Google+ Badge

sábado, 11 de junho de 2016

Gilmar ataca Janot porque vazar contra o PMDB é crime, mas contra o PT é poesia

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre
foto folhapress - gazeta do povo
"Quem exerce funções legais não pode sair cometendo ilegalidades" — (Acredite se quiser, mas quem reclamou, hipocritamente, foi o juiz Gilmar Mendes)
Tradução do Articulista: Gilmar reclama porque sabe que o vazamento contra a cúpula golpista e traidora do PMDB, que evidenciou o golpe de estado, poderá prejudicar mortalmente o governo temer e favorecer o retorno de Dilma Rousseff pelo Senado à cadeira da Presidência, que, diga-se de passagem, de onde jamais a mandatária trabalhista deveria ter saído.
"Pimenta nos olhos dos outros é refresco"! Realmente, nunca um ditado popular coube tão bem para definir a conduta e as atitudes do juiz do PSDB do Mato Grosso, Gilmar Mendes, quanto ao seu inconformismo e raiva por causa dos vazamentos perpetrados pelo procurador-geral-contra a República, Rodrigo Não Devo Nada a Ninguém Janot, que deixou a cúpula do PMDB e o governo minúsculo, usurpador e traidor de michel temer, pois repleto de golpistas criminosos, na berlinda, a complicar-lhes seus futuros de políticos impopulares e isolados se o Senado resolver reprovar o impeachment (golpe) e, com efeito, a presidenta Dilma Rousseff retorne ao poder, ao lugar de onde nunca deveria ter saído por conta de aventureiros irresponsáveis com medo de ir para a cadeia.
Gilmar Mendes, na verdade, nunca e em hipótese alguma se importou com vazamentos quando se tratava de Lula, de Dilma, de lideranças do PT e de qualquer questão que envolvesse aqueles que o condestável juiz considera seus inimigos políticos, partidários e ideológicos. Lula e Dilma, os ministros e autoridades petistas sempre tiveram suas conversas, inquéritos, depoimentos e processos, muitos deles em segredo de Justiça vazados, sistematicamente e diuturnamente, por agentes públicos dos MPF, PGR, Vara do Sérgio Moro, do PSDB do Paraná, bem como pela Justiça e seus tribunais superiores.
Os togados sempre vazaram, porque envolvidos, de 2003 a 2013, com a oposição aos governos trabalhistas do PT, sendo que alicerces no que diz respeito a questões do Judiciário com o propósito de alimentar a imprensa de negócios privados com notícias negativas contra os Governos de Lula e de Dilma, além de darem fôlego ou sustentação a uma oposição de direita derrotada quatro vezes consecutivas, que chegou, em dado momento, nos auges de popularidade dos presidentes petistas, que o PSDB, o DEM e o PPS se encontravam tão derrotados e desmoralizados, que teriam como futuro participar de seus próprios enterros, porque os números sociais e econômicos dos governos petistas em comparação aos dos tucanos eram inquestionavelmente muito melhores. A história, que é escrita sem paixões, indubitavelmente, mostrará esta realidade.
Além disso, a direita, como demonstra claramente como a luz solar o governo anti-povo e de predadores de michel temer (o nome dessa peçonha sempre é escrito em minúsculo por se tratar de um pigmeu moral, político e citadino) somente se preocupa em concentrar riqueza para manter os privilégios e benefícios da oligarquia política patrimonialista e do empresariado antinacionalista, que luta por um País para poucos, porque, sabedor de que concentrar renda e riqueza é processo similar a manter o povo escravizado, pois excluído, de preferência com seus direitos civis e trabalhistas retirados ou modificados, e, consequentemente, ser cativo de eterna servidão.
O establishment é diabólico; e muito coxinha de classe média, formado em faculdade, com relativo sucesso profissional, não sabe disso claramente por não ter compreensão do mundo político e suas entrelinhas, por se tratar de cidadão despolitizado e desconhecedor da história do Brasil, além de que, evidentemente, muitos são politicamente conservadores e ideologicamente de direita, mas, no momento, retiram-se para suas casas, tiraram do corpo a camisa da Seleção Brasileira, porque estão a ver a grande merda que fizeram ao apoiar um golpe de propósito elitista e sectário que vai atingi-los em seus direitos, bem como perceberam que os golpistas usurpadores e corruptos querem se livrar das prisões.
