Google+ Badge

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Marisa Letícia é vítima em vida e morte do golpe, do ódio de classe da Justiça, a vergonha e vexame do Brasil

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre

imagem - uol notícias

O juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba e principal operador da Lava Jato, e o desembargador federal João Pedro Gebran Neto, do Tribunal Regional da 4ª Região, continuam com suas perseguições ferozes, sendo que o TRF-4 exerce o papel de blindar as decisões do juiz midiático e heróis dos coxinhas tresloucados, que apoiaram mais um golpe de estado na Banânia e se voltaram contra seus próprios direitos sociais, constitucionais, trabalhistas e previdenciários. Uma loucura digna para psiquiatra analisar e avaliar, bem como objeto de estudos acadêmicos.

Sérgio Moro, juiz de primeira instância, cometeu vários crimes, que foram apontados e definidos por vários colunistas em inúmeros veículos de comunicação, os tradicionais da velha imprensa de mercado e os que compõem uma gama enorme de sites e blogs na internet, bem como juristas respeitados, professores e doutores em Direito e até mesmo organizações internacionais, além da OAB, questionaram as ações arbitrárias, seletivas, parciais, partidárias do magistrado paranaense, sendo que algumas nitidamente injustas e arbitrárias, o que, certamente, levarão o juiz Moro a ser responsabilizado por seus crimes e ilegalidades.

Crimes que já foram denunciados incontáveis vezes pelos jornais, sites e blogs, assim como chamaram a atenção, inclusive, de inúmeros fóruns nacionais e internacionais, porque o que realmente se vivencia no Brasil é que o Poder Judiciário está hiperatrofiado e, com efeito, tomou para si o poder político e partidário, a significar que está a governar indevidamente no lugar dos políticos eleitos pelas urnas soberanas, cujos votos são as procurações para que o eleito governe em nome da população.  

A verdade é que os procuradores e juízes, com o apoio do braço repressor e armado, a Polícia Federal, estão a criar jurisprudências próprias, conforme os réus e suas posições no arcabouço político e partidário brasileiro. É inacreditável, mas o juiz Sérgio Moro, juntamente com os operadores da Lava Jato, dentre inúmeros crimes e arbitrariedades que cometeu, porque de ordem pública e notória, cito as gravações ilegais em mictórios de presos e as de conversas realizadas no escritório dos advogados de Lula.

Isto mesmo, Moro e procuradores mandaram a Polícia Federal gravar, de forma ilegal, diálogos de advogados, que são protegidos por lei, pois o interesse era saber o que a defesa de Lula estava a organizar para defender seu cliente. Tal ação de caráter fascista é um tapa na cara do Estado de Direito praticado por servidores públicos da Justiça e do MPF. Só no Brasil do golpe e dos golpistas tais crimes podem ser cometidos e seus autores livres de punições e até mesmo de um simples puxão de orelha por parte dos órgãos fiscalizadores da Justiça e do Ministério Público.

Ainda ocorreram as gravações vazadas pela Lava Jato de dona Marisa Letícia com o Lula, os filhos e os amigos, de maneira que assuntos domésticos e comentários sobre a conjuntura brasileira fossem para as telas sujas do jornalismo medieval e de guerra da Globo, porque repercutidos pelos empregados da empresa monopolista dos Marinho, pois que associada aos membros da Lava Jato, que se vivessem em um país civilizado a esta hora estariam demitidos para o bem do serviço público, processados, julgados e muitos desses servidores seriam, evidentemente, presos.

Imagine, cara pálida, se um juiz dos EUA, ainda mais de primeira instância, vazasse as conversas entre o ex-presidente Barack Obama e o atual Donald Trump? Sem sombra de dúvida que seria imediatamente afastado e punido, sendo que certamente seria preso. E por que esses crimes de conspiração e violação de direitos e garantias constitucionais aconteceram? Respondo. Para impedir que o Lula fosse nomeado chefe da Casa Civil e, com efeito, tentar restabelecer a base do governo de Dilma no Congresso.

