Google+ Badge

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Golpe made in Brazil, coxinhas, atos falhos golpistas, Judiciário e outros que tais

Por Davis Sena Filho -- Palavra Livre


"E ademais disso, pelo que sei, a senhora presidente utiliza o avião, ou utilizaria, para fazer campanha denunciando o golpe" -- Amigo da Onça, vulgo michel temer ao reconhecer o golpe no Brasil.

E eles se recolheram... Se despiram da camisa amarela da Seleção Brasileira, outrora amada pelo povo brasileiro, mas que hoje está umbilicalmente ligada aos interesses econômicos da Globo e ao que de mais atrasado em termos filosóficos, políticos e sociais, que são os coxinhas de direita de classe média, que a despeito de não serem ricos e não controlarem os meios de produção, aliaram-se novamente à grande burguesia, a dona da casa grande, porque carregam consigo os valores e os princípios da casta social hegemônica, que jamais aceitou a ascensão socioeconômica dos pobres e a importância do Brasil como protagonista em um mundo globalizado.

A classe coxinha aliada histórica da burguesia de caráter escravocrata e índole sectária, que financiou e promoveu a queda de mais um mandatário trabalhista brasileiro, eleito pela soberania do voto popular, no caso a presidente Dilma Rousseff, que recebeu democraticamente e legalmente do povo brasileiro 54,5 milhões de votos, e mesmo assim foi derrubada por um consórcio de direita, golpista e violento formado pelos STF, MPF, PF, PSDB, DEM, PPS e aliados, além da Rede Globo e suas congêneres televisivas, radiofônicas e impressas.

Contudo, a pergunta está no ar. Cadê os coxinhas despolitizados, a maioria analfabeta política e tão sensível politicamente como um gorila selvagem dentro de uma loja de finos e caros cristais. Cadê os coxinhas universitários de pais e avós igualmente universitários que saíam a vociferar como uma malta de lobos, a agredir fisicamente e a insultar ferozmente as pessoas que não pensam como eles, bem como eram cercadas nas ruas, nos shoppings, nos restaurantes, nas universidades, nos diferentes eventos, nos estádios e até mesmo em hospitais? Cadê? O golpe comeu...

Muitos desses coxinhas inconsequentes, irresponsáveis, porque despolitizados; ignorantes, porque desconhecem a história do Brasil, além de não saberem patavina da história da nossa economia, da política e de seus partidos, respectivas correntes ideológicas e o que eles representam para a sociedade brasileira, como demonstraram, sem dúvidas, suas ações, atos e palavras por meio das redes sociais e das ruas. São jovens, de 16 a 40 anos ou um pouco mais, que não sabem, pois não viveram em um País sob o tacão de uma ditadura civil-militar violenta e censora, bem como não fazem ideia do que é uma espiral inflacionária de mais de 1000%, no decorrer de anos.

Vivíamos em uma economia estagnada por causa do esgotamento do modelo econômico adotado pelos czares da economia do regime militar, que acarretou ao Brasil, no decorrer da década de 1980 até meados da década de 1990, forte desaceleração da economia, o que acarretou uma sequência de PIB muito fracos, que não condiziam de forma alguma com o País mais poderoso da América Latina, o mais populoso e industrializado, apesar dos contrastes regionais e das desigualdades sociais, que, apesar dos programas de inclusão social do PT, ainda perduram em algumas regiões do País, apesar dos avanços nessa área reconhecidos pelos órgãos e instituições internacionais, como a ONU, a Unesco, a FAO, a OMS e as universidades e institutos de pesquisas governamentais e privadas.

Os coxinhas mais jovens e os despolitizados mais velhos, ao que parece, realmente não têm ideia do que era viver naqueles tempos bicudos, de economia restritiva, pois um mercado anão para o tamanho do Brasil, bem como ser impedido de ter acesso ao pleno e livre consumo. Para se ter uma ideia, era quase impossível, para a classe média tradicional, branca e universitária, comprar casa, aparelhos eletroeletrônicos de todas as linhas e tipos, assim como comprar e trocar de carro, ir a restaurantes e viajar de avião.

Haviam restrições, porque o Brasil daqueles tempos era realmente pertencente a uma minoria, como querem fazê-lo agora retroceder, com a presença do Amigo da Onça -- o bárbaro de direita --, vulgo michel temer, homem completamente desleal e traiçoeiro, que deveria, reitero e ressalto, ser preso para que nunca mais esses trogloditas e fascistas voltem a incorrer em crimes, porque golpe é crime e quem comete crime é criminoso. E temer e seus golpistas espalhados pelos três poderes são, indelevelmente, criminosos.  

Agora é que o bicho vai pegar. O governo do traidor e usurpador michel Amigo da Onça temer (o nome de tal peçonha é sempre escrito em letras minúsculas por se tratar de um pigmeu moral, político e citadino) não é reconhecido por milhões de brasileiros. Falta-lhe legitimidade, porque "legalmente" travestido de legítimo, já que Dilma Rousseff não incorreu em crime de responsabilidade, ou seja, não é autora de dolo.