A verdade é que a direita não tem e nunca teve programa de governo e, obviamente, desprovida de projeto de País, porque, irremediavelmente, a casa grande brasileira, residência de uma das oligarquias mais atrasadas e reacionárias do mundo, nunca o pensou, nunca o debateu e nunca se preocupou em desenvolvê-lo para torná-lo independente, assim como seu povo emancipado. A direita é empresarial, banqueira e seu combustível se resume a acumular muito dinheiro e a beneficiar, no caso do Brasil, 1% da população, que tem em seus bolsos e cofres quase 60% da riqueza do País. O golpe covarde e violento foi efetivado para atender os interesses dessa gente.
Ou os coxinhas formados em faculdades pensam que são membros do mundo dos plutocratas? Se pensam, estão redondamente enganados. São apenas massa de manobra exposta há 50 anos a uma lavagem cerebral violentíssima por parte das mídias dos magnatas bilionários de imprensa, que, no fundo, estão cagando e andando para os coxinhas abduzidos pelos valores e princípios elitistas da alta burguesia, que os transformaram em arremedos de fascistas e de almas "mussolinianas", como evidenciaram e evidenciam suas mensagens, opiniões e ações nas redes sociais e nas ruas. Os pequenos mussolinis... Ridículos e prisioneiros de suas próprias mediocridades e perversidades.
Voltemos a Gilmar Mendes, do PSDB do Mato Grosso, como sempre afirmo, trata-se de um juiz do STF que envergonha e constrange a magistratura brasileira, que ora está a ser questionada pelo seu envolvimento no golpe contra Dilma Rousseff e por causa de sua morosidade para impedir que a grave crise política que aflige e prejudica o Brasil se perpetue, sendo possível, inclusive, que aconteça alguma tragédia, porque o País está dividido e certamente se Dilma não voltar a presidir a Nação o impasse continuará, porque quem perdeu e foi roubado na mão grande não se conformará com um golpe praticado por bandidos, que respondem por seus crimes na Justiça.
Volto a ressaltar e a rememorar que o candidato tucano e derrotado pelo PT de Dilma é o iniciador e o fomentador do golpe de estado, que sequestrou a democracia brasileira e permitiu que um golpista, traidor e usurpador do poder, na "peçonha" de michel temer (o nome dele é sempre escrito em minúsculo, porque se trata de um pigmeu político e citadino) efetivasse o golpe em seu lugar, ao ponto de assumir a cadeira presidencial desprovido de legitimidade e de soberania popular por intermédio do voto. Aécio ficou a ver navios e escrever seu nome na história como o pior perdedor de eleições da história, pois, ainda em 2013, longe ainda da data das eleições presidenciais de 2014, o golpista vociferou tal frase: "O ciclo do PT tem que acabar!"
Pois é... É desta forma que Aécio Neves passará para a história, a sujar o sobrenome de seu avô, Tancredo Neves, um político garantista e legalista, que enfrentou situações perigosas por parte da direita mais radical e jamais abandonou Getúlio Vargas e João Goulart. Aécio se recusou a reconhecer sua derrota para Dilma Rousseff. Sua atitude foi atípica e estranha, porque até então, desde 1988, a partir da promulgação da Constituição, nenhum candidato a presidente derrotado agiu dessa maneira tão vil e perigosa para a estabilidade democrática e institucional. Aécio Neves deu a senha para o que depois se transformou em um golpe bananeiro realizado por golpistas covardes, que fazem da patifaria e da traição suas profissões de fé.
Hoje, estrategicamente, o playboy das Alterosas e do Leblon se cala, porque seu nome consta em "trocentas" listas de beneficiados por ter recebido dinheiro ilegal para suas campanhas eleitorais, bem como sabedor de que, mais cedo ou mais tarde, as inúmeras operações da PF, dentre elas a Lava Jato, atingirá em cheio o PSDB, o DEM e o PPS, ou seja, os demotucanos, que são blindados anos a fio, convenientemente e vergonhosamente, pela imprensa sonegadora de impostos dos magnatas bilionários e, incrivelmente, por setores do sistema judiciário envolvidos até a medula com o golpe contra a presidenta reeleita democraticamente com 54,5 milhões de votos, que ainda não se concretizou, porque o mérito da sórdida e infame conspiração será votado pelos senadores em agosto.
Enquanto isto, está tudo como dantes no quartel d'Abrantes. O juiz Gilmar Mendes — a herança maldita de FHC, o Neoliberal I — continua em sua guarita no STF, a vigiar qualquer contratempo que possa atrapalhar a derrubada de Dilma Rousseff do poder, bem como sempre atento para atacar seus inimigos partidários e ideológicos, principalmente no que concerne ao PT e às suas lideranças, além de estrilar, vociferar e nitidamente se encolerizar com os vazamentos relativos ao PMDB do procurador Rodrigo Janot, que, ao que parece, não está muito disposto em recuar de seus propósitos por causa de Gilmar, um juiz e empresário do setor de educação.
