Google+ Badge

terça-feira, 7 de julho de 2015

Aécio sucateou a Educação, desempregou 71 mil e não convocou os concursados — Eis o legado do tucano!

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre


Todo mundo sabe, até as pessoas mais alienadas ou politicamente reacionárias, que o choque de gestão imposto a Minas Gerais por dois governadores tucanos e neoliberais deixou setores como o da Saúde e o da Educação naquele Estado praticamente em regime falimentar. A resumir: em 12 anos de desmandos em suas administrações, os governadores Aécio Neves, Antônio Anastasia e Alberto Pinto Coelho (PP) arrombaram os cofres do Governo mineiro, e, para piorar as coisas que iam de mal a pior, deixaram uma herança maldita para o governador Fernando Pimentel (PT), que aos poucos está tentando arrumar a casa bagunçada.

Pimentel está a se virar para pagar as contas atrasadas ao funcionalismo e aos terceirizados da Educação, bem como tem de desarmar "granadas" e "bombas" de efeito retardado, como, por exemplo, a famigerada Lei Complementar nº 100, que prejudica 80 mil servidores da Educação, sendo que milhares de pessoas que fizeram concursos para o setor ainda não foram chamadas, porque a Lei 100 regularizou profissionais que assumiram cargos por nomeações, o que, sobremaneira, prejudicou os concursados, porque até agora a maioria deles não conseguiu ainda ser chamada para assumir seus postos de trabalho.

E por que o governador não os conduz a seus cargos? Porque ele ainda precisa resolver a questão dos 80 mil funcionários que perderão seus empregos, o que dá um impacto muito grande, afinal de contas ainda há espaço para outra pergunta: "Quantas famílias e seus membros dependem desses empregos?" Resposta: "Milhares!" Então desempregar não é tão simples assim. Além disso, a Lei 100, de 2007, é fruto da irresponsabilidade do ex-governador Aécio Neves, e, com efeito, foi considerada inconstitucional pelo STF, que, desde o dia 1º de janeiro deste ano, decidiu que os servidores nomeados sem concurso terão de deixar seus cargos.

Oitenta mil pessoas desempregadas somente no setor de Educação. Uma realidade triste e preocupante, mas, sobretudo, indelevelmente de perfil e caráter tucano. O PSDB é pródigo em três coisas: 1) desempregar e não criar empregos; 2) entregar o patrimônio público e não investir o dinheiro da venda na infraestrutura do Brasil e no desenvolvimento de seu povo; e 3) apostar em golpe para tentar derrubar presidentes constituídos e eleitos legalmente pelo povo brasileiro.

Este é o PSDB neoliberal de Aécio Neves, aquele que está a dar uma de Capriles, e viaja à Venezuela para fomentar arruaça naquela nação para criar factoides, uma forma de política baixa cujo propósito é atacar o Governo Dilma, além de questionar a política externa independente do Brasil, a partir do Governo Lula. Contudo, político que defende os interesses do status quo não tem jeito, e sempre tentará colocar obstáculos para que a maioria dos brasileiros e mineiros não tenha seus direitos assegurados, porque a equação que este grupo político conservador desenvolve sempre tem um resultado desfavorável ao povo, ou seja, aos trabalhadores.

Após sancionar a fatídica Lei Complementar nº 100, Aécio Neves se tornou um político rejeitado pelos servidores da Educação, além de detestado por outras categorias profissionais. O tucano que hoje faz uma campanha insidiosa e de conotação golpista em favor do impeachment de Dilma Rousseff, passou a enfrentar greves constantes dos profissionais da Educação, bem como seus sucessores, Antonio Anastasia e Alberto Pinto Coelho. Nada desses fatos a imprensa burguesa de Minas repercutiu. Pelo contrário, censurou ou manipulou as realidades.

Para que tenhamos uma ideia melhor da irresponsabilidade e do estrago criado pelos tucanos mineiros, já foram demitidos 71 mil servidores este ano dos 80 mil que foram investidos nos cargos. Eles acreditaram que suas carreiras teriam estabilidade, palavra mágica usada matreiramente por Aécio Neves, porque iludiu dezenas de milhares de pessoas, que hoje amargam o desemprego. Como assim iludidos, camarada? Exatamente, enganados, pois receberam, em 2011, uma carta enviada pelas secretárias da Educação, Ana Lúcia Almeida Gazzola, e do Planejamento e Gestão, Renata Vilhena.

