Google+ Badge

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Brasil abre suas selvas e fronteiras aos EUA por ter um governo ilegítimo, pária, colonizado, subalterno, covarde e de ladrões

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre


Se é verdade que uma tropa do exército dos Estados Unidos participará de exercício militar, que, de acordo com os analistas e observadores de segurança militar e de territórios as ações militares serão de dez dias, realmente e definitivamente passa não ser necessário explicar sobre o porquê de o desgoverno de *mi-shell temer, o mais fracassado, incompetente em todos os segmentos de atividades humana e o mais entreguista da história da República, chegou ao fundo do poço, como a maior praga que assolou, desmoralizou e humilhou o povo brasileiro — a Nação.

Jamais, em tempo algum, o Brasil se subordinou tanto, ao ponto de dobrar seus joelhos e não conseguir se levantar. Trata-se da entrega total do País por parte de ladrões e bandoleiros, que tomaram de assalto o Palácio do Planalto, como fazem os bandidos e delinquentes nas ruas, nas lojas e nas residências das cidades. Quadrilheiros de colarinhos brancos que já foram fotografados, filmados, gravados, confiscados documentos e provas e contraprovas de delatores, igualmente bandidos celerados, contra a escória que tomou de vez os poderes da República, para transformar o Brasil em terra de ninguém, sendo que sua posição nos índices de violência é uma das maiores do mundo.

Agora o golpista e usurpador pária, que traiu e trai a Nação, cujo vulgo é *mi-shell temer, enfia goela abaixo do povo brasileiro uma gringada yankee violenta, ladra, colonizadora e imperialista para tomar fé do território da Amazônia, conhecer o território brasileiro in loco, bem como fazer exercícios de guerra contra um povo e país irmãos, que são os venezuelanos e a Venezuela.

O fantoche do Planalto, o pau mandado, o apátrida e bastardo do povo, assim como desprovido de sentimento de nacionalidade e soberania, trai a eleita e constitucional Dilma Rousseff, assume o poder de forma ilegítima, sem quaisquer votos e legitimidade e resolve mais uma vez fazer um monte de merda, como se aliar à repressão e à opressão dos EUA, quando não têm seus interesses econômicos e geopolíticos atendidos e concretizados.

*mi-shell temer e seu capataz do Itamaraty, o tucano Aloysio Nunes Ferreira, além de instalarem a "diplomacia do tirar os sapatos e abaixar as calças" para os EUA e os países colonialistas da Europa, agora os golpistas fundamentalistas do mercado inauguram a "diplomacia prostituída", a fim de fazer com que o Brasil se torne, insofismavelmente, um país anão, insignificante, bananeiro, cucaracha, dependente, subalterno, atrasado e com vocação para o retrocesso, o fracasso, a miséria e a pobreza.

Tudo isto para manter o Brasil como "michê" de estimação, a ser uma Nação ad aeternum ultrajada e humilhada para que os golpistas e seus associados do empresariado, do Judiciário e do Congresso mantenham seus privilégios e benefícios eternamente, de forma que o Estado nacional seja um instrumento de cooperação dos interesses da casa grande brasileira e da plutocracia internacional. O Brasil, como todo país colonizado, foi adicionado à "diplomacia do porrete" dos norte-americanos.  

Esse processo terrível e vexatório que afundou o Brasil, pois praticado por um desgoverno de direita capitaneado por um sujeito sem moral e que diuturnamente entrega o Brasil e retira direitos e benefícios conquistados pelo povo brasileiro no decorrer de décadas a fio, e, por sua vez, permite que tropas estrangeiras do país que mais faz guerras no mundo e assassina milhares de pessoas todo o ano, a destruir economias inteiras de países que não rezaram por sua cartilha homicida e de interesse exploratório, consolide sua presença física, por intermédio de tropas militares alienígenas aos interesses estratégicos de defesa do Brasil e da América do Sul.

Porém, a submissão do governo fantoche e colonizado aos EUA não surpreende. Quando os golpistas de direita tomaram de assalto a Presidência da República, o sorrateiro e traiçoeiro José Serra (PSDB/SP), autor do projeto que entrega a Petrobras e o Pré-Sal à gringada pirata, malandra e esperta, deu início à expulsão da Venezuela do Mercosul. Isto mesmo, o capacho dos yankees começou a política de enfrentamento contra o governo de esquerda a soberano de Nicolás Maduro, a fazer com que o país do norte da América do Sul fosse isolado economicamente e culturalmente, de forma a favorecer o processo de golpe de estado contra o governo daquele país soberano, que jamais aceitou a interferência estrangeira em seus assuntos e decisões internos.

Diferente do Brasil, um país que se tornou pigmeu diplomático e satélite do círculo de influência dos Estados Unidos, que por meio do presidente de extrema direita, Donald Trump, ameaçou a Venezuela de invasão nas barbas do Brasil e de sua diplomacia subalterna e subserviente, que virou piada internacional, a humilhar todos os brasileiros que tenham um pingo de vergonha na cara e que fazem oposição ao desgoverno da escumalha ou da corja que transformou o Palácio do Planalto em um covil de patifes e bandoleiros, que têm irremediavelmente profundo desprezo e ódio ao povo brasileiro, o mesmo que sustenta a opulência e a riqueza da casa grande, que, desgraçadamente, não possui projeto de soberania e desenvolvimento para o País, porque jamais teve a dignidade de pensá-lo.   
   
O Brasil praticamente abandonou os Brics, seu poderoso banco, o NDB, o G-20, a Unasul e o Mercosul. Não luta mais para integrar o Conselho de Segurança da ONU, abandonou a diplomacia Sul-Sul, a se integrar com a África, diminuiu suas relações com os países árabes, bem como não tem mais voz ativa e não é levado a sério por seus parceiros comercias, que juntos são cerca de 50% da população mundial, com economia internas gigantescas e portadoras de forças militares que dominam o setor nuclear.

O Brasil, até a pouco tempo, era protagonista e líder da diplomacia latino-americana, com grande força em âmbito mundial e a ser parte importante de decisões dos principais fóruns internacionais. Após o golpe dos ratos e das ratazanas, com vocações para a subalternidade digna de cucurachas da Banânia, o Brasil e seu desgoverno controlado por ladrões e corruptos de monta, origem e ordem, transforma-se em apenas um território gigante com milhões de pessoas, que estão a perder seus direitos e garantias. O Brasil, morbidamente, deixou de ser uma Nação.

Contudo, o que realmente impressiona é a vocação para o suicídio coletivo de parte de milhões de brasileiros, que foram partícipes do golpe bananeiro, que transformou o Brasil em uma republiqueta terceiro-mundista, controlada por uma quadrilha, que, inacreditavelmente, tem o apoio do Judiciário, que é repleto de coxinhas de direita, que não têm quaisquer ligações com a sociedade e com seus interesses, porque de mentalidades pequeno-burguesas e, consequentemente, completamente dissociados das realidades e dificuldades da maioria da população, pois se trata realmente de um Judiciário burguês, de casaca ou fraque e punhos de renda.

Agora estamos aí, a descarrilar ladeira abaixo e o Brasil a se juntar aos fantoches e subalternos tradicionais e antigos dos Estados Unidos, a exemplo da Colômbia e o Peru, este último com menor intensidade. Trata-se da aliança de direita que tem por finalidade derrubar o governo de Nicolás Maduro, com a participação do Brasil e do Exército Brasileiro, cujos generais estão a ver todos seus planos estratégicos de modernização das Forças Armadas irem para o beleléu.

A verdade é que quando um País tem um golpista de dimensão diminuta e limitada, a exemplo de Raul Jungmann como ministro de Defesa, é porque, verdadeiramente, a mediocridade tomou conta do País e a irresponsabilidade passa ser a tônica e a reflexão de que realmente o Brasil chegou ao fundo do poço como colônia de um potência que somente recebe recursos e ainda impõe a política diplomática que o governo pária e usurpador de *temer deve implementar.

É vergonhoso para o Exército ter de se submeter a uma força militar estrangeira. Não sei como os generais do Exército e seu comandante principal aceitaram uma desfaçatez e humilhação dessa. Nem os generais da ditadura militar aceitariam uma imposição desmoralizante, a concordar, de cabeça baixa, que golpistas ordinários e desprovidos de legitimidade e de moral, a fim de consolidar seus negócios, permitam a entrada, volto a ressaltar, de tropas estrangeiras, sendo que militares estadunidenses liderem, em novembro, os exercícios militares dentro do território brasileiro, na Amazônia, a provocar e fustigar um país vizinho e irmão, que possui interesses comuns ao Brasil muito mais do que os Estados Unidos.