O magistrado de direita, na verdade, é o homem de confiança do sistema de capitais dentro do STF e aliado de primeira hora do PSDB e do DEM, porque foi advogado-geral da União de Fernando Henrique Cardoso — o Príncipe da Privataria —, o servidor de poder e mando que segurou a "bronca" dos contrários às privatizações criminosas efetivadas pelos demotucanos e que até hoje, a despeito de livros publicados e processos que tramitam ou estão arquivados na Justiça, não foram devidamente investigadas para colocar na cadeia os traidores da Pátria que venderam o Brasil como se o Brasil não tivesse importância para seu povo que luta para desenvolvê-lo.
O juiz de ações desditosas e de caracteres duvidosos, que soltou o banqueiro Daniel Dantas com dois habeas corpus (um recorde mundial) autorizados em apenas 48 horas, cujo Jornal Nacional evidenciou e repercutiu ações de corrupções supostamente ligadas ao banqueiro, bem como libertou o médico-cirurgião, Roger Abdelmassih, condenado a 278 anos de prisão por ser acusado de estuprar 56 mulheres. Pensa que é só isso? Não. Gilmar Mendes, dentre outros casos polêmicos de sua autoria, é um juiz que se transformou indevidamente em político.
Ataca seus adversários em plena atividade como ministro da Corte, emite opiniões e dá publicidade aos processos que estuda e analisa, muitos deles em segredo de Justiça, e critica duramente as pessoas que ele julgará. Trata-se de um caso surreal, além desse juiz nunca ter sido, de fato, questionado pelo CNJ e muito menos levado a responder por sua conduta antirrepublicana no Senado, podendo até ser alvo de um impeachment. É estranho, mas que o Gilmar Mendes faz o que quer e como lhe aprouver isto é real e verdadeiro, assim como há anos a dar plantão para atender às demandas políticas, partidárias e ideológicas dos demotucanos, desde que os mandatários trabalhistas do PT conquistaram o poder democraticamente, a partir de 2003.
Entretanto, Gilmar Mendes é um "artista" e contorcionista político e reprovou com raiva e inconformismo os vazamentos das conversas de interesses conspiratórios e golpistas ordenados pelo procurador-geral-contra a República, Rodrigo Não Devo Nada a Ninguém Janot, que, insatisfeito com a "demora" de o ministro Teori Zavascki de autorizar a prisão de Eduardo Cunha, José Sarney, Renan Calheiros e Romero Jucá, resolveu jogar areia no ventilador e praticamente selar o governo temer como corrupto, golpista, ilegítimo e completamente sem credibilidade e autoridade junto à Nação e a inúmeros segmentos importantes da sociedade organizada.
Porém, cada macaco no seu galho, porque uma coisa é combater a corrupção e os crimes de colarinho branco. Outra coisa é dar golpe para beneficiar o establishment, atender às demandas financeiras e políticas do empresariado nacional e internacional e, evidentemente, dar fim ao ciclo de poder do PT à margem das urnas, pois sabedores que o PT, independente de seus erros, inclusive os relativos à corrupção e ao financiamento ilegal de campanha, teria grande chance de eleger o sucessor de Dilma Rousseff em 2018, como ainda o tem se Lula não for preso, porque esta é a intenção principal da Lava Jato, com a cumplicidade do STF, o maior responsável por homologar o golpe de estado (parlamentar-jurídico-midiático) contra a mandatária petista, que jamais cometeu crime de responsabilidade. Até os reinos mineral e vegetal sabem disso.
Gilmar Mendes, um juiz arbitrário, acostumado a falar fora dos autos e a não se importar se suas opiniões são sectárias e desacreditam a Justiça, jamais se cala, o que se torna erro grave, pois se trata de uma autoridade que julga e determina o destino e o futuro de vidas humanas, de empresas e até da Nação, porque decide sobre questões governamentais e privadas, assim como define o cumprimento de ritos para que sejam obedecidos pelos membros de outros poderes da República. Gilmar, que ninguém se engane, está preocupado mesmo é que o golpe contra Dilma Rousseff se desmanche como picolé no asfalto ou açúcar no água.
O juiz condestável Gilmar Mendes sabe disso tudo, mas está acostumado a ser adulado pelas mídias mais privatistas e golpistas do planeta, que, no decorrer dos últimos 30 anos se fortaleceram e se transformaram em um estado dentro do Estado, a combater políticos trabalhistas que conquistaram o poder nas urnas, como sempre fizeram desde os tempos de Getúlio Vargas, bem como determinados a impor suas agendas políticas e econômicas, a substituir a agenda de quem foi eleito pelo voto direto e obteve a aprovação para implementar sua plataforma de governo, ou seja, os projetos e os programas apresentados ao povo no decorrer dos programas eleitorais e dos debates políticos.
