Google+ Badge

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

GRILHÕES E LIBERDADE

Espaço Bico de Pena — Palavra Livre


Tranquilidade nunca tive.
Paz também.
Nunca pensei no futuro.
Do que não sei fiz minha lei.
Briguei com todo mundo.
E pelas cidades passei.
Conversei com todo tipo de vagabundo.
Por falar com eles um deles me tornei.
Percebi que a razão é o coração.
Submeti-me a esta indelével verdade.
Ainda bem.
Compreendi que o tempo é a verdade de toda e qualquer razão.
A realidade de que as crenças da vida começam na puberdade.
Tanto quanto o medo da morte é apenas o amor à liberdade.

Davis Sena Filho — 23/08/2016

Rio de Janeiro

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Delegado Anselmo é político e sua política é perseguir Lula para impedi-lo em 2018

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre

Delegado Anselmo (à direita): lugar adequado a ele. 
Eu estava aqui a pensar: quando o tempo passar e a Lava Jato terminar, bem como se comprovar que o ex-presidente Lula não cometeu crimes, o que acontecerá com os procuradores, delegados e juiz da Força Tarefa da Lava Jato? Além disso, evidentemente, porque não tem jeito, muitas pessoas que foram envolvidas no escândalo da Petrobras não têm culpa no cartório, pois se trata de muita gente e, obviamente, que nem todos os acusados e investigados são culpados.

Então, fiquemos apenas com esta pergunta: o que acontecerá, por exemplo, com o delegado da PF, Márcio Adriano Anselmo, que resolveu porque está determinado por ele que Lula é autor de crimes. Isto mesmo. Lula é criminoso, mas, conforme se percebe, no decorrer do tempo no que é relativo à Lava Jato, o intrépido e impoluto delegado Anselmo não conseguiu ainda investigar, acusar e denunciar um demotucano sequer, a despeito de eles terem sido delatados por praticamente todos os donos e executivos das grandes empreiteiras brasileiras.

É o que se poderia ser chamado de seletividade e opção partidária, política e ideológica. Afinal, o delegado tão cônscio de suas responsabilidades quando se trata do PT, não tem a mesma postura e conduta quando se trata do PSDB e do DEM. Por que será? O problema é que ninguém é idiota e todo mundo está vendo como são os procedimentos e as ações dos operadores da Lava Jato.

Anselmo, por exemplo, é considerado por inúmeros analistas de política que repercutem suas opiniões e textos pela internet como um dos delegados "aecistas" de Curitiba. Esses servidores públicos muito bem pagos pelo contribuinte brasileiro e que pensam não dever nada a ninguém, nem mesmo dar satisfações, mesmo a serem empregados do público, participaram ativamente da corrida eleitoral de 2014, quando a presidente Dilma Rousseff foi reeleita ao derrotar o tucano golpista Aécio Neves.

E não é que o delegado Márcio Anselmo participou ativamente da campanha eleitoral em prol de Aécio Neves? Sim. Repercutiu palavras agressivas repletas de preconceitos e ferocidade por meio de seu facebook. Os adjetivos e arrogâncias publicados denotaram que tal servidor público e seus colegas delegados estavam a participar efetivamente de um círculo político-partidário de apoio ao candidato do PSDB, bem como de desprezo e ira contra a candidata do PT, Dilma Rousseff e seu principal apoiador, Luiz Inácio Lula da Silva.

Quem pesquisar pela internet perceberá os insultos repercutidos pelo policial e, com efeito, terá uma dimensão maior do que os adversários políticos de tais servidores públicos do Judiciário estão a enfrentar, porque, nitidamente, percebe-se que são perseguidos por aqueles que têm a obrigação e o dever de serem justos, imparciais e isentos, que é o caso do delegado Anselmo, do juiz Sérgio Moro e dos procuradores, a exemplo de Carlos Fernando e Deltan Dallagnol

Contudo, volto a perguntar: o que vai ser desses servidores de carreira do Estado quando ficar claro, como aconteceu com Juscelino Kubistschek, que Lula não cometeu quaisquer malfeitos? Juscelino também foi perseguido por causa de apartamento onde morava, na Vieira Souto, em Ipanema, na Zona Sul do Rio de Janeiro. O mandatário mineiro foi tratado como ladrão, porque perseguido e humilhado pelos meganhas fascistas da época, que também resolveram por conta própria fazer política indevidamente, pois servidores que têm de se ater às leis e não criar situações e polêmicas para desmoralizar o adversário político a ser abatido.

O delegado Anselmo é useiro e vezeiro em transformar seu cargo público em plataforma política de enfrentamento ao campo da esquerda de perfil trabalhista. Para se ter uma ideia, o varão de Plutarco da terra dos pinheirais compartilhava, com outros delegados da Superintendência da PF no Paraná, propaganda eleitoral do candidato da direita, Aécio Neves, assim como atacava o ex-presidente Lula e a candidata à reeleição, Dilma Rousseff.

Só que tem um importante "porém", no que diz respeito à ética profissional: tais policiais indevidamente politizados e partidarizados são exatamente os que estão a investigar o presidente Lula, sua família e seus correligionários e amigos. Como pode um negócio desse? Em um País cuja democracia é tradicional e estável esse delegado seria sumariamente afastado, investigado e, certamente, demitido para o bem do serviço público.

Afinal, trata-se de um empregado da máquina do Estado e não de um deus, porque passou em um concurso público e recebeu uma arma e um distintivo. A Polícia Federal não é um dos Poderes da República, conforme estabelece a Constituição. Não se pode esquecer. A PF é apenas uma corporação subordinada ao Ministério da Justiça, que se reporta à Presidência da República.

A corporação policial teve e tem liberdade para trabalhar, principalmente nos governos do PT, mas não tem liberdade para perseguir e rasgar a Jurisprudência e a Constituição. Se o delegado Anselmo e seus pares querem ser políticos, que tratem de se filiar a um partido, de preferência de direita, de acordo com seus perfis ideológicos e, por sua vez, concorram às eleições, como quaisquer cidadãos brasileiros, como quaisquer seres mortais. Delegado é servidor público. Ele não governa e não apresenta ou aprova programas de governo e projeto de País. Delegado não efetiva políticas públicas, porque, para efetivá-las, necessário e imperativo é ter a legitimidade e a autoridade do voto popular. Ponto.

Imagine se os governantes dos Estados Unidos permitiriam tanta ousadia para delegado do FBI se meter em política e perseguir partidos e seus membros, como ocorre, agora, com Lula, sua família e o PT. Imagine o que aconteceria com servidores públicos do Judiciário dos EUA se ousassem derrubar por meio de um golpe um presidente legítimo eleito pelo voto como o Barack Obama? Jamais. Seriam demitidos e presos para deixarem de ser criminosos e bananeiros. Rapidamente tais meganhas seriam colocados em seus devidos lugares, bem como torceriam para não serem transferidos para o Alaska ou serem presos em masmorras similares às do juiz Moro. Olhe a Turquia, gente!

O problema é muito sério. Lula já depôs quando foi raptado por policiais da PF, que eles chamam para amenizar a arbitrariedade e o abuso de poder de condução coercitiva, a esclarecer os fatos e as dúvidas. Seu depoimento se tornou público, porque o líder trabalhista o publicou no site do Instituto Lula, sendo que a informação viralizou na internet. Levaram-no de sua casa, sorrateiramente, para um aeroporto paulista, como se ele tivesse cometido o crime de ter vendido o Brasil, como ocorreu no Governo de Fernando Henrique — o Neoliberal I.

Essa gente arbitrária e partidarizada à direita tratou o Lula como se o estadista brasileiro fosse bandido, como fizeram no passado com Juscelino. Só que se deram mal, porque causaram comoção e indignação em todo o País, apesar dos coxinhas contrários ao político trabalhista. Foi uma covardia incrível e inacreditável. Porém, a covardia continua, assim como a perseguição sistemática em um tempo de quase três anos, desde que a Lava Jato se tornou o trunfo da oposição de direita para consolidar o golpe bananeiro. A oposição capitaneada pelo PSDB, pelos golpistas do PMDB, com o objetivo de não serem presos pela operação policial e pelos sistemas midiático privado e Judiciário.