Trata-se de um soco no estômago. Arruinaram a economia do País, entregaram o patrimônio público, acabaram com o mercado interno, extinguiram dezenas de programas de inclusão social, desempregaram 20 milhões de trabalhadores, desindustrializaram o País para beneficiar a indústria estrangeira, retiraram 40% dos recursos orçamentários das Forças Armadas e sufocaram os programas estratégicos civis e militares de independência e soberania, porque deram mais um golpe de estado contra os interesses do povo brasileiro.

Esta é a obra de demolição do Estado nacional e de destruição de esperanças para que sobre apenas a falta de solidariedade, o egoísmo, a intolerância e a violência. O Brasil está à deriva e a violência campeia em todas suas regiões de forma exponencial. E agora o País tem de se submeter à presença de militares norte-americanos, a nos transformar em território aberto à exploração do grande capital, que tem interesse em derrubar o legítimo governo da Venezuela.

O Brasil, onde age como traidor o presidente pária e usurpador, transforma-se em um País exportador de golpes de estado em sua própria região, a ter como seu "chefe" os Estados Unidos e seu Exército multiplicador de guerras, invasões, piratarias e mortes, no decorrer de 150 anos. Muitas mortes... Mortes em profusão. Os Estados Unidos impuseram a presença de suas tropas em território brasileiro por meio das pressões do embaixador Peter McKinsey, sendo que a intenção é viabilizar o teatro de operações no sul da Venezuela.

Como ocorreu na Líbia, um dos países mais desenvolvidos da África, cujo estado financiava a moradia, a saúde e a educação, de forma desenvolvida, e que foi transformado em um país pária, ingovernável e com muitas favelas e grande pobreza por causa da invasão militar de países europeus e dos Estados Unidos. O objetivo ou a estratégia do consórcio internacional golpista é ocupar uma porção do território venezuelano, onde, segundo as forças de segurança do Brasil e, principalmente da Colômbia e dos Estados Unidos, afirmam que tal território é ocupado por traficantes, mercenários e organizações paramilitares. Uma "boa" desculpa para exercitar a prepotência, a arrogância e a fome ensandecida pelo petróleo e outras riquezas da nação bolivariana.   

Assim também foi feito na Líbia, sendo que a Síria hoje tem seu território ocupado por inúmeras forças, regulares e irregulares, que tentam abocanhar fatias de poder e derrubar o presidente sírio, que tem o apoio da Rússia e os Estados Unidos como inimigos e acusados de serem o financiadores de grupos terroristas, realidade que foi comprovada com a morte de diplomata americano junto aos grupos armados que combatem o governo de Bashar al-Assad.  

Ocupar o território conhecido como Cabeça de Cachorro por intermédio da tríplice aliança de direita formada por Brasil-Peru-Colômbia é tudo que os Estados Unidos querem, após Donald Trump afirmar que uma solução militar para a Venezuela não estava descartada. O propósito é desestabilizar ainda mais e internamente o governo venezuelano, que reagiria com mais dureza e disposição a qualquer tentativa de golpe por parte dos direitistas venezuelanos.

No país de Hugo Chávez não basta apenas colocar coxinhas tresloucados e celerados de classe média nas ruas e contar com campanhas insidiosas, mentirosas e sistemáticas por parte da imprensa de negócios privados, a exemplo da Globo e suas assemelhadas, que contaram ainda com a lamentável cumplicidade do Judiciário brasileiro e do Congresso, que também conspiraram e participaram da derrubada do Governo trabalhista e democrático de Dilma Rousseff, bem como ainda dão continuidade ao golpe em prol da caçada política e ideológica ao presidente Lula, pois a finalidade é afastá-lo das eleições presidenciais de 2018.

Não mesmo... A violência política na Venezuela é mais radical, porque nesse país existe um governo forte, eleito e reeleito pela força das urnas, com direito à sabotagem da oposição de direita, que até hoje não aceita ter perdido a hegemonia política e o dinheiro do petróleo, que sustentou durante mais de um século as bilionárias oligarquias venezuelanas, que, como as do Brasil, tratam seus povos como esparros, cujos únicos deveres são servi-los como mãos de obra barata, sem ter direito a reclamar e a ter acesso aos direitos trabalhistas e previdenciários.

Os EUA, na verdade, querem transformar a Venezuela em uma Líbia para desestabilizá-la. Uma Líbia, só que maior, mais populosa, rica e mais forte militarmente. Enviar tropas norte-americanas para invadir a Venezuela para roubar petróleo e matar seu povo seria temerário, ou seja, tiros nos pés dos Estados Unidos, que, certamente, teriam problemas com a Rússia, com a China e o recrudescimento da histórica antipatia contra os yankees na América Latina, com exceção dos coxinhas analfabetos políticos, colonizados e sem noção alguma de soberania por faltar-lhes totalmente o sentimento de nacionalidade, além da ausência de orgulho telúrico e da própria identidade nacional. Complexo de vira-lata! Cabeça colonizada! Alma entreguista e subserviente!

Os Estados Unidos estão a ser, por total irresponsabilidade, tal qual como fazem no mundo, os fiadores e financiadores de guerra entre países da América do Sul após 140 anos de paz. Ponto. De acordo com a imprensa venezuelana e setores de inteligência do país bolivariano, as forças especiais terão 800 homens do exército estadunidense denominadas Seal. A aventura militar, no qual o desgoverno irresponsável e incompetente de *temer se meteu, será em novembro e praticamente coincide com as eleições de dezembro nas províncias venezuelanas.

A verdade é que as manobras militares de interesses colonizadores por parte dos EUA, Brasil, Colômbia e Perú significam, hipoteticamente, a invasão da Venezuela e o Brasil, mesmo a se tratar de manobras, é parte de um consórcio militarmente colonizador e politicamente de direita, que pretende derrubar um governo autêntico e legítimo, que não é o caso do desgoverno do pigmeu moral, *mi-shell temer, que, absolutamente, já deveria estar a planejar sua medíocre vidinha ordinária e de traidor de dentro de uma cadeia.

O general Vilas-Boas, comandante do Exército Brasileiro, de acordo com informações que repercutem na imprensa e nos segmentos de decisão e poder das Forças Armadas, está insatisfeito e a reagir contra as operações militares lideradas pelos Estados Unidos em território nacional. Não é possível que os chefes das Forças Armadas estejam a favor de manobras que visam entrar em confronto com as forças armadas da Venezuela e seu povo, que é irmanado com o povo brasileiro, principalmente o amazônico. 

Os comandantes das Forças Armadas não têm o direito de cometer tão grave equívoco contra um país vizinho e irmão, mas o dever constitucional de proteger o território nacional contra as forças imperialistas e agressoras, no caso os militares dos EUA, acostumados a invadir países em todo o planeta. A Venezuela não é inimiga do desenvolvimento e da independência do Brasil. O governo da Venezuela não quer invadir o Brasil. A verdade é que todo mundo sabe, até mesmo os mortos, os recém-nascidos e os extraterrestres que os inimigos e interventores da soberania de inúmeras nações são os Estados Unidos. Quem não sabe disso? Talvez os coxinhas amigos do Mickey, que adoram dar uma de Pateta e apoiar golpe de estado contra seus próprios direitos e garantias, além de serem massa de manobra do status quo.  

É inaceitável! Um despropósito! É covardia! Trata-se de imbecilidade e idiotice totais e praticadas por golpistas que tomaram o poder de assalto no Brasil e não param de fazer merda atrás de merda, porque são completamente irresponsáveis, levianos e tirânicos. É simplesmente imperdoável se o Brasil e suas Forças Armadas entrarem em um guerra draconiana e covarde contra um país pobre, de povo pobre e que há séculos é explorado violentamente, como acontece no Brasil, por oligarquias e oligopólios que não se importam com nada, a não ser ganhar dinheiro e roubar cada vez mais para manter seus privilégios e benefícios eternamente.

Não cabe e não é de forma alguma aceitável que os militares brasileiros invadam o território do país irmão, a autonomia e a independência de outros povos. Se os Estados Unidos estão acostumados a matar e a sujar suas mãos de sangue, que sujem suas mãos sozinhos. O Brasil é de paz e na paz o Brasil sempre edificará seu presente e seu futuro com todas as nações, principalmente as sul-americanas e as latino-americanas.

