Google+ Badge

terça-feira, 12 de junho de 2012

Marina Silva: a tucana de bico verde




Por Davis Sena Filho — Blog Palavra Livre

      Todo mundo sabe — até os recém-nascidos e os mortos mais antigos — que a Marina Silva e agora Marina Rio+20 faz o jogo das ONGs estrangeiras alinhadas à agricultura europeia e estadunidense para que a poderosa agricultura nacional não domine mercados específicos deste setor em âmbito internacional.

     Todos nós sabemos que a Marina Silva compôs com os tucanos e os seus apêndices PPS e DEM para derrotar a Dilma nas eleições de 2010. Todo mundo sabe que a Marina Silva traiu o Lula depois de ser ministra do Meio Ambiente por seis anos, e, mesmo assim, obter péssimos resultados em comparação com o seu sucessor, Carlos Minc.

      Minc, em quase dois anos, ou seja, em um tempo muito menor à frente do MMA obteve resultados, no que tange à preservação do meio ambiente — combate às queimadas, aos madeireiros, aos caçadores e multas pesadas aos fazendeiros que não tinham autorização para desmatar, e, criminosamente, poluir ou assorear rios, lagos, córregos e nascentes — muito melhores do que os de Marina Silva, que insiste em uma retórica sem fim, cansativa, enfadonha e nenhuma praticidade como comprovou quando foi ministra.

      Todo mundo sabe que a Marina Silva não passa de uma quinta coluna que atrai verdes do mercado de capitais e uma classe média ressentida e envergonhada de votar na direita, que entorta o nariz, porém, mais despolitizada (muito mais) que a maioria das pessoas de comunidades carentes do Rio de Janeiro que eu conheço.

        E todo mundo sabe que os votos que a Marina teve (60%) não são dela, mas sim dos eleitores conservadores, que, evidentemente, não iriam votar em Dilma e pensaram que a Marina fosse superar o Serra ou ajudá-lo a ir para o segundo turno, o que aconteceu. Mesmo assim os dois acabaram dando com os burros n'água.

      Não satisfeita com sua dissidência de conveniência, a Marina Silva, aquela que fala muito e não diz nada, após as eleições presidenciais passadas ensaiou anunciar seu ingresso no PPS, o partido do ex-comunista Roberto Freire, político incoerente que teve de se mudar para São Paulo, porque em Pernambuco ele não é eleito nem para síndico, porque está mais sujo que pau de galinheiro.

     O PPS, tal qual o PV da Marina Silva, é um partido de aluguel e um apêndice dos tucanos, que, quando perderem as eleições para governador de São Paulo, vão sumir do mapa e nem a ajuda e a cumplicidade da imprensa corrupta, comercial e privada (privada nos dois sentidos, tá?) vai mais adiantar.

      Marina Silva é o que é, porque sua ideologia e seus propósitos são o que são: oportunismo político, inveja da Dilma, traição a Lula e ao PT e rancor, muito rancor e ressentimento, tal qual ao do senador Cristóvão Buarque (PDT), que, demitido por Lula do Ministério da Educação, saiu do PT e foi fazer oposição ao lado dos tucanos derrotados pelas urnas e pelo povo brasileiro que sabe que gente neoliberal suga o sangue do direito à cidadania e vende o patrimônio do Brasil.

O bico da Marina está amarelo, mas é como se fosse verde. Alma de tucana.


      Marina Silva tem um problema muito sério: o povo do Acre (seu colégio eleitoral) não vota nela. Nas eleições de 2010, ela ficou atrás do Serra e da Dilma. O povo do Acre sabe quem ela é, e por isso não a “compra” e nem a “vende”. Somente os burguesinhos verdes de etiqueta e butique e os reacionários de direita também “verdes” ou de outras cores, por oportunismo, votam nela

      Agora a Marina e seu grupo se preparam para a Rio+20, e acham que vão se dar bem ou ser o centro das atenções. Ledo engano. Quem vai chamar a atenção vai ser o Brasil, porque o governo trabalhista da presidenta Dilma Rousseff tem propostas, metas e, o mais importante, resultados para apresentar à comunidade internacional. E Marina sabe disso. Seu partido sabe disso e a velha imprensa corrupta e golpista também.

    O sistema midiático neoliberal e de direita vai manipular e criticar açodadamente o governo, pois é de oposição. Contudo, não vai adiantar, porque fatos são fatos; realidades são realidades; e números e estatísticas são números e estatísticas. Não vai dar para mentir e dissimular indefinidamente.

      Os verdes não tem compromisso com o povo brasileiro, com algumas exceções. Eles tem compromisso com o jabá das ONGs estrangeiras e brasileiras, que se dizem verdes e lutam para que o Brasil não se torne a maior potência agroindustrial do planeta, apesar de já estar entre as três maiores, porque nós temos terra, água e sol, a base para que uma nação se torne independente e auto suficiente no que diz respeito à agricultura e à pecuária, bem como no que é relativo a outros segmentos do setor primário.

     A senhora quinta coluna, Marina Silva, combateu Belo Monte e tenta atrasar o desenvolvimento da superagricultura brasileira, de forma que ela não se torne hegemônica no mundo. Mas vai ser, porque nós temos o que os outros países não tem. Volto a repetir: sol, água e chuva todo ano, além de terras imensas e agricultáveis apropriadas ao plantio. Ainda temos a nossa Nasa, que é a Embrapa, empresa estatal de ponta, que deixa muita gente da oposição e da imprensa com raiva ao tempo que frustrada.

     Sorry, periferia. Marina Silva é uma tucana de bico verde como o é também o Cristóvão Buarque, que deveria sair do PDT, partido da base do governo. Gosto não se discute. Lamenta-se!

3 comentários:

Marcelo Migliaccio disse...

Excelente, essa aí precisa ser desmistificada urgentemente!

Anônimo disse...

Supimpa!!!
Infelizmente nem todo mundo sabe destas verdades. Não sou otimista, muito menos pessimista. Parodiando Saramago, dria que muitas pessoas é que são péssimas, outras cínicas e muiiiiiiiiiiiiitas alienadas, com honrosas exceções, como sempre!
Vou repassar para meus contatos,mais este primoroso e cirúrgico texto, como "d'habitude".
Abraço,
Marcos Lúcio

Davis disse...

Abraço, Marcos Lúcio!