O juiz Moro para intervir na política e impedir que o Lula fosse ministro, porque imbuído de combatê-lo politicamente e preparar o terreno para retirá-lo da corrida presidencial de 2018, vazou criminosamente os diálogos entre uma presidente no poder com um ex-presidente, pois o objetivo era impedir a reação do governo trabalhista contra o golpe do impeachment, que já estava a ser posto em prática por uma quadrilha chefiada pelo ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB), atualmente a exercer o "cargo" de presidiário.

A trama ardilosa dos covardes e sociopatas contou com a participação especial do vice-presidente traidor e quiçá o homem mais indigno produzido pelo Brasil, que responde pela alcunha de *mi-shell temer (PMDB), a ter ainda o irresponsável e incendiário, senador Aécio Neves (PSDB), que por duas vezes escapou da cadeia graças à pusilanimidade e à cumplicidade do STF, como importante comparsa para que o golpe de terceiro mundo fosse concretizado.

O apoio velado e tácito do STF ao tradicional golpismo da casa grande, pelo fato de a Corte ser a base de sustentação do golpe de estado bananeiro, que derrubou do poder a presidente reeleita e legítima, Dilma Rousseff, que recebeu dos brasileiros 54,5 milhões de votos, que foram de forma infame e sórdida invalidados por uma cambada de cafajestes que hoje desmontam o estado nacional, retiram direitos e garantias dos trabalhadores e extinguem dezenas de programas sociais de inclusão social.

O resultado de tamanha irresponsabilidade e infâmia do desgoverno que transformou o Palácio do Planalto em covil de chacais por quadrilheiros que usurparam o poder central acarretou o recrudescimento da violência no País, que explodiu, bem como a miséria voltasse a ressurgir com força, após imenso esforço governamental dos governos Lula e Dilma, cuja FAO, antes do golpe terceiro-mundista, reconhecer oficialmente que a fome no Brasil praticamente estava abolida até o ano de 2015. A FAO reconheceu que o Brasil saiu do mapa da fome nos governos trabalhistas do PT. Com o descalabro do desgoverno *temer, a fome está novamente presente.

O golpe bananeiro e cucaracha que colocou no poder central bandidos de toda monta e espécie também teve a finalidade de enfraquecer a governança da mandatária legítima e constitucional, a fortalecer o processo de deposição da presidente de esquerda, por intermédio das mídias de negócios privados e do Congresso e do próprio Judiciário, além de demonizar a imagem das duas principais lideranças do PT perante o público, principalmente o de classe média, altamente conservador, reacionário, colonizado e irremediavelmente manipulável. E assim foi feito.

O resultado dessa mixórdia e bagunça generalizadas com a cumplicidade e a aquiescência do STF e da PGR foi a comoção gerada pelo Juiz Sérgio Moro junto aos coxinhas celerados, que odiaram profundamente a pequena ascensão social de milhões de brasileiros pobres. Tal realidade causou profundo e amplo ódio aos 30% da sociedade deste País desigual, injusto e violento que sempre, em todos os tempos da história do Brasil sempre tiveram acesso ao Estado, à educação, à saúde, aos empregos e rendas, ao lazer e entretenimento, ao patrimônio e ao consumo. Coxinhas jamais se preocuparam com a corrupção. Ponto.

Tanto é verdade que o sujeito traidor e golpista, que responde pela alcunha de *mi-shell temer está a usurpar o poder, bem como os coxinhas estão quietos em suas casas, a serem cúmplices e copartícipes dessa bandalheira toda, com direito, inclusive, a ver o Brasil extinguir os programas de inclusão social e a entregar seu patrimônio público e suas riquezas naturais, em um feirão criminoso, pois de lesa-pátria e que no futuro poderá deixar o desenvolvimento social e econômico do País em xeque. E os coxinhas irresponsáveis a verem novelas e a sonhar com viagens a Miami. Durma-se com um barulho desse...