A carta tratava de garantir e reafirmar suas estabilidades pela Lei 100, o que se mostrou, posteriormente, com a demissão de mais de 70 mil deles, que tal carta dos mandatários tucanos era mentira, fraude e farsa. A verdade é que 71 mil servidores foram enganados pelos governantes do PSDB. Ponto. E quem tem de resolver essa herança maldita e que denota a total irresponsabilidade dos tucanos neoliberais e privatistas é o governador Fernando Pimentel.

Contudo, a crise na Educação mineira não acaba apenas nessas questões. O Estado de Minas Gerais ficou 13 anos sem realizar concurso público para docente de universidade, ou seja, quase o tempo do PSDB no poder. Ao falar com o professor e pesquisador, com doutorado em Literatura Brasileira, Constantino Luz de Medeiros, aprovado e homologado no concurso de provas e títulos da Universidade Estadual de Montes Claros, ele me disse que são 500 professores de todo o Brasil aprovados e que até hoje não conseguiram ser chamados para assumir seus cargos.

Disse-me ainda que os concursados "estão todos desesperados", porque sabem que o Governo de Minas vai ter de resolver a questão dos mais de 70 mil servidores que foram demitidos, porque nomeados de forma inconstitucional pelos mandatários tucanos, que ficaram 12 anos no Palácio da Liberdade e entregaram o Governo a Fernando Pimentel com os cofres combalidos, além de o petista ter de enfrentar incontáveis crises com as diferentes categorias de servidores públicos, a somar ainda dívidas gigantescas com os fornecedores e prestadores de serviços ao Governo mineiro.

Agora vamos à pergunta teimosa, aquela que se recusa a calar: Por que Aécio sancionou tal lei e seus sucessores continuaram a se apoiar nela? Respondo: A Lei Complementar nº 100 faz parte de acordo entre o Ministério da Previdência e o Governo de Minas Gerais para que a administração de Aécio Neves recebesse o certificado de regularização previdenciária — CRP. O documento é essencial para que as unidades da Federação recebam os recursos do Governo Federal, e, consequentemente, possam ser autorizadas a receber empréstimos de bancos internacionais.


Eis o choque de gestão tão propalado e elogiado pelos direitistas neoliberais, que para terem seus interesses realizados atropelam até mesmo o povo brasileiro e os trabalhadores. Inexistem no dicionário desses caras, da tucanagem, as palavras povo e Brasil. Se duvida, cara pálida, preste atenção quando um tucano de poder e mando fala nos meios de comunicação dos magnatas bilionários. Eles, os emplumados, nunca usam ou se lembram dessas duas palavras tão essenciais para quem pensa no Brasil e respeita o povo brasileiro. A brasilidade dessa gente é tão fértil quanto às terras estéreis ou às águas poluídas.

Aproveitam-se da cumplicidade e do apoio ora irrestrito da imprensa corporativa e familiar, tão golpista como Aécio Neves, José Aníbal, Ronaldo Caiado, Carlos Sampaio, Agripino Maia, Cássio Cunha Lima, Jair Bolsonaro, Aloysio Nunes Ferreira, Roberto Freire, Álvaro Dias, e, estupidamente, Fernando Henrique Cardoso — o Neoliberal I —, um ex-presidente da República que, no mínimo, deveria sentir vergonha por apregoar um golpe contra a presidenta eleita legitimamente, a se submeter às regras do jogo democrático e que jamais incorreu em crimes de responsabilidade ou malfeitos.

Os professores de Minas Gerais, das creches ao ensino universitário, bem como os servidores da Educação em seus inúmeros ofícios, cargos e funções, por intermédio de seus sindicatos, denunciam os desmandos dos governos tucanos, com Aécio Neves à frente. O que o político do PSDB fez é digno de investigação e suas contas deveriam há muito tempo serem julgadas e denunciadas pelo TCE, Ministério Público de Minas, Assembleia Legislativa e até mesmo por órgãos federais, pois o acordo entre o Ministério da Previdência e o Governo mineiro para ter acesso ao CRP tem de ser, evidentemente, avaliado e verificado.