Delegado Anselmo, por que os ministros golpistas do PMDB que caíram ainda não foram presos? Ué, eles conspiraram contra a "intocável" e quase "santificada" Lava Jato? Lula conversou com Dilma pelo telefone e agora os dois líderes trabalhistas vão ter, ao que parece, de responder por tentativa de obstrução da Lava Jato, uma acusação mequetrefe do PGR Rodrigo Janot, mas plena de interesse político para desmoralizar os líderes do PT e, com efeito, ajudar a consolidar o golpe contra Dilma e tentar inviabilizar a candidatura Lula em 2018.  

Só que Janot sabe muito bem que é o contrário, pois há inversão de valores, porque quem cometeu crime contra as garantias individuais e contra a segurança nacional foi o juiz Sérgio Moro, que vazou ilegalmente as conversas entre ambos e ainda banca o bom moço para a imprensa de mercado corrupta e golpista, assim como para os coxinhas de classe média, que, idiotizados durante décadas pelas mídias privadas, poderão pagar com a perda de direitos trabalhistas, previdenciários, além das conquistas históricas como o 13º salário já aprovado pela Câmara controlada por políticos conservadores e golpistas.

Não duvide da direita no poder, porque é o que pretende fazer o usurpador e traidor *michel temer (*o nome dessa peçonha é sempre escrito em minúsculo por se tratar de um pigmeu moral, político e citadino), por intermédio de seu programa lesa-pátria "Uma Ponte para o Futuro", que, na verdade, trata-se de uma ponte para que os trabalhadores se queimem no inferno, inclusive com a perda dos programas de inclusão social implementados pelo PT, no decorrer de anos.

E são exatamente essas questões que técnicos e operadores do Judiciário não compreendem, porque não compreendem e não enxergam as estratégias para se conquistar desenvolvimento social e econômico, pois não têm uma visão ampla e macro do Brasil, somente possível aos estadistas e seus auxiliares comprometidos com o País, a exemplo de Getúlio, Jango, Juscelino e Lula. 

Tanto é verdade que todos os quatro, além de Dilma, foram e são combatidos ferozmente pela imprensa empresarial, pelo Judiciário, que, por exemplo, "ortogou" o golpe de 1964, e pelos partidos de direita exemplificados na UDN (atual PSDB e DEM) e no PSD (atual PMDB). Tais operadores do Judiciário trabalham para os interesses do status quo e por isto enxergam apenas até o limite das pontas de seus narizes. Eles são os capitães do mato do sistema de capitais. Os garantidores da hegemonia de classe, dos privilégios e dos benefícios da alta burguesia, que vem a ser a plutocracia. Ponto.

Não compreendem o que realmente está em jogo, porque são apenas técnicos de corporações policiais, além das procuradorias e da Justiça, sendo que, se compreendem, é porque são cúmplices ativos dos desmandos políticos, jurídicos e judiciais que ocorrem no País, a exemplo do golpe terceiro-mundista promovido pelo consórcio de direita que tomou de assalto o poder e que pretende desmontar o Estado nacional e extinguir direitos históricos do povo brasileiro. É o DNA da direita oligarca de caráter escravagista e patrimonialista.

O juiz Sérgio Moro certa vez afirmou: "Sou favorável que a mídia apoie a Lava Jato para que a corrupção seja combatida". A verdade é que Moro e seus colegas da força tarefa, a exemplo do delegado Anselmo, são, sobretudo, os pauteiros da imprensa empresarial, os marqueteiros da ex-oposição demotucana, os vazadores de inquéritos, investigações e áudios, assim como são desditosamente seletivos, porque desejam, sem sombra de dúvida, tornarem-se os coveiros do PT e, principalmente, de Lula, que é forte candidato às eleições presidenciais de 2018, até porque o político de esquerda lidera os índices das pesquisas eleitorais.

O juiz Moro, o delegado Anselmo e o procurador Carlos Fernando têm a mais sólida compreensão sobre o tabuleiro político brasileiro, sendo que o Lula é considerado o entrave para se consolidar a vitória da direita nas eleições de 2018. Por sua vez, os advogados de Lula, Cristiano Zanin Martins e José Roberto Batochio, publicaram e repercutiram as ações dos delegados da força tarefa da Lava Jato, quando eles se tornaram, equivocadamente, cabos eleitorais do senador tucano, Aécio Neves, por intermédio de suas redes sociais. São essas pessoas seletivas e partidárias que estão à frente do processo persecutório e covarde contra Lula e sua família. Surreal, para dizer o mínimo.

Fazer com que a Dona Marisa Lula da Silva e seu filho, Fábio Luís, compareçam à Polícia Federal para depor sobre o sítio de Atibaia, que não pertence ao Lula, conforme comprovam e atestam documentos legais apresentados por Lula por meio de seus advogados aos policiais e aos procuradores é de uma insensatez e de uma perversidade sem igual. Para quem não sabe, o sítio de Atibaia foi comprado com cheques administrativos, fato este que anula qualquer intenção de se cometer malfeitos, acontecer enganos ou dar brecha à corrupção e à maledicência.

Além disso, os donos do sítio de Atibaia comprovaram, legalmente, que seus recursos financeiros permitem que a compra da propriedade se concretizasse. Outrossim, Atibaia como Guarujá são municípios paulistas e não do Paraná, estado onde o juiz Moro mora. Entretanto, neste caso vem ao caso, porque Moro, que de juiz passou a ser promotor (acusador) quer julgar o Lula para prendê-lo, dia este que, certamente, vai ser comemorado pelos políticos golpistas do PSDB, do PMDB e do DEM, que, enfim, assumirão a Presidência da República livres da concorrência eleitoral do maior e mais importante líder político deste País, que é exatamente o Lula. Moro quer ser o julgador universal e oficial do Brasil. Durma-se com um barulho desse.

Vale ressaltar que tanto o sítio quanto o apartamento, que nunca pertenceram ao Lula não são objetos de investigação ligados à corrupção na Petrobras, realidade esta que evidencia ainda mais que Lula está a ser perseguido como se fosse alvo de caça dos operadores do Judiciário. É o fim da picada. Por causa desses fatos os advogados de Lula recorreram a fóruns internacionais como a ONU. A Justiça do Brasil e o Ministério Púbico têm de ser denunciados em âmbito internacional.

Incrível. O Brasil está a ser governado por técnicos e operadores de classe média alta, sem votos do Judiciário e criados a pão de ló, distantes das realidades do povo brasileiro, desconhecedores de uma Nação multicultural e multirracial, além de serem, sobretudo, servis aos interesses econômicos e políticos da casa grande deste País muito azarado, por vicejar em seus espaços geográficos as oligarquias regionais mais perversas, racistas, sectárias e violentas do planeta. 

As oligarquias que se aliaram para dar golpe de estado e controlar o poder central. A oligarquias da casa grande que escravizaram seres humanos pro 388 anos, um recorde mundial em todos os tempos, eras e épocas. A resumir: a casa grande brasileira — made in Brazil. Quem não acredita que passe logo a acreditar, porque a realidade é esta, pois esses caras vão tirar e extinguir direitos e conquistas dos trabalhadores e da classe média despolitizada com complexo de vira-lata. 

Enquanto isso, José Serra, Fernando Henrique, Aécio Neves e Geraldo Alckmin alçam seus voos de tucanos inimputáveis como os deuses, como se esses políticos não tivessem recebido dinheiro de construtoras para financiamento de eleições, além do caixa dois do PSDB e o desvio de recursos de estatais, como a Petrobras, Furnas, Metrô, Trem e empresas estaduais de saneamento e energia. Todo mundo sabe disso, menos os operadores do sistema judiciário, pelo simples motivo de que eles são parte intrínseca do golpe, que está a se concretizar principalmente por causa das ações seletivas de juízes, procuradores e delegados. Sem sombra de dúvida. Da história essa gente não vai escapar.

