Google+ Badge

sábado, 6 de outubro de 2012

Tucanos e os 75 policiais assassinados em São Paulo



Por Davis Sena Filho — Blog Palavra Livre


       Em São Paulo do PSDB, os assassinatos de policiais se tornaram rotineiros, atos ordinários, arbítrios comuns para os governantes tucanos e à parte da sociedade conservadoríssima da capital e do estado bandeirantes. É assombroso o quase silêncio da imprensa comercial e privada aliada dos tucanos, mesmo se as pessoas saibam que essa seria a conduta dos políticos, administradores e empresários do setor midiático que venderam o Brasil. Somente este ano, 75 policiais foram mortos, sendo que 58 deles estavam de folga e não tiveram como se defender, e, consequemente, sumariamente assassinados. Todos essas mortes em São Paulo dos tucanos, megalópole que é tratada pela imprensa bairrista e hegemônica, principalmente a "global", como uma cidade do primeiro mundo, que é inundada todo ano, repetidamente, pelos rios Pinheiros e Tietê.

 
        Os policiais de São Paulo estão a ser fuzilados nas ruas, nas praças e na chegada e saída de casa ou do trabalho. Vão e não voltam para suas famílias e nada é feito pelos sistemas de poderes políticos paulista e paulistano, que controlam as respectivas máquinas públicas e compram o silêncio da mídia de negócios privados com generosas verbas, além da afinidade ideológica entre governo tucano e imprensa reacionária de tradição golpista.
        Além disso, as mortes de civis aumentaram em progressão geométrica, a ser a Rota da PM o órgão policial militar mais questionado pelos grupos de direitos humanos brasileiros e por órgãos da ONU e da OEA, que já denunciaram o banho de sangue que ocorre em terras paulistas dominadas há mais de 20 anos pelos tucanos neoliberais, que efetivaram o fracassado neoliberalismo, ao que parece, para o dia a dia da sociedade paulista, no momento vitima de um processo de degradação dos serviços públicos, da privatização do patrimônio estadual e da política de valorização do capital em detrimento do trabalho e das ações sociais.
         Essas são as heranças dos tucanos, da conservadora imprensa paulista e de setores da Fiesp que se uniram para construir,  durante duas décadas, um mundo neoliberal e sua continuação apesar de tal doutrina econômica de espoliação e pirataria ter fracassado e derretido o capitalismo selvagem apregoado e defendido por esses segmentos como a única solução para a economia e a humanidade, o que, sem sombra de dúvida, é um embuste, uma falácia e uma trapaça, já que a crise econômica e financeira de 2008 e que até hoje perdura tratou de demonstrar que o neoliberalismo foi um gigante com pés de barro e destinado a atender os ricos e os muitos ricos do Brasil e do planeta.
       Contudo, em São Paulo, a ideologia do quem pode, pode, quem não pode se sacode ainda continua a existir e por isto se torna difícil viver em uma cidade dura, individualista, exageradamente competitiva e que relativiza o que é do público e prioriza o que é do privado, relega a um segundo plano o que é humano e da frieza do concreto armado de São Paulo são moldados os rostos taciturnos, zangados e pouco solidários daquela sociedade. São Paulo tem índole e tradição separatista e comporta os setores mais conservadores e reacionários da sociedade brasileira.
        As elites paulistas quando estão no poder usam o estado para benefício próprio, por serem historicamente nepotistas e patrimonialistas e conhecem muito mais a Europa e os Estados Unidos do que o Brasil, por serem irremediavelmente colonizadas, e, portanto, esses dois lugares são suas referências. Por isto e por causa disto, São Paulo tem a tendência para ser o contraponto dos avanços dos setores progressistas da sociedade brasileira, pois sempre se conduziu como adversário dos governos trabalhistas que se conduzem e se localizam à esquerda do espectro ideológico.
         Evidentemente, setores da paulicéia são progressistas, mas, apesar de suas forças políticas, culturais e até mesmo econômicas, não conseguem se manter no poder de forma contínua como acontece com a direita paulista, que controla os meios de comunicação e acadêmicos, o que a transforma em canal ou em vetor do conservadorismo em âmbito estadual, bem como também brasileiro, afinal São Paulo é o mais importante (divide com o Rio de Janeiro) produtor do pensamento e da informação, até porque sua população ultrapassa os 40 milhões de habitantes.
      Por sua vez, é de conhecimento geral que estados como o Rio de Janeiro, Pernambuco, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, quando necessário, unem-se para derrotar a hegemonia paulista, no que concerne ao controle da Presidência da República. É fato histórico. É, inclusive, realidade de enfrentamento armado, como demonstra a história do Brasil. São Paulo, por causa de sua riqueza e da grandeza de seus números econômicos e populacionais, jamais vai deixar de ser um estado de muita importância para o Brasil, bem como nunca vai abandonar seus valores e princípios conservadores.
        Por essas razões, os governos progressistas de essência trabalhista e voltados para o social têm de ganhar eleições em São Paulo, ou na capital ou no estado, e assim manter o equilíbrio entre as forças políticas e a estabilidade das instituições, não somente do estado bandeirante, mas também no âmbito da República. As mortes de 75 policiais em São Paulo são emblemáticas e se transformam em tragédias, que deveriam ser veiculadas e publicadas nos órgãos de comunicação privados e monopolizados, como forma de pressionar a segurança pública do estado e principalmente cobrar dos governantes do PSDB e de seus aliados (DEM, PPS e PSD) o fim do neoliberalismo em todos os sentidos em prol de uma sociedade humanizada e solidária. O sofrido povo paulista merece atenção. É isso aí.  
   