Entretanto, há um problema: no Brasil, tucanos e magnatas bilionários de imprensa são inimputáveis. Eles o são realmente protegidos pelo establishment — exemplificados, por exemplo, em setores direitistas do MP, do Judiciário (juízes Sérgio Moro, Joaquim Barbosa, Gilmar Mendes, delegados da PF aecistas, imprensa de mercado etc.). E os brasileiros são tratados como perfeitos idiotas, até mesmo os que são realmente idiotas.

Aécio sucateou a Educação, desempregou 71 mil servidores e não convocou os concursados. Eis o choque de ordem tucano! Eis seu legado! E quer o impeachment de Dilma. É o máximo da hipocrisia! Não sei por que tudo isto acontece, se vivemos sob a égide da mesma Constituição e do mesmo Código Penal. Talvez seja uma questão de bico... É isso aí. Todo mundo sabe, até as pessoas mais alienadas ou politicamente reacionárias, que o choque de gestão imposto a Minas Gerais por dois governadores tucanos e neoliberais deixou setores como o da Saúde e o da Educação naquele Estado praticamente em regime falimentar.

A resumir: em 12 anos de desmandos em suas administrações, os governadores Aécio Neves, Antônio Anastasia e Alberto Pinto Coelho (PP) arrombaram os cofres do Governo mineiro, e, para piorar as coisas que iam de mal a pior, deixaram uma herança maldita para o governador Fernando Pimentel (PT), que aos poucos está tentando arrumar a casa bagunçada.

Pimentel está a se virar para pagar as contas atrasadas ao funcionalismo e aos terceirizados da Educação, bem como tem de desarmar "granadas" e "bombas" de efeito retardado, como, por exemplo, a famigerada Lei Complementar nº 100, que prejudica 80 mil servidores da Educação, sendo que milhares de pessoas que fizeram concursos para o setor ainda não foram chamadas, porque a Lei 100 regularizou profissionais que assumiram cargos por nomeações, o que, sobremaneira, prejudicou os concursados, porque até agora a maioria deles não conseguiu ainda ser chamada para assumir seus postos de trabalho.

E por que o governador não os conduz a seus cargos? Porque ele ainda precisa resolver a questão dos 80 mil funcionários que perderão seus empregos, o que dá um impacto muito grande, afinal de contas ainda há espaço para outra pergunta: "Quantas famílias e seus membros dependem desses empregos?" Resposta: "Milhares!" Então desempregar não é tão simples assim. Além disso, a Lei 100, de 2007, é fruto da irresponsabilidade do ex-governador Aécio Neves, e, com efeito, foi considerada inconstitucional pelo STF, que, desde o dia 1º de janeiro deste ano, decidiu que os servidores nomeados sem concurso terão de deixar seus cargos.

Oitenta mil pessoas desempregadas somente no setor de Educação. Uma realidade triste e preocupante, mas, sobretudo, indelevelmente de perfil e caráter tucano. O PSDB é pródigo em três coisas: 1) desempregar e não criar empregos; 2) entregar o patrimônio público e não investir o dinheiro da venda na infraestrutura do Brasil e no desenvolvimento de seu povo; e 3) apostar em golpe para tentar derrubar presidentes constituídos e eleitos legalmente pelo povo brasileiro.

Este é o PSDB neoliberal de Aécio Neves, aquele que está a dar uma de Capriles, e viaja à Venezuela para fomentar arruaça naquela nação para criar factoides, uma forma de política baixa cujo propósito é atacar o Governo Dilma, além de questionar a política externa independente do Brasil, a partir do Governo Lula. Contudo, político que defende os interesses do status quo não tem jeito, e sempre tentará colocar obstáculos para que a maioria dos brasileiros e mineiros não tenha seus direitos assegurados, porque a equação que este grupo político conservador desenvolve sempre tem um resultado desfavorável ao povo, ou seja, aos trabalhadores.

Após sancionar a fatídica Lei Complementar nº 100, Aécio Neves se tornou um político rejeitado pelos servidores da Educação, além de detestado por outras categorias profissionais. O tucano que hoje faz uma campanha insidiosa e de conotação golpista em favor do impeachment de Dilma Rousseff, passou a enfrentar greves constantes dos profissionais da Educação, bem como seus sucessores, Antonio Anastasia e Alberto Pinto Coelho. Nada desses fatos a imprensa burguesa de Minas repercutiu. Pelo contrário, censurou ou manipulou as realidades.