Voltemos ao depoimento. O que o delegado Anselmo espera? Que os dois parentes de Lula — Marisa e Fábio — falem ao policial outras informações que Lula, porventura, não tenha dito quando foi levado de forma violenta e anticonstitucional para uma sala de aeroporto para depor? O que eles sabem a mais do que Lula sobre o sítio? Simplesmente não sabem e, por conseguinte, não têm nada mais a acrescentar à PF. O depoimento de Lula no aeroporto, volto a lembrar, foi longo e cansativo, mas objetivo e sem contradições. Eu li o depoimento publicado pelos blogs e sites progressistas, além do site do Instituto Lula ter também, obviamente, publicado seu depoimento. Ressalta-se.

Trata-se de perseguição pura e simples. Esses servidores públicos não se interessam quando se trata da corrupção tucana. De forma alguma, e pensam que os milhões de brasileiros que elegeram Dilma e que tiveram seus votos rasgados desrespeitosamente e despoticamente não estão a perceber as covardias e as arbitrariedades cometidas por um delegado político, ideológico e que pensa, erroneamente, que todo mundo fora do círculo tucano e policial é idiota. Engana-se redondamente. O contribuinte está vendo as arbitrariedades do servidor público Anselmo.

Juiz Sérgio Moro, delegado Anselmo e procuradores Deltan e Carlos Fernando, dentre outros parceiros de luta política, são marqueteiros da ex-oposição demotucana e golpista, pauteiros da mídia mercantil e golpista, sendo que ainda querem ser os coveiros do Partido dos Trabalhadores. Está aí para comprovar o que eu assevero na pessoa do condestável juiz Gilmar Mendes, do PSDB do Mato Grosso, que deseja o fim do PT por intermédio da cassação de seu registro. Inacreditável.

Entretanto, como todo juiz compromissado até a medula com o golpe bananeiro e de direita, tal magistrado, que envergonha a Nação com suas ações seletivas e espúrias, não pediu ainda a cassação dos registros do PSDB, do PMDB, do DEM, do PP, do PPS e do PSB, partidos que constam em todas as listas de delações premiadas de todas as empreiteiras. Será que o delegado Anselmo não sabe disso? Que a Lava Jato, além de promover a quebra da indústria de base brasileira e ferrar com a economia, serviu de trampolim para que forças entreguistas, golpistas e antinacionalistas tomassem de assalto o poder, como se fossem bandoleiras e piratas? Ele não sabe? Ou finge não saber?

Garantidos pela Constituição e pela jurisprudência brasileira, os advogados de Lula não permitiram que sua esposa e seu filho virassem alvo de propaganda opressiva da Lava Jato, de forma que Lula fosse ainda mais humilhado, achincalhado e linchado politicamente e moralmente para ilustrar as manchetes da imprensa mais corrupta e desonesta do planeta. A imprensa familiar de empresários bilionários "amiga" e parceira da PF. 

Deveriam sugerir, inclusive, aos delegados de Curitiba que eles investigassem também os coronéis das famílias midiáticas, que tratam o Brasil como quintais das casas deles. Seria muito bom, já que o delegado Anselmo é tão responsável e republicano. HSBC, Zelotes, paraíso fiscais, sonegação de impostos, remessas de lucros e importações ilegais e não declaradas etc. etc. etc. Quando penso nessas questões, não sei por que, delegado Anselmo, vem rapidamente à minha memória as famílias donas de todas as mídias oligopolizadas e cruzadas. Por que será?

Outra questão é quanto ao delegado Márcio Anselmo, que insultou Lula ao chamá-lo de "anta" em plena atividade funcional, participou de grupos ideologicamente de direita e contrários à continuidade do PT no poder. Os delegados Márcio Anselmo, Igor de Paula, Rosalvo Franco, Erika Mialik Marena e Maurício Grillo, dentre outros participavam de um grupo no Facebook e atacavam violentamente o PT e suas lideranças. Só que tem um porém: eles são delegados, que estão diretamente envolvidos com a Lava Jato, a força tarefa que até agora só foi para cima do PT, a "esquecer" os inimputáveis do PSDB.

Como pode, então, tais servidores terem ideias formalizadas e preconcebidas sobre os investigados? O problema deles é que tiveram de tirar suas páginas do Facebook do ar. Pelo menos as páginas do tempo das eleições de 2014 vencidas por Dilma Rousseff, para o desgosto e inconformismo desses policiais ideológicos. E por que afirmo isto? Afirmo porque o jornal "Estado de São Paulo" publicou matéria que mostrava as postagens deles, tanto as imagens quanto os diálogos.

Veja bem, trata-se do conservadoríssimo "Estadão", que não pode ser chamado pelos delegados, mesmo se eles quisessem, de jornal comunista, bolivariano, socialista ou o que o valha em termos de jargões e lugares comuns há muito tempo usados pela direita, principalmente quando ela está prestes a consolidar golpes de estado. Nada é mais de direita que o "Estadão", a não ser a Veja — a Última Flor do Fáscio — e, pelo o que se observa, também os delegados da PF de Curitiba, que não prendem demotucanos.

Anselmo fez críticas anticomunistas que ele dever ter aprendido durante sua adolescência e reforçado sua ideologia direitista e sectária na Academia da Polícia Federal. As imagens contra Dilma, Lula e o PT publicadas pelo grupo desses delegados no Facebook são lamentáveis e bárbaras, pois eles são servidores de segundo escalão do Estado, pagos pelo povo brasileiro e que resolveram, inadvertidamente, fazer política e com ideologia digna de fascistas, pois os diálogos e as imagens não deixam margem a dúvidas quanto aos seus procedimentos e condutas.

O "Estadão" fez com que eles recuassem, quando resolveram suspender suas páginas de sedição. Sinal que sabem o que fizeram, porque se não soubessem não extinguiriam suas páginas no facebook. Cito as páginas da época das eleições de 2014. Malandro é malandro. Esperto é esperto. Deus não dá asas a cobras. Deboche, escárnio, desprezo, publicidade opressiva, partidarismo, sentimento elitista em relação à maioria da sociedade e insultos evidenciavam o que os delegados publicavam contra o PT, o Lula e a Dilma. Se o leitor duvida, que trate de pesquisar na internet. Acha-se fácil tanta falta de respeito e insensatez de conotação política e ideológica. Basta pesquisar.

Agora vamos à pergunta que não quer calar: "São esses servidores públicos sem isenção e parciais que vão investigar, acusar, denunciar e prender, por exemplo, o Lula? Inaceitável. Por causa disso, recorre-se à ONU. Esse pessoal perdeu a confiança de grande parte da população, o que se torna um problema grave. Ou eles acham que a população somente é composta por coxinhas de classe média que chegam ao ponto de abraçar o pato amarelão, corrupto, sonegador de impostos e golpista da Fiesp? De coxinhas que dão tiros em seus pés contra seus próprios direitos e conquistas de décadas? Claro que não. A imbecilidade não é totalmente coletiva.

Não sei como vai terminar a Lava Jato, mas que a história vai colocá-la em seu devido lugar como colocou o DOI-Codi e o Dops, ah, isto vai. Evidente que os tempos são outros, mas a perseguição intermitente e o linchamento moral que estão a fazer com o Lula e sua família se trata de terrível covardia sem igual. Três anos de ações e atos persecutórios perpetrados pelo sistema judiciário controlado por juízes, procuradores e delegados sediciosos e partidarizados.

