Google+ Badge

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Aécio é o retrocesso e o atraso — Marina é o Prometeu da política



Por Davis Sena FilhoBlog Palavra Livre


  
A campanha à Presidência da República de Aécio Neves, senador e candidato do PSDB, partido à direita do espectro ideológico, resumi-se a uma coletânea de mentiras e meias verdades, que, seguramente assombram as pessoas que conhecem seu passado político e a forma como ele administrou o Estado de Minas Gerais, a terceira unidade mais poderosa da Federação.

Se não, vejamos: se Aécio fosse um político em que atualmente a população mineira confiasse, teria, evidentemente, votado em seu candidato Pimenta da Veiga. O tucano foi derrotado pelo petista Fernando Pimentel, que venceu as eleições ainda no primeiro turno, a fazer com que os marqueteiros de sua campanha apelassem fortemente para a veiculação do caso da Petrobras, com a intenção de engessar o debate político e se dedicar somente a um assunto: a corrupção.

Certamente que esta “canção” de uma nota só é o que apenas interessa a um grupo político que não tem proposta de governo e muito menos projeto de País. Isto acontece porque a direita não se preocupa com o social, com as condições de vida das pessoas, além de se recusar a pensar o País.   

Os grupos economicamente conservadores, e, politicamente reacionários, tem aversão em pensar sobre as questões brasileiras, simplesmente porque o propósito deles se resume a apenas ter lucros, seja quando e aonde for.    

Certamente, quem acredita em Aécio são as pessoas de fora de Minas, que não conhecem a administração fracassada do atual governador, Antonio Anastasia, homem de confiança do senador tucano e que governou para os ricos, a tal ponto de os mineiros lhes darem um retumbante não, o que demonstra o quanto as pessoas que o conhecem não confiam mais no PSDB das Alterosas.

Que negócio é esse de nova política, que a candidata derrotada do PSB/Rede, Marina Silva, tanto propaga? Política é política. Ponto! Política se faz com partidos, a respeitar o jogo democrático e a Constituição, bem como se constroem e se concretizam alianças e blocos partidários, cujo propósito das candidaturas, no caso das eleições presidenciais, é formar uma bancada forte para que a maioria dos deputados e senadores eleitos aprove, no Congresso, os projetos e programas apresentados pelo presidente da República, em nome dos eleitores que, soberanamente, o elegeu.

O resto é palhaçada(!), como diziam alguns colegas dos meus tempos de segundo grau e universidade quando consideravam alguma ação ou conduta insensata, surreal ou irracional. Marina, aquela que troca de partido como troca de camisa, é pródiga em dar uma de joão-sem-braço. Que nova política é essa que Marina Silva tanto apregoa, sendo que seu programa de Governo apresentado aos brasileiros não passa de uma cópia dos programas neoliberais da época do PSDB no poder?

Os tempos terríveis, lúgubres e sem esperança de Fernando Henrique Cardoso — o Príncipe Neoliberal I —, aquele que vendeu o Brasil e mesmo assim foi ao FMI três vezes, de joelhos, humilhado e com o pires nas mãos, porque quebrou o Brasil três vezes. O FHC que deseja retornar ao poder por intermédio de seu alter ego, o playboy do high society carioca.

Aécio Neves que, certamente, vai implementar a política econômica liberalizante para os estrangeiros, os grandes empresários, os banqueiros, e, por sua vez, limitar fortemente os investimentos em programas sociais, bem como minguar as obras de infraestrutura. Construções que garantem os empregos, a obedecer às receitas do FMI, conhecidíssimas dos brasileiros e dos latinos americanos.

Receitas vampirescas que sugam o esforço laboral dos trabalhadores de todas as nações e que neste momento arrebentam com as economias de mais da metade da Europa, bem como estigmatizam seus povos, que tem de procurar a sobrevivência por meio da imigração, às centenas de milhares de pessoas. Não há nada mais doloroso e humilhante quando um cidadão tem de sair de sua terra, do seu país por necessidade e não por opção.  

Voltemos à Marina. A Sonhática matou seu passado de lutas. Não satisfeita, realizou o velório; depois acompanhou o féretro, e, logo a seguir, o enterrou a sete palmos da superfície da terra. Agora, como tal o é sua personalidade dúbia e quase histriônica, Marina volta a dissimular e mal consegue explicar sua guinada espetacular à direita e por isso, esperta que é, recorre à sua retórica barroca, mas estéril, pois desprovida de conteúdo e significado.