Para que tenhamos uma ideia melhor da irresponsabilidade e do estrago criado pelos tucanos mineiros, já foram demitidos 71 mil servidores este ano dos 80 mil que foram investidos nos cargos. Eles acreditaram que suas carreiras teriam estabilidade, palavra mágica usada matreiramente por Aécio Neves, porque iludiu dezenas de milhares de pessoas, que hoje amargam o desemprego. Como assim iludidos, camarada? Exatamente, enganados, pois receberam, em 2011, uma carta enviada pelas secretárias da Educação, Ana Lúcia Almeida Gazzola, e do Planejamento e Gestão, Renata Vilhena.

A carta tratava de garantir e reafirmar suas estabilidades pela Lei 100, o que se mostrou, posteriormente, com a demissão de mais de 70 mil deles, que tal carta dos mandatários tucanos era mentira, fraude e farsa. A verdade é que 71 mil servidores foram enganados pelos governantes do PSDB. Ponto. E quem tem de resolver essa herança maldita e que denota a total irresponsabilidade dos tucanos neoliberais e privatistas é o governador Fernando Pimentel.

Contudo, a crise na Educação mineira não acaba apenas nessas questões. O Estado de Minas Gerais ficou 13 anos sem realizar concurso público para docente de universidade, ou seja, quase o tempo do PSDB no poder. Ao falar com o professor e pesquisador, com doutorado em Literatura Brasileira, Constantino Luz de Medeiros, aprovado e homologado no concurso de provas e títulos da Universidade Estadual de Montes Claros, ele me disse que são 500 professores de todo o Brasil aprovados e que até hoje não conseguiram ser chamados para assumir seus cargos.

Disse-me ainda que os concursados "estão todos desesperados", porque sabem que o Governo de Minas vai ter de resolver a questão dos mais de 70 mil servidores que foram demitidos, porque nomeados de forma inconstitucional pelos mandatários tucanos, que ficaram 12 anos no Palácio da Liberdade e entregaram o Governo a Fernando Pimentel com os cofres combalidos, além de o petista ter de enfrentar incontáveis crises com as diferentes categorias de servidores públicos, a somar ainda dívidas gigantescas com os fornecedores e prestadores de serviços ao Governo mineiro.

Agora vamos à pergunta teimosa, aquela que se recusa a calar: Por que Aécio sancionou tal lei e seus sucessores continuaram a se apoiar nela? Respondo: A Lei Complementar nº 100 faz parte de acordo entre o Ministério da Previdência e o Governo de Minas Gerais para que a administração de Aécio Neves recebesse o certificado de regularização previdenciária — CRP. O documento é essencial para que as unidades da Federação recebam os recursos do Governo Federal, e, consequentemente, possam ser autorizadas a receber empréstimos de bancos internacionais.

Eis o choque de gestão tão propalado e elogiado pelos direitistas neoliberais, que para terem seus interesses realizados atropelam até mesmo o povo brasileiro e os trabalhadores. Inexistem no dicionário desses caras, da tucanagem, as palavras povo e Brasil. Se duvida, cara pálida, preste atenção quando um tucano de poder e mando fala nos meios de comunicação dos magnatas bilionários. Eles, os emplumados, nunca usam ou se lembram dessas duas palavras tão essenciais para quem pensa no Brasil e respeita o povo brasileiro. A brasilidade dessa gente é tão fértil quanto às terras estéreis ou às águas poluídas.

Aproveitam-se da cumplicidade e do apoio ora irrestrito da imprensa corporativa e familiar, tão golpista como Aécio Neves, José Aníbal, Ronaldo Caiado, Carlos Sampaio, Agripino Maia, Cássio Cunha Lima, Jair Bolsonaro, Aloysio Nunes Ferreira, Roberto Freire, Álvaro Dias, e, estupidamente, Fernando Henrique Cardoso — o Neoliberal I —, um ex-presidente da República que, no mínimo, deveria sentir vergonha por apregoar um golpe contra a presidenta eleita legitimamente, a se submeter às regras do jogo democrático e que jamais incorreu em crimes de responsabilidade ou malfeitos.

Os professores de Minas Gerais, das creches ao ensino universitário, bem como os servidores da Educação em seus inúmeros ofícios, cargos e funções, por intermédio de seus sindicatos, denunciam os desmandos dos governos tucanos, com Aécio Neves à frente. O que o político do PSDB fez é digno de investigação e suas contas deveriam há muito tempo serem julgadas e denunciadas pelo TCE, Ministério Público de Minas, Assembleia Legislativa e até mesmo por órgãos federais, pois o acordo entre o Ministério da Previdência e o Governo mineiro para ter acesso ao CRP tem de ser, evidentemente, avaliado e verificado.

