Google+ Badge

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Direita aprova contrarreforma política cujo objetivo é derrotar Lula em 2018

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre



O presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha, apesar de ainda ter cabelos, está careca de saber que o financiamento privado é o maior responsável, dentre os inúmeros responsáveis, pela corrupção comum e institucionalizada, a ter os empresários e suas empresas como os agentes principais dessa promiscuidade, que acarreta escândalos, serve de holofotes e manchetes para a velha imprensa vender seus produtos, bem como põe para baixo a autoestima do povo brasileiro.

Os deputados do “baixo clero” são a maioria. Conservadores, patrimonialistas, aliados de Eduardo Cunha e contrários a mudanças, como a de se estabelecer o financiamento público como única prática de financiamento para as eleições. Eles querem o financiamento privado, o desejo de as eleições serem também bancadas pelo empresariado e não somente pelo setor público, ou seja, por todos os brasileiros que pagam impostos. Eleições fiscalizadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), além dos Tribunais Regionais Eleitorais (TRE).

O Brasil, o seu povo e principalmente os deputados perderam uma rara oportunidade de se livrar dos cabrestos e currais eleitorais que vicejam no interior e também nas capitais do País, principalmente nos bairros das periferias, nas comunidades pobres e nos morros de favelas. Uma oportunidade ímpar de limpar a política brasileira, em uma assepsia que, se não fosse total, cooperaria muito para que grande parte da corrupção que causa prejuízos morais, financeiros e econômicos ao País fosse realmente combatida e debelada.

Contudo, a vida é como ele é..., já dizia Nelson Rodrigues, bem como a maioria dos políticos que aprovou o financiamento privado de campanhas eleitorais não bate prego em estopa. Eles não tem compromisso com o País, mas, sim, com as corporações privadas donas do establishment. São políticos medíocres, que se recusam a pensar o Brasil, porque o que importa a esses parlamentares é defender e preservar seus projetos pessoais, seus grupos políticos e econômicos, pois que se dane o resto, ou seja, a sociedade.

Inacreditável, a Câmara dos Deputados estar nas mãos de um político do calibre de Eduardo Cunha, homem reconhecidamente vinculado aos interesses das grandes corporações midiáticas privadas e de setores empresariais que não querem, de forma alguma, que aconteçam mudanças no País. Amarraram o Brasil, como se ele fosse gado a ser derrubado e manietado, como ocorre nos rodeios, e deixaram o povo brasileiro a ver navios.

Combateram qualquer possibilidade de plebiscito ou referendo para que a Nação decidisse sobre a reforma política. Porta-vozes da oposição na imprensa de mercado, setores atrasados do Judiciário e membros de partidos conservadores desde o início se mostraram contrários à possibilidade de o povo decidir seu destino e futuro. Disseminaram afirmativas ridículas, matreiras e mentirosas para escamotear a verdade e dizer que plebiscito ou referendo seria a “venezuelização” do sistema político, que faria o Brasil se tornar bolivariano.

Uma trapaça de gente mequetrefe, desajuizada e que deseja manter as coisas como estão, ou seja, o status quo — a ferro e fogo. Fizeram uma reforma política com a cara da direita golpista, racista, sectária e violenta. A reforma dos bem-nascidos e nutridos, dos que podem e sempre puderam mais. 

A reforma é intencionalmente contra a reeleição de Lula e a oficialização, pura e simples, de que os empresários podem e devem comprar os partidos e os políticos. Direito de compra reconhecido em firma, aos moldes cartoriais, por intermédio do Congresso, a Casa das Leis, que ora se torna uma casa de negócios privados, porque simplesmente comercial. O Legislativo é a ex-casa do povo, pois se transformou, definitivamente, na casa do empresariado e dos trustes nacionais e internacionais.

Deram fim à reeleição, porque sabem que 2018 haverá eleição presidencial, e ficar mais quatro anos sem controlar o Governo Federal seria para a direita como se estivesse no purgatório, prestes a entrar no inferno. Se Lula vencer, o PT vai completar 20 anos no poder. Com a reeleição, seriam 24 anos. E o PT ainda tem força para isso, apesar do céu cinzento, principalmente após os protestos, a partir de junho de 2013, nitidamente desprovidos de pautas de reivindicações, mas, sobretudo, a norteá-los a sabotagem à Copa de 2014 e a queda de Dilma Rousseff. Quem não se lembra do bordão dos coxinhas paneleiros, nas ruas e redes sociais? “Não vai ter Copa!”

Como o candidato petista pode ser o Lula, certamente que haverá chance de o ex-presidente vencer, apesar do processo desditoso e terrível de desqualificação, criminalização e desconstrução do PT, dos governos Lula e Dilma e dos avanços sociais e econômicos efetivados pelos governos trabalhistas, a ter como mote principal da direita brasileira o não reconhecimento sistemático dessas conquistas por parte do povo brasileiro.  

