Google+ Badge

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Netanyahu mata e Israel se transforma em anão moral

Por Davis Sena Filho Blog Palavra Livre


Quem ler o título do artigo poderá pensar que eu sou contra o povo israelense ou contra os judeus, o que, sobremaneira, não sou e não me dou o direito de sê-lo. Considero qualquer povo ou nação dignos de respeito, com direito à independência, à autonomia, à soberania, à liberdade de escolha, além de viver em segurança.

Contudo, a desproporção de força bélica utilizada pelo Estado de Israel contra os palestinos na Faixa de Gaza transforma qualquer causa, mesmo a que diz respeito ao direito de defesa, em uma questão por si só injustificável pelo fato que o extermínio em massa de pessoas não é aceitável pelos regulamentos e leis internacionais de guerra.

Israel, a ter seu premier, Benjamin Netanyahu, como líder político, alega estar apenas a se defender dos ataques do grupo armado Hamas. Todavia, não há ponderação ou exposição de motivos que possam fazer com que a maioria dos países que forma o conjunto da comunidade internacional se acumplicie com um Estado de histórico beligerante que, em nome de se defender, comete um dos piores genocídios de civis que a humanidade teve o horror de ver e observar.

A questão primordial não se resume mais sobre o embate entre as forças regulares de Israel e o grupo armado Hamas. Em hipótese alguma se deve tergiversar ou dar uma conotação dúbia a esse tão importante e fundamental capítulo escrito com o sangue de palestinos civis mortos às centenas até agora pelos bombardeios de aviões e pela artilharia pesada das forças armadas israelenses.

País de dimensões pequenas e com apenas cinco milhões de habitantes, Israel é um gigante armado até os dentes e, no momento, por intermédio do Governo Netanyahu, transformou-se em um anão moral. Não é a primeira vez e, pelo andar da carruagem, nem vai ser a última vez que os líderes israelenses e judeus por etnia cometem barbarismos premeditados, que envergonham a condição humana.

Israel é useiro e vezeiro em bombardear e invadir cidades de países vizinhos e não deixar pedra sobre pedra. Estratégias repetidas de tempos em tempos como forma, inclusive, de fazer com que seus inimigos tenham de viver em uma "eterna" reconstrução de suas cidades, pois suas infraestruturas são totalmente destruídas, bem como setores da economia, a exemplo da indústria e do comércio, são obrigados a começar do zero.

Por sua vez, o pequeno e poderoso país do Oriente Médio aparentemente não se importa com as resoluções da ONU, uma organização internacional ultrapassada, criada no pós-guerra e que tem sérias dificuldades para ter suas resoluções atendidas. Até porque os Estados Unidos, o fiador e financiador das barbáries do Estado de Israel e de seus dirigentes sionistas são seus únicos interlocutores, em um mundo diversificado, multirracial e cultural, bem como há muito tempo questionador do sistema de poder que domina a ONU desde 1945.

A verdade é que a comunidade internacional de 2014 não é a mesma da metade da década de 1940 do século XX. Por seu turno, se mostram, hoje, inviáveis as condições políticas ou geopolíticas para que Israel e seu financiador e sócio de interesses múltiplos, os EUA, continuem em uma toada muda e surda, sem se importar com os valores e princípios morais e religiosos que sempre nortearam os dois países.

Israel se comporta como o 51º estado do país yankee, e atua e age como ponta de lança dos interesses estadunidenses no Oriente Médio e, consequentemente, no mundo. Afinal, os Estados Unidos tem uma população de judeus de cinco milhões de habitantes, sendo que outros dez milhões vivem em diferentes países e continentes, sendo que essa população de judeus que vive fora do território norte-americano tem profundas ligações com a potência mundial e, evidentemente, com a forte e influente comunidade judaica dos EUA.

Como todo mundo sabe, os judeus são importantes homens e mulheres de negócios, sobretudo no que concerne ao controle de bancos, pedras preciosas, petróleo e indústrias diversas, desde a cinematográfica à de laboratórios farmacêuticos, além da armamentista. Estão presentes, de forma singular, nas artes e ciências. São dedicados, determinados, competentes, pois realizaram e realizam grandes obras para o desenvolvimento e o bem-estar da humanidade, em todos os tempos e épocas. Ponto!

Entretanto, a partir da criação do Estado de Israel, no ano de 1948, em que o Brasil teve uma participação fundamental e histórica — o que comprova a competência diplomática do importante País da América do Sul —, Israel aumentou seus territórios por intermédio de vários conflitos armados e nunca mais retornou ao que estava estabelecido no ano em que o estado dos judeus foi criado.

Quaisquer resoluções e censuras contrárias e determinadas pela ONU contra as ações de guerra de Israel eram e são desrespeitadas, com o apoio sistemático e irrestrito dos EUA, o país mais poderoso do mundo e dono de um arsenal militar sem precedentes na história da humanidade. Além disso, os estadunidenses são um dos cinco membros do Conselho de Segurança da ONU, criado no longínquo ano de 1945 e transformado em fórum de debates e, principalmente, de embates da Guerra Fria.

