Google+ Badge

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Aécio se diz o “ético”, o “novo”, mas recorre ao discurso “mar de lama” do Corvo Carlos Lacerda

Por Davis Sena FilhoBlog Palavra Livre


Estava a pensar no assunto corrupção, e, por sua vez, nas declarações do candidato neoliberal e do PSDB, Aécio Neves. O tucano mineiro está em terceiro lugar na corrida presidencial. Desprovido de programa de Governo e projeto de País, recorre, malandramente, a temas como corrupção, o mote preferido dos conservadores desde os tempos da UDN de Carlos Lacerda, político radical de direita e conhecido também pela alcunha de o Corvo.


Aécio Neves se considera uma pessoa muito preocupada com a corrupção, a começar pelo Mensalão do PSDB, cujo protagonista é seu aliado, o ex-governador de Minas Gerais, o tucano Eduardo Azeredo. Além disso, o candidato a presidente dos tucanos e dos coxinhas que defendem os interesses dos ricos, sem, contudo, serem ricos, esquece que o publicitário Marcos Valério, o operador de mensalões e que ora se encontra preso é oriundo das fileiras do PSDB — o mineiro.


Contudo, Aécio Neves, senador de medíocre atuação no Senado, continua a seu bel-prazer a falar sobre corrupção, de forma que se alguma pessoa estiver em uma condição de desavisada, ou o é meramente alienada, embarca em seu discurso vazio e pouco inteligente, mas cheio de malícia e veneno.


Um discurso recorrente e mais velho do que andar para frente, mas que se tornou a única forma de a direita combater os trabalhistas e republicanos que estão no poder, assim como o fizeram nos tempos de Getúlio, JK e Jango. O velho e mofado discurso golpista e, com a proximidade das eleições, revigorado. Portanto, criminoso, porque sem veracidade — mentiroso, aos moldes udenistas e com o apoio obscurantista dos magnatas bilionários de imprensa de negócios privados e seus empregados de confiança, que são piores do que os patrões.


E por que isto acontece ciclicamente? Porque a direita, no caso o PSDB (DEM/PPS), não tem propostas concretas, que objetivam melhorar ainda mais as condições de vida do povo brasileiro, bem como superar o que o PT já fez nos últimos 12 anos, em termos sociais e econômicos. Ponto! A Casa Grande nunca fez e não quer fazer nada para o povo.


Historicamente sempre se comportou dessa maneira, restando-lhe apenas apelar para a velha acusação cretina e golpista exemplificada na mais do que batida frase udenista “Mar de lama”. A “lama” que — em conformidade com revistas, jornais oposicionistas e editorialmente conservadores, como a “Veja”, a “Folha” e “O Globo” — afunda o Governo Trabalhista, além da Petrobras, maior empresa da América Latina, uma das maiores petroleiras do mundo e que causa verdadeiro ódio à direita escravocrata do Brasil.


A Petrobras foi recuperada e hoje, além de explorar a imensidão do Pré-Sal, tem o apoio insofismável da indústria naval brasileira, atualmente a quarta maior do mundo, que, nos tempos do governo tucano e neoliberal de FHC foi à falência, a fazer com que o Brasil comprasse navios em Cingapura, empregasse os trabalhadores daquele País, ao invés de empregar o trabalhador brasileiro em suas terras, a fim de melhorar as condições de vida do dia a dia.


Logo a Petrobras que enche de orgulho a Nação, mas que causa ódio e desprezo à classe média e à burguesia, classes de perfis entreguistas e portadoras de um inenarrável e indescritível complexo de vira-lata, porque possuidoras de uma nostalgia de conotação colonial, pois inexplicável a admiração e a subalternidade que sentem pelas cortes estrangeiras, que dominam, de forma imperialista e colonial, suas mentes, seus caráteres, a retirar-lhes quaisquer sentimentos de brasilidade e autodeterminação. Total falta de amor próprio. Uma vergonhosa subserviência! “Elite” provinciana e complexada, com vocação para capataz, e, por conseguinte, para trair, como ocorreu em 1964.