As Américas não são apenas dos Estados Unidos. As Américas pertencem e são de todos os países e povos americanos. O lugar apropriado dos golpistas e usurpadores do desgoverno *temer é a cadeia! É na cadeia que esses sem vergonhas e golpistas deveriam brincar de governar. É isso aí.


sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Justiça e MPF chancelam o golpe, marcam posição na luta de classe, perseguem Lula e envergonham o Brasil

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre


O Judiciário, a Justiça e o MPF envergonham o Brasil e os brasileiros, porque, indubitavelmente, foram ocupados por coxinhas de salários altíssimos e totalmente distantes das questões nacionais e dos interesses do povo brasileiro, que é composto por imensa maioria pobre e remediada.

Quando vejo juízes, procuradores, delegados de polícia, tanto masculinos e femininos, a se comportarem inadequadamente por intermédio de suas declarações ao vivo, nas mídias dos empresários bilionários ou em suas redes sociais, penso logo e afirmo: "pobre do país e do povo que tem em seus quadros do Judiciário e do MPF coxinhas sem a mínima noção de nacionalidade e de entendimento de soberania nacional".

E não se trata apenas disso, porque se observa também as práticas nada republicanas desses servidores públicos, que fazem do Estado um meio de vida de suas famílias, sendo que muitos indivíduos do poder togado são de famílias que há décadas consecutivas transformaram o Judiciário em capitania hereditária, de forma que o comportamento e o pensamento desses servidores ricos e abastados é completamente elitista, sectário, racista, misógino e, evidentemente, ideologicamente de direita.

Quero dizer com isso que o Judiciário, a Justiça e o MPF são ranços que deveriam sofrer radical e profunda reforma, porque o que se percebe, nitidamente e claramente, é que os juízes, procuradores e delegados estão envolvidos até os últimos fios de cabelo ou até as medulas com mais um golpe de estado que aconteceu nesta republiqueta terceiro-mundista, cucaracha e bananeira, onde uma minoria branca e provinciana, estupidamente feroz e egoísta toma para si o Estado e faz o que quer e deseja com o dinheiro público pago pelo contribuinte e o trabalhador brasileiros.

Dito isto, observo ainda que a perseguição ao ex-presidente Lula é vergonhosa, além de covarde, sendo que a maioria dos membros do Judiciário, indelevelmente de mentalidade pequeno-burguesa, parece-me ter perdido de vez a vergonha na cara, se algum dia tal poder a teve, porque as ações persecutórias cometidas há anos contra o líder trabalhista e de esquerda é, sem sombra de dúvida, uma realidade sórdida, infame e atroz, pois injusta por total ausência de provas, que certamente constará, ipsis litteris, nas páginas da história.

A história que não mais será somente contada pelos historiadores e acadêmicos vinculados aos grupos sociais hegemônicos, que têm lado e controlam, inclusive, a indústria editorial e, com efeito, efetivam a censura, sempre a dificultar a disseminação das realidades e do pensamento das lideranças políticas e históricas do campo político e social de origem popular.   

Contudo, depois do advento da internet, os historiadores vinculados à burguesia, bem como os jornalistas da imprensa de mercado, não contarão mais suas histórias sozinhos, pois não mais falarão sozinhos sem serem questionados, como acontece, por exemplo, com o subterfúgio das "pedaladas" repleto de má-fé e mau-caratismo usado pela direita golpista, para levar uma presidente constitucional e legítima à deposição e, consequentemente, tomar o poder de assalto por meio de mais um golpe terceiro-mundista, organizado por uma quadrilha que está neste momento a demolir o Brasil. Até que ponto a Justiça burguesa, de terceiro mundo e comensal da casa grande deste País continuará cega?!

A verdade é que se trata de um golpe de estado, cuja base para toda cafajestada ocorrida é o próprio Judiciário, que conspirou pois aquiesceu, sendo, portanto, um dos principais partícipes do golpe bananeiro, que tem por finalidade entregar o País, destruir o pequeno estado de bem-estar social, extinguir programas de inclusão social e transferir o Orçamento da União e o dinheiro de inúmeros investimentos do povo brasileiro para a bocarra voraz dos bancos e das "elites" nacionais e estrangeiras. Por isto e por causa disto tudo, sem sombra de dúvida, o Judiciário brasileiro é uma incomensurável, indescritível e inenarrável vergonha e insulto ao povo trabalhador brasileiro. 

A Justiça de retaliação, mesquinha e vulgar. A Justiça que se politizou, criminalizou a política e judicializou a governabilidade, além de intervir vergonhosamente no processo democrático, a mandar para o espaço o Estado Democrático de Direito, pois cúmplice do vilipêndio à Constituição Cidadã de 1988, que consagra a cidadania e os direitos sociais e civis, para o ódio e rancor da casa grande, a quem muitos juízes, procuradores e delegados servem, a fazerem os tristes papéis de capitães do mato das oligarquias nacionais e da plutocracia internacional.

Este é, irrefragavelmente, o retrato da Justiça deste País azarado, porque nele viceja a pior burguesia do mundo ocidental, antinacionalista, antidemocrática e antipopular, que, colonizada e ignorante, odeia e despreza seu próprio País, a apoiar, sem vacilar, a destruição da economia brasileira, assim como não se importa, de modo algum, com sua autonomia e independência, o que significa abrir mão da soberania do Brasil, que, mais uma vez, torna-se um País insignificante e desconsiderado pela comunidade internacional, pois praticamente obrigado a orbitar no círculo de influência dos Estados Unidos.

Desta forma, o Brasil, mediocremente, afasta-se de vez de sua liderança regional e passa a ser tratado como uma republiqueta bananeira nos Brics, no G-20, no Mercosul, na Unasul, na OEA, na ONU e em todos os fóruns internacionais. *mi-shel temer — o traiçoeiro usurpador — é tratado pelas lideranças mundiais como um pária ou o bastardo do povo, pois se trata apenas de um golpista desprovido de votos e fantoche da "elite" cucaracha, que está a fazer o trabalho sujo, a mando dos banqueiros e da plutocracia internacional. O ilegítimo *temer é uma verdadeira peste, e tem, irremediavelmente, vocação para o fracasso e a iniquidade. Colocar *mi-shel temer na presidência do País é como colocar um predador dentro de sua casa. Sem mais delongas. Ponto.

Ninguém o leva a sério, se algum dia alguém o levou. Porém, é inquestionável que os golpistas irresponsáveis do Grupo Globo e assemelhados estão profundamente arrependidos por terem apoiado um patife e chefe de quadrilha da pior espécie, que a burguesia brasileira ousou produzir, com a cumplicidade e a aquiescência dos juízes e procuradores pequeno-burgueses, que provam e comprovam que, a despeito de terem estudado Direito, não possuem a menor compreensão sobre o que é presidencialismo de coalizão ou o que significa a efetivação de projeto de independência e soberania de país.

Não sabem e não querem saber, porque a verdade é que são sujeitos togados de mentalidades pequenas, a se preocupar com seus interesses pecuniários e suas vidinhas de classe média alta, que não podem, de forma alguma, serem incomodadas com a presença de pobretões, que subiram um degrauzinho na escala social e passaram a comprar passagem de avião, comprar a linha branca doméstica ou a frequentar, de vez em quando, o shopping onde os filhos da pequena burguesia comem hamburguers e vão ao cinema com pacotes e copos gigantes de pipocas e refrigerantes, a sonhar com Miami e Orlando, e, quiçá, visitar o Mickey para dar uma de Pateta!

Dou como exemplo da desfaçatez e perseguição a Lula, o juiz Itagiba Catta Preta Neto, da 4ª Vara do Distrito Federal, ao conceder liminar para suspender a posse do ex-presidente Lula como ministro da Casa Civil. O togado de direita e com vocação para coxinha fez campanha pelas redes sociais para que Dilma Rousseff, eleita com 54,5 milhões de votos pela maioria dos eleitores brasileiros, fosse deposta.

A argumentação do "genial" juiz golpista de primeira instância para apoiar o crime de golpe de estado é curiosa para não dizer surreal. O magistrado afirmou em redes sociais, bem ao estilo coxinha analfabeto político funcional e consumista, branco e miameiro, que se a mandatária legítima e constitucional caísse, o dólar também cairia e, com efeito, ficaria mais barato. É verdade! Ele disse isto, incrivelmente...

