Google+ Badge

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Marcelo Rubens Paiva: Roger é um ultraje! A rigor



Por Davis Sena Filho Blog Palavra Livre

O Roger é o típico idiota com arroubos de coxinha.
Eu não sei por que a maioria dos veículos de comunicação de negócios privados dá tanta ênfase e atenção a pessoas que não têm influência política e social quase que nenhuma junto ao povo brasileiro. Cidadãos que, certamente, não acompanham as sandices e insanidades, as peripécias e gaiatices de gente deslumbrada, egocêntrica e mequetrefe, a exemplo de Roger Moreira, Lobão e outros, que, recorrentemente, usam diferentes mídias como forma de aparecer para evitar sumir, definitivamente, do mapa da fama conquistado por eles na década de 1980.

Com o passar do tempo, e agora na casa dos 50 anos, vocalistas, artistas, músicos ou roqueiros, seja o que for, resolveram abraçar causas conservadoras, muito à direita do espectro ideológico e além da imaginação deles próprios quando alcançaram grande prestígio na época de seus vinte e poucos anos e que praticamente se esvaiu com o decorrer do tempo.  É de se entranhar, por exemplo, e por mais que o vocalista do Ultraje a Rigor, Roger Moreira, tenha se sentido ofendido, não é racional e muito menos educado responder com tanta virulência e até mesmo perversidade às palavras que o escritor Marcelo Rubens Paiva disse sobre o roqueiro em recente evento da Flip, na cidade de Paraty (RJ).

O escritor disse que lamentava saber que muitas pessoas não tinham conhecimento sobre o que aconteceu nos tempos da ditadura. O assunto da mesa de debates da qual participava Marcelo Rubens Paiva era sobre os 50 anos da ditadura militar. Paiva apenas citou Roger, porque tal artista tem, por livre e espontânea vontade, participado, reiteradamente, de polêmicas e de discussões duras contra seus opositores de pensamento político nas redes sociais e até em eventos em que ele participou de corpo presente. Só isso e nada mais. Até creio que o escritor e jornalista Marcelo Rubens Paiva não tem tempo para ter ódios, mágoas e rancores contra pessoas como o roqueiro que, a meu ver, conseguiu chegar às raias da ignorância e da pura e genuína cretinice e falta de respeito com o semelhante.

Não conheço pessoalmente o Marcelo Rubens Paiva, mas me coloco no lugar dele e de sua família, no que diz respeito à morte e ao desaparecimento de seu pai, o engenheiro e político trabalhista, Rubens Paiva, que, desde cedo, optou por ficar ao lado do povo brasileiro, dos trabalhadores e dos interesses do Brasil. Rubens Paiva, ainda aluno, foi vice-presidente da UNE, em São Paulo. Político do combativo PTB de Getúlio Vargas, João Goulart e Leonel Brizola, Paiva participou, como deputado federal, da CPI do Ipes-Ibad, antros ou covis de golpistas da época financiados pela direita estadunidense e brasileira para escreverem, darem palestras e opiniões nos meios de comunicação privados sobre o perigo de o Brasil se tornar comunista ou socialista. Seria cômico se não fosse trágico. E ainda tem gente, em pleno ano de 2014 do século XXI, que enxerga o PT como “perigo vermelho”. Haja paciência...

Paiva era atuante e corajoso. Em discurso na Rádio Nacional, enquanto Jango era deposto, criticou duramente as ações do governador paulista, Adhemar de Barros, por ele ter apoiado e participado efetivamente do golpe militar de 1964. A verdade é que as atividades de seu mandato popular fizeram com que o deputado Rubens Paiva se tornasse um cidadão brasileiro espionado, investigado e monitorado pelos agentes de uma ditadura sanguinária e de extrema direita. Tanto é verdade que o político trabalhista teve de ir para o exílio, pois cassado pelo AI-1 editado pela junta militar, em abril de 1964. Rubens Paiva estava entre os primeiros políticos que foram cassados e logo foi para a Iugoslávia e depois para a França.