Ataques infundados, sem quaisquer provas contra a Petrobras e acontecidos antes das eleições, com o indiscutível propósito de desconstruir a candidatura petista de Dilma Rousseff e desqualificar o Governo Trabalhista como gestor. O mesmo que recuperou a Petrobras, investiu pesados recursos em todos seus setores e segmentos, contratou milhares de trabalhadores por meio de concursos, bem como recuperou e construiu estaleiros, além de plataformas, similares à P-36, na época a maior plataforma de prospecção de petróleo do mundo e que foi afundada no Governo de FHC, aquele tucano que foi ao FMI três vezes, de joelhos, humilhado e com o pires nas mãos, porque quebrou o Brasil três vezes.


Agora a sociedade tem que suportar as gaiatices de Aécio Neves e seus títeres, a maldizer a Petrobras, a se aproveitar da cumplicidade da imprensa de mercado para repercutir mentiras e sandices do ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, sem quaisquer preocupações com a verdade e com a queda de ações de tão importante estatal.


Seu partido, o PSDB, agremiação que vendeu o Brasil, inclusive estatais estratégicas como a Telebras, a Embratel e a Vale do Rio Doce, quer a criação de uma CPI quando há poucos meses esvaziou a CPI da Petrobras, onde seus representantes faltaram a quase todas as sessões por saberem, no fundo, que as acusações não tinham quaisquer lastros de verdade. As acusações à Petrobras são eleitoreiras e visam atingir a candidata trabalhista Dilma Rousseff. É isso aí, e nada mais.


Seria cômico se não fosse trágica a petulância de um candidato que em Minas Gerais governou para os ricos em detrimento dos pobres e da classe média. Esta, coitada, ainda acredita que um dia vai ter as portas da burguesia franqueadas à sua presença. Ora bolas, tolo é aquele que acredita em ilusão. É o caso da pequena burguesia empregada dos ricos, com mania de grandeza, repleta de preconceitos e, sobretudo, sem o controle dos meios de produção. A classe metida que não tem aonde cair morta.


A Casa Grande sabe onde seu calo aperta. Sempre soube e por isto considera a Petrobras o símbolo da independência brasileira desde os tempos do estadista Getúlio Vargas e do movimento cívico e nacionalista “O Petróleo é Nosso!”, que derrotou os interesses da direita na época. A Veja — a Última Flor do Fáscio — é useira e vezeira em publicar matérias de conotação política e eleitoral. Seus associados de fakes jornalísticos, os jornais Folha de S. Paulo, Estadão, Correio Braziliense, Zero Hora e O Globo, repercutem a “reportagem” de sábado de Veja no domingo, a partir do programa global “Fantástico”.


Tal programa há muito tempo serve de plataforma política para que a imprensa-empresa na segunda-feira dê continuidade ao assunto, por intermédio do “Jornal Nacional” e seu congêneres indutores de um jornalismo roto, esfarrapado, manipulado e, se for o necessário, mentiroso. A verdade é que se colar, colou. É a estratégia já há muito tempo conhecida efetivada pelos áulicos do jornalismo de esgoto. Ou seja: repercutir ao máximo o desgaste político do governo ou de governantes ou autoridades.


Entretanto, se as acusações ou ilações não forem comprovadas, problema de quem foi citado ou atingido, porque o estrago, a desconstrução da imagem pessoal e institucional foi concretizada, como todos sabem e compreendem, explicar depois que “focinho de porco não é tomada” são outros quinhentos e problema de quem foi muitas vezes injustiçado.

 

Afinal quem manda os governos trabalhistas e democráticos de Dilma e de Lula não efetivarem o marco regulatório para os meios de comunicação. Quem manda não regulamentar a Constituição. Enquanto todos os setores da economia são regulados, o segmento midiático age e se conduz a seu bel-prazer, como quiser e bem entender, inclusive tentar dar golpes políticos diuturnamente, pois se tiver oportunidade de derrubar mais um presidente trabalhista, não se enganem, os magnatas bilionários de imprensa e seus feitores pagos regiamente o farão. Não se iludem. O passado dessa gente é a prova e a contraprova de suas “boas” intenções.