E não parou por aí. Continuou com sua irresponsabilidade, mesmo a ser juiz em atividade e que, logo depois, cooperou para impedir que o Lula assumisse a Casa Civil, a recrudescer propositalmente a crise política, como o fez o juiz Sérgio Moro, do PSDB do Paraná, quando mandou liberar os áudios das conversas entre Lula e Dilma, a causar, irresponsavelmente, comoção popular. Ou seja, Catta Preta, comprovadamente, aproveitou-se de seu cargo público com salários altos e pagos regiamente pelo contribuinte para fazer, efetivamente, política, bem como combater o lado do campo ideológico que, certamente, ele não vota, porque, nitidamente, um juiz de direita.

Catta Preta, como inúmeros juízes, procuradores e delegados da PF, participaram pessoalmente e pelas redes sociais de eventos golpistas e repercutiram palavras de ordem contra o PT, os presidentes Lula e Dilma e os governos trabalhistas, no decorrer da crise política e das manifestações promovidas pela direita e pela extrema direita, a terem o MBL, os Revoltados Online e o Vem Pra Rua como promotores essenciais para que o golpe criminoso, covarde e cucaracha vencesse e, posteriormente, destruísse a economia e a democracia do Brasil e envergonhasse os brasileiros perante a comunidade internacional, que trata este País como um lugar ocupado por macaquitos brancos e bananeiros, cujas burguesia e pequena-burguesia são analfabetas políticas, entreguistas e colonizadas, bem como portadoras de um gigantesco e intangível complexo de vira-lata.

Os coxinhas de togas e os meganhas seletivos perderam, definitivamente, a modéstia; e, no Brasil desmoralizado e humilhado de hoje, consideram-se os heróis ou as feras do balacobaco. Só que não! E digo por quê. Quando o Judiciário, a Justiça, o MPF e a polícia interferem em qualquer democracia e interditam o processo político, é sinal que está a acontecer uma ditadura contra o Estado Democrático de Direito e das piores, porque quem se sentir lesado ou prejudicado, perseguido ou agredido em seus direitos civis, não há para onde recorrer.

Quando gente que se veste de preto, totalmente desprovida da legitimidade e autoridade do voto popular para governar e passa a considerar que sua aprovação em concurso público é o suficiente para interferir no direito do governante eleito pelo povo governar, é sinal de que tal sociedade e país estão em um processo ditatorial dos mais terríveis e violentos, que geralmente tem por trás desse processo casuístico e perigoso para os direitos da população e da cidadania as grandes oligarquias, que formam, em âmbito mundial, a plutocracia que domina a economia e as diretrizes diplomáticas do país vilipendiado por um golpe do Estado, como ocorre no Brasil.

Catta Preta é apenas um exemplo dos incontáveis exemplos que aconteceram no Brasil no âmbito do Judiciário. Inúmeros juízes, delegados e procuradores resolveram fazer política contra o PT, seus aliados e líderes, a exemplo de Lula, Dilma, Zé Dirceu e Genoíno. Por sua vez, jamais atacaram o PSDB e o DEM, que são a mesma face da mesma moeda, assim como permitem, a exemplo do STF, que um ladrão e hoje presidiário aceitasse o pedido de impeachment (golpe) contra a presidente honesta e que não roubou, que é Dilma Rousseff. Agora o próprio Judiciário e o MPF estão a protelar, de forma vergonhosa, as delações do ex-deputado Eduardo Cunha e do doleiro Lúcio Funaro, que são verdadeiras bombas contra o PMDB, o PSDB, o DEM e o desgoverno do golpista e usurpador *mi-shell temer.

Quando o Judiciário, MPF e a PF deixam de ser republicanos é sinal de que esses poderes e corporações tomaram partido e, se tem lado, suas ações serão partidarizadas. Não tem jeito, porque não há outro caminho. E é isto o que acontece no Brasil e ninguém faz nada para coibir e fazer com que tais servidores se coloquem em seus lugares devidos, de acordo com a Constituição e seus regulamentos e regimentos internos. Ponto. Se lambuzaram com o melado do poder, que se baseia na mentira sobre a realidade e a distorção dos fatos e dos acontecimentos, a exemplo da Lava Jato.

A força tarefa de Curitiba é uma ferramenta ou instrumento de combate político, ideologicamente de direita e, no decorrer do tempo, seus objetivos de combate ao crime de corrupção se extraviaram, porque passou a ser uma tribuna de togados e meganhas que se tornaram políticos, a despeito das prisões de corruptos e da transparência no que concerne a apontá-los para o público.

Contudo, sabe-se também das covardias e perseguições perpetradas pela Lava Jato e seus "intocáveis", que um dia terão de ser "tocáveis" para responder pelos abusos de poder, perseguições e prisões ilegais, dentre muitos outros crimes, como liberar à imprensa de mercado mais corrupta do mundo ocidental gravações e processos em segredo de justiça, além de grampos contra a presidente Dilma e os advogados de Lula, sem também esquecer de lembrar que o líder máximo do PT está a ser punido, inclusive com prisão em primeira instância, sem ter sido nada comprovado contra o ex-presidente trabalhista, mesmo após 73 testemunhas afirmarem ao juiz Moro, do PSDB do Paraná, que nunca souberam nada sobre o Lula se envolver com ações ilegais e criminosas. 

Lula foi inocentado por 73 pessoas e mesmo assim o juiz seletivo e parcial de Curitiba o condenou a mais de nove anos de prisão, porque a verdade é que tudo que começa por meio de mentiras tende a terminar como uma grande farsa, em que mentirosos criaram um processo político à moda Goebbels e agora não têm como recuar, mesmo ao preço altíssimo de entrar para a história como injustos e farsantes. Além disso, a Lava Jato tem de dar satisfações à golpista Globo, que sempre tratou a força tarefa como se fosse um filme hollywoodiano, a dar-lhe força desmedida e, com efeito, concretizar o golpe contra Dilma Rousseff e consolidar o processo persecutório contra o Lula, a afastá-lo da disputa eleitoral de 2018.  

Em todos os processos que o Lula responde, não existe uma única prova contra o político de esquerda, que lidera todas as pesquisas eleitorais e, consequentemente, é o favorito para vencer as eleições presidenciais de 2018, o que, indubitavelmente, apavora a direita, inclusive a direita de toga e de alma golpista, que está a governar o Brasil no lugar da presidente Dilma, a confirmar que a Justiça e o MPF se resumiram ao papel de capatazes das oligarquias inquilinas da casa grande. Basta-nos olharmos para o juiz Gilmar Mendes, do PSDB do Mato Grosso e seus aliados do STF, do Congresso e do Palácio do Planalto para confirmarmos que o Judiciário tem lado, partido, cor ideológica e classe social.

Para finalizar sobre as ações pontuais e direcionadas por parte de togados e meganhas, ainda dou como exemplo as duas últimas ações recentes do MPF e da Justiça, pois emblemáticas, além de dar ponto final a este texto, no que concerne à participação de juízes e procuradores como pontas de lança do combate político contra a esquerda e os movimentos sociais de origens populares, razões pelas quais tais servidores públicos de classe média e média alta, que se consideram parte das "elites" brasileiras, têm raiva, rancor, desprezo e um profundo sentimento de classe, que se baseiam em preconceitos aprendidos por toda a vida, em seus grupos sociais e junto a seus familiares.

A primeira ação aconteceu por meio de Ministério Público e faz referência a uma interdição movida por procuradores contra a cessão de um terreno municipal no centro da cidade de São Paulo. No terreno, seria construído um museu, que teria documentos, imagens e objetos, que reconstituiriam a construção do País a partir da instituição da República, como se fosse um memorial à democracia.

Os procuradores completamente politizados, partidarizados, arbitrários e a fazer a má política sem parar, consideraram, a seus bel-prazeres, talvez porque se consideram os gênios da raça tupiniquim, proibiram a cessão do terreno e, pode acreditar cara pálida, afirmaram estupidamente que o museu serviria para a divulgação da imagem de Lula. Ponto. Além do governar no lugar do Executivo, cujas autoridades são eleitas pelo povo, os procuradores também decidem sobre museus e seus acervos a serem apresentados ao público. Não é coisa de procurador coxinha da Banânia de terceiro mundo? Sem mais comentários...

