Google+ Badge

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Dilma, capitalismo, castas, prisões, oposição, corrupção e golpe

Por Davis Sena Filho — Palavra Livre


Na Finlândia, a presidente Dilma Rousseff calou fundo, suspirou e afirmou à imprensa familiar de mercado: "Primeiro, não vou comentar as palavras do presidente da Câmara. Segundo, o meu governo não está envolvido em nenhum escândalo de corrupção. Não é meu governo que está sendo acusado". A resposta foi ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha, que disse lamentar que aconteça "com um governo brasileiro o maior escândalo de corrupção no mundo", em alusão ao caso Lava Jato (Petrobras) investigado pela Polícia Federal, corporação sob o comando do Ministério da Justiça, instituição subordinada à Presidência da República, que, ora vejam, a presidente é exatamente Dilma Rousseff, do PT, ao assegurar que seu governo não está envolvido em corrupção.

Não sei se os patetas teleguiados entenderam a tabuada direito, porque apenas decorá-la fará com que as palavras proferidas por Dilma sejam veiculadas e escritas de forma truncada, com "ruídos", propositalmente, é claro, porque todos sabemos, inclusive os ingênuos e os desinformados, que os magnatas bilionários sonegadores de impostos e donos da mídia mercantil organizaram o Partido da Imprensa, que vem a ser a agremiação política e ideológica de direita mais poderosa do Brasil, quiçá da América Latina.

Entretanto, Dilma Rousseff continuou a falar, e asseverou: "Acredito que o objetivo da oposição pode ser inviabilizar a ação do governo, mas a ação do governo não vai ser inviabilizada pela oposição, faça ela quantos pedidos de impeachment fizer", para logo complementar: "As pessoas que estavam envolvidas estão presas, e não é a empresa Petrobras que está envolvida no escândalo, são pessoas que praticaram corrupção e estão presas". Ponto.

Há anos afirmo no meu blog "Palavra Livre" e no site "Brasil 24/7" que, no fundo, a direita liberal e dependente do Estado, bem como dos trustes e corporações internacionais e nacionais não se sente à vontade com a efetivação no Brasil do Estado de Direito e da democracia. A direita, "dona" do establishment, e a democracia são como óleo e água. Simplesmente não se misturam.

Consequentemente, os porta-vozes defensores do sistema tem de desconstruir e desqualificar seus adversários, que são tratados como inimigos de suas causas rentistas e financistas. A verdade é que enfrentar o sistema de capitais é um grande problema, porque ele é o hospedeiro dos bancos, dos grandes exportadores, da indústria de armas e de petróleo, além de "lavadores" do dinheiro ilegal do tráfico de armas, de drogas, de pedras preciosas e ouro, além da corrupção estatal e privada.

Estes setores alienígenas engessam as ações dos governos e que se contrapõem fortemente à corrente desenvolvimentista da qual fazem parte o ex-presidente Lula e a presidenta Dilma. São eles que sabotam e boicotam desde 1930 os programas de governo e os projetos de País, porque são contrários à inclusão social e à igualdade de oportunidades, pois economicamente hegemônicos e ideologicamente reacionários, pois são a essência do capitalismo, sistema perverso de exploração e pirataria, além de financiador até hoje de guerras coloniais e imperialistas.

Por sua vez, como afirmei anteriormente, o capital privado brasileiro é dependente, porque rentista, financista e jogador de bolsas de valores e outros que tais. Sua estratégia para manter incólume o status quo das castas privilegiadas e beneficiadas pelo Estado é transformá-lo em patrimonialista para atender às demandas de uma burguesia totalmente descompromissada do interesse nacional, ao tempo que dedicada a concretizar apenas seus interesses e alavancar seus negócios.    

A verdade é que o capitalismo é injusto,  e, com efeito, violento, porque concentrador de renda e riqueza, e, por seu turno, corrupto em sua organização social. Tais assertivas o são realidades intrínsecas às sociedades subordinadas e dominadas por corporações multinacionais, que se organizam como máfias, que controlam o dinheiro e os governos de mandatários que se comportam e são tratados como fantoches pelo o que secularmente já o é estabelecido: a sociedade organizada em castas, cujo centro é a casa grande plutocrata em âmbito mundial.