Aécio Neves incrivelmente acenou que vai se utilizar das declarações do preso pela Justiça, Paulo Roberto Costa, vazada pela revista “Veja”, cuja reportagem não prova e não comprova nada. Apenas ilações jogadas ao ar, como sempre as dissemina tal pasquim de péssima qualidade editorial, de extrema direita e que não tem o mínimo compromisso com a verdade, portanto, com os seus leitores, com o passar do tempo cada vez mais em números menores.


Como o programa da direita brasileira se resume a privatizar e a efetivar “medidas amargas” aos trabalhadores, estudantes e donas de casa e assim favorecer os jogadores do mercado financeiros e os rentistas, de acordo com anúncios dos privatistas neoliberais Eduardo Gianetti (Marina Silva) e Armínio Fraga (Aécio Neves), resta a Aécio Neves a opção de falar em corrupção, a ter como mote as matérias do sistema midiático privado contra o Governo Trabalhista.


Fazer o quê, né? Quem não trabalha a sério; quem não distribui renda e riqueza quando está no poder; quem não luta pela emancipação do povo e independência do Brasil tem mais que transformar em tábua de salvação a mentira, a falácia e a manipulação. Dessa forma que agem os partidos conservadores e a imprensa alienígena para angariar votos dos incautos, dos alienados, dos analfabetos políticos, ou simplesmente ter a confiança do eleitorado de direita.


A direita que aposta, por ideologia ou sentimento colonialista, em um País de joelhos, a reboque da União Europeia e dos Estados Unidos, como sempre aconteceu, antes de Lula e Dilma Rousseff conquistarem a Presidência da República. Somente nos governos de Getúlio Vargas e João Goulart houve também a efetivação de uma política externa independente e não alinhada aos países considerados desenvolvidos. A política externa implementada pelo Governo do PT, com certeza, é também um dos principais motivos do ódio e da intolerância da burguesia brasileira de alma colonizada.


Ao dar os trâmites por findos, pois sabedor que o tucano Aécio Neves não elaborou programas e projetos para apresentar ao povo brasileiro, por se tratar de um candidato programaticamente vazio, decidi por bem ajudá-lo em sua dura lida quixotesca contra a iniqüidade e os malfeitos humanos, ao tempo em que aproveito para apresentar mais alguns casos de “supostas” corrupções, porque espero que o candidato do PSDB exija com tenacidade e até mesmo ferocidade a resolução desses casos.


Então vamos lá: 1) Privataria Tucana; 2) Mensalão do PSDB; 3) Mensalão do DEM; 4) Lista de Furnas; 5) Trensalão de São Paulo; 6) Metrosalão de São Paulo; 7) Caso Banestado; 8) Vampiros da Saúde; 9) Banco Marka; 10) TRT de São Paulo; 11) Navalha na Carne; 12) Caso Sudan, 13) Anões do Orçamento, dentre muitos outros escândalos ocorridos em governos tucanos, que já foram citados, inclusive, pela imprensa da Casa Grande.


Como se observa, o tucano Aécio tem vários pratos cheios... E poderá, se assim lhe interessar ou prover, começar a encher a barriga e matar sua fome imensa de justiça. Só não pode bancar o paladino da Justiça, da moral, da ética e dos bons costumes somente contra seus adversários, porque os armários do PSDB estão repletos de esqueletos. Diga-se de passagem.


A verdade é que os governos que realmente combateram a corrupção foram os governos petistas de Lula e Dilma. E quem sabe disso? Respondo: a imprensa burguesa, que manipula a verdade; a Polícia Federal e o Ministério Público, além de alguns “agentes” que vazam processos e investigações, inclusive com sigilo de justiça, para a imprensa de mercado, como ocorre agora com as declarações do ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, à “Veja” (sempre ela), mas que oficialmente e institucionalmente não foram reconhecidas pelos MP e Polícia Federal.