Esta semana, dezenas de países votaram contra Israel e o censuraram por ter cometido assassinatos em massa de civis desarmados e indefesos na Palestina, sendo que a maioria dos mortos era composta por crianças, mulheres e idosos. Os EUA mais uma vez, apesar da carnificina de caráter hitleriano, votaram a favor de Israel, ao tempo em que enviava às pressas o secretário de Estado, John Kerry, para mediar um acordo de paz entre Israel e o movimento islamita Hamas.

Seria trágico se não fosse dantesco. É isto mesmo. Porque a comunidade internacional e os dirigentes norte-americanos sabem que o premier de Israel, Benjamin Netanyahu, somente vai mandar parar de matar — ao que já é considerada limpeza étnica — quando o seu governo sionista conseguir realmente deixar totalmente de joelhos seus inimigos.

Esse fator importante se torna uma grave imprudência estratégica de guerra cometida pelos sionistas, além de ser a destruição moral daqueles que, mesmo sendo inimigos e derrotados belicamente, precisam de um desafogo e de uma saída para respirar, e, por conseguinte, negociar, mesmo contra sua vontade.

E por quê? Porque sabedores que também os ativistas radicais do Hamas vão ter de parar de lançar foguetes pelo menos momentaneamente, para que o extermínio de inocentes não continue. O Hamas tem grande quinhão de culpa, mas a reação de Israel é por de mais desproporcional e as mortes de pessoas indefesas vão constar para sempre em suas escrituras.

Criminosos de guerra como o senhor Benjamin Netanyahu podem não ser derrotados e nem punidos, no decorrer de toda uma vida. Porém, o nome de Bibi (seu apelido) já consta como um dos monstros da humanidade. A matança desenfreada, a ausência de qualquer dignidade, honra e consciência sobre os atos e as ações do governo e das forças militares israelenses contra os civis palestinos enclausurados em pequeno território cercado de muros e de guardas armados fazem a humanidade retornar à barbárie do mundo antigo ou aos tempos das cavernas.

Os assassinatos sistemáticos na Faixa de Gaza não permitem arbítrio, porque impedem que os palestinos acossados pelos bombardeiros tenham para onde correr e, por sua vez, escaparem da morte. Os ataques são de uma covardia ímpar e de uma desumanidade inominável, inenarrável e incomensurável, que marca fundo a condição humana e a consciência coletiva para sempre.

Israel e qualquer país deste planeta eternamente em conflito tem o direito de se defender. Ponto! Isto posto e dirimidas as dúvidas, nenhum ser humano ou governo tem o direito de massacrar populações indefesas, pobres e desarmadas, a exemplo dos civis da Palestina.

O grande irmão de Israel, os Estados Unidos, são tão ou mais responsáveis do que os sionistas do Oriente Médio. Os expansionistas e territorialistas que não medem conseqüências para terem seus interesses concretizados, a despeito da dor que causam e da morte contínua da esperança. Netanyahu está no limbo da história. É isso aí.


14 comentários:

Helena Marques disse...

Texto simplesmente maravilhoso. Nada a acrescentar.

Helena Marques disse...

Texto simplesmente maravilhoso.

Jorge Marcelo disse...

Ué, Davis, pensei que você fosse dizer que a culpa do bombardeio israelense é da "imprensa de mercado"

Patricinha disse...

Ainda bem que tem gente como você que sabe o que é dor. O resto é lixo humano.

Jorge Marcelo disse...

Davis, você é uma espécie de Mick Jagger do jornalismo, isto é, tudo o que você prevê acontece ao contrário. Falou que a volta do Dunga à seleção era uma afronta à Globo, e o cara deu a primeira entrevista exclusiva como novo treinador do Brasil advinha para quem? Só rindo pra não chorar

Hilda Mascarenhas disse...

A diferença entre o Jorge Marcelo (um ser com cérebro menor do que a de um mico) e o Davis Sena Filho é que o primeiro não é lido por ninguém, e o segundo é lido por milhares de pessoas em inúmeros sites, blogs, faces e redes sociais em geral. Jorge Marcelo, o descerebrado reacionário e coxinha, lê o articulista, mas o articulista não sabe quem é o pretensioso energúmeno e certamente nunca leu nada que tal ser andrajoso escreve ou escreveu. O primeiro é invejoso, medíocre e mesquinho. Já o segundo é intelectualizado, solidário e generoso. Simples assim.
PS: Davis, este texto sobre Israel é magnífico, pois ponderado e livre de paixões. Seu artigo está bombando nas redes sociais. Só para o seu conhecimento. Um grande abraço e parabéns!

Marcos Lúcio disse...