Esse processo dantesco de desconstrução e criminalização de partidos trabalhistas e de seus líderes é sintomático quando a direita não se conforma de ficar sem controlar o poder por algum tempo, como ocorreu no período Getúlio Vargas, bem como não permitiu que seu herdeiro político, João Goulart, não governasse ao perceber que seu projeto de governo era nacionalista, desenvolvimentista e distributivista, ou seja, visava a independência e a autonomia do Brasil, além de prever a emancipação do povo brasileiro. E emancipação se faz com educação, moradia, emprego, renda e acesso ao mercado de consumo. Do contrário, os grilhões das correntes mantém o povo no cativeiro, a lembrar, recorrentemente, a escravidão.

A reforma política do senhor Eduardo Cunha é uma reforma às avessas, o retrocesso político em toda sua essência e o atraso social em toda sua plenitude. De caráter centralizador e cartorial, tal reforma não é reforma, porque se trata de uma contrarreforma aos avanços defendidos por setores progressistas da sociedade brasileira, bem como apoiada por órgãos e entidades, instituições públicas e privadas, que consideraram a proibição ao financiamento privado das campanhas eleitorais um avanço, no que concerne ao combate à corrupção, que é epidêmica no Brasil e em muitos países, inclusive muitos deles desenvolvidos.

Vale ressaltar ainda a parceria entre Eduardo Cunha e o condestável juiz do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes —, a herança maldita do ex-presidente tucano, Fernando Henrique Cardoso — o Neoliberal I. O magistrado, partidário da oposição e ideologicamente de direita, segurou a votação sobre itens da reforma política ao pedir vista do processo, que ficou engavetado há mais de um ano por vontade de tal juiz, que há muito tempo faz oposição política aos governos trabalhistas de Lula e de Dilma, bem como, sem sombra de dúvida, tornou-se a âncora da oposição e das mídias privadas quando elas precisam de aliados de seus interesses no Judiciário.

O placar da votação era de 6 a 1. Gilmar ao perceber a derrota, congelou o processo e esperou Eduardo Cunha assumir a Presidência da Câmara, porque, além de aliado, estava a defender causas como o fim da reeleição, a efetivação do distritão e da permissão de empresários continuarem a financiar as campanhas eleitorais.

São estes os três pontos principais, de vários que foram votados. Este juiz é realmente a herança maldita que o ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso — o Neoliberal I — deixou para o Brasil, além das tentativas frustradas e ridículas de aprovar um impeachment contra uma mandatária que venceu as eleições de forma limpa e democrática, sem incorrer em crimes de responsabilidade.

Nunca vi os senhores Eduardo Cunha e Gilmar Mendes agirem ou procederem a favor dos interesses republicanos, da independência do Brasil e da emancipação de seu povo. Realmente, nunca os vi nos papéis de porta-vozes de causas justas. Deve ser a vocação, nata, para pensar como fazer o mal, e, consequentemente, pavimentar a estrada do atraso e do retrocesso. Tem gente que nasce assim, e que, no decorrer do tempo, aumenta o tamanho de seu baú de malvadezas, bem como se torna mestre em manusear as ferramentas políticas e jurídicas que assegurem, indefinidamente, o status quo à Casa Grande.

Então, vejamos: quais são os motivos de os empregados jornalistas dos magnatas bilionários de imprensa defender o financiamento privado de campanhas eleitorais, se eles mesmos veiculam, irradiam e publicam matérias jornalísticas, que comprovam ser o financiamento empresarial e, portanto, privado, o maior responsável pela corrupção nos setores públicos?

E por que um juiz, com a experiência de Gilmar Mendes, resolve fazer um ato de desrespeito aos interesses da sociedade organizada, que deixou claro e evidente que é contra o financiamento privado de campanhas eleitorais? Afinal, o magistrado pediu vistas do processo e nunca mais o devolveu, pois, sobretudo, seu comportamento foi uma ação política.

Quanto ao deputado Eduardo Cunha, compreende-se seus atos, apesar de não se aprovar sua conduta perante a reforma política. Cunha sempre foi parceiro dos interesses de empreiteiros e dos barões de imprensa, porque, antes de tudo, sempre foi ligado ao grande empresariado, desde quando entrou na política, na década de 1990.

Mesmo a demonstrar força, Cunha perdeu votações da reforma, a exemplo do distritão, da transformação de eleições para deputados e vereadores em majoritárias, das listas fechadas e pré-ordenadas, além de o voto distrital misto ficar somente na intenção. Apesar do apoio da maioria, o mandatário do Legislativo sabe que os políticos, mesmos os seus aliados, não se prejudicariam, porque colocariam em risco as próprias sobrevivências políticas.

