, bem como a se divertir na TV Cultura com seus pares de golpe, a se exibir como um pavão, pois um cabotino-mor, a fanfarronar e a se orgulhar de suas diatribes.

O juiz tucano afirmou para o deleite de sua plateia particular, no estúdio da Cultura, em São Paulo dos tucanos: “Foi uma decisão que eu tomei pensando estar fazendo a coisa certa. O ministro Teori entendeu que não e revisou”. Evidentemente que o juiz Teori "entendeu que não". Ele não era maluco nem irresponsável e, republicano, respeitou a Constituição, o que o Moro, sistematicamente, não faz.

Tadinho do Moro. O magistrado de Maringá é tão ingênuo e de uma generosidade a toda prova. O paladino da justiça, da moral, da ética e dos bons costumes udenistas/lacerdistas/coxinhas, na verdade, sentiu-se pela primeira vez pressionado por um tribunal superior, pois até então sempre agia como aquele tipo de playboy acostumado a fazer travessuras ou diabruras sem ninguém chamar-lhe atenção para seus abusos inquietantes.

Moro continuou com sua falácia aos jornalistas da TV Cultura que também sabem muito bem o que é falácia, mas mesmo assim continuaram a se embevecer em verdadeiro convescote dos que foram beneficiados, patrimonialmente, pelo golpe de estado de direita, que derrubou uma presidente reeleita democraticamente com 54,5 milhões de votos. Acha pouco, cara pálida, ou quer mais?!      

O togado provinciano das Araucárias, além de mentir ao asseverar que não pediu desculpas ao ministro Teori, ainda acrescentou à sua farsa de tantas outras farsas, como a do powerpoint mentiroso e leviano do procurador Deltan Dallagnol e sua turma de procuradores fanáticos e obsessivos pelo Lula, resolveu incrementar sua evasiva, e disse aos cínicos e hipócritas: "Não tive intuito político-partidário".

Realmente, o juiz Moro é, na verdade, uma ode à honestidade de propósitos, bem como o Varão de Plutarco de Terra Brasilis. Moro é o exemplo tupiniquim pronto e acabado do caráter inviolável, sendo que "às vezes" derrapa quando se trata de prender tucano ladrão, investigar amigos aproveitadores e prender pessoas indefinidamente, até que elas se sintam os cocôs dos cavalos dos bandidos, de forma que chega a um ponto que entregam até suas mães, sem falar em seu salário acima do teto e dos penduricalhos que aumentam ainda mais seu alto salário, a exemplo do vexaminoso auxílio moradia, dentre muitos outros benefícios, que são contrários à Constituição e ao republicanismo.

Falar é fácil, mas ser ético e honesto são outros quinhentos. Muitos, mas muitos homens e mulheres conhecidos e desconhecidos, que foram às ruas em prol do combate à corrupção respondem a processos por serem denunciados e processados pela Justiça. Alguns estão presos, sendo que o cinismo e a hipocrisia, mais do que trapacear, era e é o modo de vida dessas pessoas, que batiam em panelas de barrigas cheias e iam às ruas com a camiseta amarela da corrupta CBF.

E deu no que deu: assumiu o governo golpista mais corrupto da história e que fez o Brasil ser humilhado e cair de joelhos em todos os sentidos. O pior governo para o povo brasileiro de todos os tempos, que está, propositalmente, a desmontar o Brasil, a roubar a esperança dos trabalhadores, que perderam direitos, dentre eles a CLT e os empregos.

O Juiz Sérgio Moro é o fim da picada. Ele e a Lava Jato. Destruíram o Brasil, porque não preservaram suas poderosas e imensas empresas, as privadas e as estatais. Moro deveria estar preso. O juiz violou a Constituição inúmeras vezes, de forma recorrente e não se arrepende. Se ele vazasse e repercutisse os diálogos de dois mandatários nos Estados Unidos, por exemplo, certamente que ele seria demitido e neste momento estaria atrás das grades.

Agora, de forma petulante e prepotente, o juiz provinciano pressiona uma magistrada do STF. Rosa Weber já mostrou que não tolera pressões, mas o Moro é leitor de O Globo e vê o Jornal Nacional, que pressionam a ministra e consideram que podem interferir em sua autonomia e consciência. Moro, ordinariamente, juntou-se à pressão dos magnatas bilionários de imprensa e de todas as mídias cruzadas e monopolizadas. Simples assim...

Por isto que ele se sente livre o bastante em não aceitar que o Supremo contrarie seu pensamento (tosco), pois o juiz é contra a revisão da jurisprudência, que autoriza a prisão de réus após a condenação em segunda instância, mesmo sem trânsito em julgado, o que contraria o direito CONSTITUCIONAL da presunção de inocência. E tudo isto que o Moro quer para o Lula jamais atingiu ou atingirá os tucanos Aécio Neves, Geraldo Alckmin, José Serra e Fernando Henrique Cardoso. Moro é tucano. Touché!

Moro tem vocação para déspota ou ser um pequeno Mussolini, porque também se disse contra a concessão de habeas corpus, que no Direito fundamenta a civilização brasileira. É inacreditável que até 2013 o Brasil se dirigia a passos largos em busca de seu marco civilizatório e hoje tem de conviver com os proto-fascistas, a cometer violências nas ruas, rodovias, em lugares fechados e na internet. O juiz Moro tem grande responsabilidade por este País estar dividido e a sentir ódio pelos poros e pelas ventas.

Sérgio Moro e seus "amigos" da imprensa venal querem o Lula preso, não porque o Lula roubou. Nem pensar. Afinal, o golpista *mi-shell temer e sua cambada estão no poder. Estúpido é quem pensa assim. Moro quer o político mais importante do Brasil e um dos maiores da história preso, pois a finalidade é impedir que o líder trabalhista seja novamente presidente da República. Se a direita, da qual o Moro faz parte, não vence pelo voto, que seja pelo tapetão. Os dados estão ainda a ser jogados...

Moro mente, porque a mentira é sua sentença. Lula Livre! É isso aí.