Outro abuso de poder e exemplo de arrogância e prepotência, que expõe a imbecilidade a que pode chegar a Justiça é quanto à proibição por parte de um juiz de primeira instância de o presidente Lula, candidato favorito às eleições de 2018, receber da Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB) o título de Doutor Honoris Causa. Isto mesmo. Um vereadorzinho mequetrefe  e provinciano do DEM, o pior partido do mundo e herdeiro legítimo da UDN, da Arena, do PDS e do PFL, entrou com um pedido na Justiça para que o Lula não fosse homenageado. Logo o Lula, o presidente que mais criou universidades e escolas técnicas na história do Brasil. O político que mais incluiu negros e pobres nas universidades e faculdades públicas e privadas na história deste País. Enfim, a liminar estúpida e movida a insensatez, perversidade, preconceito e burrice foi cassada para o bem da inteligência humana e das pessoas de boa vontade.

"Esse título não é meu, é de cada negro e negra que se formaram em uma universidade. Um pouco do sucesso da política e do acerto econômico é você ter consciência política de que lado você está" — disse Lula, para logo complementar: "Se os políticos que têm diplomas não sabem governar, talvez seja necessário um torneiro mecânico voltar a governar" — concluiu. 


Lula não roubou. A direita sabe disso. Os procuradores da Lava Jato e o juiz Sérgio Moro sabem disso. Todo mundo sabe disso. Até os mais despolitizados e tresloucados coxinhas de classe média, batedores de panelas de barrigas cheias e amantes do pato amarelo e corrupto da Fiesp sabem disso. A Justiça, o Judiciário e o MPF são de direita e pertencem aos ricos e fazem política para favorecer o status quo. Eles estão diretamente envolvidos com o golpe. Eles são o golpe. Justiça e MPF chancelam o golpe, marcam posição na luta de classe, perseguem Lula e envergonham o Brasil. É isso aí.

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Moro é a má política de toga e a Geórgia de dez anos atrás é a Lava Jato

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre


O que os golpistas e elitistas deste País cucaracha "não entendem", a incluir os coxinhas de classe média, por má-fé, cinismo e hipocrisia é que a Lava Jato teria de ter como objeto e alvo de sua atuação o combate à corrupção e nada mais do que isto. Ponto. Enquanto a força tarefa dos juízes, procuradores e delegados, a maioria baseada no Paraná, estava a servir à Nação com enfoque no combate à corrupção doa a quem doer, evidentemente que o apoio a esses servidores públicos do Judiciário e do MPF era praticamente majoritário.

Porém, percebe-se logo e rapidamente que os "intocáveis" togados e meganhas passaram a ter como motivação principal e primordial o combate político, partidário e ideológico, sendo que tais servidores agem e atuam, sistematicamente, no campo da direita, a movê-los, sem dúvida, ações de conotações persecutórias, que denotam, ipsis litteris, que a Lava Jato é, na verdade, um instrumento político transformado em um aríete, que tem por propósito demolir e ferir o Partido dos Trabalhadores e suas principais lideranças.

Não importa a mim se algumas pessoas que leem meus artigos fiquem injuriadas ou falsamente indignadas, porque, evidentemente, se existe algo que eu detesto é a corrupção, mas também acredito que ela tem de ser combatida de forma republicana, equânime e isonômica, de forma que todos os grupos, segmentos e setores das vidas públicas e privadas da sociedade brasileira respondam por seus crimes, malfeitos e ilegalidades de toda ordem.

E é exatamente isto que não acontece e, com efeito, a blogosfera progressista, os chamados blogs e sites "sujos", combatem, sem trégua, as manipulações, distorções e mentiras o oligopólio da imprensa de negócios privados, que, mancomunada com os atores da Lava Jato, transformaram o Brasil em um republiqueta bananeira, o desmoralizaram, o humilharam e destruíram sua economia, principalmente o comércio interno, que não vende nada, bem como a indústria de base e pesada brasileira, a desempregar 15 milhões de brasileiros, sendo que outros milhões estão à mercê do comércio ilegal e da repressão policial, de forma, inclusive, a fazer o Brasil integrar novamente o mapa da fome, de acordo com a FAO e o IBGE.

O juiz Sérgio Moro, do PSDB do Paraná, os procuradores Carlos Fernando dos Santos Lima, Deltan Dallagnol, Roberson Pezzobon, dentre outros autores do powerpoint mentiroso e leviano, assim como os delegados partidarizados e "aecistas", Igor Romário de Paula, Maurício Grillo e Márcio Anselmo, conforme comprovaram seus facebooks e a matéria do Estadão, que, por sinal, trata-se de um pasquim de direita quase falido, que sempre apoiou a Lava Jato, resolveram, indevidamente, entrar de cabeça na política brasileira.

Os membros da Lava Jato fizeram mais do que isto, pois interditaram o processo político para influenciar no tabuleiro político e, consequentemente, favorecer a direita brasileira, representada, principalmente, pela dupla PSDB/PMDB, que efetivou a deposição da presidente reeleita e legítima, Dilma Rouseeff, e instalou no Planalto o governo mais corrupto, elitista, sectário e entreguista da história republicana brasileira. O governo colonizado e subalterno, que serve a poucos em detrimento de muitos.

E por que eu estou a falar sobre esse assunto? Respondo. Porque o juiz Sérgio Moro, do PSDB do Paraná, comparou o Brasil à Geórgia após o fim da União Soviética. O herói dos coxinhas golpistas, entreguistas e analfabetos políticos afirmou que o Brasil é governado por gângsters. É verdade. O juiz não mentiu, mas, como sempre ele faz para não falar ou explicar, por exemplo, o porquê de ele não prender os tucanos e os líderes do PMDB que tomaram o poder de assalto, o magistrado de primeira instância e com vocação para ditador simplesmente tergiversa e faz cara de paisagem.

A verdade é que as ações do político sem mandato, Sérgio Moro, do PSDB do Paraná, cooperou, e muito, para que o Brasil fosse governado por gângsters, que estão a demolir o Brasil e envergonhar seu povo perante a comunidade internacional. Afinal, o magistrado da província de Maringá, cuja família possui laços profundos com o PSDB, a direita em geral e a burguesia paranaense permitiu, deliberadamente, que a crise político-institucional recrudescesse e, com efeito, favorecesse a radicalização da direita de alma lacerdista

A direita de tradição udenista, porque comportalmente falsa moralista, e que, histérica, ocupava as ruas com camisetas de seleção brasileira, bem como o ato insano, mas inquestionavelmente político de Moro a levou a tentar, como fazem os vândalos ou os bárbaros, invadir o Palácio do Planalto, porque o juiz Sérgio Moro, do PSDB do Paraná, liberou criminosamente à imprensa de mercado, sua cúmplice partidária e política, os diálogos entre a presidente Dilma e o ex-presidente Lula.

Quero afirmar, sem medo de errar, que tal juiz causou comoção popular deliberadamente, o que se torna um fato absurdo e altamente irresponsável. Naquele momento, a luta política estava no auge, pois a presidente constitucional e legítima estava prestes a enfrentar um tribunal no Senado que, antecipadamente, já a tinha condenado à perda de seu mandato popular e legítimo. A verdade é que o juiz tucano da terra das araucárias estava a fazer a péssima política, além de apagar incêndio com gasolina.

Moro, do PSDB do Paraná, sabia o que estava a fazer, sem sombra de dúvida, e cometeu um de seus inúmeros crimes com o apoio, a cumplicidade e a aquiescência do CNJ, do TRF-4 e, sobretudo, do STF, poder que é indefectivelmente burguês, a vergonha do Brasil, que, com a participação da imprensa comercial e privada mais corrupta e golpista do mundo ocidental, tornou-se a garantia de que a casa grande retornaria ao poder após quatro derrotas eleitorais consecutivas para os presidentes Dilma e Lula, líderes trabalhistas e de esquerda, que jamais foram cooptados pelo establishment.

O establishment que vem a ser o promotor do status quo, que, por sua vez, é financiado pelas oligarquias brasileiras e pela plutocracia internacional, as quais os golpistas e usurpadores da Banânia servem como cães perdigueiros ou de guarda. O Judiciário brasileiro é o câncer que promove o atraso material e espiritual do Brasil.

O STF permitiu que chefes de quadrilhas assumissem o poder central e aceitassem o pedido de impeachment (golpe) na Câmara dos Deputado para Dilma Rousseff ter seu mandato vilipendiado no Senado Federal pela maioria dos senadores intrinsecamente vinculada ao atraso e ao retrocesso, ou seja, às oligarquias insofismavelmente escravocratas. Esses fatos e realidades são inesquecíveis. A história cuidará disso com a precisão da verdade. A verdade é imbatível e inatacável. O Supremo deste País é o fim da picada!