Entretanto, há um problema: no Brasil, tucanos e magnatas bilionários de imprensa são inimputáveis. Eles o são realmente protegidos pelo establishment — exemplificados, por exemplo, em setores direitistas do MP, do Judiciário (juízes Sérgio Moro, Joaquim Barbosa, Gilmar Mendes, delegados da PF aecistas, imprensa de mercado etc.). E os brasileiros são tratados como perfeitos idiotas, até mesmo os que são realmente idiotas. Aécio sucateou a Educação, desempregou 71 mil servidores e não convocou os concursados. Eis o choque de ordem tucano! Eis seu legado! E quer o impeachment de Dilma. É o máximo da hipocrisia! Não sei por que tudo isto acontece, se vivemos sob a égide da mesma Constituição e do mesmo Código Penal. Talvez seja uma questão de bico... É isso aí.

Leia abaixo:

ENTREVISTA – Constantino Luz de Medeiros/Doutor em Teoria Literária e Literatura Comparada pela USP

Davis Sena Filho — A Lei Complementar 100 é como se fosse um golpe, uma farsa dos tucanos em relação aos mais de 70 mil servidores nomeados de forma inconstitucional?

Constantino Luz de Medeiros — Sim, isso mesmo, um golpe, uma farsa que deixou milhares de pessoas, quase todas da área da Educação, em situação precária. Hoje em dia, muitos não tem mais força para prestar concursos, e estão ainda longe da aposentadoria, de modo que estão sofrendo as consequências dessa lei espúria, considerada inconstitucional em 2014 pelo plenário do STF. Na época, essa lei surgiu como uma forma do Estado fazer caixa. O Estado estava sob a tutela do PSDB, e prometeu a essas pessoas a estabilidade em cargo público sem concurso. O Governo Estadual de Minas Gerais viu-se diante de um impasse: como eram designados não poderiam ser aposentados pela previdência do Estado, mas como contribuíram por anos para a previdência não podiam ser abandonados, simplesmente.

DSF — A bagunça no setor público mineiro nos tempos de Aécio Neves e companhia, especificamente na Educação, prejudica a nomeação de concursados aprovados?

CLM — Exato. O problema está agora nas mãos do governador Fernando Pimentel, que herdou, por assim dizer, do PSDB, mais esse "presente" de grego. Assim como na UEMG, (Universidade Estadual de Minas Gerais), a Universidade Estadual de Montes Claros tem grande porcentagem de seus docentes em cargos precários, seja como "efetivados", "designados" ou "Lei 100". Tem muita gente que não acredita que a posse e a nomeação vão ocorrer, porque há anos estão simplesmente deixando toda essa gente sem concurso nos cargos. Mas, vamos torcer para que o governador Fernando Pimentel resolva ambos os lados dessa "herança maldita" que o PSDB deixou, arrumando, de alguma forma, a vida dos "Lei 100" e nomeando e dando posse a quem passou nos concursos, já que é assim que reza a lei e que deve regir o Estado de Direito.

DSF — Aécio Neves, mais do que seus sucessores aliados e do PSDB, é o maior responsável pela crise econômica e institucional em Minas?

CLM — O caos na Educação é resultado direto do tal "Choque de Gestão" de Aécio, que penalizou milhares de trabalhadores da Educação do Estado de Minas Gerais. Esperamos que o atual governo do PT, na gestão do Pimentel, que tem se pautado pelo diálogo, possa realmente encontrar uma solução para essas pessoas que foram massacradas moralmente por anos, em razão dessa manobra do Aécio e do PSDB, mas que também cumpra a Constituição e dê a nomeação e posse o mais rapidamente para nós, os professores que foram aprovados e homologados no Concurso de Provas e Títulos da Universidade Estadual de Montes Claros.

Carta das ex-secretárias da Educação e do Planejamento do Governo Aécio Neves aos servidores nomeados "definitivamente", sem concurso público e atualmente demitidos.



22 comentários:

Jorge Marcelo disse...

Davis, assim como a popularidade da Dilma, a audiência do seu blog está cada vez mais minguada. Até o ano passado, havia pelo menos oito ou nove alienados que comentavam as suas sandices aqui. Agora só tem o Henrique com o control C + control V dele e olhe lá. E o Dunga, heim?! Excelente campanha na Copa América.