4 comentários:

Claudia Amaral-RS disse...

As mortes de policiais em São Paulo mostra que o neoliberalismo não é apenas um dogma econômico mas sim uma postura e modo de vida. As mortes são o símbolo maior do que esses tucanos fizeram no Brasil. PSDB no poder nunca mais!

edson tadeu santos disse...

sobre um pedaço para as industrias belicas americanas venderem suas armas destruidoras e eles ganharem muitos dolares. Nunca o trafico de drogas vai acabar no mundo mais sabe porque:Porque os poderosos chefoes mesmo, estao todos nos EUA protegidos pelas leis americanas e seus poderio. Sao Paulo precisa de Haddad, para junto com o governo federal acabar com o crime ai como fez no rRio. operaçoes bem preparadas e tudo volta a normalidade. Qual foi o presidente que encarou o jogo do bicho traficantes como LUlA fez? nenhum e é justamente por isso que cachoeira fez toda a sujeira com o psdb para destruir o PT. porque Lula o prejudicou nos seus jogos de bicho maquinas caça niqueis etc

edson tadeu santos r disse...

olha a imprensa golpista nao trabalha nesse país para ve-lo organizado, pelo contrario esse PIG formado pela rede GLOBO, VEJA, FOLHA DE S.PAULO, O GLOBO, querem mais que o país entre na mais profunda convulsao social, é o que eles fazem pelo mundo. Nao ver o caso da Siria, infiltraram agentes por la. jogaram o povo contra o governo ,armaram grupos tudo para alcançar seus objetivos, A mesma coisa é aqui no Brasil, eles estao pouco ligando se SAO PAULO ESTAR PEGANDO FOGO, e estar mesmo é o unico estado do Brasil onde morrem muitos policiais, porque os que estao no poder sao os verddeiros donos da droga da heroina, do crack, do trafico de armas, eles vivem da misertia do povo. póuco estao se lixando para quem estar bem oumal, eles querem é sangrar o país. contanto que na desorganizaçao .

Maribel Dias disse...

Essa mafia de criminosos tem que ser extinta de todos os estados brasileiros, isto virou um campo de concentração, em todos os lugares onde tem demos-tucanos, é só bandidagem, corrupção e autoritarismo, a droga impera por todos os cantos, onde tem tucanos,já com proposito de transformar os jovens, completamente dominados pelo mal das drogas, transformando essa juventude em seus exércitos do mal, e para seus serviços em uma ação de ataques e violências contra os cidadãos brasileiros, deixando esse serviço sujo, para cima daqueles que menos, tem culpa de fazer parte desta sociedade tão distorcida de todos seus valores morais éticos e cristãos