A delação premiada é uma excrescência moral, política e jurídica, como o é o domínio do fato, teoria que iniciou o processo jurídico de combate ao PT e por onde começaram a armar as armadilhas para tirar o Partido dos Trabalhadores do poder de forma antidemocrática e antirrepublicana, que redundou no golpe bananeiro, mas violento, contra Dilma Rousseff, que não cometeu crime de responsabilidade, assim como propiciou a caçada sem fim ao Lula. O líder trabalhista não roubou. A história e os fatos comprovarão. Agora, fica a pergunta: quem vai punir juízes, procuradores e delegados se for comprovada a inocência de Lula? Deus? É isso aí. 

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

STF é o pilar do golpe, Lula é a caça e Serra é a pequenez servil em forma diplomática

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre


"Enquanto isso o deputado Eduardo Cunha está solto e a fazer ameaças para adiar a cassação de seu mandato, com a complacência do STF, da PGR, do juiz Moro, dos procuradores e policiais inacreditavelmente seletivos, que participaram do golpe contra Dilma, além de obsessivos por Lula, mas jamais pelos demotucanos, que foram delatados pelos donos e executivos de todas as construtoras ou empreiteiras que atuam no Brasil". (DSF)

Iniciemos com a pergunta que se recusa a calar? A grande imprensa europeia e norte-americana é idiota? Não. Não é. Inclusive é conservadora. Porém, mesmo sendo assim considera o impeachment contra Dilma Rousseff um golpe branco ou parlamentar, sendo que também, evidentemente, jurídico e midiático. Além disso, grupos pró-democracia no Brasil e no exterior consideram também que o Brasil é vítima de mais um golpe contra a democracia e o Estado Democrático de Direito.

Continuemos. Parlamentares franceses e norte-americanos são idiotas? Não. Claro que não. Tanto não são idiotas que chamaram o impeachment bananeiro que ocorre no Brasil de golpe, bem como se reportaram aos presidentes de seus países, François Hollande e Barack Obama para que os mandatários tomem cuidado e fiquem atentos no que é relativo à democracia brasileira, além de considerarem constrangedor que seus governos se relacionem com o governo interino de *michel temer, porque acusado de cometer um golpe contra Dilma Rousseff.

O usurpador do poder que, na verdade, tomou de assalto o Palácio do Planalto com o apoio e a cumplicidade da oposição liderada pelo PSDB, sendo que ele, *temer, era o vice-presidente de Dilma Rousseff, que foi traída por um dos maiores traidores da história do Brasil, senão o maior, que está a implementar o programa neoliberal dos demotucanos, rejeitado democraticamente quatro vezes nas urnas, assim como o neoliberalismo fracassou em âmbito mundial. *michel temer é a ignorância, o retrocesso e o atraso, aquele que remonta ao regime escravocrata do século XIX.

Entretanto, a percepção real de que o Brasil e seu povo são vítimas de um golpe de estado travestido de legal e legítimo não deixa margem à dúvida. O golpe tem duas marcas principais: 1) A impunidade dos tucanos, dos peemedebistas e do pessoal do DEM; e 2) A seletividade de juízes,  procuradores, delegados da PF e da imprensa mercantil em geral, que blindam principalmente os políticos do PSDB quanto aos seus crimes de corrupção. O DEM é o herdeiro da golpista UDN, da militarizada Arena e do empresarial PDS, siglas da direita brasileira extintas e que hoje são, inequivocadamente, representadas pelo PSDB.

O partido dos tucanos entreguistas e agora golpistas, a ter José Serra como o maior exemplo de um político direitista e totalmente dedicado aos interesses da plutocracia internacional e suas poderosas corporações, a exemplo dos bancos, das petroleiras e de outros setores econômicos e industriais, que estrangulam o desenvolvimento econômico e social dos países pobres e em desenvolvimento.

Nunca, em toda minha vida, consegui compreender porque as oligarquias deste País são tão alienígenas quanto aos interesses do Brasil, no que concerne sua autodeterminação e independência. Trata-se de comportamentos e condutas seculares, porque a verdade é que tais inquilinos da casa grande sempre se colocaram como apêndices da plutocracia, das cortes admiradas e amadas por essa gente riquíssima, mas eternamente provinciana, subalterna e servil aos ditames das potências mundiais no decorrer de séculos.

A burguesia deste País é o que se pode chamar de pária e apátrida, porque nunca se identificou com o Brasil, mas ao mesmo tempo não é estrangeira e, quando no exterior, sente-se hipocritamente brasileira, porque o nativo do país onde o burguês ou o pequeno burguês brasileiros vivem não o aceita inteiramente como se fosse de sua terra, mesmo se for branco e alfabetizado. Esta é a verdade, que faz com que coxinhas analfabetos políticos tenham tanto ódio do Brasil e de seu povo, ao ponto de desprezá-lo e se voltar contra os interesses políticos e econômicos da maioria dos brasileiros.

E deu no que deu: golpe de estado, que, além de político e partidário, também o é psicológico. Nelson Rodrigues em sua picardia, plena de conhecimento e sensibilidade, deu o diagnóstico: complexo de vira-lata! E eu completo: complexo de vira-lata com muito desprezo, preconceito, ódio e violência. O Brasil é, com certeza, um dos países mais racistas do mundo. Sem dúvida.

A internet deixou de molho as barbas dessa gente multi preconceituosa. Não tem volta, porque não há mais como disfarçar, como se fazia em passado próximo. E não poderia ser diferente. Nenhuma nação sai impune ou livre de suas amarras de 388 anos de escravidão, de forma oficial, até porque a escravidão com outras faces ou rostos continua a vicejar e a perdurar neste País, que para a "elite" deveria apenas ser um mega fazendão de commodities.

Fazendas cujos lucros são destinados a enviar seus pimpolhos para as férias no exterior, além de se construir condomínios fechados, luxuosíssimos e a oferecer tudo, desde escolas a shoppings, clubes e todo tipo de comércio, lazer e entretenimento, de modo que a rapaziada rica e muito rica se sinta segura e confortável em seu "país" das maravilhas. O verdadeiro "Show de Truman", onde a gurizada solta pipa por intermédio dos ventos de seus ventiladores.

Depois crescem e querem mandar no País e, se não conseguirem, passam a conspirar para dar golpes. Nunca ultrapassaram os limites dos muros físicos e psicológicos de seus mundinhos dignos de Penélopes Charmosas e Peters Perfeitos, mas querem cagar regras sobre o que não conhecem, bem como desprezam. Enquanto isso, o pau canta fora dos muros das redomas de cristais da burguesia golpista, paneleira e de barriga cheia. C'est la vie.

Todavia, quero asseverar que o Judiciário (STF, PGR, PF e os órgãos de segurança em geral) é o pilar central do golpe, o ex-presidente Lula é a caça e os golpistas no poder seus beneficiários. E por quê? Respondo: tudo o que escrevi acima neste artigo é o que transforma o Judiciário em capitão do mato da plutocracia, que é a chefe da casa grande brasileira de alma escravocrata.

Diga-se de passagem: a poderosa casa grande, que derrubou mais um mandatário eleito pelo voto universal, em 2016, que até então, a partir da Constituição de 1988, seria inimaginável que o Brasil depois de 30 anos de democracia e de sua ascensão em termos mundiais nos últimos dez anos voltasse a ser visto e a ser tratado politicamente como uma republiqueta das bananas controlada por coronéis das oligarquias regionais, como se voltássemos à política dos governadores, que no passado eram chamados de presidentes.

Entretanto o que vemos é um Judiciário completamente disposto a interferir na política eleitoral e partidária para beneficiar e proteger o campo da direita, que perdeu quatro eleições consecutivas. Um Judiciário viciado, não confiável e objeto de contestações tanto no Brasil quanto no exterior. Quem confia na Justiça e em sua Corte maior, o STF? Como confiar em juízes que permitem que um gângster admita o processo de impeachment (golpe) mesmo sabendo que a presidente Dilma Rousseff não cometeu crimes?

