Google+ Badge

terça-feira, 27 de março de 2012

Demóstenes é um cadáver político e o Roberto Gurgel tem de ser chamado às falas (como diria o Gilmar Mendes)

Demóstenes: falso moralismo

Por Davis Sena Filho - Blog da Dilma

Notícias veiculadas e publicadas na imprensa comercial e privada dão conta que o senador Demóstenes Torres se tornou um “incômodo” para o DEM, segundo um dos seus caciques, o senador Agripino Maia. Todo mundo sabe que o DEM é o pior partido do mundo, pois herdeiro sanguíneo da extinta UDN, partido de DNA golpista e de direita.

Sabe-se também, em todo o Brasil, que o oposicionista conservador Demóstenes se mostrava como um dos guardiões dos bons costumes, da moral e da ética. Seu discurso, moralista contra o Governo, sempre causou frisson em alguns colunistas e comentaristas da imprensa burguesa, ao tempo que muita desconfiança em parte da sociedade politizada, porque ela sabe que o moralista muitas vezes não passa de um  mau ator, sacripanta, falso e demagogo.

Contudo, a imprensa burguesa brasileira que se considera, evidentemente, paladina da justiça e da moralidade sempre considerou o senador Demóstenes um homem sério e de boas intenções e por isto e nada mais do que isto o transformou, juntamente com o paranaense e também paladino da moral e dos bons costumes, senador Álvaro Dias, em porta-voz da mídia empresarial conservadora, e, logicamente, da oposição partidária “liderada” pelo PSDB paulista, porque outro PSDB no Brasil não existe, não viceja.

Agora, tal qual o ex-governador do DF que foi preso, José Roberto Arruda (DEM), o paladino Demóstenes foi investigado pela Polícia Federal, denunciado à Procuradoria Geral da República, cujo o procurador titular é o senhor Roberto Gurgel, que engavetou as investigações, não deu publicidade à sociedade brasileira, porque trata a coisa pública como privada e por isso, sem qualquer complexo de culpa, recusa-se a dar satisfações de o porquê de ele segurar em suas gavetas as denúncias contra Demóstenes desde o ano de 2009.

Gurgel deveria ser chamado às falas, ou seja, ser objeto de investigação por parte do Congresso Nacional, bem como investigado pelos seus colegas promotores públicos, por meio da corregedoria de sua classe profissional, além de ser questionado prontamente pela OAB. Em vez de atuar na Procuradoria Geral de forma republicana, Gurgel protege aliados, porque, de forma inconveniente e impertinente, este procurador resolveu, tal qual os ministros do STF, Gilmar Mendes e Marco Aurélio de Mello, fazer oposição ao Governo Federal.

Por se omitir e prevaricar, o procurador geral da República está com uma bomba de efeito retardado nas mãos. Ele tem de dar satisfação à sociedade, afinal o Gurgel é funcionário público de grande importância e relevância para a estabilidade política e jurídica da Nação. Se tal autoridade tiver culpa, terá de ser punida exemplarmente e com isso aprender que o Brasil não é a casa da mãe Joana, conforme pensa a nossa elite financeira que aposta na confusão e na baixa estima da população para angariar vantagem. Quem pensa assim está muito enganado.

O sistema democrático brasileiro amadureceu, falta apenas as autoridades, as que cometem equívocos imperdoáveis, serem punidas, afastadas de seus cargos e até mesmo, se for provado que cometeram crimes e delitos, serem expulsas de suas corporações a bem do serviço público. Pelo que se percebe das denúncias publicadas na imprensa, Demóstenes se aliou a uma quadrilha e dessa forma obtia lucros e dividendos financeiros e políticos.
Gurgel: chamá-lo às falas

O senador goiano paladino das boas causas e intenções para imprensa de oposição, na verdade, conforme investigações da PF, cometeu crimes, e graves. Para a PF, Demóstenes tem ligações com Carlos Augusto Ramos, o contraventor Carlinhos Cachoeira, desde o ano de 2006. Relatórios assinados pelo delegado Deuselino Valadares dos Santos, ex-chefe da Delegacia de Repressão a Crimes Financeiros da PF em Goiânia, revelam que o senador que se mostrava ao público como um homem repleto de virtudes e de moral ilibadíssima tinha direito a 30% da arrecadação total do esquema de jogo clandestino, que, de acordo com a polícia, atingiu quantia da ordem de R$ 170 milhões nos últimos seis anos.