Marina Silva sucumbiu ao canto da sereia e ao seu rancor, mágoa e raiva, porque foi cooptada pelos conservadores, sem volta e, com efeito, definitivamente. A Sonhática nunca aceitou ser preterida por Lula, que optou pela candidatura de Dilma Rousseff à Presidência da República.

O líder trabalhista percebeu que Marina, no cargo de ministra do Meio Ambiente, mudou de lado e abraçou teses e causas contrárias aos programas de Governo do PT ratificados pelas urnas. Marina se aliou a partidos de direita, a ONGs e a governos estrangeiros e prejudicou, o quanto pôde, os interesses do Brasil, muitos deles estratégicos. Ao perceber que poderia ser demitida, Marina se antecipou e saiu do Governo e, logo após, do PT.   

Ela se transformou em o Prometeu da política brasileira, cujo fígado pertence à ave de rapina, ou seja, à direita — ao establishment. A Sonhática deu vazão ao seu livre arbítrio de trair, não somente seus antigos correligionários, mas, sobretudo, à sua ideologia, aos seus valores e princípios políticos edificados desde os tempos do seringueiro e sindicalista Chico Mendes, cuja memória ela traiu também nessas eleições.

Aécio é outro que tenta convencer a população brasileira como se ele fosse o novo, o moderno e, o mais incrível, a “mudança”. Inaceitável! Como um político tucano que fala em choque de gestão e tem como principal conselheiro o banqueiro Armínio Fraga, que, ao sair do Governo FHC, os juros atingiram os incríveis 45% pode se considerar um agente da mudança? É surreal!

Fraga já deu inúmeras declarações que, no poder, vai efetivar medidas amargas e impopulares, com a aquiescência, é claro, de Aécio Neves. O burocrata chegou dizer que o salário mínimo era alto. Seria cômico se não fossem trágicos e ridículos seus pronunciamentos. Ele disse tudo o que os banqueiros e os rentistas querem ouvir.

O porta-voz dos banqueiros foi ainda mais além, ao verbalizar a intenção de fazer com que o BNDES diminua seus financiamentos e empréstimos, porque garantiu que o poderoso banco de fomento não vai mais emprestar, por exemplo, à Petrobras e às grandes empresas, pois Armínio Fraga quer que esses setores solicitem empréstimos e financiamentos aos bancos privados, que passarão a receber mais dinheiro do que já ganham em detrimento do Estado brasileiro.

São palavras inacreditáveis, mas são verdadeiras e pronunciadas por um tecnocrata desprovido de qualquer sensibilidade social e que pretende cortar investimentos e subsídios, pois a direita partidária e as castas elitistas consideram o desenvolvimento social dos povos uma perda de tempo, conquanto, evidentemente, seus grupos se locupletem no decorrer de uma vida inteira, como verdadeiros nababos e paxás. Fraga no Banco Central é a raposa no galinheiro.

Aliás, as palavras do tecnocrata e banqueiro são tudo o que o FMI e o Bird desejam e querem ouvir. E esta é a política econômica, financeira e contábil do senhor Armínio Fraga, ou seja, a política dedicada e favorável aos negócios privados e aos interesses dos países desenvolvidos, os mesmos que promovem e financiam as guerras em todo o planeta.

Aécio Neves é o “neolibelê” mais novo, cara pálida! Porque o mais velho é sempre escondido dos programas eleitorais do PSDB. Talvez FHC até apareça na televisão no fim da campanha. Fernando Henrique prejudicou o País e seus áulicos passaram dos limites, pois administraram com a finalidade de lesar a Pátria Brasil.

Somente quem saiu de um coma profundo; ou é um ser alienado e sem a compreensão da história e das realidades que se apresentam; ou é cínico ao tempo que hipócrita e não percebe que o sistema de capitais, em âmbito mundial, quer o modelo de rapina e exploração de volta, por meio da vitória dos tucanos, aposta e acredita que um político, que comanda a oligarquia mineira, uma das mais atrasadas e reacionárias do mundo, possa dar continuidade às conquistas materiais e sociais do povo brasileiro nos últimos 12 anos.

