Google+ Badge

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Gurgel, calado, é procurador ou um grande poeta

Por Davis Sena Filho — Blog Palavra Livre


O procurador-geral da República, Roberto Monteiro Gurgel Santos, calado poderia ser um grande procurador ou um poeta. Entretanto, ele é um ser midiático, e, quando vê uma caneta e um bloquinho ou um microfone e uma câmera, começa a deitar falação. É uma questão de ego. Jornalistas da imprensa de negócios privados são irresistíveis para o “zeloso” procurador quando se trata de falar do PT, do Governo trabalhista, do Lula, do Dirceu e do Genoíno.

Contudo, quando se trata de falar do mensalão tucano, da lista de Furnas, das operações da Polícia Federal, conhecidas como Vegas e Monte Carlo, do senador cassado do DEM, Demóstenes Torres, do bicheiro Carlinhos Cachoeira e dos ex-editores-chefes das revistas Veja e Época das sucursais de Brasília, e que se envolveram até o pescoço com o bicheiro formulador de pautas, o condestável Roberto Gurgel se cala, evita a mídia de mercado e se torna, de fato, um procurador-geral, que trata as coisas de estado com acuidade.

Age desse modo porque, talvez, ele esteja a investigar esses casos que envolvem a oposição partidária (PSDB, DEM e PPS) e midiática (Globo, Folha, Estadão e Veja) e por isso necessita de silêncio e discrição para, quem sabe um dia, fazer as denúncias cabíveis. Enquanto esse imbróglio todo não anda, Gurgel aproveita seu tempo (quando sobra tempo) para dar entrevistas, desastradas, diga-se de passagem, e se contradiz, sem, contudo, preocupar-se com suas incoerências, afinal ele é o chefe dos procuradores e por isso, aparentemente, considera-se um ser infalível porque, quem sabe, vocacionado à imortalidade.

Sua entrevista à Folha de S. Paulo — aquele jornal de direita que compactuou com a ditadura militar — é uma ode à incongruência, pois que, tal qual como afirmou logo no início do julgamento do “mensalão” do PT, que ainda está para ser comprovado judicialmente, “as provas contra José Dirceu são tênues”. O procurador reconheceu. E daí? O negócio é fazer oposição aos trabalhistas mesmo se o preço for alto e a Constituição e o Código Penal forem rasgados.

Não é que o poderoso procurador-geral da República afirmou sobre José Dirceu, de viva voz e a quem quiser ouvir, que “Não é prova direta. Em nenhum momento, nós apresentamos ele passando recibo sobre uma determinada quantia ou uma ordem escrita dele para que tal pagamento fosse feito ao partido ‘X’, com a finalidade de angariar apoio do governo. Nós apresentamos uma prova que evidenciava que ele estava, sim, no topo dessa organização criminosa”. Seria cômico se não fosse trágico e não interferisse na vida de pessoas que foram punidas com a cadeia, sem, no entanto, existir provas cabais e que, indelevelmente, comprovassem que os réus cometeram malfeitos.

Não foi à toa que tal procurador disse, volto a repetir, que as “provas eram tênues”. Gurgel sabe o que diz e sabe muito bem o que faz. E ele faz, com competência, política partidária, sem, no entanto, ter mandato parlamentar, ser filiado a um partido (acho) e muito menos passar pelo crivo das eleições, que são duras e desgastantes. O procurador foi nomeado em uma lista tríplice pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que, republicano, atendeu o desejo da categoria. Grande erro e engano. Os cargos de juízes do STF e de procurador-geral de República são, sobretudo, políticos e não técnicos, como quer demonstrar, hipocritamente, a imprensa comercial e privada, de direita e de caráter historicamente golpista.

Tanto os são políticos que as frases de efeito, as acusações e o comportamento da maioria dos juízes do STF tinham, indubitavelmente, o propósito de colocar o PT e o Governo trabalhista nas cordas do ringue, ainda mais quando se trata de pessoas e militantes da grandeza política e histórica de José Dirceu e José Genoíno. Não esqueçamos que a eleição para a Presidência está próxima, em 2014, e a direita brasileira, herdeira da escravidão e uma das mais conservadoras e cruéis do mundo já sente urticárias em só pensar que poderá ficar mais quatro anos sem controlar o estado nacional, e, consequentemente, voltar a utilizá-lo de forma patrimonialista, como sempre fez e aconteceu através dos 513 anos da história do Brasil.

 Cargos políticos, afirmo sem qualquer dúvida, têm de ser preenchidos por aliados ou por pessoas que compreendam e sejam sensíveis ao programa e ao projeto do mandatário que ocupa a cadeira da Presidência da República e nomeia seu Ministério. Afinal sabemos o que a direita política, judiciária e empresarial combate e dissimula e confunde a população, por intermédio de seus meios de comunicação hegemônicos, que distorcem e manipulam os fatos e as realidades. A direita não quer, terminantemente, a emancipação do povo brasileiro. E nunca vai querer. Ponto.

