Google+ Badge

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Organizações(?) Globo atiram pedras na Beija-Flor porque odeiam as ditaduras

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre

Os filhos do Roberto Marinho são iguais a seu pai: odeiam ditadores e ditaduras.
O título de O Globo relativo à escola de samba Beija-Flor: “A ditadura de Nilópolis”. Isto mesmo. O Globo, como todo o planeta sabe, tem horror a ditaduras. Esta rejeição começou esta semana de fevereiro de 2015, porque nos idos de 1964 até 1985, ou seja, o tempo de 21 anos, as Organizações(?) Globo pertencentes à família Marinho não tinham quaisquer problemas com as ditaduras, principalmente a brasileira, que contou com o apoio incondicional de tais organizações(?).

Talvez o Globo tenha problemas com as ditaduras africanas, que tem a ousadia e o atrevimento de financiar escolas de samba do Rio de Janeiro, as maiores e as mais famosas do Brasil e do mundo, que cooperam para que a Rede Globo dos Marinho abarrotem seus cofres de dinheiro, por intermédio das transmissões exclusivas dos desfiles de escolas de samba do carnaval carioca.

Por seu turno, no que concerne às ditaduras argentinas, chilenas, paraguaias, peruanas, uruguaias, hondurenhas, panamenhas, colombianas, nicaraguenses e brasileiras, o jornal O Globo não tem nada a comentar ou criticar, quiçá, se for necessário, cantar loas e boas aos ditadores de seu passado, que tanto ajudaram economicamente tais organizações(?) midiáticas, que se transformaram no principal partido de direita do Brasil, ao ponto de tentar influenciar nas eleições presidenciais, bem como fazer oposição feroz e sistemática aos governos trabalhistas de Getúlio Vargas, João Goulart, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, a fomentar, inclusive e inacreditavelmente, o impeachment da presidenta recém-eleita.

E as manchetes contra a Beija-Flor continuaram. “A folia de um ditador no carnaval carioca” e “Com enredo apoiado por governo autoritário da África, Beija-Flor chega ao 13º título”. Agora vamos à pergunta que se recusa a calar: “Não é emocionante o desprezo que o jornal O Globo sente pelas ditaduras infames e violentas?” Eu, por exemplo, estou deveras impressionado, estupefato, para não dizer surpreso. E, se não controlar meu ímpeto e regozijo, vou escrever um texto de admiração pelo O Globo e seus escribas, pois comovido com tal desprezo, nojo e repulsa que sentem os irmãos Marinho pelas ditaduras.

Evidentemente que a ditadura de 35 anos de Teodoro Obiang Nguema Mbasogo é cruel, abissal e tem de ser combatida pela comunidade internacional, inclusive com a participação efetiva do Brasil. Entretanto, sabemos que a Casa Grande brasileira e seus porta-vozes midiáticos, a exemplo de O Globo, não são sinceros quanto aos seus ódios às ditaduras. A verdade é que esses conglomerados cartelizados de comunicação estão pouco a se importar com o destino da Guiné Equatorial, pequeno país de 700 mil habitantes localizado na África Ocidental.

Ditaduras duríssimas como a da Arábia Saudita, aliada de “carne e unha” dos Estados Unidos, além de outros emirados riquíssimos também nunca foram objetos de críticas de O Globo, empresa que integra as Organizações(?) Globo, que sempre apoiaram as ditaduras sanguinárias sul-americanas, principalmente as do Cone Sul, além de há anos sonegar informações do que está a ser realizado no Brasil em termos de infraestrutura, bem como pratica um jornalismo que dispensa o contraditório, escolhe lado e partido, tem ideologia e se recusa a ouvir aqueles que são considerados pela máquina midiática privada seus inimigos políticos e empresariais.

