Google+ Badge

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Prisão de Delcídio é abertura para prender políticos do PSDB até agora inimputáveis

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre


Considero realista a prisão do tucano que militava no PT, Delcídio Amaral, o senador petista com a alma privatista e entreguista do PSDB, que jamais defendeu os governos Lula e Dilma, além de apoiar, inacreditavelmente, as privatizações de rapinagem que aconteceram no Brasil do neoliberal FHC, bem como defende que o Pré-Sal seja entregue à iniciativa privada (privada nos dois sentidos, tá?!).

A prisão do senador do PT de alma tucana é a abertura para se prender políticos do PSDB até agora inimputáveis. Também o é um bom sinal de que nem todos os brasileiros são idiotas, no sentido de acreditarem que a corrupção no Brasil começou com o PT, quando todo mundo sabe, até os recém-nascidos, os mortos, os ingênuos e os que foram abduzidos por extraterrestres, que foi exatamente nos governos petistas que políticos, grandes empresários e funcionários públicos em cargos de poder e mando começaram a ser presos.

Tais realidades nunca aconteceram antes no Brasil. E todo mundo sabe disso, inclusive os "espertos" e os "inteligentes" da oposição demotucana, da imprensa de mercado dos magnatas bilionários e dos inúmeros segmentos conservadores que ora estão encastelados na Justiça, na Polícia Federal, no Ministério Público e no mundo empresarial, notadamente os reacionários da Fiesp e da Firjan, além de suas congêneres em praticamente em todos os estados da Federação.

Entretanto, o que importa é que o senador tucano e que, como um vírus, se hospedava no PT, pode ser muito útil para a consciência coletiva da cidadania brasileira, que está cansada de ser tratada como idiota por certos juízes, delegados e procuradores que acham que todo mundo é burro e não percebe que os governos do PSDB e do DEM, tanto em âmbito federal, na Era FHC, quanto nas esferas estaduais e municipais estão envolvidos em dezenas de escândalos tão graves como os que hoje estão a ocupar as manchetes seletivas das mídias familiares direitistas e de tradições historicamente golpistas.

Vamos ver se a Justiça brasileira vai deixar de ser absurdamente seletiva e fazer a PF bater nas portas, por intermédio do STF, em gabinetes de demotucanos de alta plumagem, que concorreram, inclusive, à Presidência da República, sendo que quase todos, sem exceção, ocuparam ou ocupam cargos executivos, de governadores, de secretários, de prefeitos e de ministros. Evidentemente que  tais políticos receberam dinheiro da iniciativa privada para financiar suas eleições, inclusive de megaempresários que agora estão presos, principalmente os donos de construtoras.

A verdade é que  o ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato, considerou que Delcídio Amaral tem atuado de forma "concreta e intensa" para evitar a delação premiada do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, conforme também considera a Procuradoria Geral da República, de Rodrigo Janot, que certamente, um dia, terá  também de voltar seus olhos para os crimes de corrupção perpetrados pelos tucanos, mas que nunca chegam às barras dos tribunais.

A sensação é de impunidade e de descrédito na Justiça. Pode acreditar. Quando me reporto ao porteiro, ao motorista de táxi, ao balconista de bar, ao garçom, à faxineira, à maioria dos taxistas, além de muitos outros profissionais, sendo que a maioria deles não teve a oportunidade de frequentar os bancos de uma universidade, todos, com algumas exceções, estranham a conduta da Justiça e de certos juízes, delegados e promotores.

E explico por quê. Porque as pessoas não são idiotas, apesar de a classe média coxinha e conservadora, a imprensa de negócios privados, além da oposição partidária tratarem, equivocadamente, o povo brasileiro desta forma tão desrespeitosa e desdenhosa. Engana-se aquele que considera o povo idiota. Quem sofre, no decorrer da existência, as intempéries da vida sabe onde o calo dói, além de compreender, completamente, aqueles que estão ao seu lado e atendem seus interesses de melhorar de vida.

Quase todas as pessoas, principalmente as que, de uma maneira ou outra suas vidas melhoraram por causa dos programas e projetos dos governos Lula e Dilma, sabem que os tucanos e seus principais aliados, como o DEM e o PPS, não são presos no Brasil. É como se eles fossem inimputáveis e vivessem à margem da Lei, da Constituição, apesar dos inúmeros escândalos, muitos deles bilionários, mas que são vergonhosamente engavetados por servidores públicos, que se vestem de preto e usam togas, capas e servem a inúmeros chapéus, quando o único chapéu a ser servido é o chapéu do contribuinte — do povo brasileiro.

Chapéus de todas as formas e tamanhos, por sinal, sendo que a maioria da oposição e do empresariado inquilino da plutocracia, principalmente os coronéis midiáticos e sonegadores de impostos, que pautam a vida brasileira e, com efeito, impõem suas agendas políticas e econômicas, que, obviamente, não atendem aos interesses do Brasil e de seu povo. Cartéis e oligopólios de mídias mercantilistas que abafam, inescrupulosamente, os crimes de corrupção e de tráfico de influência dos políticos do PSDB e do DEM. Aliás, como sempre aconteceu e acontecerá.

A verdade é que o senador petista de alma tucana, Delcídio Amaral, transformou-se na abertura para que políticos de poder e mando, que tem influência e governam este País, em âmbitos federais, estaduais e municipais, sejam presos, mesmo a exercer mandatos. Espera-se que os juízes, independente de suas instâncias, não sejam seletivos e partidários. Que esqueçam suas ideologias, partidarismos e seus desejos individuais. Que se atenham aos autos dos processos, em silêncio, como se fossem monges a observar, pensar, ler, avaliar, comparar e ponderar para que a justiça seja feita em nome do povo, que paga-lhe seus salários, status, poder e carreira.


Se o senador Delcídio Amaral deve, que responda aos tribunais. O Brasil está agora à espera dos tucanos, que até agora, inacreditavelmente, são considerados inimputáveis. Que não fique pedra sobre pedra. A casa grande, seus aliados e porta-vozes estão totalmente equivocados. O povo brasileiro não é idiota. Idiota é aquele que pensa que o povo não vê e observa. Como não pensar que a Justiça não é seletiva se o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha, depois de tudo o que fez ainda está solto? As palavras "inimputável" e "seletivo(a)" tem de ser extintas do dicionário. É isso aí. 

3 comentários:

Jorge Marcelo disse...

Aguardamos agora pela prisão do petista de alma tucana Luiz Inácio Lula da Silva

Rapa Capa disse...

A prisão do vagabundo e ladrão do Fernando Henrique você não aguarda, não é coxinha Jorge Marcelo idiota?

Glauci Fonseca disse...
Este comentário foi removido pelo autor.