Google+ Badge

domingo, 12 de maio de 2013

SONETO DE UMA VIDA SÓ



ESPAÇO BICO DE PENA BLOG PALAVRA LIVRE



Eu sempre mando ver...
Mas não sou fanfarrão.
Antes, penso, mas vejo tevê,
E reclamo à Constituição.

Porém, o meu motor é de Decavê.
Não tenho casa, não tenho tostão,
Mas também não fico a maldizer
A vida, como um autêntico cristão.

Entretanto, a vida é tardia,
No tocante aos nossos sonhos
De quimeras, luxo e prazer...

Contudo, não faço parte da freguesia,
Cativa das veleidades; todavia, tento repor
O sonho que foi doloroso esquecer.

Davis Sena Filho 23/09/1991

3 comentários:

Marcelo Migliaccio disse...

Muito bom!

M. Exenberger disse...

Só falta botar a música.

Anônimo disse...

Realidade com poesia é isto aí!
Marcos Lúcio