Torna-se, então, necessário colocar os pingos nos "is". Moro, o magistrado tucano, que tem lado partidário, cor ideológica e participa com afinco da luta política e de classes, que a direita diz não existir, mas "quer de volta sua empregada doméstica", a dormir na pequena senzala, que é retratada no quartinho de empregada, afirmou, na Jovem Pan, que não é candidato, porque não tem perfil para exercer mandato político. Não são contraditórias as palavras de vossa excelência?

Obviamente que o juiz do PSDB do Paraná está a tergiversar, porque não é necessário ter mandato para fazer política, no sentido de participar do embate político e tomar para si o enfrentamento de linha de frente com o apoio, incondicional, pelo menos até agora, da imprensa de negócios privados e controlada por meia dúzia de famílias bilionárias, que combatem os interesses de independência e soberania do Brasil há décadas, bem como o tratam como se o País fosse o quintal de suas casas.

Sérgio Moro quer enganar a quem? Será que tal magistrado pensa que todo mundo é coxinha lobotizado? O que é isso cara pálida? Se eu elencasse todas as ações políticas, partidárias e ideológicas do juiz de província, certamente que eu não conseguiria terminar este artigo. A verdade é que Sérgio Moro cometeu inúmeros crimes e arbitrariedades, como levar Lula a força para depor e, posteriormente, condená-lo a mais de nove anos de cadeia, sem, entretanto, apresentar uma única prova. Há covardia e desfaçatez maior?

O problema do juiz Sérgio Moro, que dizem ser admirado e amado, mas a verdade é que existem dezenas de milhões de brasileiros — e ele sabe disso — que discordam frontalmente das ações levianas e covardes da Lava Jato, que se tornou um partido de direita e instrumento primordial para que os golpistas e usurpadores de toda monta e ordem pudessem, enfim, conspirar e, com efeito, derrubar uma presidente legalmente constituída, assim como dar tratos persecutórios a uma força tarefa que perdeu a razão de ser quando simplesmente resolveu ser uma ferramenta de combate político contra a esquerda, os mandatários trabalhistas e seus aliados.

A verdade é que a corrupção passou a ser, dentro da própria Lava Jato, um assunto de segunda relevância, quando deveria ser sempre de primeira importância, porque o que se vê depois das tentativas de destruir o PT e seus membros e simpatizantes, verifica-se in loco que as pessoas que estão a governar o Brasil são golpistas, usurpadores, corruptos, ladrões e que estão a vender o Brasil e a tirar direitos e garantias dos trabalhadores, do povo brasileiro. Moro e a Lava Jato sabem disso, porque burros e alienados, definitivamente, eles não o são.

Então, vamos à pergunta que não quer calar: "Juiz Moro, por que o senhor não interroga e não prende os tucanos e suas lideranças, bem como os corruptos do PMDB, que estão a governar a Banânia e o Congresso de malfeitores, que agora apostam no distritão e no parlamentarismo, para se manterem no poder e não serem presos por causa do foro especial por prerrogativa de função?" Com a resposta, evidentemente, o juiz Moro ou os "intocáveis" tupiniquins da Lava Jato.

Porém, nunca é demais lembrar que o juiz Moro, do PSDB do Paraná, ao divulgar os grampos ilegais, portanto áudios repercutidos de forma criminosa, favoreceu a tomada do poder pela quadrilha mais perigosa e poderosa do País, de acordo com o Joesley Batista, dono da JBS, que quebrou as pernas da Lava Jato, porque até então os "intocáveis" estavam muito à vontade para cometer, sistematicamente e covardemente, lawfare contra o ex-presidente Lula, sem, no entanto, volto a ressaltar, apresentar quaisquer provas em todos os processos que o melhor presidente da história do Brasil, juntamente com o estadista Getúlio Vargas, responde na Justiça por estar a ser, covardemente, perseguido.

A direita quer o Lula fora da corrida presidencial de 2018, e a Lava Jato e seus "heróis" midiáticos sabem disso. E como sabem... Só sabem! Moro, além disso, é useiro e vezeiro em participar de eventos promovidos, ora vejam, pelos inimigos e adversários do PT e de suas lideranças. Como pode um juiz ser visto com os inimigos de quem ele está a julgar? São fatores completamente fora de propósitos, pois surreais!

Trata-se, indubitavelmente, de um comportamento que se deve questionar duramente e de forma enfática. Não basta à mulher de César ser honesta. Ela tem de também parecer honesta. Moro tem de obrigatoriamente compreender esta questão comportamental para que possa ser um juiz imparcial e justo, realidade que, frontalmente, o magistrado tucano não é. Alô, alô, CNJ e TRF-4, cadê vocês?

Como eu sou ingênuo... Evidentemente que tais instituições estão a participar do golpe de estado contra os interesses do Brasil, pois, afinal, se o Judiciário fosse sério não permitiria que a presidente legítima e constitucional, Dilma Rousseff, fosse deposta para um chefe de quadrilha assumir o poder. Esta é a verdade. Alô, alô, juízes de um STF divorciado e distante do povo e composto por juízes burgueses de punhos de renda: acordem!

Agora o Moro, um político tucano e de direita, voltado para os interesses da grande burguesia, critica o financiamento público de campanha ao tempo que defende o financiamento privado com regras mais duras. Não é uma beleza o pensamento de ocasião e de circunstância de tal "titã" da justiça, da moral e dos bons costumes? Não parece uma intenção oportunista?

Então, vamos ver se dá para entender o juiz de primeira instância. Moro e seus pares da Lava Jato criminalizaram o financiamento privado, que, na verdade, fomentava a corrupção. Depois de criminalizar a política, os partidos e destruir a indústria de base e de construção do País e causar desempregos aos milhões, o juiz vem com essa opinião estapafúrdia e insensata, pois sabedor que o financiamento público põe ordem na casa e trata os candidatos desiguais como iguais, em uma isonomia que não interessa de verdade aos políticos e candidatos ricos ou financiados por milionários ou bilionários.

Se houver isonomia, evidentemente que a direita terá menos eleitos e a equiparação com os candidatos de outros segmentos da sociedade ficará mais equânime. O juiz Moro, filho da burguesia e politicamente de direita quer, na verdade, defender os interesses eleitorais das velhas oligarquias, das quais ele e seu grupo familiar e político sempre fizeram parte. E assim acontece com vários procuradores da Lava Jato, a começar pelo Carlos Fernando dos Santos Lima.

Quem o juiz Moro, do PSDB do Paraná, pensa que engana? Será que o ciclope do Judiciário pensa que todo mundo é idiota e somente assiste ao Jornal Nacional e seus assemelhados? A roubalheira é advinda, principalmente, das campanhas eleitorais financiadas pelas empresas e corporações privadas. Ponto. Como agora esse senhor vem com essa conversa para boi dormir?

Juiz Sérgio Moro, por favor, seria de bom alvitre, além de ser sensato, vossa excelência se reportar aos autos dos processos, para ser republicano, justo e imparcial. A Geórgia de dez anos atrás é a Lava Jato, porque, nos governos trabalhistas do PT, o Brasil se desenvolveu e o povo viveu muito melhor. A história se encarregará dessa verdade. Menos, juiz... Menos! Ou se candidate para se eleger e dar pitacos sobre tudo. É isso aí. 

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Parlamentarismo é terceiro golpe e degeneração total da parceria Temer/PSDB no poder

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre

"Parlamentarismo é golpe!"

É desta maneira que se dá o golpe bananeiro, cucaracha e de direita acontecido no Brasil, a ter a parceria Temer/PSDB no poder usurpado: 1) golpe em Dilma Rousseff; 2) perseguição e impedimento de Lula como candidato; e, por fim, 3) a efetivação do parlamentarismo como regime de governo no Brasil. Trata-se do golpe, do golpe, do golpe. A conjuração dos bandidos, que, derrotados quatro vezes em eleições presidenciais, resolveram chutar o balde e levar o Brasil para o inferno, retratado no arremedo de programa o "Ponte para o Futuro", do pária, cabuloso e azarento *mi-shell temer — o mefistófoles.

A resumir: o terceiro golpe a ser efetivado e continuado pela escória que tomou de assalto o Palácio do Planalto, ou seja, a soma e posterior multiplicação da bandidagem, da hipocrisia, da velhacaria, do escárnio, da selvageria e da violência perpetrados pelos tucanos associados ao PMDB, DEM e PPS, dentre outros partidos, a exemplo do PP. Os tucanos, que voltaram a mandar no Brasil sem a autoridade e a legitimidade do voto e que estão novamente a cumprir a risca os preceitos liberais em uma política econômica ultraneoliberal, pois radicalmente, ou seja, desumanamente concentradora de renda e riqueza.