Retornou ao Brasil. Evidentemente, o parlamentar cassado retomou seus contatos políticos, sendo que em janeiro de 1971 sua casa foi invadida. Rubens Paiva foi levado para um quartel, no Rio de Janeiro, onde foi barbaramente torturado e, posteriormente, assassinado pelo estado ditatorial. Após 40 anos, ou seja, quatro longas décadas, sua família pôde, enfim, saber de seu paradeiro, mas sem poder recuperar seus restos mortais para lhe dar um funeral e sepultamento dignos de homem que sempre pensou no Brasil e no seu povo.

De acordo com os depoimentos de agentes da repressão à Comissão da Verdade, Rubens Paiva foi enterrado durante dois anos em vários lugares, para, finalmente, seus restos mortais serem jogados nos mares do Rio de Janeiro, em 1973. Até, então, sua família não sabia o que realmente teria acontecido com seu corpo. Contudo, o político trabalhista tem um lugar de destaque na história recente deste País. Rubens Paiva, das pessoas mortas e desaparecidas vítimas da ditadura, talvez seja uma das que mais foram investigadas, porque seu “sumiço” chamou a atenção da sociedade civil organizada, tanto do Brasil quanto do exterior. Afinal, ele era um deputado muito combativo, determinado e conhecido, que nunca tergiversou quanto aos seus propósitos políticos e ao desejo de ver o Brasil se tornar desenvolvido e solidário. Um País que ele e tantos outros brasileiros perseguidos pela ditadura sempre sonharam em edificar. Isto é fato.

Todavia, de repente, o roqueiro neocon, Roger Moreira, no alto de sua arrogância e ignorância política e histórica, vai às redes sociais e faz assertivas grosseiras e sem pé nem cabeça. Elabora frases e pensamentos desconcatenados da realidade em que vivemos e parte simplesmente para a agressão verbal, o que reflete todo seu ódio, porque não aceita o contraditório e tem dificuldade para compreender que existem pensamentos e valores antagônicos aos seus, se algum dia Roger Moreira elaborou algum pensamento que, de fato, seja considerado e levado a sério como tal.

O roqueiro disse ao Marcelo Rubens Paiva verdadeiras “pérolas” de insensatez e ofensas gratuitas, que realmente o transformam em um pensador ou observador simplório, o que é muito diferente de ser uma pessoa simples, mas sábia. Aliás, os sábios são simples. Porém, o simplório, ainda mais quando da condição social e econômica do Roger, não passa de um ser de inteligência diminuta e de percepção quase nula sobre as realidades que lhes rodeiam. E repercutiu tal roqueiro, suas aleivosias e traquinagens: “É compreensível que você considere o comunismo legal. Mas daí a me usar de exemplo na Flip foi canalha de sua parte. E errado”, afirmou Roger, em seu twitter. E completou suas palavras coléricas, a demonstrar nenhum respeito pelo escritor e conhecimento de história: “E tem mais, seu bosta: minha família não foi perseguida pela ditadura. Porque não estava fazendo merda”.

Como pode um coxinha, um burguesinho da estirpe do Roger não ter quaisquer noções sobre o Brasil da época da ditadura, principalmente a partir da edição do AI-5. Qual é o problema dele? Nasceu ontem? O que tem de mais um jornalista e escritor, a exemplo de Marcelo Rubens Paiva, afirmar, em uma mesa de debates durante a Flip, que não espera que as pessoas, principalmente as mais jovens, saibam sobre a ditadura militar, até porque gente como o roqueiro Roger Moreira, que escrevia letras de músicas que questionavam a ditadura militar, bem como apoiava o movimento das Diretas Já, em 1984, e atualmente faz parte das hostes conservadoras, bem como faz questão de se mostrar há anos  uma pessoa de direita, o que é um direito seu, inalienável, porém, objeto de críticas.