Prezado Davis...como sempre, você dá o recado com brilhantismo. Nada a acrescentar e quem possui um mínimo de dignidade e alteridade, há de concordar com seus sensatos argumentos muito bem fundamentados. À guia de contribuição, retire a palavra excedente em "impedem que os palestinos acossados pelos bombardeiros ( não??? ) tenham para onde correr". É impressionante como estes atuais judeus estão fazendo da sofrida Faixa de Gaza, guardadas as devidas proporções e contextos históricos, algo quase similar aos campos de concentração hitleristas onde milhões de seus antepassados foram imperdoável e cruelmente sacrificados pela insânia daqueles diabólicos nazistas.

Marcos Lúcio disse...

À guisa de contribuição (desculpe).

Anônimo disse...

Quanta escrotidão deste jorginho marcelinho!!! Uma pulga é mais digna e útil. Não adianta mandar caçar sua turma -você finge que está de endereço errado, mas, na verdade, concorda com tudo que o Davis argumenta- pois nenhuma quadrilha ou ganque vai aceitá-lo por conta da sua estupidez. Você é invejosamente, uma espécie de encosto, de Salieri para a genialidade do Davis.

Davis Sena Filho disse...

Prezado Marcos Lúcio, obrigado.

Anônimo disse...

Parece Tom Zé, pois nada a acrescentar, exceto contribuir com uma exclusão.
À guisa da casa.
JM, o caro Davis ( caro nos dois sentidos) não só foi artilheiro nato, como cantava igual o Mick Jagger na federal, né Marcelo?
babalu

Anônimo disse...

Mauro Pires de Amorim.

Concordo plenamente com você.
Acrescento a seguinte questão. Qual o sentimento, postura psicológica que palestinos e palestinas sobreviventes a essa incursão israelense terão, após terem pessoas próximas e queridas mortas e mutiladas, suas casas, sustento, infraestrutura mínima de vida destruídas? Será que é tão difícil prever?
Pois bem, dessa forma, Israel já está criando clima e ambiente de desgraça nos dias atuais, para no futuro estar agindo e fazendo a mesma coisa, pois até aqueles palestinos que não eram engajados com o Hamas, por passarem esse tipo de privações, acabarão se engajando após atos e consequências em suas vidas dessa incursão israelense.
Dessa forma, a besta da guerra, da fome, da doença, da dor, do ódio, da destruição e desgraça, sorri em agradecimento, pois está sendo saciada no momento e tendo preparada no futuro sua próxima refeição, perpetuando-se esse ciclo infinito enquanto o tempo se sucede cronologicamente e novas gerações vão assumindo os papeis das atuais.
De que adianta gabar-se de ter cerca de 7.000 anos de história registrada em milhões de textos, se o melhor legado que o estudo da história nos permite é aprender com os erros do passado para não estar os cometendo no tempo presente, nem futuro e a partir daí vislumbrar-se uma saída equilibrada buscando a evolução? A capacidade mais maravilhosa e terrível do ser humano está em sua cabeça, maturidade e discernimento, mas para isso é preciso se exercitar o cérebro, caso contrário, ele estagna, para no tempo.
No caso dessa situação entre Israel e palestinos, conforme você mesmo menciona, os conflitos, derramamento de sangue e permeio de desgraças repetem-se e alimentam o ciclo, portanto é preciso se quebrar esse ciclo, buscar outra saída.
Mas para certo tipo de pessoas, raciocinar e inovar não é seu forte nem sua vocação, uma vez que terão também que discordar de seus pares favoráveis a soluções e consequências vigentes, criar e apresentar a nova alternativa.
Nessa hora, muitos se acovardam e acomodam, repetindo, copiam o modelo anterior vigente e partem para o velho discurso vicioso de seus antepassados, que igualmente na época deles, também não tiveram a capacidade e coragem de discernimento inovador para romper com o ciclo do erro. Afinal, é mais fácil se fantasiar, vestir maquiar e agir feito marionete no meio da multidão de marionetes babaquaras e anões de quintal da política, se negando a capacidade de discernimento, do que se assumir um ser humano digno e pleno, que deseja aos seus próximos a dignidade e plenitude mínima da existência em condições saudáveis.
A maior e mais sólida segurança que Israel terá repousa na boa relação que este desenvolver com seus vizinhos.
Não estou apregoando que Israel abra mão de suas forças armadas, apenas estou dizendo que usar ataques avassaladores e violentos contra populações civis é fácil de se gabar. As mais tiranas criaturas da história a fizeram, mas enfrentar uma foça tão bem armada e preparada quanto a deles, muda o tom.
É isso que Israel pretende provocar?
Felicidades e boas energias.

cassiano ricardo disse...

Esse babacu é um completo imbecil. Pessoa desimportante e um tucanslha da pior qualidade.

Emanoel Messias disse...

O sujeitinho não tem nada para dizer, menospreza o excelente texto! Além de vazio, um imbecil marca maior! Há muitos na praça!