Política econômica que deixaria boquiabertos e com profundo sentimento de inveja o pai do neoliberalismo, Milton Friedman, os participantes e criadores do Consenso de Washington de 1989, todos os presidentes do FMI e do Bird, além dos monetaristas e entreguistas tupiniquins, que não mais se encontram entre nós, a exemplo de Eugênio Gudin, Roberto Campos e Mário Henrique Simonsen, "heróis" dos economistas liberais dos tempos atuais, dos jogadores, dos rentistas e especuladores do mercado, dos jornalistas golpistas da imprensa de negócios privados e dos inúmeros tipos de "especialistas" de prateleiras e fazedores das cabeças dos coxinhas de classe média e média alta, que passam a acreditar que ser prejudicado, trapaceado e roubado é uma "coisa muito boa", quiçá interessante.

A classe média coxinha é portadora da síndrome de Estocolmo, quando a vítima passa a ter simpatia, compaixão e sentimento de amizade pelos seus algozes, neste caso os golpistas que transformaram a Presidência da República em um covil. Afinal, o lugar de trouxa e colonizado, bem como analfabeto político é Orlando e Miami. É o que mi-shell temer e sua escumalha estão a fazer, além de rir dos que sofreram o golpe e dos que os apoiaram, já que as ações desse governo de bandoleiros são altamente prejudiciais à macroeconomia e à economia popular, sendo que nesta última está inserida a classe média, que se ela não sabe é bom avisar. "Ei, classe média coxinha: você é apenas empregada ou no máximo profissional liberal! Então se manca e tenha tenência e juízo ao menos uma vez na vida!"

Voltemos à vaca fria. O golpista e usurpador *mi-shell temer é pródigo e recorrente em "caladas da noite". Trata-se de seu inconfundível estilo à moda corrupto e corruptor. Porém, o que mais o apetece é receber conspiradores e golpistas por intermédio de sua agenda não oficial, porque a oficial é somente para entregar o Brasil, vendê-lo à gringada malandra e esperta, que está a ter dor de barriga de tanto comer e se fartar com o melado propiciado por canalhas, sem a menor vergonha na cara e que representam o status quo tupiniquim, além de serem os fantoches e testas de ferro da plutocracia internacional.

Entretanto, o fantoche e pária contratado para fazer o trabalho sujo da gringada colonizadora e da casa grande escravocrata é um expert em calada da noite e, após receber o trapaceiro e corrupto Joesley Batista no Jaburu, sem respeitar a agenda presidencial, que é uma obrigação republicana, o cafajeste-mor, que tem a traição e a irresponsabilidade como DNA, recebe o político de direita e do PSDB do Mato Grosso, o condestável e igualmente golpista, Gilmar Mendes, sujeito que às vezes bate ponto em sua repartição pública como juiz do STF.

Como os destruidores da economia nacional e traidores dos interesses do Brasil e de sua população não têm certeza se o ex-presidente Lula será preso ou impedido de ser candidato a presidente, apesar de todos os esforços do MPF, do TRF-4, do STF, da Lava Jato e da Globo e suas assemelhadas, os golpistas José Serra, que deseja relatar o projeto do parlamentarismo; Gilmar Mendes, que dará todo o arcabouço jurídico e barrar contestações ao parlamentarismo, a partir do STF; Moreira Franco, que efetivará institucionalmente o interesse do governo cabuloso e ilegítimo de *temer em dar o golpe, do golpe, do golpe; além da participação, evidentemente, do pior sujeito que o País já produziu, o famigerado *mi-shell temer, o anão moral, o pária internacional, o carrasco do povo e dos trabalhadores, o desprezado e exilado em seu próprio País — o malévolo.

Trata-se do feitor viciado em patranhas e patuscadas, conforme a PGR, que certamente liderará os esforços dessa camarilha de direita, que tem por propósito impedir de qualquer maneira que o Partido dos Trabalhadores conquiste o poder pela quinta vez, por intermédio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em eleições livres, diretas e democráticas, tal qual o fez, em 2014, a presidente Dilma Rousseff, deposta por um golpe bananeiro, sendo que mais um que aconteceu na história do Brasil — uma Nação e País cujo destino é ser eternamente de terceiro mundo, porque ocupado por crápulas de classe média e pelas "elites" entreguistas, que constroem suas casas grandes dentro de seus próprios umbigos.

Já idoso, em fim de carreira e rejeitado por 95% dos brasileiros, o golpista *mi-shell temer está pouco a se lixar para a crise econômica, política e institucional sem precedentes que assolou o Brasil e o relegou a uma Nação de segunda classe em termos internacionais. O traidor digno de um Calabar ou FHC é um autêntico pulha, e a verdade é que o brucutu de alma cucaracha é um achado da plutocracia colonizada e entreguista para cometer todo tipo de sujeira, desatino e patifaria contra os interesses do Brasil e de sua população, que há séculos é tratada como mão de obra barata e bucha de canhão.

Depois de se safar de ser processado por cometer inúmeros crimes e chegar às barras dos tribunais, tal indivíduo desprovido de caráter dará continuidade ao jogo sujo que o usupador tem realizado, desde quando vislumbrou tomar o poder de assalto, com afinco e determinação, a ter a calada da noite como pano de fundo de um filme de terror, que transformou o Brasil numa Nação à deriva e humilhada perante a comunidade internacional.

Trata-se da Banânia, meus camaradas, acostumada a golpes e a usurpadores sem nenhum cuidado e atenção com o País, a exemplo de *mi-shell temer, Gilmar Mendes, Moreira Franco, Romero Jucá, Eliseu Padilha, José Serra, Aécio Neves, Eunício Oliveira, Rodrigo Maia, Henrique Meirelles, Pedro Parente, Sérgio Moro, Deltan Dallagnol et caterva. A terra sem lei, onde tudo é permito aos golpistas, que há quase dois anos manipulam as leis, as normas e os regimentos em prol de seus interesses, porque, sem sombra de dúvida, o Brasil está à mercê de um Estado de exceção, que é "regulamentado" e "regulado" pelo próprio Judiciário.

Exatamente o Judiciário, o Poder da República que deveria proteger a Constituição e zelar pelo Estado Democrático de Direito, mas que, contrariamente e contraditoriamente, não coloca em prática o seu papel de guardião e executor das leis, porque seus membros há muito tempo sem mostram distantes e divorciados dos interesses e das duras realidades dos milhões de cidadãos comuns, pois resolveram, inacreditavelmente, comportarem-se como os alicerces do golpe de direita, ultraneoliberal e terceiro-mundista, que acarretou a deposição da presidente legítima e constitucional, Dilma Rousseff, que legalmente obteve da população 54,5 milhões de votos.   

Entretanto, haveremos de notar e perceber que a calada da noite é o véu de escuridão que cobre os sediciosos e conspiradores, que frequentam o Palácio do Jaburu, afinal quem é filho das trevas nas trevas permanecerá, porque o golpe é a escuridão e o abismo do Brasil, que o rebaixou a uma republiqueta bananeira de quinta categoria, que abriu mão até de seu protagonismo internacional, no que diz respeito à sua independência e autonomia. Hoje, o País cucaracha não passa de um satélite gigante preso à espiral norte-americana. E só... Republiqueta de los macaquitos colonizados e sem vergonha na cara, só que símios brancos, ricos e irremediavelmente escravocratas. O atraso em toda sua amplidão e o retrocesso em toda sua plenitude.

E por que eu afirmo tudo isto? Respondo. Porque o golpe continua de vento em popa. *mi-shell temer está à frente de mais duas conspirações e tramas, das tantas que este traidor contumaz já efetivou em sua vida medíocre e dedicada a prejudicar de morte seu próprio País e os trabalhadores. E não é que tal verdugo se encontra com o juiz Gilmar Mendes, do PSDB do Mato Grosso, na calada da noite, a ter ainda como protagonistas e aliados de um terceiro golpe o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ), o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB/CE), e os senadores Aécio Neves (PSDB/MG) e José Serra (PSDB/SP), que estão à frente desse processo capcioso, sorrateiro e casuístico, que se resume em abrir uma frente para que seja implementado na Banânia o parlamentarismo cucaracha, em um País que nem os presidentes de regimes mais fortes tiveram estabilidade para governar, a não ser pela força da repressão, como ocorreu na ditadura civil-militar.