Pelo contrário, além de não cometer crime de responsabilidade, Dilma ainda assegurou os recursos para os programas sociais, de forma que eles não faltassem para os milhões de brasileiros pertencentes às classes sociais mais desprotegidas. O MPF reconheceu oficialmente que não houve "pedaladas" fiscais, o Banco do Brasil asseverou que Dilma não prejudicou o Plano Safra e a perícia de técnicos do Senado concluiu que Dilma não participou das pedaladas alegadas pela oposição de direita, ou seja, não cometeu crime de responsabilidade. 

Entretanto, nada importa, porque já está sacramentado que a mandatária constitucional reeleita com 54,5 milhões de votos seja derrubada por um golpe de estado parlamentar, a ter como seus apoiadores a máquina midiática dos magnatas bilionários sem votos, mas que desejam impor suas agendas privadas e, consequentemente, sobrepor o interesse público, como sempre fizeram no decorrer de décadas.

Ao lado dos agentes de sedição, o Poder Judiciário, a ter o STF, a PF e a PGR como conspiradores e sediciosos, pois associados ao consórcio formado pela direita golpista que cooperou, e muito, para que as oligarquias assumissem o poder por meio de um golpe bananeiro e com a cara terceiro-mundista dos coxinhas reacionários ridiculamente vestidos com o amarelo da CBF e dos coronéis de índoles escravocratas da casa grande.

Já falei sobre esse processo mil vezes. É inacreditável ver, por exemplo, o golpista e alienígena José Serra, um tucano derrotado, que nunca concluiu sequer um mandato quando assumiu cargo executivo quando eleito, tentar criar fato político a relembrar os atletas israelenses mortos em Munique, em 1972, por grupos palestinos, postura que país nenhum cometeu, nem os Estados Unidos e as potências europeias, aliados fiéis do regime sionista de Israel.

Serra é perverso e vazio. Luta apenas pelo poder, razão de sua vida desprovida de projeto de independência para o Brasil e emancipação de seu povo. O que eu digo não é ofensa ao entreguista do patrimônio público brasileiro, como ocorreu no Governo de FHC — o Neoliberal I. Serra é perverso e agora golpista, porque assim ele procede de forma real, sem deixar dúvida a quem duvidava de sua vocação antidemocrática, antinacionalista e antirrepublicana. Trata-se de um ser humano, antes de tudo, egocêntrico e autoritário, que chega a ser uma questão patológica.

José Serra é realmente um sujeito de índole destrutiva e determinado a se aproximar, como uma cadela no cio, da direita mais reacionária, sectária e selvagem do planeta, que viceja nos Estados Unidos e em Israel. Só falta esse sujeito vestir o capuz da Ku Klux klan ou se armar com os dentes draconianos do Mossad. O Wikileaks repercutiu que o ministro golpista José Serra tem ligações com a CIA. Se ele tem, eu não sei. Por sua vez, todo mundo sabe que Serra é no Brasil um dos principais agentes políticos pró Estados Unidos.

O cidadão comum pode não saber por não perceber, como também políticos, magistrados e jornalistas. Porém, observar as coisas da vida é uma ação que pode fazer com que o observador, mesmo de longe, perceba, por exemplo, que o ministro golpista, José Serra, é compromissado e, mais do que isto, parte importante da engrenagem dos grupos políticos e empresariais controladores do establishment em âmbito mundial. Serra é um direitista que se comunica e se relaciona com segmentos que lutam para impor seus interesses de hegemonia e de controle do sistema econômico mundial, além de aproximar o Brasil da extrema direita israelense e estadunidense.

Essas realidades são visíveis com o tucano de direita e oportunista à frente do Ministério das Relações Exteriores. Serra se alinhou automaticamente aos Estados Unidos e criou fakes com a homenagem aos atletas israelenses mortos. A verdade é que ele evidenciou uma provocação diplomática, a reafirmar seu alinhamento aos interesses sionistas, que não são somente israelenses, porque o sionismo retira sua força política, bélica e econômica a partir dos Estados Unidos.

Israel, na verdade, é um satélite do capital norte-americano no Oriente Médio, que, coincidentemente, tem grande influência nos EUA, até porque setores como bancos e o comércio de metais nobres e pedras preciosas estão, em grande parte, nas mãos dos judeus. Serra, com a ação política simbólica de homenagear os atletas mortos em 1972, simplesmente dá um aviso de que o Governo *temer vai se alinhar à Alca ou que o valha, assim como o Brasil vai abandonar cláusulas assinadas em prol da autonomia e da independência da Palestina.

Sem dúvida, trata-se da inóspita e estéril diplomacia troglodita ao estilo Serra: falar grosso com a Palestina e fino com Israel. Falar grosso com a Bolívia e fino com os Estados Unidos. Nada mais capacho e subserviente. Seguramente é a volta "triunfal" da Diplomacia do Tirar os Sapatos" de FHC — o Príncipe da Privataria I. A marca do servilismo tucano de terceiro mundo, e, por seu turno, da burguesia brasileira às potências europeias e yankee. A burrice e o inaptidão em toda sua essência e plenitude. Vão ser provincianos assim no raio que os parta!

O Brasil teve grande influência para que o Estado de Israel se tornasse realidade em 1948, como também era voz ativa e ouvida no mundo em favor da criação de um Estado Palestino. Com o golpista Serra no poder, a usurpá-lo, o tucano da Mooca dá uma reviravolta nas tradições diplomáticas brasileiras, coloca o Itamaraty no colo da direita internacional e afasta o Brasil das relações Sul-Sul, leia-se África, enfraquece de morte o Mercosul, contraria os interesses dos Brics e cria conflitos de interesses no G-20.

A resumir: o governo de direita, ilegítimo, golpista e usurpador de *michel temer (*o nome de tal peçonha é sempre escrito em minúsculo por se tratar de um pigmeu moral, político e citadino) inaugurou no Brasil a diplomacia do porrete, a imitar, imprudentemente e irresponsavelmente, a diplomacia yankee. O Barão do Rio Branco está a dar voltas de raiva e inconformismo em seu caixão, bem como o grande diplomata, Celso Amorim, articulador da diplomacia solidária e independente dos últimos anos, deve estar estarrecido com tamanho desmonte que, evidentemente, prejudicará o Brasil enormemente, bem como que para recuperar o que foi propositalmente desmantelado levará muitos anos. Esse pessoal golpista é como saúva vermelha a arrancar todas as folhas de uma árvore frondosa. E por quê? Porque a direita trabalha para beneficiar e privilegiar as minorias ricas, tanto no âmbito dos países quanto em termos de classe social. Ponto.

Serra, o golpista provinciano da Mooca, iguala-se, em termos diplomáticos, a um gorila feroz a se movimentar em uma pequena loja de cristais tchecos, finos e caros. Porque não é possível que tal indivíduo em pouco mais de três meses entre em conflito gravíssimo com os parceiros do Brasil no Mercosul, a querer dar um golpe na América do Sul, conforme ele fez no Brasil, pois, irresponsável que é, quis impedir que a Venezuela assumisse a presidência do Mercosul.

Seria cômico se não fosse trágico. Surreal este soberbo de alma autoritária. Serra é o antagonismo, a antítese do que é civilizado, diplomático, educado, prudente e inteligente. Ele é uma farsa, como são farsantes os golpistas que tomaram de assalto o poder e ilegalmente o assumiram, sem ter votos, a Presidência da República. Impeachment sem dolo é golpe. Nunca terão paz e moral para governar.

A violência do golpista José Serra chegou também aos Brics e ao G-20. O negócio do tucano provinciano e colonizado é criar conflitos com a diplomacia internacional, com os blocos econômicos dos quais o Brasil é membro importante e estratégico, a fim de prevalecer no poderoso País de língua portuguesa os interesses econômicos e geopolíticos dos Estados Unidos, da Inglaterra e de Israel, dentre outros que compõem o bloco geopolítico de interesse norte-americano. O Brasil não tem nada a ver com as guerras dos Estados Unidos. O Brasil não bombardeia as terras de ninguém. Será que o Serra não sabe disso?  