Acontece que o programa de governo e o projeto de País dos trabalhistas foram aprovados e referendados pelo sufrágio universal — o voto popular, a procuração mais importante da República, do processo democrático e do estado democrático de direito. Lula e Dilma se equivocaram, solenemente, e hoje têm de enfrentar um sistema midiático de oposição sistemática e por isso irracional, que se recusa a pensar o Brasil, cujos homens e mulheres da imprensa corporativa são colonizados e que têm desprezo e até ódio pelo Brasil, porque são portadores de incomensuráveis complexos de vira-latas, que os levam às raias da incongruência, da desfaçatez, da intolerância e de toda ordem de criação de crises, a maioria sem provas, pois se baseiam em ilações irresponsáveis, denúncias vazias e muitas delas em off, que, comprovadamente, não dão em nada. É o verdadeiro e autêntico jornalismo de esgoto, que se baseia em faits divers. É o fim da picada.

O condestável procurador disse ainda à Folha que o “esquema {do “mensalão”} foi bem maior do que se sabe e que o julgamento do STF incluiu apenas aquilo que foi possível comprovar”. Como assim, cara-pálida? O procurador Gurgel tem cinco anos para investigar e apurar os fatos, fazer as acusações e mesmo assim deixa no ar acusações sem provas? É a continuação do “domínio do fato”? Subterfúgio jurídico usado pela maioria dos juízes conservadores do Supremo para pôr na cadeia pessoas cujas provas não foram, de fato, comprovadas. Provas “tênues”, como já tinha afirmado o senhor procurador.

Além disso, a Ação Penal 470 é posterior ao mensalão tucano, que até hoje não foi julgado apesar de ter acontecido anteriormente ao do PT. Dois pesos e duas medidas. É assim que a banda toca no Supremo, que, ao que parece, é pautado pela imprensa alienígena que tomou para si, indevidamente e de maneira surreal, o papel de oposição {partidária} no Brasil. É para rir ou para chorar? A verdade é que as declarações de Roberto Gurgel deixam claro que nunca houve provas suficientes e contundentes contra os réus do “mensalão” — o do PT. Quem duvida que leia a entrevista concedida à Folha pelo procurador-geral, de vocação midiática e perfil político conservador, de direita.

A imprensa alienígena sozinha não derrota o PT e os trabalhistas nas eleições vindouras. A corrida às prefeituras deste ano comprovou essa realidade, afinal o PT vai governar a maioria dos brasileiros em termos populacionais, além de conquistar a cidade de São Paulo. Essa gente sabe disso, e por isso não dá ponto sem nó. É visível a aliança entre o Judiciário conservador e os barões da imprensa, categoria patronal mais atrasada e reacionária do segmento empresarial brasileiro. Por eles, a escravidão voltaria, e o povo brasileiro jamais conseguiria conquistar sua emancipação e autonomia.

O procurador-geral Roberto Gurgel está para finalizar seu mandato. A presidenta Dilma Rousseff tem de nomear para seu lugar um procurador que trabalhe de maneira independente; porém, sem se imiscuir em devaneios políticos e partidários. A verdade é que os cargos de procurador-geral e principalmente de juiz do STF deveriam ser preenchidos por meio de eleições. Juízes do STF deveriam ter mandatos de oito anos, como os são dos senadores. Enquanto isso não acontece, seria de bom alvitre a presidenta da República nomear autoridades do Judiciário de perfis progressistas. Esses cargos não são técnicos como quer fazer crer a imprensa de negócios privados. São cargos políticos. É isso aí.

8 comentários:

Alice disse...

Grande texto e grandes verdades.

Heleno Barroso Silva disse...

Caro Davis

Obrigado pela atencao a mim dispensada. So acho que o Gurgel nao e poeta calado nem falando. E uma pustula de qualquer modo que se apresente.

Abracao, companheiro.

Henrique disse...

É mais uma prova cabal de como os 'holofotes midiáticos' capitanearam o STF em 2012.
E agora sente falta da mídia, pois é isto que, verdadeiramente, satisfaz o ego do gurgel.

E o bom direito? Ah! Isso é só um detalhe!

Qual critério foram usados para que o gurgel usasse toga?

jorge pinto disse...

Davis, é realmente ISSO AÍ. Precisava uma pessoa de coragem para esclarescer ao povo brasileiro as verdades políticas. Quanto aos direitistas, principalmente a mídia, ficarão sempre com os EUA pois é quem garante este sistema da liberdade de inprensa

Cesar Cunha disse...

Ele é "procurador". Quando não procura,deve inventar o que procurar. E procura mal. Ficou um bom tempo sobre "um processo aí" que não achava! Será que percebeu que estava sentado sobre ele?

celvio disse...

Caro Davis: assino em baixo. Abs Célvio

Anônimo disse...

Por absoluta falta de tempo, nao tenho comentado...mas tenho lido seus sempre brilhantes posts.Quanto mais análise, verdade e sensatez, como neste texto... melhor!!!
Marcos Lúcio

Davis disse...

Marcos Lúcio, tê-lo como leitor me basta.
Abraço e tudo de bom.
Davis