João Goulart, presidente trabalhista deposto em 1964 e morto no exílio em 1976, quando assumiu a Presidência no lugar de Jânio Quadros, que renunciou, teve de engolir o parlamentarismo imposto pela direita para que ele não governasse plenamente. Depois o povo e Jango derrotaram o parlamentarismo mequetrefe e o regime republicano veio novamente à tona, como não poderia deixar de ser. Agora esta mesma direita provinciana, entreguista e promotora de golpes terceiro-mundistas está a conspirar para que o próximo presidente eleito, ainda mais se ele for de esquerda, não governe de forma plena e inteira. É inacreditável o que este País azarado está a enfrentar.

Então é assim: uma súcia de bandidos de direita, que manteve o corrupto *temer no poder e aboletada no Congresso, sendo que quase a metade responde por crimes na Justiça, ou foi denunciada pelo MPF, irá escolher o primeiro ministro bananeiro, que, por sua vez, governará no lugar do presidente eleito pela maioria da população. O que a bandidagem engravatada sem noção deste País pensa da vida? Ou não pensa? Será que tais sacripantas foragidos da Justiça, por terem foro especial por prerrogativa de função, pensam que todo mundo é idiota, como o faz recorrentemente o juiz Sérgio Moro e seus procuradores da Lava Jato?

Evidentemente que o presidente eleito, os partidos aliados e dezenas de milhões de brasileiros, além de setores e segmentos da sociedade civil organizada não irão concordar e haverá reação, de tal forma que a grave crise de quatro anos de hoje perdurará por anos a fio, de maneira que o Brasil afunde de vez e vire, definitivamente, um lugar infernal composto por milhões e milhões de pessoas pobres, sem oportunidades e futuro. Essa gente irresponsável e perversa está a brincar com a vida e as realidades graves que sufocam este País, como se ele estivesse preso num garrote vil.

Como a direita e o governo corrupto e empresarial não sabem o que vai acontecer com o futuro de Lula, as apostas dos golpistas e aventureiros, sem esquecer da interdição jurídica e judicial à candidatura do líder trabalhista e de esquerda, volto a ressaltar, são o parlamentarismo, que jamais teve tradição na história da República e, certamente, não dará certo, bem como a outra opção é simplesmente suspender as eleições de 2018, o que seria o mel na sopa para a direita mais atrasada e perversa do mundo ocidental, afinal ela é a autêntica e inquestionável herdeira de 388 anos de escravidão oficial.

Aqui, na Banânia, juízes, procuradores e delegados de polícia dão golpe de estado, assim como conspiram abertamente, sem um mínimo de pudor e vergonha na cara. Togados e meganhas manipulam, dissimulam, enganam e mentem despudoradamente e não se importam se a Nação perceba e critique ou se a crítica internacional observe, perceba e vaticine, sem medo de errar, que no Brasil aconteceu um golpe de direita para que se pudesse impor um programa ultraneoliberal, que entregue o Brasil aos mercados financeiros e às grandes corporações estrangeiros dos segmentos mais estratégicos para a independência e a autonomia do País sul-americano, dominado por bandidos e quadrilhas de toda monta e espécie.

Vendem o País e entregam suas terras, riquezas minerais, florestais, seu enorme comércio, além de destruírem a indústria nacional, principalmente a construção civil, a nuclear, a naval e a petrolífera, ou seja, a  indústria de base, para que os governos dos países desenvolvidos e o empresariado estrangeiro tenha o total controle dos programas estratégicos brasileiros e do gigantesco mercado interno, conforme seus interesses econômicos, financeiros e geopolíticos.

É esta realidade perversa que está a acontecer neste País e com a cumplicidade e a aquiescência de patifes da classe média, que saíram às ruas e agora se escondem dentro de suas panelas, além da classe alta, a famigerada burguesia, que historicamente sempre desprezou e prejudicou o Brasil, porque nunca se sentiu brasileira, pois jamais se sentiu confortável no País de onde se originam todo seu poder e riqueza. A ausência de sentimento de nacionalidade e brasilidade por esses grupos sociais é total.

Colonizada, a alta burguesia conhece mais os Estados Unidos, por exemplo, do que sua própria cidade, porque conhecer o Brasil seria pedir demais. Eu tive colegas na ECO da UFRJ, na Urca, que apesar de terem nascido no Rio de Janeiro não conheciam a Zona Norte ou os subúrbios cariocas. O que assevero é fato real. Porém, ainda nos idos da década de 1980, quando não era tão comum viajar ao país yankee, os filhos da burguesia conheciam os Estados Unidos mais do que muitos norte-americanos.

O amor aos Estados Unidos e o desprezo pelo Brasil são facas de dois gumes, só que o lado que fere é o dos Estados Unidos e o ferido é sempre o Brasil, que jamais se desenvolverá, porque no País desimportante viceja uma casa grande que, em hipótese alguma, irá pensá-lo para desenvolvê-lo. Seus olhos e olhares são completamente direcionados aos EUA, pois olham há séculos apenas para fora do País e jamais para dentro.

Esta realidade mórbida explica com precisão e lógica o porquê de segmentos importantes e endinheirados da sociedade brasileira são tão distantes das realidades deste País e dos interesses mais prementes do povo, além de não se importarem com a soberania e a independência do Brasil, como ficou mais do que claro e transparente no que concerne ao ativismo político conservador e sectário dessas denominadas "elites" nas redes sociais e nas ruas.

Porém, depois desse golpe de terceiro mundo que humilhou e dividiu o Brasil, cheguei à conclusão que somente por meio de uma revolução armada seria possível ao Brasil ser reconstruído, ou melhor, construído, porque será impossível formalizar acordos e contratos sociais com a burguesia e a plutocracia, a exemplo como ocorreu com a Constituinte de 1987/1988, liderada pelo grande brasileiro Ulysses Guimarães.

A Constituição Cidadã hoje tratada como pano de chão pelo próprio Judiciário dos juízes, procuradores e delegados vergonhosamente coxinhas e pequenos burgueses, que entraram de cabeça, corpo e alma na luta de classes promovida pelos ricos, quando, inquestionavelmente, a casa grande resolveu dar mais um golpe no Brasil. É sempre assim... Trata-se do Brasil dos privilegiados com benefícios mil,  a incluir o Estado patrimonialista e servil para os ricos e muito ricos.

País atrasado e vocacionado para o retrocesso, que é a mola propulsora da violência e da miséria, cujo propósito é favorecer ainda mais os ricos e os remediados (coxinhas), porque o negócio não é apenas se dar bem, mas, sobretudo, que o restante da sociedade se dê mal. Este é o segredo do "negócio": concentrar para ter acesso à opulência total! E por quê? Porque é assim que se pode roubar sem parar e sem ser punido, bem como acumular mais dinheiro e patrimônio. Esta é a cara, a alma e o espírito (de porco) do golpe de direita acontecido neste País em 2016. Ponto.

Rasgaram e enlamearam a Carta Magna que efetivou no Brasil a democracia, os direitos civis, o Estado Democrático de Direito, por intermédio da Constituição de 1988, uma das mais civilizadas, democráticas e humanistas da história do mundo ocidental, mas que foi simplesmente vilipendiada por bandidos e corruptos de toda monta e espécie, que esquadrinharam a derrota do que é civilizado e justo. Ordinariamente tomaram de assalto o poder central, e deu no que deu: o Brasil de volta à República Velha e à Política do Café com Leite — a cara e a alma do PSDB, do desgoverno *temer, os carrascos dos direitos sociais e do desenvolvimento, da independência e da emancipação do povo brasileiro.  

A efetivação do parlamentarismo no Brasil se acontecer será uma verdadeira bandalheira das muitas praticadas contra a Nação pelos golpistas de plantão. Trata-se, volto a lembrar, do terceiro golpe, que tem por finalidade impedir que o ex-presidente Lula, que está a ser perseguido, acusado e punido sem provas, conquiste pela terceira vez a Presidência da República.

O parlamentarismo é golpe e crime contra a Constituição e o povo brasileiro, que jamais aceitará votar e eleger um presidente, para a cambada de salafrários da Câmara escolherem quem vai de fato mandar e governar, na pessoa de um primeiro ministro fantoche, golpista, desprovido do voto popular e de direita. Parlamentarismo é o terceiro golpe e a degeneração total da parceria Temer/PSDB no poder. Parlamentarismo é escárnio, malandragem e golpe! É isso aí.