Trata-se da plutocracia que se estabelece principalmente nos poucos países ricos, a ter como cúmplices de seus crimes de lesa-humanidade e lesa-pátria as "elites" dos países emergentes e pobres, cujos governos nacionalistas e de esquerda, mesmo que moderados, como os de Lula e Dilma, são historicamente sabotados e seus dirigentes máximos desconstruídos em suas imagens, porque não interessa aos liberais dependentes a independência do Brasil e a emancipação plena do povo brasileiro.

A resumir: a lógica do capitalismo se materializa no ganho pessoal, mesmo quando se trata de uma grande empresa, que, evidentemente, tem compromisso maior com o lucro, o super lucro e não com seus empregados, mesmo os de nível universitário, os executivos, que se aliam aos interesses de seus patrões e cooperam, efetivamente, para que somente uma casta, em termos planetários, tenha o controle dos meios de produção, do mercado financeiro, e, consequentemente, do poder militar, do Judiciário e dos parlamentos, a ter as presidências da República como as cerejas de bolos.

Quando um governante se torna estadista e passa a conhecer a dimensão das realidades que se apresentam, naturalmente que tal mandatário passará a criar problemas para o establishment nacional, vinculado ao internacional, que não aceita, de forma alguma, que o sistema de castas e portanto de capitais seja questionado quanto mais desafiado. Para os capitalistas que estão no topo do mundo, a solução é desconstruir, criminalizar e judicializar o processo político, administrativo e partidário.

E explico: quando o poder econômico e financeiro quer restabelecer o que ele considera suas "perdas", simplesmente financia a queda do mandatário considerado contrário aos seus interesses, seja pelo golpe tradicional, que se resume em uma quartelada, ou pela nova modalidade de golpe na América Latina, que é o jurídico-parlamentar, como ocorreu em Honduras e no Paraguai, bem como tentado inúmeras vezes na Venezuela, no Equador, na Argentina e na Bolívia, os três últimos países com intensidade um pouco menor em relação à nação de Hugo Chávez.   

Contudo, a direita liberal e dependente da América Latina e, especificamente, do Brasil, não se cansa de desmoralizar os políticos, sendo que parte importante dos parlamentares e governantes é financiada pelo próprio sistema de capitais, que, em contrapartida, os chama de corruptos e ladrões, ao tempo que seus políticos mesmo desmoralizados diuturnamente pelas mídias tratam de atender e concretizar os interesses dos grandes capitalistas.

A imprensa familiar e os segmentos conservadores da sociedade desqualificam os políticos porque o objetivo é assumir o protagonismo na política e no lugar deles determinar e definir a pauta a ser discutida no País, ao invés de ser o papel primordial dos governos. Um absurdo, mas a luta para tutelar o poder público, e, evidentemente, o povo brasileiro, é o que acontece por parte dos coronéis midiáticos e de quem está junto com eles.

Mesmo assim não basta apenas o trabalho de desconstrução política levada a cabo também por alguns atores dos legislativos, do Judiciário, do Ministério Público e das diferentes polícias. Para derrotar políticos nacionalistas, de esquerda e destinatários de milhões de votos do povo brasileiro, a exemplo dos esquerdistas moderados, Lula e Dilma, torna-se imperativo ao status quo contar com a máquina de moer reputações dos magnatas bilionários de imprensa e sonegadores de impostos.

Estes, sim, com a cooperação de seus empregados de confiança fazem a parte mais suja do processo de jogar os nomes das pessoas na lama, sem, contudo, responderem por seus crimes de calúnia, injúria e difamação. Impunidade total, como se essa gente não fizesse parte da sociedade e por isto acima das leis. Surreal! É porque, inacreditavelmente, no Brasil do século XXI e na metade de sua segunda década, ainda não se efetivou o marco regulatório para as mídias. Sendo assim, viceja a atua neste País de 210 milhões de habitantes, de economia diversificada e industrializada, uma imprensa meramente de mercado, de péssima qualidade editorial e de caráter essencialmente golpista.

