Google+ Badge

terça-feira, 21 de agosto de 2012

A Festa do Boêmio — Duelo do Sonrisal


(Aos amigos Arnon Café de Moura e Marco Antônio Alvim)

ESPAÇO BICO DE PENA Blog Palavra Livre

Heitor dos Prazeres

O boêmio bebeu a vida.
Tudo que é tipo de bebida.
Bebeu conhaque, cachaça, rum.
Não satisfeito bebeu formicida.

Acontece que ele não morreu.
Continuou a sua bebedeira.
Bebeu muito com alguma companheira.
E dormiu nos braços de Orfeu.

Chegou o dia, e o boêmio acordou.
Sem ressaca, sem dor, sem dor...
Foi ao botequim, bebeu à beça.
Tudo de um gole, sem dar conversa.

Logo depois apareceu um seresteiro,
Uma mulata e um preto com pandeiro.
Chamaram o boêmio; fizeram uma aposta:
Quem cantava e bebia sem perder a bossa.

O trio tinha um ar zombeteiro.
Não sabia que o boêmio era puro enredo.
Cantou modinha, samba e bolero...
Bebeu tudo que tinha, sem fazer mistério.

Dançou tango, e falou: não há remédio.
Canto e danço, estremeço qualquer boteco.
Mostrou a eles como se dança o xaxado.
Terminou a festa virando um rabo-de-galo.

Chegou outro dia, o boêmio acordou.
Ganhou a aposta, e não rebolou...
Abriu a janela: que coisa genial!
O trio na farmácia tomando sonrisal.

Davis Sena Filho — 06/01/1983


2 comentários:

Afonso Sampaio disse...

Belíssimo. Tenho lido seus poemas em seu blog. Espero lê-los mais. Por que você não publica um livro? Este poema se desenvolve como se fosse notícia de jornal. Dá vontade de lê-lo va´rias vezes. Muito bom.

Tadeu Marques disse...

Muito bom Davis