Google+ Badge

quarta-feira, 13 de julho de 2016

"Dilma pode manter Meirelles e Parente se derrotar o golpe" — Ela não sofre da Síndrome de Estocolmo

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre


A notícia, conforme o título deste artigo, foi repercutida pelo Correio Braziliense, um pasquim extremamente conservador e reacionário, cujos editoriais é de deixar qualquer um de cabelo em pé. Contudo, tal diário de direita, que controla a publicidade do GDF há décadas, bem como está envolvido com o golpe bananeiro e terceiro-mundista promovido por políticos da oposição demotucana e do PMDB, que pulou o muro, a exemplo de michel temer (o nome de tal peçonha é sempre escrito em minúsculo, conforme sua grandeza política, moral e citadina, ou seja, nenhuma), que tomou de assalto o poder acompanhado de sua malta.

Malfeitores golpistas que estão prestes a vender o que resta do patrimônio público brasileiro, além de que, evidentemente, suspenderão ou enfraquecerão de morte os programas de inclusão social, retirarão direitos trabalhistas, assim como congelarão (por 20 anos!) os investimentos em saúde e educação, porque o propósito é favorecer a iniciativa privada, no que é relativo a esses dois importantíssimos segmentos, a esvaziar o SUS e o ensino público, principalmente o universitário.

Trata-se de uma escória que tomou de assalto o País, sem votos, legitimidade e autoridade, que usurpou a Presidência da República, a implementar um projeto para o Brasil que foi quatro vezes derrotado nas urnas. michel temer age como se fosse um mandatário que conquistou o poder por intermédio de uma revolução popular, o que não é a realidade, pois se trata de um reles golpista, bem como demonstra disposição para desmontar o Estado nacional e, mais do que isto, acabar com o capitalismo brasileiro.

Tal realidade está a ocorrer, porque os grandes projetos industriais do Estado nacional em parceria com a iniciativa privada, como a indústria naval, a fabricação de submarinos nucleares, os estaleiros, além da indústria pesada da construção civil, estão a ser totalmente desmantelados e seus projetos congelados, porque a intenção é fazer do Brasil apenas um exportador de commodities, com seu mercado interno a importar e sem produzir nada de importante, além de aberto aos interesses comerciais de países poderosos como os Estados Unidos.

País yankee que sempre aposta em relações comerciais bilaterais, porque dessa forma se controla o comércio, impõe seus interesses e, com efeito, transforma seus parceiros em meros compradores de muambas, a garantir o emprego dos trabalhadores estrangeiros e não dos brasileiros, além de o Brasil ficar novamente em posição secundária, porque desprovido de protagonismo em âmbito mundial, como ocorre agora com o poderoso País de língua portuguesa, que está desmoralizado perante a comunidade internacional por causa do golpe de estado que derrubou criminosamente Dilma Rousseff do poder.

O Brasil perdeu rapidamente seu protagonismo por não ter credibilidade, sendo que a recuperação cívica e civilizatória do processo de rompimento constitucional e democrático é  muito demorada. A grande imprensa estrangeira considera o impeachment travestido de legal e legítimo como golpe, bem como mandatários importantes ainda não telefonaram para o usurpador do poder, o Amigo da Onça — vulgo michel temer —, o golpista aliado de um mafioso do naipe do deputado Eduardo Cunha, que, sorrateiro em sua infâmia, deseja governar como se também não estivesse implicado em escândalos de corrupção, como indicam as investigações da PF e as denúncias do MPF, apesar da blindagem de seu nome por parte da pior e mais corrupta imprensa de mercado do mundo, que é a imprensa dos magnatas bilionários deste País azarado, por ter em suas terras a casa grande mais perversa, racista, fascista, golpista e violenta do planeta.

Contudo, o que importa é dizer, mas longe de aconselhar, que se for verdade a notícia publicada no Correio Braziliense de que Dilma está a pensar em manter Henrique Meirelles e Pedro Parente no poder, aí, então, passarei a considerar, respeitosamente, que Dilma Rousseff está a ser vítima da Síndrome de Estocolmo, que, de acordo com psicólogos, psicanalistas e psiquiatras, trata-se de um processo que faz a vítima de um sequestro, por exemplo, sentir compaixão, simpatia, afinidade e até mesmo amizade pelo seu algoz, por aquele que cometeu crime ou violência.