Isto mesmo. Se não fosse a imprensa empresarial o Brasil estaria muito mais avançado socialmente, porque, como moedora da reputação alheia, seus donos, os coronéis midiáticos de almas provincianas e corações sectários, não teriam um poder político absurdo, porém, inaceitável a um País industrializado e que deseja ser desenvolvido e civilizado. Um poder inadmissível, porque vazio de voto popular. Trata-se apenas de empresários, que pensam em lucros, como qualquer empresário de outro segmento da economia.

Outrossim, a dimensão que tomou a propaganda negativa contra o Governo Trabalhista e o apoio, irrestrito e incondicional, aos partidos (PSDB, DEM, PPS e derivados) que representam a plutocracia nacional é algo brutal e não coopera para a estabilidade política, assim como conspira para que a Nação não seja desenvolvida e civilizada.  

Dilma deixou claro, na Finlândia, que o Governo que está a prender corruptos e corruptores é o dela. Além disso, a mandatária deu a entender que reagirá às tentativas de destituí-la do poder, como se o Brasil, a sexta economia mais poderosa do mundo fosse uma republiqueta das bananas, o que, definitivamente, é inaceitável para as pessoas que não são portadoras de um incomensurável e inenarrável complexo de vira-latas, bem  como irredutivelmente nada propensas a beijar a mão do Mickey, em Orlando, para bancar as alienadas na forma de Patetas.

O parágrafo acima é real, no que diz respeito à burguesia brasileira, porque traduz, fidedignamente, o provincianismo, a subserviência, a subalternidade e o pensamento colonizado de certas classes médias coxinhas, que, ridiculamente, são cúmplices dos interesses dos ricos, que jamais as convidam para participar de seus regabofes e comezainas. Afinal, a plutocracia não abriria mão de ser pedante e arrogante com aqueles que são, na verdade, seus empregados, mesmo os que assumem cargos de confiança e ganham salários altos em suas empresas. Ponto.

Os plutocratas querem dinheiro e influenciar no processo político para controlar os fundamentos econômicos, que serão implementados por quaisquer governos. Se o presidente no poder "fecha" com os interesses da casa grande, poderá governar relativamente em paz. Do contrário, a oposição dos grandes capitalistas se torna feroz e desleal, baseada na mentira, que é o primeiro e também o último degrau de uma campanha sórdida e violenta que sofre, no momento, a presidente Dilma Rousseff.

A cidadania sabe que o negócio é inviabilizar as ações do Governo Trabalhista, romper o diálogo, apostar na crise institucional e política e, por fim, bater o martelo do golpe paraguaio. O problema para os golpistas é que o Brasil não é uma República das bananas. Quem prendeu rico corrupto e corruptor pela primeira vez neste País foram os governos do PT. A direita, além de compreender isso, medra por saber que as investigações e as punições vão ainda alcançá-la. Quem viver verá. Impeachment é golpe e o golpe foi derrotado. É isso aí.


12 comentários:

Maureen disse...

Que beleza Davis. Você está no auge intelectual e com imensa compreensão sobre a vida é as coisas da vida. Um grande abraço.

Anônimo disse...

Um verdadeiro taxista, no máximo...

Kleber Guimarães disse...

Artigo completo e que demonstra que para analisar o capitalismo brasileiro tem de vinculá -lo ao âmbito mundial. Artigo elucidativo e que merece ser vira ligado pelas redes sociais, coisa que já fiz. O autor é merecedor de ser parabenizado.

Kleber Guimarães disse...

Correção : merece ser viralizado ao âmbito mundial.

Jorge Marcelo disse...

Artigo irretocável, sensacional, genial, progressista, revolucionário, esclarecedor, elucidativo, verdadeiro, leal, impressionante, intelectual e genuinamente brasileiro. Davis, você é um verdadeiro sociólogo, cientista político, psicólogo, historiador, turismólogo, paleontólogo, arqueólogo, filósofo, antropólogo, vendedor de cachorro quente e comerciante de churrasquinho de gato. Parabéns pelo texto, um dos melhores que já li. Fora Dilma.

Kleber Guimarães disse...