José Serra, ministro golpista, quer conversar e negociar com a Europa, cuja União Europeia está em crise, assim como fortalecer ou tirar da UTI a Alca, o bloco econômico da América do Norte, que transformou, em certo tempo, o México em um país praticamente anexado aos EUA. Serra é o fim da picada, sendo que ele não deixa de ser a cara do governo espúrio e usurpador de michel temer. O tucano trouxe de volta à diplomacia brasileira o subalterno e subserviente complexo de vira-lata. É a cara e a alma do PSDB e dos coxinhas de condomínios que adoram Miami.

Lula enterrou a Alca, pois estadista que é percebeu que a Alca é mais ou menos assim: "Primeiro eu entro em seu mercado livre de taxas e tarifas. Depois seu mercado se abre e eu vendo meus produtos e você os compra". E aí o que acontece: os Estados Unidos desendustrializam a indústria brasileira e criam empregos para os trabalhadores norte-americanos, além de enviar gigantescas remessas de lucros, mais ainda do que já enviam. Durma-se com tamanha traição e cretinice por parte da diplomacia de entrega dos tucanos. Complexo de vira-lata aplicado diretamente na veia.

Golpistas são autoritários e arbitrários. Não gostam de liberdade, porque a liberdade denuncia e mostra suas ações e seus atos despóticos. Quem dá golpe não tem legitimidade e, com efeito, torna-se imperativo censurar e reprimir. Quem não tem autoridade tem de processar, prender, bater e até matar. É o que acontece em países cujos governos assumiram o poder de maneira ilegal e sem legitimidade. Sempre acontece. É histórico e da humanidade.

*michel temer e José Serra representam apenas a alta burguesia de São Paulo, porque nem o povo paulista esses dois caras representam, pois protótipos do elitismo e do sectarismo desavergonhado. Eles não são legítimos. Não têm a autoridade dos eleitos, pois são a própria ilegalidade. Ninguém votou neles ou no programa de governo deles para que tais golpistas governem o Brasil. Esta é a verdade, sendo que por isto essa gente sem eira nem beira terá muita dificuldade para governar. Quem viver verá.

Dilma Rousseff já está na história, que a redimirá, como redimiu Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek, João Goulart, Leonel Brizola, Miguel Arraes, Ulysses Guimarães, Tancredo Neves, bem como Luiz Inácio Lula da Silva vai ser considerado estadista da grandeza de Getúlio. O golpe de estado parlamentar-jurídico-midiático vai engrandecer a cidadã Dilma Rousseff, a que foi derrubada por um golpe criminoso e promovido por togados que deveriam proteger, guardar e resguardar as leis — a Constituição.

Pelo contrário, juízes, procuradores e delegados da PF transformaram a Constituição em letra morta e permitiram a tomada de poder por uma escória que assumiu o Palácio do Planalto para não ser presa pela Lava Jato do seletivo Sérgio Moro, do PSDB do Paraná, bem como implementar programa de governo derrotado em quatro eleições consecutivas.

Agora, os togados se voltam contra Lula, que será caçado para que não seja candidato a presidente da República. As estratégias são duas: torná-lo inelegível, ou seja, ficha suja, sem, no entanto, crime nenhum ter sido coprovado contra o estadista pernambucano e fundador do PT e da CUT. A outra solução é prendê-lo. E como? Sítio de Atibaia, apartamento em Guarujá, palestras no Brasil e no exterior, bem como qualquer coisa que possa desconstruir sua imagem e sua moral, além de persegui-lo somente para que tal processo dantesco e draconiano efetivado por togados e meganhas políticos e ideológicos à direita possam desgastá-lo até 2018. Exatamente isso.

Agora vamos à pergunta que não quer se calar: quem vai prender, no futuro, os golpistas do Judiciário, da imprensa de mercado e do Congresso?  Ou o Brasil é a casa da mãe Joana de coxinhas golpistas com cargos de poder e mando? Lula tem de denunciar em todos os fóruns a que ponto chegaram os juízes do STF, que, como os magistrados de 1964, conspiraram para efetivar e sacramentar um golpe de estado terceiro-mundista, que é a cara e a alma deles, com o propósito e o objetivo de viabilizar, servilmente, a volta das oligarquias escravocratas ao poder.


Dilma Rousseff ficará na História, inapelavelmente, como ficou para sempre o grande presidente trabalhista João Goulart, que foi, ressalto outra vez, derrubado por um golpe bananeiro, criminoso e covarde. Quanto a Lula é o seguinte: preso se torna herói, solto se torna presidente e morto se torna mito. E o que vai acontecer com o José Serra, os golpistas de todas as espécies e naturezas e os juízes serviçais da casa grande? Ah, o Serra, os golpistas de toda espécie e natureza e os juízes serviçais da casa grande se recolherão às suas insignificâncias históricas — a lata de lixo da história. Lembre-se de 1964. Assim será. Ninguém é idiota. É isso aí. 

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Aécio, o mega delatado, debocha: "Dilma cometeu ilegalidades" — 54 senadores rasgam 54,5 milhões de votos

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre

ISTO É AÉCIO NEVES!
"Ninguém pode cometer crime impunemente. (...) A sensação de impunidade deixará de predominar". (Palavras absurdas e louquíssimas pronunciadas no Senado por Aécio Neves, o político mega delatado, no âmbito da Lava Jato, sobre Dilma Roussef, a presidente constitucional derrubada por um golpe criminoso terceiro-mundista, levado a cabo pelas oligarquias subdesenvolvidas e provincianas deste País, sem ter cometido crime de responsabilidade, além de não constar em quaisquer listas espúrias de construtoras, como acontece com o tucano golpista e derrotado legalmente pela petista em 2014).

"Ahahahahahahahahah!" (Gargalhada quase incontrolável do autor deste artigo, Davis Sena Filho, ao ouvir a pândega do tucano, ou seja, as palavras insensatas e surreais do senador Aécio Neves (PSDB/MG), que denotam, sobretudo, que a hipocrisia, o cinismo, a desfaçatez e a cara de pau são considerados por tal sujeito promotor de golpe de estado como virtudes humanas; realidade que, inquestionavelmente, não condiz com o caráter bom da grande maioria da Nação brasileira.

O deboche, o cinismo e a hipocrisia quando se juntam se transformam em escárnio. O resultado disso são as palavras do senador Aécio Neves (PSDB/MG) pronunciadas no Senado em prol do golpe contra a presidente Dilma Rousseff. Aécio é um playboy sem limites e sua vocação golpista está longe do fim, desde que o tucano não perca eleições.

Aécio Neves derrotado por Dilma Rousseff nas eleições presidenciais de 2014 esperneou igual a um menino chorão arrogante e prepotente que, perna de pau, pega a bola e põe debaixo do braço para encerrar o jogo como forma de retaliação, porque durante a partida ele não foi o centro das atenções, bem como seu time perdeu. Então, o despeitado e egocêntrico derrotado confisca a bola e vai embora, sem antes prejudicar os dois times, porque aquela era a única bola do jogo.

É exatamente com esta postura e conduta golpista que Aécio se apresenta à sociedade depois de ter perdido as eleições para o PT, assim como seu partido, o PSDB, onde militam sediciosos de toda monta e tipos. Contudo, o tucano playboy, que canta loas e boas à iniciativa privada e às privatizações, como faz todo membro da alta burguesia, sempre teve cargo público, desde muito jovem quando foi diretor da CEF, bem como no poder como governador, senador e deputado sempre fez do Estado seu esteio patrimonialista, de onde vem seu poder e influência.