Quem deu esta informação não foi ninguém ligado à presidenta trabalhista eleita com 54,5 milhões de votos, que foram cassados por uma quadrilha de direita, que resolveu dar um chute na urna e mandou o povo comer fava ao retirar-lhe a democracia e mandar para o espaço o Estado Democrático de Direito. Não creio nesta notícia estapafúrdia, que na verdade é leviana, pois especulação para que esses dois golpistas, que atendem pelos nomes de Henrique Meirelles e Pedro Parente garantam vagas no Governo do PT, se Dilma recuperar seu mandato. É como se fosse uma forma de acalmar o mercado. O financeiro, evidentemente. O mesmo que rouba as nações para que a plutocracia viva eternamente como os reis, os sultões, os paxás e os nababos.        

Porém, em entrevista à Rádio Capital de São Paulo, a presidente constitucional e instituída como tal pelo povo brasileiro afirmou que Meirelles "é uma pessoa competente na área dele", bem como, segundo a mandatária, "não considera que Henrique Meirelles representa este governo (interino) como um todo". Representa, sim, presidenta Dilma, porque ele foi membro dos governos petistas e jamais poderia ser leviano ao participar da farsa do golpe criminoso, além de demonstrar desrespeito à mandatária petista e ao Lula. Meirelles é parte importantíssima e emblemática do "todo", ou seja, do golpe bananeiro, porque simplesmente ministro da Fazenda. Meirelles é golpista e quer vender o Brasil. Ponto.

Na minha humilde e desimportante opinião, Dilma Rousseff está completamente equivocada. E vou explicar por quê: 1) não se abraça ursos pardos ou polares; 2) Não se dá comida a tigres e leões com vara curta; 3) Não se pega com as mãos escorpiões e serpentes; 4) Não se nada em rio cheio de crocodilos; e 5) Não se confia na direita inquilina da casa grande. Ao citar estes itens, espero quem os leia considere que eu tenha razão. Portanto, vamos às palavras: "Presidenta Dilma Rousseff, não brinque, não tergiverse, não negligencie e, obviamente, não seja omissa com seus eleitores, porque eles percebem claramente que houve um golpe sem crime, sem dolo de sua parte, mas violento, bem como os seus 54,5 milhões de eleitores querem ver essa corja destituída de poder e na cadeia.

A resumir: os únicos lugares para o golpista Meirelles e para o golpista Parente ocuparem é a cadeia, em uma cela adequada a quem trata os cidadãos e os eleitores brasileiros como idiotas, que não merecem respeito e consideração. Esses caras são oportunistas como o são os abutres à espera de carniça, sendo que as "carniças" são o patrimônio público brasileiro e os direitos civis, políticos, trabalhistas e previdenciários dos trabalhadores deste País, que agora estão nas mãos de tiranos que rasgaram a Constituição e humilharam o Brasil como República das Bananas.

Dilma Rousseff, se retornar à Presidência de onde jamais deveria ter saído, tem de seguir, na minha opinião, os princípios econômicos, financeiros, administrativos e contábeis do Governo Lula, sendo que mais à esquerda ainda, como se Celso Furtado estivesse vivo e a implementar ações desenvolvimentistas para garantir a independência do Brasil e a emancipação plena do povo brasileiro. 

Dilma deveria nomear para a Fazenda, o Banco Central, o BNDES, o BB e a CEF, além dos bancos regionais de fomento, técnicos e professores da corrente estruturalista, progressista ou desenvolvimentista. O neoliberalismo morreu, e a alcateia de lobos que tomou o poder de assalto só "esqueceu" de enterrá-lo, apesar do insuportável fedor. Vide as crises de quase uma década da Europa e dos EUA.

A mandatária injustiçada e que foi brutalmente apeada do poder disse também que apresentará uma carta de compromissos com o povo, que propõe ações econômicas e financeiras inversas às do michel temer (só para lembrar: o nome de tal peçonha golpista é sempre escrito em minúsculo), o que certamente favorecerá o desenvolvimento do mercado interno e a recuperação da economia.

Lula tem razão quando diz: "O pobre é a solução. A solução é incluir o pobre no orçamento". Foi assim que o País cresceu e, com efeito, foi exatamente esta verdade que enfureceu os coxinhas e seus patrões da casa grande. Dilma se voltar tem de ser Lula, bem como jamais deve aceitar abrir mão de seu mandato. Nada de eleições fora do calendário eleitoral. Dilma tem de continuar e terminar seu mandato conquistado legalmente nas urnas. Doa a quem doer, pois a democracia agradece. Dilma não sofre da Síndrome de Estocolmo. É isso aí. 

Nenhum comentário: