Google+ Badge

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

A marcha contra a corrupção, a manipulação da Globo e o marco regulatório

         No dia da Independência do Brasil — Sete de Setembro — aconteceram novamente inexpressivos protestos de classe média e de estudantes, a maioria da burguesia lacerdista que perdura até hoje e que estuda em faculdades ou universidades particulares e também públicas. Eles protestaram novamente contra a corrupção, mas dessa vez percebi que esqueceram suas vassouras janistas e lacerdistas em suas casas. 

     Essa gente é a tal falada minoria barulhenta e conservadora, de carteira recheada e barriga cheia, mas que detesta, por ressentimento e preconceito racial e de classe a ascensão política e econômica do Brasil, bem como o crescimento social do povo brasileiro, que hoje ocupa os aeroportos e os shoppings que antigamente eram "somente deles" e "para eles".

Jovens saem às ruas e "protestam", mas não conhecem os bastidores da mídia e da política.
          
      Essas pessoas passaram a vida inteira a engravidar pelos ouvidos e pelos olhos de um sistema midiático reacionário, direitista e preconceituoso em todos os sentidos, vão à ruas e protestam contra a democratização do ensino, além de considerarem corrompidos os governos que mais operações policiais efetivaram e que visavam e visam combater os crimes de colarinho branco, a corrupção e o tráfico de influência como nunca aconteceu na história do Brasil. 

      Somente nos governos do Lula, a Polícia Federal realizou mais de mil operações, enquanto nos governos do FHC, o Neoliberal, as operações da PF não passaram de 30. É uma diferença inquestionável e que prova a parcialidade da imprensa burguesa que, por ser de oposição, criou toda uma condição para que parte da população brasileira pense que o Governo Lula foi leniente com a corrupção, quando, na verdade, foi o contrário.

     Por isto e por causa disto, republico artigo sobre os estudantes burgueses e uma parte alienada da classe média e rica que criaram o "Movimento Cansei", que algumas vezes se apresentou em algumas cidades do Brasil com outros nomes e, de forma dissimulada, falsamente como movimentos espontâneos com origem em segmentos sociais representativos do País, como, por exemplo, consideram-se os megaempresários midiáticos e os seus jornalistas de opiniões publicadas e jamais do público. (DSFº)


Por Davis Sena Filho Blog Palavra Livre


São 7h30 desta quinta-feira, após o feriado nacional do dia 12 de outubro (2011). Ligo a televisão e me deparo com o “Mau Dia Brasil”, diário eletrônico vespertino da TV Globo, apresentado por Chico Pinheiro e Renata Vasconcellos, a ter como coadjuvantes em Brasília o veterano Alexandre Garcia e uma novata, em termos, que está a fazer doutorado em humorismo, que atende pelo nome de Zileide Silva.

Classe média lacerdista empunha vassouros janistas e expressa seu moralismo secular.
     A manchete é pronunciada de maneira alta e com ênfase pelos apresentadores Chico e Renata. “Marcha contra a corrupção em todo o Brasil coloca multidões nas ruas”. Pensei com os meus botões: “Nossa, a Globo quer derrubar o governo ou no mínimo causar danos à governabilidade da presidenta Dilma Rousseff. Ou quem sabe, apenas fazer marolas para incomodar o Governo trabalhista.


Olho as imagens das “multidões” em Brasília, São Paulo, Salvador e no Rio de Janeiro. Trata-se das principais capitais do País, que têm contingentes enormes de brasileiros negros ou pardos. Contudo, não se vê praticamente pessoas negras e muito menos cidadãos das classes sociais pobres, carentes.


A verdade é que as câmaras da TV Globo não abrem, não mostram planos abertos e com isso enganam os telespectadores brasileiros, porque a Globo está a fazer verdadeiras reporCagens, pratica um jornalismo de esgoto, que mente, engana e não se preocupa com qualquer ética no que concerne a apresentar notícias ao público. A Globo e os jornalistas responsáveis pela matéria da marcha perderam totalmente a vergonha na cara. É revoltante!


A manipulação é feita na cara dura, sem levar em conta se as pessoas que estão a ver a matéria porcaria vão ficar de queixo caído com tanta sujeira e má-fé. Renata Vasconcellos se empolga com as “multidões” que tomaram as ruas das capitais brasileiras. Contudo, a matéria é curta  e pouco explicativa em comparação com o tom que foi dado à manchete sobre  o movimento.


O Brasil vive no estado de direito, mas os golpistas estão sempre alertas.