É emocionante verificar que em tão pouco tempo o jornal O Globo passou a sentir uma verdadeira repugnância ou ojeriza às ditaduras, especificamente no que diz respeito à Guiné Equatorial. Esta, então, O Globo e seus empregados odeiam. Talvez seja por isto que a os membros da Beija-Flor não participam mais de apresentações nos programas de auditório da TV Globo, do Fantástico, dos programas matinais e do Big Brother. Até porque a atual menina dos olhos das Organizações(?) Cara de Pau é a Unidos da Tijuca, que se tornou assídua frequentadora dos programas da Globo quando necessário.

Por causa de seu envolvimento com um ditador africano, a Beija-Flor, que ganhou o título, foi punida pelo O Globo. Por causa disso, não venceu em qualquer quesito, e, consequentemente, quem levou o Estandarte de Ouro global foi a Imperatriz Leopoldinense, que para o jornal dos Marinho e seus jurados é a vencedora do Carnaval do Rio 2015, a despeito da vitória oficial da Beija-Flor.

Contudo, lembro novamente, é que a escola de samba de Nilópolis não venceu em quaisquer quesitos, como ala das baianas, revelação, melhor ala, enredo, ala de passistas, passista feminino, passista masculino, bateria, intérprete, samba-enredo, mestre-sala, porta-bandeira, comissão de frente e melhor escola. Realmente, mais do que um ditadorzinho de um minúsculo país africano, o que chama a atenção é que a Beija-Flor venceu uma disputa duríssima, que é a competição das escolas de samba do Rio, sem, no entanto, de acordo com os jurados dos Marinho, ganhar em qualquer quesito.

Como pode os jurados globais errar tanto? Afinal, parte-se da premissa que eles entendem de desfile de escolas de samba. Vale salientar que são muitos os quesitos e, com efeito, não é possível que a campeã oficial não vença em qualquer um desses critérios. Alguma coisa aconteceu entre a Beija-Flor e as Organizações(?) Globo, e esse processo acontece há algum tempo. Os motivos podem ser variados, mas, certamente e absolutamente, não é por causa do ditador da Guiné Equatorial.   

Todavia, estou realmente impressionado por perceber o quanto este oligopólio de comunicação passou a odiar os ditadores. Talvez eu esteja equivocado, e, por não perceber como os tempos mudaram, deva acreditar que O Globo e seus editorialistas, colunistas e chefes de confiança sinceramente odeiem profundamente os ditadores, ainda mais quando eles são africanos e ousam financiar a escola campeã de 2015.

É isto mesmo. A família Marinho e seus empregados de confiança detestam ditadores, e, só de pensar que um deles está a pisar com seus pés assassinos e imundos o solo brasileiro, nossos compatriotas globais tomam a frente e defendem a nossa vocação democrática, o nosso ardor pelo estado democrático de direito, a nossa paixão pela igualdade de oportunidades e inclusão social, bem como o nosso amor por um País justo, livre e independente, com um povo totalmente emancipado.

Creio que é exatamente que O Globo e as Organizações(?) Globo querem para o Brasil e seu povo. Por isto e por causa disto é que os irmãos Marinho e seus porta-vozes e porta-bandeiras estão tão revoltados com a presença de um ditador africano no sambódromo do Rio de Janeiro. Afinal, caras pálidas, O Globo sente ódio pelas ditaduras e atira pedras na Beija-Flor. Que o diga o Roberto Marinho. É isso aí.


    


11 comentários:

Jorge Marcelo disse...

Davis, o que você tem a dizer a respeito das ditaduras cubana e venezuelana? Você gosta delas?

Alzira Motta disse...

Magnífico, Davis. Crítica contundente e ao mesmo tempo irônica. A Globells um dia terá seu quinhão de derrotas e investigações sobre suas ações. Traidores da pátria e golpistas de carteirinhas.

Anônimo disse...

Jorge Marcelo Marinho. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkllkkkkkkkkklklkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkllkkkkkkkkklklkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkllkkkkkkkkklklkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkllkkkkkkkkklklkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

O Davis não só foi no desfile como ajudou o Neguinho no esquenta:
Eu assisti todos para ver e tentar ouvir se ele enfim apareceria em cadeia nacional.
E não é que não vi, mas juro que ouvi.
Tinha uma escada pros tamborins e - pena que não gravei - ouvia-se muito bem, como bem disse o Gereik, anasaladamente ele solfejava " chooora quentinha..."
babalu

Anônimo disse...

Agnelo ex governador do PT tinha 37 milhões kkkkk e foram confiscados kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
já já kkkkk mais um na Papuda kkkkkkkkkkk chooooraaa quentinha kkkkkkkk
babalu

amadeu aguiar disse...

Será que este babacu e o Jorge merdelo não sabem do passado dos Marinho? Coxinhas predadores do patrimônio público e cúmplices dos sonegadores riquíssimos do escândalo do HSBC. Defendem tudo isso em nome de não sei de quem e depois vem com papo de quentinhas e um monte de bobagens, como ditadura da Venezuela, que teve 11 eleições nos últimos anos. Nunca debatem temas, sem argumentos e conhecimento. Lamentável .

Raissa Mascarenhas disse...

Davis, artigo brilhante e a foto diz tudo. Inapelável. Parabéns.

Anônimo disse...

A mídia, principalmente a rede sonegadora, ops, globo, ela sempre pretendeu e pretende representar, principalmente, a opinião pública para que, apenas, e somente apenas, defenda seus interesses do monopólio privado que ela representa.

A imprensa brasileira nunca foi a opinião pública, nunca foi verdadeira ( cujo objetivo é só informar) mas, é sim o resultado das concessões da ditadura.

Nunca, ninguém elegeu a imprensa.
Quem elege a imprensa é o dinheiro de publicidade que recebe em troca de um discurso ou editorial que agrada ao poder economico.

Henrique

Otto Lima disse...

A Globo é detentora exclusiva dos direitos de transmissão de um evento que há décadas é financiado pelo crime organizado, em suas mais diversas modalidades: jogo do bicho, narcotráfico, milícias... A agremiação que essa grande corporação midiática ora critica por ter vencido com o apoio de um ditador africano que desde 1979 enriquece às custas do sofrimento de seu povo é a mesma que no ano passado homenageou Boninho e a mesma que, há exatos 40 anos, ascendeu ao Grupo Especial com um enredo chapa-branca que exaltava a ditadura militar (ou "ditabranda", como queiram).

Mas a Globo não está sozinha na hipocrisia que dá o tom do carnaval no Brasil. É o sujeito que paga mais de R$ 1 mil por um abadá do Asa ou do Chiclete em Salvador, mas vive na pindaíba, pulando de um empréstimo para outro. É a pessoa que passa o ano inteiro obcecada por saúde, postando selfies na academia e fotos de suco detox, whey protein e pratos de peito de frango grelhado com clara de ovo cozida e batata doce, mas nos dias de Momo come e bebe tudo quanto é porcaria, como se não houvesse amanhã. É o cidadão que durante o ano se arvora de defensor da família tradicional, da ética, da moral e dos bons costumes, mas no carnaval mostra a BICHONA que esconde no armário e faz Jean Wyllys parecer um Neanderthal perto de si. É a madame racista do ano inteiro que no carnaval não resiste a um afrodescendente bem apessoado e bem dotado...

Anônimo disse...

CHOOOORAAA QUENTINHAAAAAA
KKKKKKKKKKKKKK
MARCIO GREIK

Marcos Lúcio disse...

Excelente e oportuno, além de hiperrealista. Como as (Des) Organizações Globo defendem , exclusivamente,o seu monopólio privado ou sua imprensa privada nos dois sentidos, tal e qual uma ditadora feroz, não admite, portanto, concorrência e viu , inconsciente e especularmna , especularmente, na ditadura equato guineense seu reflexo ou o seu lado sombra, principalmente de apoiadores dos vergonhosos anos de chumbo. Freud explica...