Não tem como o PSDB dar continuidade aos modelos desenvolvimentistas efetivados pelo PT e que mudou o Brasil para sempre ao melhorar nitidamente as condições de vida dos cidadãos. O povo sabe disso. Compreende, pois sofrido, tornou-se sábio e prudente. Quem não sabe dessas coisas da vida é a classe média, que adere aos ricos, sem, contudo, participar ou ser convidada para seus regabofes, comezainas e patuscadas.

A classe média foi muito beneficiada pelos governos petistas de essências trabalhistas, pois dedicados aos interesses mais legítimos do Brasil, a exemplo da lei que dispõe sobre o modelo de partilha para o pré-sal, dentre muitas outras questões estratégicas e de interesse dos brasileiros. A desconstrução de Aécio Neves se dá por ele mesmo. E por quê? Porque o tucano representa o passado terrível que o PSDB e os governos de FHC impuseram à brava gente brasileira.

Aécio Neves — o Neoliberal II — é o alter ego do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso — o Príncipe Neoliberal I — e representa o retrocesso e o atraso. Marina Silva — a Sonhática — significa a morte de seu passado político e o desejo irresistível e deslumbrado de ingressar no clube privê dos burgueses. Vamos ver, com o tempo, se eles, de fato, a aceitam. É isso aí.

7 comentários:

Jorge Marcelo disse...

No dia 02 de Janeiro de 2015, um senhor idoso se aproximou do Palácio da Alvorada e, depois de atravessar a Praça dos Três Poderes, falou para o "Dragão da Independência" que montava guarda:
- Por favor, eu gostaria de entrar e me entrevistar com a Presidenta Dilma.
O soldado olhou para o homem e disse:
- Senhor, a Sra. Dilma não é mais presidente e não mora mais aqui.
O homem agradeceu e se foi.

No dia seguinte, o mesmo homem idoso se aproximou do Palácio da Alvorada e falou com o mesmo Dragão:
- Por favor, eu gostaria de entrar e me entrevistar com a Presidenta Dilma.
O soldado novamente disse:
- Senhor, como lhe falei ontem, a Sra. Dilma não é mais presidente e nem mora aqui.
O homem agradeceu e novamente se foi.

Dia 04 de janeiro ele voltou e se aproximou do Palácio da Alvorada e falou com o mesmo guarda:
- Por favor, eu gostaria de entrar e me entrevistar com a Presidenta Dilma.

O soldado, compreensivelmente irritado, olhou para o homem e disse:
- Senhor, este é o terceiro dia seguido que o senhor vem aqui e pede para falar com a Sra. Dilma. Eu já lhe disse que ela não é mais presidente, nem mora aqui. O senhor não entendeu?

O homem olhou para o soldado e disse:
- Sim, eu compreendi perfeitamente, MAS EU ADORO OUVIR ISSO!!!
O soldado, em posição de sentido, prestou uma vigorosa continência e disse:
ATÉ AMANHÃ, SENHOR!!!

Graça disse...

Este lixo humano respeita sua família? Por que o Davis deixa esta degeneração política ofender?

Jorge Marcelo disse...

Eu não ofendi ninguém. Fiz apenas uma Graça

Henrique R disse...

Programas sociais, transgênicos, aborto em caso de anencefalia, pesquisas com células-tronco - a Blá-blá foi contra a todos esses projetos - sem considerar a questão da homossexualidade.
Sinceramente, Blá-blá, reveja seus conceitos.
O mundo evolui.
E tu não evolui, pôrra!

vera vassouras disse...

Comparar Marina, a mucama, com Prometeu é um desrespeito contra o mito. Não seria mais adequado aceitar que sua função é arrumar a casa grande para que os canibais do capitalismo troglodita mantenham sua hegemonia contra a revolta da senzala? Marina cava sua sepultura e, com ela, seus simpatizantes, cegos, surdos e malvados!

Claudia Fontelles disse...

Vera, o Davis disse tudo. Sobre Prometeu, o autor fez uma referência sobre o castigo. E Marina ainda será castigada eleitoralmente por suas traições. O artigo é irretocável e muito informativo. Abraço.

Jorge Marcelo disse...

Marina é ficha-limpa, e Dilma é uma bruxa, que anda de vassouras