O político pode fazer composições, apoiar causas e governos, fazer oposição, abandonar e trair acordos ou mudar de ideologia. Pode até mudar de lado e de partido. Contudo, jamais o político vai se suicidar politicamente, ou seja, concordar com casuísmos e sectarismos dentro dos partidos, que tem por finalidade privilegiar os “donos” das legendas, das agremiações partidárias, com poder de mando para determinar quem vai ser escolhido e apoiado para receber votos e ser eleito.

Esse processo antidemocrático aconteceria, independente se, por exemplo, o “escolhido” tenha menos votos do que o seu concorrente de legenda, a transformar assim o partido em um clube do Bolinha. Ninguém aceita, até porque o eleitor não vai ter seu voto validado, porque os partidos e seus donos resolveram escolher quem vai ser eleito, de preferência se tiver o apoio e a aquiescência do grupo empresarial que o financia. Seria quase como uma eleição de cartas marcadas.

Obviamente que essa regra não foi aceita pela maioria dos parlamentares, muitos deles de oposição ao Governo de Dilma Rousseff e ao PT. Ser enforcado é uma coisa. Se enforcar é outra. A autofagia não consta nos propósitos da luta política. Há uma grande diferença. E os políticos não estão dispostos a se enforcar, ou seja, enfraquecer-se politicamente em prol de outros, que podem tomar os seus lugares. Eis a questão primordial.

Contudo, os parlamentares que aprovaram a continuação do financiamento privado (causa maior da corrupção), o fim da reeleição, sistema aprovado nos tempos do tucano FHC, que é acusado até hoje de ter comprado os votos de parlamentares, tem realmente o objetivo de derrotar eleitoralmente o PT, e, principalmente, o ex-presidente trabalhista Luiz Inácio Lula da Silva. Só em pensar na volta de Lula, a direita brasileira, uma das mais perversas do mundo, fica assombrada.

Não ter o controle das políticas públicas, do orçamento federal e da diplomacia a cargo do Itamaraty, realmente mexe com os sentimentos mais infames da Casa Grande. O tempo passa, e 2018 vem aí — a galope. Vamos ver se a contrarreforma da direita partidária apoiada pelos magnatas bilionários de imprensa e seus empregados vai ajudá-la a derrotar o PT e seu hipotético candidato — o Lula. É isso aí.

5 comentários:

Anônimo disse...

Há quanto tempo os deputados comandados por edu CUnha separam-se da democracia, do povo que os colocou lá, naquela sodomia?
A democracia que edu Cunha pratica é quase toda ela voltada contra a sociedade.
A camarazinha do edu Cunha só se preocupa com o progresso particular – a sociedade brasileira é só um detalhezinho.
Quantos descumprimentos de palavra ainda teremos em detrimento do povo brasileiro?

Henrique

Anônimo disse...

Os políticos brasileiros estão conseguindo desconstruir a democracia.
E hoje os nossos parlamentares estão conseguindo se desvincular da sociedade brasileira.
O elo democrático “congresso nacional/câmaras estaduais e municipais + sociedade” acabou.
A impunidade que os políticos chamam de “imunidade parlamentar” os tornam onipotentes, onipresentes e outros ‘onideuses’, agindo somente em nome deles, sem respeito à sociedade que os colocou lá naquela sodomia política de Brasília, na farra das câmaras estaduais e na festa das câmaras municipais.

Henrique

Henrique R disse...

O edu CUnha é investigado por corrupção na Petrobrás.

E daí!?

É notório que ele vai se aliar até com o capeta para salvar seu ra.., ops, pescoço.

Tudo em nome do "senhor".

Henrique

Anônimo disse...