Tanto é verdade que até aeroporto construiu em terras de seus parentes, além de ser um dos principais políticos golpistas responsáveis pelo golpe de estado travestido de legal e legítimo, assim como o indutor-mor da grave instabilidade político-institucional pela qual o Brasil está a passar e a sofrer desde 2013, quando os coxinhas saíram às ruas pela primeira vez para sabotar a Copa das Confederações, que por sinal foi um sucesso, pedir por "intervenção" (golpe) militar, além de insultar ferozmente a mandatária constitucional, assim como desejar sua queda do poder.

Aécio, sem dúvida, capitaneou o golpe e, consequentemente, tornou-se um dos principais responsáveis pela crise político-econômica propiciada pelo campo político e partidário da direita, do qual ele faz parte, que engessou o Governo Trabalhista de Dilma, que, por ter sido traída por sua base que se aliou aos demotucanos para dar um golpe criminoso, não conseguia mais tocar a administração federal. Aécio Neves é um dos pais do golpe parlamentar, midiático e jurídico. Como tal seu nome ficará guardado na lata de lixo da história.

Aécio Neves é um político mega delatado, sendo que controlou esquema milionário durante anos em Furnas, um propinoduto de grandeza, além de ser delatado por políticos como o cassado Delcídio do Amaral, por doleiros, a exemplo de Alberto Youssef, por executivos importantes da UTC, da OAS e da tucaníssima Andrade Gutierrez, além de seu nome constar na lista do construtor e empreiteiro preso, Marcelo Odebrecht, delação que, ao que parece, não interessa muito ao sistema judiciário politizado, partidarizado e de direita.

Não importa ao Judiciário porque há muitas razões de conveniência política, conforme se percebe por meio do pronunciamento do procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, da Lava Jato, pois sabedor que se a delação de Odebrecht for homologada (oficializada), ela implode o governo pária e de alma fascista dos golpistas e usurpadores controlado pelo PMDB, PSDB, DEM, PPS e PP. Como sempre observo, afirmo e repito: o Judiciário e seus operadores do STF, da PGR e da PF são os pilares principais do golpe. A história assim os definirá para sempre, como jogou na lixeira os nomes dos golpistas de 1964. Ponto.

Porém, mesmo assim os procuradores do MPF, delegados da PF e os juízes do Supremo teimam em blindar os demotucanos, que estão envolvidos com todas as construtoras e com as arrecadações criminosas oriundas de inúmeras estatais, a exemplo da Petrobras, Furnas, Eletrobras e os Correios, além das empresas públicas estaduais como a Sabesp e as companhias de trem e de metrô do Estado de São Paulo, assim como a Cemig e a Copasa de Minas Gerais, sem esquecer de citar a Sanepar e a Copel do Paraná, estado da Federação há anos controlado pelo PSDB.

O Paraná tucano de hoje se tornou lugar onde é comum massacrar professores grevistas e outras categorias de trabalhadores, conforme não deixam resquícios de dúvidas as fotos e os vídeos sobre tão violenta repressão — a marca do PSDB, que trata questões sociais e trabalhistas como casos de polícia.

Duvida? Então passe a observar o golpista Lex Luthor, do Ministério da Justiça, cujo nome é Alexandre de Moraes, ex-secretário de Justiça do governador Geraldo Alckmin, que, em São Paulo, botou para quebrar. Espere para ver a atuação desse sujeito de ares fascistas se *michel temer concretizar o golpe de estado bananeiro no fim de agosto. Todo governo ilegítimo e ilegalmente constituído cala seus adversários por intermédio da violência. Quem viver verá.

E por que acontece tal proteção perniciosa e completamente antirrepublicana aos demotucanos? Não sei responder, a não ser que talvez certos togados consideram os trabalhadores, os contribuintes, os eleitores e os cidadãos brasileiros como idiotas. Acho que é isto: todos são idiotas para alguns juízes, delegados e procuradores, principalmente para os que trabalham na operação Lava Jato. Ou, quiçá, os cidadãos são considerados cegos, mudos, surdos e, principalmente, burros. Talvez seja por isso que os demotucanos são inimputáveis. Talvez...

Acho que essa gente do Judiciário acredita que ninguém está a ver as covardias, as perseguições, as seletividades e o golpe de estado bananeiro cometido por homens e mulheres que se vestem de preto — a cor do luto. É a marcha fúnebre para o fim da democracia que a banda toca, a despeito das realidades e das verdades que, seguramente, irão constar nas páginas isentas e imparciais da História do Brasil sobre a verdade do golpe de terceiro mundo, criminoso e covarde praticado pelos políticos de direita, togados, empresários e magnatas bilionários e sonegadores de impostos da imprensa de mercado.

Grupos de indivíduos ricos, brancos, misóginos, racistas, sectários, autoritários e politicamente conservadores, que se associaram para formar um consórcio golpista e de direita, que tem por finalidade derrubar uma presidente que não cometeu crime de responsabilidade, extinguir o PT e prender o Lula, ou, no mínimo, transformá-lo em pessoa inelegível, como já o é o Amigo da Onça, vulgo *michel temer (*o nome dessa peçonha é sempre escrito em minúsculo por se tratar de um pigmeu moral, político e citadino), além de ser o chefe de um governo pária e bastardo.

O governo do traidor e usurpador do poder é objeto dessas desqualificações pois edificado pela ilegalidade, ilegitimidade e a ter o retrocesso e o atraso como sua "ponte para o futuro" dos infernos para o povo brasileiro, porque seu "programa" é digno de um Drácula, já que retira direitos e garantias dos trabalhadores e beneficia os ricos para sedimentar seus interesses econômicos e de classe social. Duvida? Então trate de ler o "programa" do temer e de sua malta para você ter uma ideia de como com quantos paus se faz uma canoa para depois ouvir a jiripoca piar. E é isto que vai acontecer. Ponto.

Trata-se, volto a ressaltar, de um golpe de direita sem precedentes, forjado por parlamentares, pela imprensa de mercado e pelo sistema judiciário, de forma que, após quase dois anos das eleições, a crise política recrudesceu e vai se radicalizar ainda mais se a presidente eleita, com 54,5 milhões de votos, ter seu mandato legítimo cassado por 54 senadores, aliados do golpista michel temer, bem como de Aécio Neves, político mau perdedor, autoritário e arbitrário. O tucano playboy jamais se conformou em perder para Dilma Rousseff, e, no dia seguinte à sua derrota, não saiu mais das ruas, a alimentar a sedição sempre em modo histérico, agressivo, desrespeitoso e, desditosamente, golpista.

A verdade é que a direita brasileira sabe que não ganha pelo voto as eleições de 2018 e resolveu tomar de assalto o poder por meio de um golpe com a carranca e o focinho terceiro-mundista, pois o semblante da casa grande. Um golpe "disfarçado" de legítimo e constitucional, o que não é verdade, pois criminoso e manipulado, porque não houve em momento algum a comprovação de que Dilma Rousseff tenha cometido crime de responsabilidade. Portanto, impeachment sem dolo é golpe, fato este que contraria os preceitos da Constituição de 1988.

Entretanto, nada importa para os golpistas, nem quando a mandatária golpeada foi isentada das acusações infundadas de ter cometido ilegalidades fiscais. O MPF considerou oficialmente que Dilma não cometeu "pedaladas", bem como a perícia do Senado. Antes, o Banco do Brasil isentou a mandatária trabalhista de ter cometido "pedaladas" no que é relativo ao Plano Safra. A resumir: Dilma não cometeu crime de responsabilidade, sendo que as acusações de ela ter cometido "pedaladas" ilegais partiram do PSDB, que, além de acusador e autor do processo sedicioso, indicou o relator da acusação, Antonio Anastasia, que é senador tucano.

Ou seja, o PSDB é o maior interessado no processo de derrubada de uma presidente constituída legalmente e legitimamente e ainda nomeia o relator que dá o golpe de misericórdia. Inacreditável. Para ficar mais surreal ainda do que um quadro pintado por Salvador Dali, o relator Anastasia, quando governador de Minas Gerais, foi considerado o campeão de pedaladas fiscais entre todos os governadores de sua época. Além disso, o tucano golpista é aliado do derrotado Aécio Neves, que, ora veja e quanta "coincidência", o indicou para a relatoria que recomendou o golpe contra Dilma Rousseff para ser votado no plenário do Senado.