Davis, seus textos merecem ser virilizados pela internet mais do que já são. Eu tenho milhares de contatos (cerca de 10 mil). e vou a partir de agora repercuti-los para que seus textos sejam mais lidos do que já são. Este artigo e os outros cinco anteriores formam um conjunto de como funciona a direita, o sistema que a financia, os bastidores da política e o que, realmente, está por trás do golpe que a direita quer infligir contra Dilma Rousseff. Acho até que você, por ser um articulista talentoso e humanista, poderia criar um site. Poderemos depois conversar sobre isto, se voc~e assim desejar. Um grande abraço.

Jorge Marcelo disse...

Os oito leitores de Davis Sena Filho se unindo por um Brasil melhor

Kleber Guimarães disse...

Veja só, você tem em média entre 500 a 1500 compartilhamentos só no facebook do seu blogue por texto. Portanto, sua média de acesso ao blogue, juntando todos os textos já publicados, twitter, gmail, whatssap, msn, google mais e ainda sabendo que a maioria das pessoas leem, mas não fazem comentários e não compartilham os textos lidos, creio que você deve ter cerca de cinco a seis mil acessos por dia. Verifique nas estatísticas da área de trabalho do seu blogue quando você for publicar seus textos. Além disso, tem os dias de pique. Então certamente seus textos devem ter um acesso maior ainda. Muito interessante esses números, porque seu blogue só publica seus textos, ou seja, não é como a maioria dos outros blogues que publicam textos oriundos de vários blogues e sites. Na verdade republicam, sendo que muitos dos blogueiros não escrevem, o que, definitivamente, não é seu caso, porque você escreve com maestria. Então, você é muito lido, porque seu blogue somente publica textos seus, o que, volto a dizer, não acontece com a maioria dos blogueiros. Falo só do seu blogue, porque seus artigos são repercutidos em centenas e centenas de blogues e sites. Você já verificou no google? Tá tudo lá. Fiquei muito interessado, porque analiso o mundo virtual no que é referente aos blogues e aos blogueiros, independentemente de ideologia e partidos quando os sites e blogues são de política. De qualquer forma, se você quiser se comunicar comigo estou à disposição. Enviei esta mensagem para seu e-mail. Cara, você é muito bom.Um abraço.

Jorge Marcelo disse...

É uma média fraca ainda. A Veja é muito mais lida

Paulo Blanc disse...

Caro Kleber Guimarães, concordo plenamente contigo. E tem mais: no Brasil 247 o Davis Sena Filho escreve onde muita gente de renome em todas as áreas escreve, sendo que ele é um dos articulistas mais lidos. Um dia perguntei pro jornalista porque ele não criava um site. Ele respondeu que já escrevia em alguns e que outros repercutiam seus artigos. Mas seria ótimo se ele tivesse um site, porque os blogues são mais limitados, ainda mais quando são independentes e sem publicidade, que é o caso deste Palavra Livre. Porém, Kleber Guimarães achei muito interessante sua análise. Ler o Davis é muito bom. Saudações!

Davis Sena Filho disse...

Prezado Kleber, a média de leitores diários é um pouco maior, excetuando-se os dias de pique e as pessoas que apena leem e não opinam pelas redes sociais e não enviam mensagens, que deve ser um número bem maior, porque a maioria apenas lê. Contudo, meu blog é uma ferramenta que me permite escrever o que eu quero e repercutir o que penso, além de ser uma tribuna para quem pensa parecido comigo, que são a maioria das pessoas que visitam meu blogue. Evidentemente que tem gente que me critica, pois contrária ao meu pensamento. Já fui ao google e sei dos inúmeros sites e blogues que me repercutem. Obrigado por sua atenção e educação. Falarei com você por e-mail. Um abraço e tudo de bom.

Marcos Lúcio disse...

Com bom senso , boa escolaridade, com alguma inteligência e bom caráter, além de algum conhecimento histórico e sendo bom observador, fica impossível discordar de uma linha sequer deste irretocável texto...mais um para sua excepcional produção neste blogue que retrata a vida e a política como são, na realidade.Uma aula e tanto! Parabéns!