Mauro Pires de Amorim.
Acredito que o problema do exercício do poder político no Brasil não seja mudado, alterado com meras modificações de formatação legais-administrativas imediatistas e marqueteiras.
A mudança passa pela origem e intenção de se atingir o poder político, portanto uma questão de ética desse exercício e isso vem de raiz, tanto dos candidatos, bem como de onde se originam e ganham prestígio, seus partidos políticos.
Mas a verdade é que ao longo da história brasileira, o poder político sempre foi exercido em causa e interesse próprio do grupo ou grupos que se encontram no poder. Sendo o alcance do poder o objetivo para esse fim. A conquista do Estado. Ranço autocrata de base, raiz da nossa política e partidos políticos.
Portanto, o Brasil pode ser monarquia absolutista, república, democracia, ditadura, presidencialista, parlamentarista. Não importando a forma de organização e sistema político, que a mentalidade da conquista do Estado para o uso autocrata lá estará a reger as decisões. Nossos políticos e partidos políticos não são estudiosos, pensadores, são doutrinados.
A diferença entre pensadores e doutrinadores e doutrinados é que pensadores estudam, refletem, dialogam com a ética na função fim que exercem e porque exercem e doutrinadores e doutrinados não admitem contestação, vez que doutrinas são discursos de mão única e não diálogos e portanto doutrinas são verdades absolutas que se forem questionadas não possuem argumentos que lhes traga à razão, luz, lógica e censo de equilíbrio, fazendo com que as doutrinas e doutrinadores desabem e percam as estribeiras da razão.
O exercício do poder político no Brasil perdeu o controle, a luz, a razão e a esbórnia da farra com o dinheiro público, patrimônio público e exercício do poder mais uma vez se instaurou, como em outros governos e regimes ocorreu o mesmo em tempos antigos e recentes da história.
Portanto o Brasil tem 515 anos e no fundo, a mentalidade governante é a mesma, sendo esse governo e partido nada mais nada menos é do que um clone de outros do presente e do passado, não sendo melhor nem pior, mas mostrando a mesma vocação de empurrar com a barriga enquanto faz o marketing do falso heroísmo messiânico de salvadores e salvadoras da pátria. O culto à personalidade individual. O cara e a cara.
Ao longo da história da humanidade, em tempos recentes e antigos, não se obteve sucesso com cultos à personalidade.
Governantes que perceberam isso, estudando, raciocinando, trabalhando com a realidade administrativa, econômica, social, obtiveram sucesso e sabiam que sozinhos não fariam nada. Pois dependiam do consenso de toda sociedade e não apenas da cúpula, elite ou elites do exercício do poder, tal qual num clube fechado que toma decisões autocratas sem medir as consequências e permeio de suas decisões por toda sociedade e passo da história e levaram o exercício do poder a consequências terríveis para seus povos e outros povos.
Penso que o PT perde e perdeu uma grande oportunidade de se mostrar um partido preparado e maduro, mas pelo jeito, não passa de mais um partido político que não importa a sigla, pois isso é mera formalidade legal e marqueteira e tal qual os partidos, precisa tomar muita injeção de hormônio para amadurecer.
Felicidades e boas energias.

Marcos Lúcio disse...

Mais uma vez, como sempre, você não deixa pedra sobre pedra e expõe a verdade nua e crua, brilhantemente. Parabéns.Vou compartilhar este texto que considero bem oportuno.Abraço

“Hipócritas do PSDB e do DEM votaram em bloco a favor da corrupção”

De Jean Wyllys,

A força da grana suja e as tenebrosas transações venceram essa batalha, infelizmente.

Apesar de ter sido derrotado ontem, Cunha fez de tudo para conseguir o que queria. Atropelando o regimento interno da Câmara, os acordos feitos publicamente no plenário sobre a pauta de votações e a civilidade política mínima (que desde sua chegada ao Trono não existe mais), o presidente da Casa, que se acha imperador, colocou em votação pela segunda vez o financiamento empresarial de campanha, e dessa vez conseguiu. Um “segundo turno” para reverter o resultado do primeiro, mesmo que isso seja uma aberração institucional, porque já era matéria vencida.

E, por incrível que pareça, o placar da votação mudou. Quer dizer, deputados que ontem tinham votado NÃO à constitucionalização da corrupção, hoje votaram SIM. Por que será?

Os hipócritas do PSDB e do DEM, que gostam tanto de bater panela “contra os corruptos”, votaram em bloco a favor da corrupção institucionalizada. Porque o que foi aprovado é isso. Financiamento empresarial de partidos significa privatização da política para que as empresas, as corporações econômicas, o poder do dinheiro mande e desmande. Empresa não doa, faz investimento, e recebe em troca muito mais do que investiu. Não é por acaso que 255 dos atuais 513 deputados federais receberam para suas campanhas dinheiro das empreiteiras envolvidas na Operação Lava-Jato.

O Congresso deu as costas à população, mais uma vez, em defesa de obscuros interesses.

O financiamento empresarial da política prejudica sua vida cotidiana, porque quando o Estado serve aos interesses daqueles que pagaram as milionárias campanhas dos candidatos, os interesses do povo ficam relegados. E porque as enormes quantias de dinheiro que eles investem fazem com que seja muito difícil que os candidatos independentes do poder econômico (e, portanto, com campanhas pobres) se elejam.

Não deixemos essa aberração contra a democracia passar.

Proteste, reclame, mobilize-se, faça barulho, manifeste-se nas redes e nas ruas.

Diga não à contra-reforma de Cunha!