Agora vamos lá, no sentido de perguntar aos varões de Plutarco da Lava Jato sobre o porquê de o senador Aécio Neves, seus parceiros e aliados serem praticamente inimputáveis e não responderem pelas seguintes acusações, além da lista da Odebrecht, a seguir:

1) Mensalão do PSDB mineiro jamais julgado, além de 11 anos engavetado. Quantia de R$ 10 milhões desviada para a campanha de Eduardo Azeredo a governador; 2) Construção de aeroporto em fazenda de parente, no município de Cláudio; 3) Propina em obras da Cidade Administrativa, segundo Leo Pinheiro da OAS; 4) Acusação de desvio das verbas da saúde mineira: R$ 7,6 bilhões, sendo que tal fato foi publicado no TCE de Minas; 5) Caso Cemig/Investminas/MO Consultoria, sendo que esta última era empresa de fachada do doleiro Alberto Youssef, velho conhecido íntimo dos tucanos, como sabe muito bem o juiz Sérgio Moro; 6) Favorecimento a veículos de comunicação da família Neves por parte do Governo Estadual; 7) Nepotismo a favorecer a família Neves em Minas; 8) Obra em rede elétrica realizada pela Cemig que corta as terras da família de Aécio Neves, sem, no entanto, cobrar R$ 240 mil aos proprietários, o que fica claro que as regras da estatal mineira não foram cumpridas; e

9) Entre os anos 2004 e 2005, o governo de Aécio Neves em Minas Gerais pagou cerca de R$ 27 milhões às agências do publicitário Marcos Valério, que foi punido com prisão pela Justiça. Aécio governou Minas entre 2003 e 2010. Até hoje a documentação (contratos, notas fiscais e extratos) entre o Governo Aécio e Marcos Valério está engavetada e sem andamento no Conselho Superior do Ministério Público de Minas, segundo a promotora Elizabeth Villela. A promotora é responsável pelo inquérito e afirmou que enviou os documentos para o Conselho.

Marcos Valério é o personagem central dessa história, e em julho anunciou, por intermédio de seu advogado Jean Robert Kobayashi Júnior, que estaria disposto a fazer um acordo de delação premiada. A resumir: Valério resolveu abrir a boca sobre o Mensalão do PSDB e os contratos com o Governo Aécio Neves. Agora, adivinhe o que aconteceu? Quem acertar ganha um doce. O MP de Minas até hoje não se interessou em assinar um acordo de delação com o Marcos Valério. Por que será?

A minha suspeita é porque os tucanos são inimputáveis ou porque o Código Penal e a Constituição para os emplumados de bico longo é à parte de toda a população brasileira ou porque eles são inatingíveis como os deuses. Acho que é por causa disso. Não porque os tucanos sejam protegidos e blindados por juízes, procuradores, promotores e delegados, que resolveram se juntar aos golpistas do Congresso, da Fiesp e da imprensa de negócios privados para sacramentar um golpe de estado bananeiro travestido de legal e legítimo contra o PT e suas principais lideranças. O que o leitor acha? Com a resposta, o leitor.

Agora vamos à pergunta que se recusa a calar: e se a pretensa delação de Valério em relação, por exemplo, a Aécio Neves fosse contra o Lula ou a Dilma? Será que os promotores do MP mineiro fariam corpo mole, não se interessariam pela dedoduragem ou simplesmente deixariam o publicitário apodrecer na cadeia? Se fosse o PT, os inquéritos contra Lula ou Dilma ficariam à mercê de cupins nas gavetas do MP, como acontecem com os inquéritos sobre as ações de Aécio Neves quando governou Minas? Com a resposta, o Conselho Superior do Ministério Público.

Não é má vontade com o MP, a PGR, o STF, o TSE e a PF de minha parte. O problema é que contra os fatos não há argumentos. Fatos são realidades que acontecem ou aconteceram. O fato é intrínseco ao tempo; e o tempo é o relógio da história e da verdade, que mais cedo ou mais tarde aparece. Não tem jeito. É bíblico: "Pois nada há de oculto que não venha a ser revelado, e nada em segredo que não seja trazido à luz do dia. (Marcos 4:22)

É o golpe de estado terceiro-mundista que envergonha e humilha o Brasil, porque o transforma em uma republiqueta das bananas, apesar de seu poder e de sua importância em âmbito internacional, pois um País industrializado, com um mercado desenvolvido com mais de 200 milhões de pessoas, além de ser a sétima maior economia do mundo. Um País que passou a ser admirado e respeitado em termos diplomáticos, a efetivar uma política independente ao tempo que solidária e não alinhada aos interesses dos Estados Unidos, apesar de o Brasil na Era petista manter o país da América do Norte como importante parceiro comercial e geopolítico.

Humilhação total, porque assumiu o poder central uma escória bárbara e selvagem, esfomeada para pilhar o Brasil como se fosse pirata ou bandoleira, com desejo indomável de desmontar o Estado nacional e extinguir tudo o que foi edificado e conquistado nos governos trabalhistas do PT, que fizeram uma revolução social e econômica silenciosa, sem dar um tiro ou reprimir e espancar os trabalhadores.

Os Unos chegaram ao poder por meio de um golpe traiçoeiro e violento, porque derrubaram uma presidente constitucional que recebeu do povo brasileiro 54,5 milhões de votos. Aécio Neves tem grande responsabilidade e culpa pelo golpe terceiro-mundista, que tem a cara da casa grande plutocrata brasileira. A casa grande pária e bastarda e até agora isolada pelas autoridades internacionais, que perceberam que o atraso e o retrocesso têm nome e endereços, que são as residências das oligarquias deste País.

Aécio Neves é golpista e a história o vai considerar pelo o que ele realmente é e foi. Ponto. Sua fala no Senado foi um deboche e um escárnio contra a inteligência alheia, com a cumplicidade da Justiça. A verdade é a seguinte: 54 senadores rasgaram 54,5 milhões de votos concedidos legalmente e democraticamente à Dilma Rousseff.

Se prenderem Lula e os tucanos implicados em todo tipo de corrupção e delação premiada continuarem livres, leves e soltos por causa da impunidade seletiva, realmente é melhor fechar o STF, a PGR e o Congresso e transformar o Brasil em uma verdadeira e autêntica ditadura controlada pelo Executivo. Só que desta vez, em 2016, o ditador é civil. Ele tem a cara e a alma do Amigo da Onça do genial Péricles. Li-te-ral-men-te!

Cinismo, hipocrisia, deboche e seletividade têm limites, e certamente como párias bárbaros que são os golpistas serão tratados, mesmo que por força do sistema econômico mundial, os governantes estrangeiros tenham que se reportar aos Unos, aos selvagens usurpadores da casa grande escravocrata brasileira.
Quando Aécio Neves disse no Senado que "Ninguém pode cometer crime impunemente. (...) A sensação de impunidade deixará de predominar", realmente o cinismo, a hipocrisia e o deboche bateram o recorde mundial e olímpico, já que estamos em época de jogos olímpicos. Jogos conquistados por Lula e edificado em termos de infraestrutura por Lula e Dilma.

A verdade é que a sensação de impunidade vai perdurar, além de o povo saber que tem políticos, principalmente os tucanos, que continuam livres porque podem cometer crimes. Tanto é verdade que não tem um único demotucano preso, como também os políticos do PMDB que renunciaram aos ministérios estão impunes, mesmo após terem seus diálogos conspiratórios repercutidos pela imprensa mercantil. Aécio Neves é o mega delatado e debocha da cara do povo quando fala em impunidade e crime. Esta é a democracia que a casa grande quer. É isso aí.