Todo brasileiro e brasileira sabe e compreende, a despeito de suas crenças e opiniões políticas e partidárias, se apoiou e participou do golpe de estado de 2016 ou não, que a Justiça deste País colonizado e de terceiro-mundo é a vergonha e o vexame do Brasil. Todo mundo sabe, até mesmo os coxinhas de almas destrutivas e com baixíssima estima percebem que a Justiça é o alicerce principal da construção do golpe bananeiro da casa grande, que se consolidará com o impedimento de Lula ser candidato a presidente ou ser preso mesmo sem quaisquer culpas de ter cometido os crimes a ele imputados. Isto é literal.

Contudo, não basta aos juízes e procuradores esculacharem a democracia, o Estado de Direito e a Constituição. É necessário a esses senhores doutores e pretensiosamente fidalgos, que vivem em um mundo muito distante das necessidades e das realidades do povo brasileiro, tripudiar aqueles que eles consideram como inimigos políticos, além de tratá-los como réus sem direito à presunção da inocência e ao amplo direito de defesa, conforme rezam a Constituição e os Códigos Civil e Penal.

Entretanto, o Brasil de hoje está submetido a um regime de exceção, cujos responsáveis pelo arremedo de democracia e pela dissolução do Estado Democrático de Direito são os garantidores do golpe de Estado de 2016, que ora se encontra inacabado, pois completar-se-á somente com o impedimento do ex-presidente Lula de concorrer às eleições de 2018.

Os garantidores do golpe são o STF, a PGR (MPF), a PF e a Lava Jato, que implantaram um estado policial no Brasil e retaliam todos setores e segmentos democráticos e que defendem as liberdades civis, a exemplo das universidades, que estão à mercê de atos violentos perpetrados por agentes de estado armados e que, apesar do tempo traduzido em décadas, voltaram a exercer a repressão, a censura, a arbitrariedade e a violência dos tempos dos gorilas da repressão ocorrida no Brasil de 1964 a 1985.

Não tem jeito. As décadas passam, realiza-se uma Constituinte e se promulga a Constituição mais libertária e democrática de todos os tempos, a ser uma das mais completas e progressistas do mundo, mas anos depois, por causa de um golpe de terceiro mundo ocorrido em 2016, ressurge com força a cadela do fascismo na Presidência da República, nos ministérios, no Congresso, no Judiciário, no MPF e na PF e em amplos setores da sociedade civil, em uma onda reacionária e conservadora sem precedentes, de forma não somente aniquilar o patrimônio público estatal, assim como retirar direitos, garantias e benefícios do povo brasileiro, sendo que muitos deles conquistados há cerca de 60 e 70 anos.

Juízes, delegados e procuradores, oriundos da classe média coxinha, que reagiram com fúria à ascensão dos pobres e à luta pela independência e soberania do Brasil, até porque se eles estivessem preocupados com a corrupção, com a moral e com os bons costumes, os golpistas, que estão a ocupar o poder ilegalmente, já estariam mortos ou depostos. A verdade é que os togados e meganhas se juntaram aos interesses da iniciativa privada nacional, bem como se submeteram aos desejos dos governos dos países colonizadores e dos trustes internacionais.

Os togados e meganhas simplesmente são servidores públicos antinacionais, antidemocráticos, antipopulares e demonstraram sem dúvidas, a cada dia que passou nos últimos três anos, que têm lado, ideologia, preferências partidárias, o que, sobremaneira, hiperatrofiou a Justiça, o MPF e a PF, além de assegurarem que a quadrilha que tomou de assalto a Presidência da República continue no poder e a fazer todo tipo de cafajestada para que o Brasil fique à mercê de retrocesso político, econômico e moral, de forma que retornemos à condição de uma sociedade similar às do início do século XX e do século XIX, apesar de toda tecnologia do ano de 2017 do século XXI.