Gilmar Mendes sabe disso tudo. Entende como a banda toca, além de ter conhecimento de que a Jiripoca vai piar se o governo temer, que já nasceu torto e podre, perder a "legitimidade" que nunca teve, porque, ressalto mais uma vez, a presidenta Dilma Rousseff não cometeu crimes. Ao contrário, a mandatária petista e de esquerda caiu por combatê-los e não negociá-los com as lideranças políticas tradicionais, que estão acostumadas às benesses ilegais propiciadas pelo Estado patrimonialista e a terem suas reivindicações espúrias atendidas, além de enriquecerem criminosamente, com a cumplicidade do grande empresariado brasileiro e estrangeiro, cujas sedes agem e atuam no Brasil impunemente.
Para finalizar, assevero: as revelações de Romero Jucá e Sérgio Machado, a conversar com seus correligionários caciques do PMDB, dentre eles José Sarney e Renan Calheiros, coloca todos os partidos golpistas no olho do furacão, inclusive o PSDB, o DEM e o PPS, que tem ministros ou gente em cargo importante no governo apátrida, espúrio, ilegítimo e desprovido de autoridade do Amigo da Onça — vulgo michel temer (só para relembrar: o nome do usurpador é sempre escrito em letras minúsculas). Mesmo se o procurador-geral não ter atendido seus pedidos de prisão pelo STF, o estrago é grande e já foi feito, bem como, sobretudo, influenciará no julgamento do golpe contra Dilma Rousseff. Não restam dúvidas.
A verdade é que Gilmar Mendes, do PSDB do Mato Grosso, do alto de sua arrogância partidária e prepotência política, sabe que, a princípio e antes de as gravações serem jogadas no ventilador por Rodrigo Janot, que michel temer também está envolvido na Lava Jato e em outros escândalos, porque político de mando do PMDB como seus colegas de partido gravados. temer, conquistada ilegalmente a Presidência, articularia um amplo acordo para brecar a Lava Jato e impedir que fossem processados e, quiçá, selarem seus destinos na cadeia.
E por que desta engrenagem draconiana? Porque até os tucanos, a exemplo de Aécio Neves, José Serra e Aloysio Nunes Ferreira, protegidos e blindados pela imprensa de mercado patrocinadora do golpe de estado e por setores do Judiciário, como a Vara do Moro e o MPF do Paraná, São Paulo e Distrito Federal, além do STF e da PGR, perceberam que poderão ser alcançados pelo efeito dominó dos áudios vazados de conversas e conspirações de líderes do PMDB.
Gilmar Mendes sabe disso e por causa desses motivos elencados estrilou e contragolpeou o PGR Rodrigo Janot, que, na verdade, armou toda essa miscelânea porque a intenção é prender o Lula, o presidente mais popular de todos os tempos, que não foi cooptado pela plutocracia e que é um dos favoritos a vencer as eleições presidenciais de 2018, mesmo sendo alvo há três anos de perseguição feroz, violenta e desrespeitosa por parte do sistema midiático comercial e privado e do sistema judiciário.
O Judiciário que, visivelmente, se partidarizou e se ideologizou, a judicializar a governança de Dilma Rousseff com o propósito de engessar sua administração e a criminalizar a política, que é a única ferramenta de diálogo, de negociação dos conflitos políticos e sociais e de luta pela busca do desenvolvimento econômico e emancipação social da sociedade, do povo brasileiro. Fora da política, resta-nos a violência, a ditadura e os fascistas a oprimir e reprimir as pessoas nas ruas, como já vem a acontecer principalmente nos últimos três anos. Gilmar Mendes é hoje, com michel temer no poder, um dos políticos que governam indevidamente o Brasil. Gilmar é um dos principais e mais importantes próceres do golpe e ataca Rodrigo Janot porque vazar contra o PMDB é crime, mas contra o PT é poesia. É isso aí.


2 comentários:

Olavo Freitas disse...

Disse tudo e mais um pouco. Estou farto e com sentimento pesado por viver em um país em que se ainda dá golpes. Que tristeza perceber que essa zelite que temos é um atraso só, caipirona, golpista, perversa, mau caráter e bananeira. E ainda quando viaja ao exterior se acha chique porque tem dinheiro pra ir pra fora. Ô caipirada fdp! Com uma burguesia dessa, não há país que se desenvolva. Otimo artigo. Mais um dos muitos que você já escreveu, Davis.

Marcos Lúcio disse...

São impressionantes seus conhecimentos, memória e capacidade de articular, com precisão, os fatos e análises. Não dá para discordar, se usarmos de lógica, boa-fé, justiça e realismo. Aplausos, grande Davis!