A verdade é que tal sacripanta usurpou o poder e, por sua vez, deveria ser retirado a pontapés da Presidência da República e levantar de sua cadeira para ir direto à cadeia, porque deveria ser acusado de crimes de conspiração e traição, o que será impossível, porque no Brasil, para o desgosto e a desgraça da população, principalmente a mais pobre, além dos segmentos mais conscientes da sociedade, verifica-se in loco que temos uma Justiça, um Ministério Público e PGR e uma Polícia Federal completamente comprometidos com um golpe de estado travestido vergonhosamente de legal e constitucional, quando a verdade é que não é. Nem todo brasileiro é idiota como pensam os togados e a imprensa de mercado da burguesia. Trata-se de um acinte. Inaceitável.   

Os pequenos burgueses (coxinhas), a grande maioria e inclusive os mais velhos, não sabem o que fizeram, mas como e qualquer bicho da natureza terrestre possuem instinto, que se trata de um impulso natural e independente da razão, que geralmente tem a finalidade de preservar a espécie, tanto no que concerne à defesa da vida quanto no que é relativo à perpetuação da espécie e a achar comida para não passar fome.

Os coxinhas ferozes de classe média, muitos deles completamente encolerizados ao ponto de tentar invadir o Palácio do Planalto depois de o juiz de direita e de província, Sérgio Moro, do PSDB do Paraná ter repassado os grampos dos diálogos entre Lula e Dilma à imprensa de negócios privados, a fim de interditar a posse do líder trabalhista como ministro-chefe da Casa Civil, fato este inesquecível, porque ficará na história do Brasil o quanto um juiz mal-intencionado, completamente envolvido com a política partidária e ideologicamente de direita pode prejudicar a estabilidade democrática e institucional de um País. E foi exatamente isto que ocorreu.

Moro ao invés de estar a aplicar o Direito, coisa que ele não faz, e cometer desatinos em nome do combate à corrupção, deveria ter sido afastado para o bem do serviço público, bem como posteriormente demitido, porque causou comoção pública, fez com que grupos de pessoas se voltassem contra um governo constitucional e eleito democraticamente, além de humilhar, constranger e oprimir o ex-presidente Lula, a presidenta Dilma e causar revolta e indignação aos brasileiros que discordam das ações seletivas e arbitrárias do juiz Moro, dos procuradores obsessivos pelo PT, mas jamais pelo PSDB, e dos delegados aecistas, que adoram prender petistas, mas se "esquecem" do próprio Aécio Neves.

Exatamente. O tucano golpista-mor, ex-governador de Minas Gerais e presidente do PSDB, delatado inúmeras vezes por vários criminosos presos, mas blindado estupidamente e vergonhosamente por aqueles servidores públicos pagos a peso de ouro pelo contribuinte, que deveriam proteger a Nação e aplicar o Direito, conforme apregoa a Constituição, quando define e determina que "todos os brasileiros são iguais perante a Lei".

Ora bolas! Iguais até a segunda página para esses servidores alicerces do golpe, porque quando delatores citam nomes de políticos demotucanos e, mais do que isto, oferecem-se para "abrir o jogo" e falar tin-tin por tin-tin como o PSDB e seus aliados organizaram seus esquemas de corrupção para financiar eleições, bem como se darem bem na vida privada, os varões de Plutarco do MPF do Paraná, à frente Carlos Fernando e Deltan Dallagnol, assim como o juiz Moro e os delegados aecistas de Curitiba, não se interessam e arquivam ou deixam em banho-maria os processos que podem prejudicar os tucanos, bem como acontece com michel temer -- o traidor.

Não porque o respeitam ou o consideram tal direitista, mas, principalmente, porque a concretização do golpe passa por ele, temer, que ocupa o poder ilegitimamente e se aliou com o PSDB, que controla três ministérios, sendo que dois deles são, nada mais, nada menos que o Itamaraty e o Ministério da Justiça, esta a instituição que controla a Polícia Federal, cujo ministro é o Alexandre de Moraes, tucano empedernido, radical de direita e que tratou as questões sociais em São Paulo como caso de polícia, a dar porrada, a torto e direito, nos trabalhadores, que até hoje o processam por meio de seus sindicatos. É a direita no poder, vei!

País nenhum merece um sistema judiciário que comete crimes jurídicos e constitucionais, age seletivamente, atua de forma arbitrária, atropela a Constituição e escolhe lado, partido político e até mesmo candidato. É o fim da picada, como também essa gente corporativa paga um alto preço junto à sociedade: falta de credibilidade e confiança por parte de milhões de brasileiros. Quem confia na Justiça que está aí? Em um STF golpista ou no mínimo omisso? Ninguém, porque Inaceitável. Tratar o País como idiota, não dá, não cabe e não é, definitivamente, prudente. Todo mundo sabe que Dilma foi vítima de um golpe e que as "pedaladas" são subterfúgios hipócritas e maquiavélicos para a efetivação do golpe de estado.