E o que tudo isto tem a ver com a dona Marisa Letícia? Respondo: Tem, e muito. Quando o TRF-4, o mesmo que politicamente e arbitrariamente irá condenar o Lula sem provas em segunda instância, mas com a intenção de alijá-lo da disputa presidencial de 2018, resolve, do alto de seu autoritarismo negar o pedido do advogado de defesa do ex-mandatário, para que fosse declarada a absolvição sumária de sua esposa já falecida, nota-se, claramente, que a negativa tem o propósito leviano de disputa pelo poder por parte de alguns juízes.

O desembargador João Pedro Gebran Neto está a avisar que o Lula, o PT, seus aliados e os milhões de eleitores que votam no PT e no Lula, bem como tudo o que ele representa não importa ao Juízo e que, mesmo se o Lula tiver razão sobre o que pede à Justiça, manter a dúvida sobre a moral e a honra de dona Marisa Letícia é importante para manter a esquerda e as forças democráticas e progressistas sob a espada de Dâmocles.

Mantê-lo sob pressão, não lhe dar trégua, humilhá-lo e fazer com que Lula e sua família sejam considerados pessoas desonestas, que somente se locupletaram quando o político mais importante do Brasil, que lidera as pesquisas eleitorais a passos largos, estava no  poder se tornou uma obsessão e, mais do que isto, uma estratégia política diabólica, que tem por finalidade fazer com que o maior político da história do Brasil, a ter ao seu lado Getúlio Vargas como fenômeno político e eleitoral, não tenha condições de retornar o poder e, consequentemente, dar continuidade ao seu programa e projeto nacionalistas, cujas estratégias visam transformar o Brasil em uma Nação soberana, independente, autônoma, livre e democrática, com justiça social e igualdade de oportunidades.

E tudo isto é que os meganhas e togados coxinhas do MPF, da PF, do STF e da Vara do Moro não querem, pois, do contrário, terão de ver novamente pretos, pobres, nordestinos, índios, mulheres, gays e pessoas especiais terem de volta os espaços perdidos após o golpe de estado efetivado por uma escória que se alojou no Palácio do Planalto, a transformá-lo na casa da mãe Joana, porque tal escumalha associada aos diferentes setores da direita brasileira tem, indubitavelmente, o propósito de desmontar o pequeno estado de bem-estar social que foi edificado, a duras penas, no decorrer de um pouco mais de 13 anos.

Por isso que fustigar pessoas vinculadas e que militam na esquerda é essencial para os fascistas e os golpistas que se distribuem, atuam e agem em todos os segmentos e setores do Estado nacional, de forma que até as pessoas mortas, a exemplo de dona Marisa Letícia, tenham sua memória, honra e moral violadas por sabotadores da cidadania e do respeito a quem merece, como a esposa de Lula, que jamais participou de ilegalidades e malfeitos, como comprovam todos os autos dos processos.

Como sempre afirmo, a Justiça brasileira e, especialmente o STF, é a vergonha e o vexame do Brasil. Ninguém acredita e leva fé em juízes ímpios e que causam graves danos à Nação por causa de suas irresponsabilidades e por defenderem, doa a quem doer, o status quo da casa grande nacional e da plutocracia internacional. O Judiciário, o MPF e a PF se transformaram em guardas pretorianas do mercado financeiro internacional e dos trustes estrangeiros que estão a se esbaldar com as riquezas e os patrimônios do Brasil, que foram construídos no decorrer de gerações de brasileiros.

Essa gente não tem noção de nada, quanto mais de soberania e estratégias de desenvolvimento. Como pode uma coisa dessa? Só no Brasil que servidor público é privatista, mercantilista, antipatriótico e ainda odeia seu próprio povo, principalmente os servidores de alto escalão ou que estão a ocupar lugares de poder e mando.