Lembrando da asneira que você escreveu no último dia 21 de julho de 2014:

Engana-se aquele que acredita ser o Dunga apenas um treinador. Ele foi reconduzido a cargo e função tão importantes por se tratar de um profissional que não vai tergiversar quanto a seus objetivos, de sua comissão técnica, da CBF e principalmente no que tange à relação com a imprensa burguesa, que, tal qual acontece no que é relativo à política nacional, insiste em pautar a Seleção Brasileira, porque a finalidade é apenas fazer dela um produto vendável e que gere lucros bilionários, como os que as Organizações(?) Globo obtiveram, agora, na Copa do Mundo de 2014.

Davis Sena Filho disse...

Jorge Marcelo, você é mal educado. Asno é seu progenitor. Você seja um homem e não um moleque, porque você pode não concordar comigo, mas modere seu linguajar de gente não propícia ao debate e de caráter autoritário. Então pare de ler meus artigos. Ninguém te obriga. Sugiro que procure ler textos de pessoas que coadunam com suas idéias, se é que você as tem. Mas me ofender, não. Sou autor de centenas e centenas de artigos e você vem com um parágrafo de um texto sobre a Seleção. Seu problema é a ausência de respeito pelos outros, ainda mais quando se trata de alguém que não pensa como você. Pare de acessar o meu blog, crie um pra você e escreva o que você pensa e defende. Seria mais digno.

Jorge Marcelo disse...

Bateu o desespero, né, Sena Filho??!! Kkkkkkkkk. O que a falta de audiência não faz com um blogueiro. "Nobre articulista", acho que você nunca ouviu o ditado "quem fala que quer ouve o que não quer". Você ofende a honra de muitas pessoas em seu blog. Pelo simples fato de não compactuarem com o governo corrupto da presidenta que o remunera mensalmente. Casos de Sérgio Moro e Joaquim Barbosa. Você usa o seu blog para difamar colegas de profissão. Casos de Merval Pereira e diversos outros profissionais da grande imprensa. Comento aqui porque não concordo com a sua postura agressiva. Apenas isso. Não o conheço, não tenho nada contra você, mas acho que você deveria repensar a forma com que coloca as palavras. O fato de ela ser livre não lhe dá o direito de usá-la como bem entende. Saudações

Davis Sena Filho disse...

Jorge Marcelo, sou um jornalista profissional de política , de esquerda, com cerca de 30 anos de carreira, sendo que 22 anos trabalhei em Brasília, no Congresso, na Esplanada dos Ministérios e nos jornais grandes e pequenos, impressos e televisivos. Portanto, sei com quem estou a lidar. A minha luta começa nos bastidores da política, do jornalismo e trato com gente que talvez você não conheça, pois, ao que parece, és apenas um leitor de perfil conservador. Isto não lhe dá o direito de me atacar pessoalmente. Eu escrevo profissionalmente e me exponho oficialmente, pois escrevo em dezenas de blogs e sites, grandes e pequenos, e quem se sentir ofendido pode recorrer à Justiça. Encerro o assunto. Não vou mais me reportar a você. Contudo, não aceitarei de sua parte ofensas pessoais em meu pequeno blog, mas conhecido no meu meio.

Marcos Lúcio disse...

Davis, para variar, seu texto é irretocável, denunciador com reflexão e lógica...e realista. Quanto aos cães sarnentos que ladram, esqueça-os, ou delete-os, pois sua caravana sempre passa.

Quanto ao aecim, que Deus nos livre, pois não foi, não é e não será "flor branca que se cheire" rs...compartilho este texto que julgo oportuno.Abraço.

“Presidente da república” e “oposição ao Brasil”: a lição dos atos falhos de Aécio. Por Kiko Nogueira

O teatro que o PSDB está fazendo em torno do impeachment, dizendo que não trabalha para isso enquanto conspira abertamente, é talvez a página mais abjeta da história do partido.


Na convenção, no último domingo, Fernando Henrique Cardoso, triunfal, afirmou que o PSDB “está pronto para assumir”. Mais: “Nunca como antes se roubou tanto neste país”.

Ora, para além da conversa fiada lacerdista, o “nunca como antes”, segundo o próprio ex-presidente, precisa incluir seu próprio governo. É uma confissão de um homem que, na melhor das hipóteses, se atrapalhou com as palavras, ainda que tenha vivido delas.