Agora, vamos às perguntas que não querem calar: Quem vazou o inquérito do preso? Qual é o papel do ministro da Justiça, Eduardo Cardozo, cuja PF é subordinada a ele? Por que geralmente é a “Veja” — a Última Flor do Fáscio — que divulga tais reporcagens vazadas por servidores do Governo? Por que a direita tucana não apresenta propostas de governo e projeto de País para o povo brasileiro? Por que a direita se dedica a fofocas, trapaças, pilantragens, ao jornalismo bandido e à política de essência mequetrefe e rastaquera? Com a palavra, os interessados...


O tucano Aécio Neves se autodenonima o “ético”, o “novo”, mas recorre ao velho e ao superado discurso golpista “mar de lama” do corvo udenista Carlos Lacerda e de toda a direita brasileira através dos séculos. Apresenta seu programa ao povo, Aécio, e os compare com os do PT. É assim que se faz política. É isso aí.

8 comentários:

Anônimo disse...

Mauro pires de Amorim.
Tudo bem. O Aéreo Neves disse isso. E a Dilma e os Petecas. Esse é o espírito da politica brasileira. Fala sério! sinceramente falando pode ganhar a eleição quem for, mas até a Marina "Freiroca", não vão fazer porra nenhuma pela história, que não seja a história pessoal. Então toda essa turma tem a bunda suja e um fica falando mal do fed|ô alheio ao invés de crescerem mais amadurecidos e aprenderem a xingar menos para então aprenderem a fazer uma história melhor para o futuro. E saiba você, que ainda fazendo isso, cuidado com quem se associa, pois maluco e maluca para fazer merda e comprometer o futuro da pátria e país, o hospício está cheio. doidos e doidas para deixarem registrados seus recalques mal resolvidos nos anais da história. Então, deveriam primeiro a aprender a fazer história com a bunda limpa antes de virarem histéricos e histéricas de campanha.
Felicidades e boas energias.

Anônimo disse...

Mauro Pires de Amorim.
Entendeu qual é a molecagem da política? O tamanho do arrombamento partidário? com candidatos e candidatas feitos esses e essas, qualquer mongoloide vira imunidade governamental.
E o pior, o resto do planeta não é trouxa!
Felicidades e boas energias.

Simone Bennitolli disse...

Excelente, Davis Sena. Uma aula de compreensão sobre a direita e o ódio histórico dela em relação à Petrobras. Eles detestam o Brasil. Este fato é inquestionável. Parabéns. Você é um homem corajoso, de valor, e um intelectual de esquerda de grandeza ímpar.

Henrique Dias disse...

Com Aécio o Brasil quebra e entrega tudo para os Americanos.
Com Marina, que não tem cor, tem somente rancor é a mesma coisa.
O jeito é continuar com o PT.

Emanoel Messias disse...

Caramba! Algum parentesco com a Marina? Falou, falou, falou, e não disse nada!

Márvio disse...

Davis, lê-lo é uma obrigação para compreendermos melhor o Brasil.

Clara Marçal disse...

Prezado articulista Davis Sena Filho, seu artigo é brilhante, pois me brindou com esse estupendo parágrafo que é um raio-x da nossa burguesia, que você tão bem a chama de coxinha: "Logo a Petrobras que enche de orgulho a Nação, mas que causa ódio e desprezo à classe média e à burguesia, classes de perfis entreguistas e portadoras de um inenarrável e indescritível complexo de vira-lata, porque possuidoras de uma nostalgia de conotação colonial, pois inexplicável a admiração e a subalternidade que sentem pelas cortes estrangeiras, que dominam, de forma imperialista e colonial, suas mentes, seus caráteres, a retirar-lhes quaisquer sentimentos de brasilidade e autodeterminação. Total falta de amor próprio. Uma vergonhosa subserviência! "Elite" provinciana e complexada, com vocação para capataz, e, por conseguinte, para trair, como ocorreu em 1964". Meu prezado, você deu uma aula das mais completas sobre nossa sociedade de passado escravagista. Obrigado.

Anônimo disse...

Se Marina Silva não tem cor, ou é albina ou procure um oculista.
babalu