  A marcha de Brasília, segundo a Globo, contou com 20 mil pessoas, o que não é verdade. Nas outras capitais as comentadas “multidões” não ultrapassaram dois mil participantes, de acordo com a mesma TV, que teima em não aceitar a vitória dos presidentes trabalhistas Lula e Dilma. Realmente, a TV Globo e a imprensa corporativa em geral estão a ocupar o papel da oposição partidária deste País.


Porém, existe um grande obstáculo: a Globo, o PSDB e os seus aliados não têm programa de governo e nem ideias para administrar o Brasil, a não ser o depoimento de Dom Raymundo Damasceno Assis, atual arcebispo de Aparecida, que se prontificou a atender a Globo porque tal televisão precisava, digamos, de uma autoridade que pudesse dar credibilidade às marchas contra a corrupção, que na verdade são marchas de gente despolitizada, branca, de classe média e rica e que não tem nada a fazer, a não ser ler a revista “Veja” os jornalões de São Paulo e do Rio de Janeiro.



Não se via negros e nem pobres nas marchas. Não houve a participação de movimentos sociais, sindicatos, associações, estudantes e de trabalhadores rurais. São marchas promovidas pela internet por eleitores conservadores, de direita e que detestam os trabalhistas no poder. Eles querem o terceiro turno, mas vão ter de esperar até 2014. A Globo é golpista e os apresentadores do “Mau Dia Brasil” são pessoas sem noção e totalmente alheias ao que é relativo à veracidade e ao jornalismo profissional.



Alexandre Garcia, porta-voz da ditadura militar, de forma ufana, anuncia que a marcha não tem a participação dos estudantes da UNE, de sindicatos e de políticos. E completa sua sandice com uma  total falta de senso crítico: “É um movimento realizado pela internet, espontâneo…” Não sei se ele é burro ou muito burro, porque ele elogia um movimento que não tem identidade. Todavia, sei que ele é compromissado até a medula com o pensamento torto de seus patrões. Durma-se com um barulho desses. Não dá para levar a sério tanta incongruência de homem que foi ligado ao regime militar, envelheceu e não aprendeu nada.

É o frevo da direita: alienação, conservadorismo e cabeça feita pela mídia.
 As marchas não passam de uma repetição do Movimento Cansei acontecido em São Paulo em 2007, que também foi um retumbante fracasso. A verdade que esses gangsters do sistema midiático hegemônico não estão nem aí para o Brasil. Zileide Silva, geralmente com a cara séria, abriu um sorriso e finalizou a “matéria” sobre a mídia, a sorrir: “O Blog do Planalto recebeu o recado. Ele foi invadido por hackers”…

Logo entra uma imagem e mostra a bandidagem daqueles que não são compatíveis com o sistema democrático e fingem, com suas vassouras de bruxas janistas, que estão a varrer a corrupção. No passado, as pessoas que empunhavam queriam o golpe contra o presidente João Goulart, o que aconteceu em 1964. Então, fica a pergunta que não quer calar: “Zileide Silva ri com satisfação do quê? E de quem? Dos hackers que cometem ações ilegais?

Contudo, o governo da presidenta Dilma não pode brincar com a direita e nem relevar tal movimento, porque a direita não está morta e tem muitos recursos financeiros. Por causa disso, termos que ter uma lei para as mídias, para o setor midiático, de comunicação e informação que atenda às necessidades da sociedade brasileira. Estamos em um espaço vazio, que tem que ser preenchido, porque, do contrário, os inimigos da democracia e do desenvolvimento do Brasil ocupam esse espaço. As marchas apontam para essas tentativas da direita.

Está mais do que na hora de o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, colocar a mão na massa e realizar a Confecom II e assim chamar a sociedade para o debate. Se ele ficar parado como está considero que é melhor trocar de ministro. Não podemos ficar na mão de uma imprensa direitista, empresarial, rica e poderosa, de passado golpista. A história está presente para dar razão às minhas palavras.

Fui ao protesto e não vi trabalhadores, negros e nem movimentos sociais.
A Argentina já tem uma Ley de Medios. A Venezuela também. Os Estados Unidos e os europeus também. Por que estamos a esperar? Até quando? Não se brinca com a imprensa comercial e privada (privada nos dois sentidos, tá?). A imprensa engajada, política e partidária não deixa o Brasil trabalhar em paz.
        Pela efetivação de um marco regulatório para o setor de comunicação já!
 



     

Um comentário:

Carolina Lima disse...

Demais! Urrruuuuuu!