O diabo mora nos detalhes e Aécio Neves cometeu o ato falho do ano numa entrevista a uma rádio gaúcha. Comentando a entrevista de Dilma à Folha, Aécio insistiu na defesa de que não pratica golpismo. “Nosso papel é agir com responsabilidade, garantir que nossas instituições, em todas as suas instancias, ajam com independência”, disse.

“Felizmente para a presidente, quem está na oposição somos nós, que temos agido com absoluta responsabilidade”, continuou o organizador de uma viagem absolutamente sem sentido à Venezuela com mais sete colegas.

E então a deixa: “O que nós dissemos na nossa convenção, que me reelegeu presidente da república, é que o PSDB é um partido pronto para qualquer que seja a saída”.

Presidente da república.

A obsessão cala tão fundo em Aécio que ele não achou que fosse o caso de sequer corrigir mais adiante. A tese de seu grupo tem sido a do afastamento de Dilma e de Temer. Com isso, haveria uma nova eleição em noventa dias com ele como o candidato mais provável dos tucanos.

A ideia de inflamar a própria militância e engordar as ruas para os próximos protestos — existe um marcado para o dia 16 de agosto —, apostando na instabilidade, não é nova. No que o PSDB se transformou? Num outro lapso, desta vez à Rádio Itatiaia, Aécio de novo resumiu: “O PSDB é o maior partido de oposição ao Brasil”.

Se tudo sair conforme esse script, daqui a 50 anos um mea culpa resolve.


Rapa Capa disse...

Jorge Marcelo é um ama for, sem noção alguma fo que acontece nos bastidores e quer se bater com um jornalista de conhecimento e categoria profissional de Davis Sena Filho, que há décadas milita na política, é ideológico, profundamente humanista e conhece a história do Brasil e dos partidos políticos. O pior das pessoas é quando elas não enxergam a si próprias. Jorge Marcelo é a ignorância em estado bruto.

Rapa Capa disse...

Corrigindo: *um amador

Bento Lisboa disse...

Hahahahaha! Jorge Mentecapto Coxinha Marcelo, o Ogro, que fica enchendo o saco em tudo que é site progressista. Um imbecil completo, que, mesmo não pensando como o articulista deste maravilhoso blog, no qual esse traste humano, contraditoriamente, é o seu mais fiel leitor, poderia pelo menos aprender alguma coisa, pois o Davis Sena Filho é sem sombra de dúvida um homem culto e que repassa conhecimento independentemente de sua ideologia e opção partidária. Jorge Marcelo, recolha-se a sua insignificância e deixe de ser um filhotinho de Mussolini burro. Babaquara! AH, já ia esquecendo: que papo é esse de meia dúzia de leitores, JM idiota? Observe os aplicativos do Facebook e twitter e veja quantas pessoas acessaram o blog do Davis. Você, além de iditota, Jorge Marcelo, é mentiroso. AH, já ia esquecendo novamente: este artigo é de excelência, porque não se trata apenas de um artigo. Trata-se de uma reportagem de denúncia de um tucano sem vergonha, corrupto e bêbado. A reportagem ainda tem uma entrevista com um doutor da USP que prestou concurso em Minas e a imagem de um documento do governo desse Aecin playboy irresponsável e golpista que garantia a estabilidade de funcionários nomeados sem concurso. Apenas 80 mil. Só isso. E aí vem esse babaca do Jorge Marcelo, um reaça, um coxinha rola-bosta falar merda e ainda acha que disse grande coisa. Não dá, né? A matéria do articulista é irretocável, informativa e corajosa.

Paulo Blanc disse...

A verdade é que o Davis Sena Filho é um dos mais prestigiados jornalistas e articulistas da blogosfera progressista. E é isto o que importa. Leitores cretinos como o babaca que vive aqui falando merda vivem chafurdando no analfabetismo político e no reacionarismo pseudo-fascista próprios de falastrões medíocres como esse Jorge Marcelo. kkkkkkkk

Magda Magalhães disse...

Jorge Marcelo é invejoso e medíocre. Davis Sena Filho é talentoso, humanista e inteligente. Ponto final.
Pra que discussão? Todo mundo sabe disso.

Merdoval Podreira - Colunista safado do Grobo disse...