Golpe que tem de ser urgentemente combatido e necessariamente revertido no plenário do Senado, ao custo de o Brasil ter o Estado desmantelado e suas estatais mais importantes vendidas para os estrangeiros, bem como o povo ter de enfrentar uma guinada ultraliberal na economia como um todo, além de ser vítima de prejuízos contra as conquistas dos trabalhadores, como limitar a CLT, extinguir as políticas públicas de inclusão social e restringir os direitos humanos. Porque se tem alguma coisa com que a direita não se preocupa e nunca se preocupou é com a independência do Brasil e com a emancipação do povo brasileiro.

Está todo mundo a observar, inclusive a comunidade internacional por intermédio da imprensa e de governos, que consideram o processo de impeachment contra Dilma Rousseff um golpe desprovido das força das armas, mas maquiavélico por se tratar de um golpe forjado juridicamente, com forte presença do Congresso e o apoio publicitário por meio das mídias historicamente golpistas do magnatas bilionários de imprensa, que há décadas transformam o Brasil em um caldeirão de crises, para assim impor suas agendas políticas e econômicas ao País, mesmo sem ter um único voto.

O golpe totalmente nacional -- made in Brazil --, competente e organizado inteiramente pela oligarquia política brasileira, a ter o sistema judiciário indevidamente e criminosamente partidarizado e ideologizado. O golpe dos atos falhos e das declarações sinceras. Gilmar Mendes, político de direita e do PSDB do Mato Grosso, além de juiz do STF, senadora Rose de Freitas (PMDB/ES), o senador Romero Jucá (PMDB/RR), o senador Zezé Perrella (PDT/MG), além do usurpador michel temer, todos proferiram, em dias diferentes, pensamentos em comum em relação ao golpe de estado.

O golpe é tão golpe, tem tanta cara de golpe, que os membros do Governo, gente experiente, políticos tarimbados, começaram, por intermédio de atos falhos ou sinceridade desmedida, porque não se importam com nada, nem em resguardar seus nomes perante a sociedade e a história, que estão a falar e a reconhecer que o Brasil sofreu mais um golpe bananeiro e violento contra sua democracia e instituições republicanas.

E não é que a  senadora Rose de Freitas (PMDB/ES), que integra a Comissão de Orçamento do Senado, ou seja, está por dentro de questões orçamentárias, disse o seguinte: "Por que o governo saiu? Na minha tese, não teve esse negócio de pedalada, nada disso. O que teve foi um País paralisado, sem direção e sem base nenhuma para administrar. A população não queria mais e o Congresso também não dava a ela (Dilma) os votos necessários para tocar nenhuma matéria". Só que tem uma coisa que a senadora golpista do PMDB esqueceu: a população não é composta somente por coxinhas, tanto que a presidente Dilma venceu as eleições. Por sua vez, o Congresso não aprovava as matérias porque decidiu dar um golpe e, com efeito, engessou as ações do Governo Trabalhista. Ponto.

Rose reconhece o golpe e com conhecimento, porque apoia michel temer e trabalha com orçamento. Além disso, não é porque uma presidente perca o  apoio no Congresso ou fique impopular para que golpistas se deem o direito de cometer crimes, como é o caso do golpe. Isto não existe. Por seu turno, a política é dinâmica e a economia é cíclica, então, não há desculpas para se dar um golpe bananeiro promovido pela casa grande terceiro-mundista e de índole escravagista secular.

Romero Jucá, antes de Rose de Freitas, foi pego com a boca na botija, pois seus áudios gravados pela PF e repercutidos pela imprensa comercial e privada (privada nos dois sentidos, tá?!) comprovam que o golpe de estado de direita era para proteger os corruptos do PMDB e seus aliados, dar fim ou intervir na Lava Jato, bem como impor ao Brasil a receita ultraliberal derrotada em quatro eleições consecutivas e que arrasou com o Brasil e a América Latina nos anos 1990. Ou seja, implementar um programa neoliberal que não deu certo em lugar nenhum do mundo. Duvida? Pesquise e estude sobre a crise que arrasou a Europa e os Estados Unidos a partir de 2008 e que perdura até hoje.

Além de Jucá e Rose, o senador mineiro Zezé Perrela, do PDT, mas é tucano, amigo e aliado de Aécio Neves, também foi autor de um "sincericídio", e disse: "Claro que o motivo maior (golpe) não foram as pedaladas",  mas a "(...) falta de articulação do governo aqui dentro". A Justiça também não ficou de fora. Gilmar Mendes afirmou: "O processo é político, se ela (Dilma) tivesse cometido crime, se ficasse flagrantemente provado, que ela tivesse cometido crime, e ela tivesse 172 votos, ela também não seria processada".É mole ou quer mais? 

Esses caras da direita deram um golpe, e o mundo sabe disso. Menos a imprensa bananeira brasileira. É aquela que produz e repercute um jornalismo de esgoto, porque antinacionalista, antirrepublicana e elitista, além de escravagista. A direita está desesperada. Agosto está aí e Dilma Rousseff pode não cair e retornar para onde jamais deveria ter saído: a Presidência da República. Quem viver verá. Cadê o coxinha golpista que estava aqui? O golpe comeu... Sumiu com eles. Escafedeu-se. É isso aí.

Um comentário:

Gerson DOS SANTOS disse...

O estado islâmico deveria mandar um homem bomba e explodir esse fdp com outros comparsas drle