Afinal, Roger tem passado e muita gente de sua geração deve estar a estranhar suas opiniões agressivas, intolerantes e desrespeitosas. Ponto! Roger tem o direito de falar o que quiser. Entretanto, o líder do Ultraje a Rigor sabe que quem fala o quer ouve também o que não quer — conforme reza o ditado popular. É assim que funciona a sociedade. Nada justifica as palavras ensandecidas de Roger publicadas no seu twitter quanto à família de Rubens Paiva ao fazer uma comparação com a dele repleta de infelicidade e perversidade. É muita insensatez e burrice em uma pessoa só. Roger não perdeu o bonde da história, porque não a conhece. Marcelo Rubens Paiva: Roger, na verdade, é um ultraje! A rigor. É isso aí.

10 comentários:

josehrio disse...

Rubens Paiva é herói... e o ultrajante Roger, é apenas um carrasco... infeliz do povo que consegue gostar de um pseudo artista deste tipo... Roger, faça o favor, menos... menos...

Anônimo disse...

Realmente ele é um ultraje , revoltado e ignorante/alienado. Nunca disse-me ao que veio. Concordo absolutamente com seus lucidamente habituais comentários. Uma amiga disse que a revolta dele deve ser , também, por ter o "bigulin" pequeno, que ela viu em fotos em revista de nu masculino rs. Para mim, o problema dele é ser reacionário, fascista, sem conhecimento cultural e sem talento.
Marcos Lúcio

Otto Lima disse...

Roger, Lobão, Olavo, Mainardi, Constantino, Miriam, Sardemberg, Jabor... Eis a miséria intelectual da direita brasileira!

Aliás, direita começa com D de demência...

Marcelo Migliaccio disse...

Acho uma pena que o Roger, que fez uma música tão importante para a queda da ditadura como "Inútil", tenha se transformado nisso. Lamento muito, mas é a vida. Uma coisa é o artista e sua obra, outra é o ser humano... as ofensas ao Marcelo foram lamentáveis. Tomara que a esperança, que já venceu o medo, agora vença o ódio.

Jorge Marcelo disse...

Davis, seu amigo Dunga deu mais uma entrevista exclusiva para as Organizações Globo, dessa vez para a edição deste domingo do jornal O Globo. Cadê o tratamento restrito à imprensa que você falou que ele ia dar? Davis, não tem jeito mesmo, sua credibilidade é menor que um átomo de hidrogênio.

Lembrando da asneira que você escreveu no último dia 21 de julho:

Engana-se aquele que acredita ser o Dunga apenas um treinador. Ele foi reconduzido a cargo e função tão importantes por se tratar de um profissional que não vai tergiversar quanto a seus objetivos, de sua comissão técnica, da CBF e principalmente no que tange à relação com a imprensa burguesa, que, tal qual acontece no que é relativo à política nacional, insiste em pautar a Seleção Brasileira, porque a finalidade é apenas fazer dela um produto vendável e que gere lucros bilionários, como os que as Organizações(?) Globo obtiveram, agora, na Copa do Mundo de 2014.

Miranda disse...

Davis, quem é esse burro que vira e mexe posta mensagens cretinas e de uma burrice que chega a doer nos outros. porque um burro como esse Jorge deveria lamentar sua própria existência. Que animal, sô! Quem é esse cuzão reacionário para dizer que você não tem credibilidade. logo você um dos articulistas mais lidos da internet. Gente ignorante e arrogante é foda. Não se enxerga e pensa que tem a importância que não tem e nunca terá.

Antonino Mendes disse...

Plagiando o Caetano Veloso: Jorge, você é muito burro, cara.

Márvio disse...

Eu já disse antes: esse jorge marcelo é apenas um vagabundo e nada mais.
É também invejoso e burro.

Márvio disse...

Davis, porque você não regula seu blog, como fez um certo tempo. Dessa forma você evita ser ofendido de forma injustificável por um FDP com esse canalha do Jorge Marcelo.

Marcos Lúcio disse...

Concordo com o Márvio, embora esta gentalha , justamente por ser estupidamente reacionária, não consiga ofendê-lo.