Ih, esse Jorge Marcelo é um reaça idiota que lê e acredita na grande imprensa golpista de merda.
Ele é um coxinha analfabeto político que lê minhas colunas dignas de um pateta golpista.
Recomendo pra ninguém levar esse beócio a sério.
Assinado: Merdoval Podreira - Colunista safado do Grobo

Henrique R disse...

Entre outras coisas, a convivência política, a consciência política implica em defender a diversidade para que se tenha muito mais intercâmbio humano e tolerância à divergência.
Até mesmo, para quem não sabe, a moderação do linguajar é uma questão de educação.

Tudo implica em mais integridade de consciência do cidadão.

Por que eu vou deixar prevalecer quem nunca é e nunca quis o progresso do país?

Por que eu vou ter medo de um aecio que não tem virtude nenhuma?

Por que eu vou acreditar num padrão político – da nossa(?) direita conservadora – que não conhece o Brasil e os brasileiros – só sabem ser subservientes e em se locupletarem em detrimento do povo brasileiro?

Que virtude há numa direita golpista possuidora de um critério moral fascista, preconceituosa, golpista, mal educada e entreguista?

Que integridade de consciência possui um senador que dirige bêbado?

Minha consciência ainda é a inclusão social, o Brasil fora do mapa da fome e respeitado mundialmente.

Agora, se isto for golpe, aí, então, chamem o aecio juntamente com suas ovelhas burras e ignorantes.

Não sou vira-latas – o Brasil é minha casa e ainda bem que temos verdadeiros jornalistas profissionais como o grande Davis, a quem eu agradeço muito o espaço democrático e cidadão do seu blog.

Anônimo disse...

O Jorge Marcelo é tão infeliz, tão deslocado e tão insuportável, que até os familiares, certamente o desprezam (baratas têm mais utilidade do que ele).O pobre coitado quer chamar a atenção, nem que seja pelo ridículo, pelo patético.O problema psicológico dele é tão sério, que ele diz desprezar o que ele mais preza, ou seja, é o mais fiel leitor do Davis. Freud explica. Ah!...coitado...O importante é que o Davis continua sendo o melhor e mais capacitado e mais lúcido jornalista (e blogueiro) deste país. O zé ruela jorginho marcelinho é menos que nada.

Jorge Marcelo disse...

Cala a boca Madga!

Jorge Marcelo disse...

Um dos mais desprestigiados, vide comentários no último post dele no Brasil 247. Quer que eu cole aqui? Kkkkk

Jorge Marcelo disse...

Aí, Davis, o seu faniquito deu resultado. Seus oito leitores reapareceram...kkkkk

Jorge Marcelo disse...

Com certeza. Vide a fidelidade de seus oito leitores que andavam sumidos daqui.

Magda disse...

Cala a boca, machista canalha!

Horácio Peralta disse...

Cara, como você é burro. Cara, tu és burro de mais! O articulista é mais lido do que qualquer articulista do Brasil 247, seja ele famoso ou não; poderoso ou não. Os que xingam o articulista são pessoas como você: leitores da grande mídia golpista e direitista. Pequenos burgueses fascistas e que sempre traíram e odiaram o Brasil. Jorge Marcelo, você é um completo jumento. PS: Peço desculpas por ofender os jumentos.

João Paulo Ferreira de Assis disse...

Prezado Davis

Interessante é que os tucanos querem derrubar a Dilma por causa das pedaladas fiscais. O tal do déficit zero anunciado com pompa e circunstância pelo Jornal Nacional foi desmascarado pelo economista e na época Prefeito do Rio de Janeiro, Sr. César Maia. Ora César Maia sabia do que estava falando. O déficit zero foi uma pedalada fiscal.
No caso de Pasadena, se tiver havido erro, foi involuntário. O Conselho se baseou em informações que estariam erradas. Não houve dolo. No caso da Lei 100, houve dolo, porque Aécio sancionou-a sabendo de sua inconstitucionalidade, e errou sabendo que estava errado. Então qual a conduta mais grave?

Davis Sena Filho disse...

Prezado João Paulo, boa lembrança e comparação. É verdade.

Anônimo disse...

Do Senador que dirige bebado:

- “PSDB é o principal partido de oposição ao Brasil”

- e que o seu partido o reelegeu “presidente da República”

Respeito ao povo brasileiro o Senador que dirige bebado não tem!?

Henrique