É nítido como demonstram arrogância, prepotência e fazem questão de ostentar suas condições de classe social e de pessoas aptas a viver nos países considerados desenvolvidos, mas não em um republiqueta bananeira, que, por azar, eles nasceram. São patéticos e não têm compromisso algum com o País e os interesses do povo e dos trabalhadores, os maiores responsáveis, sem dúvida, pela construção do Estado nacional e pela geração de riquezas no Brasil. São realidades indiscutíveis, pois públicas e notórias.

Não permitir que dona Marisa Letícia seja sumariamente absolvida é ação absolutamente insensata e tóxica. Trata-se de covardia e perversidade inomináveis, porque de fundo político, ideológico e partidário. O desembargador João Pedro Gebran Neto considera que "a questão é absolutamente estéril" e "Se isso se dá na forma da absolvição sumária ou posteriormente, com a extinção da punibilidade, é irrelevante do ponto de vista material".

O juiz do TRF-4 que considerou a sentença injusta e politizada do juiz Sérgio Moro uma pérola de competência, mesmo sem ter provas contra o Lula, além de o próprio magistrado reconhecer na própria sentença condenatória assinada por ele que o "crime" do político do PT não ter sido comprovado, o que se torna algo surreal e de uma injustiça e imoralidade a toda prova. Gebran Neto considera para não atender o pedido da defesa de Lula, quanto à inocência de dona Marisa Letícia, que está garantida a extinção da punibilidade em caso de óbito e ficam preservados todos os atributos da presunção de inocência.
    
Se é assim e se "a questão é absolutamente estéril", assim como "irrelevante do ponto de vista material", como o disse o desembargador do TRF-4, então por que ele não atende o pedido dos advogados de Lula, "na forma de absolvição sumária?" Irrelevante é irrelevante, ou seja, não tem importância. Então por que manter a dúvida perante a sociedade sobre a conduta, a moral e a honestidade de dona Marisa Letícia? Repondo: política, partidarismo e preconceito de classe e ódio às políticas públicas e à diplomacia dos governos de Lula e de Dilma.

Por isto e tudo o mais que o valha serem o STF, a Justiça em geral, o MPF e a PF as vergonhas e os vexames institucionais e corporativos do Brasil. O povo aos poucos está a perceber a perseguição declarada e de caráter canino contra a esquerda, as forças progressistas e, principalmente, contra o Lula e o PT.


Todo mundo percebe e, o mais importante, compreende a perseguição e partidarismo sem precedentes. Não é à toa, doutores togados e meganhas, que o ex-presidente Lula lidera as pesquisas eleitorais depois de três anos de linchamento em praça pública, com grande participação da imprensa de mercado mais venal, corrupta e golpista do mundo ocidental. Liberdade e respeito à Marisa Letícia(!), mesmo a não estar mais de corpo presente entre nós. É isso aí.

Um comentário:

Maribel dias kroth disse...

Isso tudo é tão demoníaco que por mais que eu tente provar a verdadeira tragedia contra Lula e dona Marisa jamais alguém acreditaria, porque meus sonhos com Lula em 2014 avisando do Golpe e me pedindo ajuda porque só eu o poderia escuta-lo, e da mesma forma Dona Marisa me avisou em um sonho na hora da sua morte, e me pediu socorro porque estavam matando ela com injeções, eram por volta de duas horas e pouco da madrugada bem na hora que ela morreu pouco antes de ela ter a trombose nas pernas que culminou com sua vida, é muito triste para mim ter vivenciado situações tão trágicas e me sentir impotente diante delas e a unica coisa que consegui fazer foi chorar muito vendo o sofrimento do Lula por ver todas suas obras sendo desfeitas como um castelo de areia, e Dona Marisa foi uma experiencia sofrida porque apesar de morar bem próximo ao hospital onde ela estava eu não conseguiria convencer ninguém sobre o grito de socorro que ela me pediu