Demóstenes Torres ainda peca por outra questão que, aí, sim, torna-se, irremediavelmente, ainda mais moral. O político, além de ser formado em Direito, é promotor do Ministério Público de Goiás, bem como procurador geral do mesmo órgão. Além disso, pasmem caros leitores, o senador do DEM goiano foi secretário de Segurança Pública entre os anos 1999 e 2002, no governo do tucano Marconi Perillo. Conclusão: Demóstenes jamais poderá alegar que não conhece as leis.

Pelo contrário, por ser um homem que estudou leis e ocupou cargos de confiança da sociedade (promotor, secretário de Segurança e senador), o político, se comprovado seu envolvimento com graves erros que maculam o que é público e republicano, sua punição deveria servir de exemplo para que homens e mulheres que tratam da coisa pública não se sintam atraídos pelo crime para “conquistar” ascensão social, prestígio político e dinheiro.

O corrupto é, antes de tudo, um mentiroso, e quando uma autoridade mente para obter vantagens para si ou para o seu grupo, ela tem de ser, após investigações e devidas comprovações, afastada do serviço público, pois não pode mais exercer função pertinente ao Estado e ao governo. E o procurador Roberto Gurgel? Como foi, explicitamente, sua conduta e sua ação nesse escândalo? Quando vão chamá-lo para depor e dar satisfação, seja no âmbito da Corregedoria, do Congresso e da Justiça? Gurgel se recusou a dar entrevista à imprensa.

O Congresso, o Senado, o Ministério Público e a OAB tem de ir fundo neste caso. Os partidos da base do governo tem de lutar pela criação de uma CPI que investigue esses lamentáveis fatos em que se envolveu o falso moralista Demóstenes Torres. Até agora não se fez nada em relação ao livro “A privataria tucana”, de Amaury Ribeiro Júnior, que se baseia em mais de uma centena de documentos e denuncia a influência e o envolvimento de gente do governo do ex-presidente neoliberal FHC, que vendeu o que não construiu e que não pertencia aos tucanos e, sim, ao povo brasileiro.

O que há com o governo trabalhista da presidenta Dilma Rousseff, que não determina que suas lideranças no Legislativo recolham assinaturas para efetivar a instalação da CPI da Privataria e da CPI do Demóstenes, o falso moralista? Por que o Governo trabalhista não reage e deixe de ser saco de pancadas da oposição de direita e da imprensa golpista, comercial e privada? O senador Demóstenes e  o procurador Gurgel, como diria, de forma arrogante, o juiz e ministro de oposição do STF aos governos trabalhistas, Gilmar Mendes, tem de ser chamados às falas. É isso aí.

3 comentários:

Marcelo Migliaccio disse...

E onde entra o Policarpo?

Davis Ribeiro de Sena Filho disse...

O Policarpo, da Veja, a revista porcaria, entra nas gravações da PF quando os policiais gravaram o Carlinhos Cachoeira e o senador Demóstenes. A Veja está quieta, em suspense, ainda estupefata, mas não se preocupe que a revista porcaria logo, logo vai reagir e começar a acusar terceiros, manipular os fatos e até mesmo mentir, coisa que ela já fez muitas vezes. Lembra-se do Diogo Mainardi? Quando o bicho pegou e ele deixou de ser réu primário, fugiu para a Itália e de lá fica a falar insanidades na Globo News, mas não pode ser detido. É por aí. É este o atual jornalismo da grande imprensa: o jornalismo de esgoto, e que se dane os leitores, ainda mais que a midia não é regulamentada apesar da Cosntituição.

Sacaneator disse...

DEVOLUÇÃO DOS INGRESSOS
Diante da péssima campanha do timinho no Brasileirão de 1998, a diretoria da H.V.A. descobriu um modo infalível de levar os sofredores ao Maracanã pra apoiar os mulambos. Aproveitou a partida contra a Portuguesa-SP e, achando a vitória garantida, prometeu devolver o dinheiro do ingresso caso seu timeco perdesse o jogo. Pois foi exatamente o que aconteceu. O Urubu tomou de 3 X 2 da Lusa e pagou o micaço de ter que devolver a grana da burro-negada. A sorte deles foi que, já prevendo o fiasco, fizeram uma promoção de arquibancadas a R$ 2,00 e cadeiras a R$ 3,00. Assim, a grana que eles viram voar embora foi menor. Grande mesmo foi esse mico histórico.